STF e o pal­co de 2022

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - E-MAIL: JOAODOMING­[email protected] TWIT­TER: @JOAODOMING­OS14 JOÃO DOMINGOS É JOR­NA­LIS­TA E ES­CRE­VE AOS SÁ­BA­DOS

Com de­ci­são his­tó­ri­ca do Su­pre­mo, Lu­la, Mo­ro e Bol­so­na­ro ten­dem a ga­nhar ain­da mais es­pa­ço.

Ade­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de proi­bir a pri­são após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia tem tu­do pa­ra se tor­nar um mar­co na His­tó­ria do País. Por al­guns mo­ti­vos em es­pe­ci­al. Um, por­que foi – e con­ti­nu­a­rá sen­do – um tes­te pa­ra se me­dir a for­ça das ins­ti­tui­ções pi­la­res da sus­ten­ta­ção do Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to. Mes­mo sob for­te pres­são pa­ra que man­ti­ves­se a ju­ris­pru­dên­cia de 2016, a fa­vor da pri­são, a Cor­te não se in­ti­mi­dou. A ses­são foi trans­mi­ti­da ao vi­vo pe­la TV e quem quis pô­de ver em de­ta­lhes co­mo se com­por­tou ca­da mi­nis­tro. Gos­te-se ou não do re­sul­ta­do, ele es­tá aí.

O mo­ti­vo nú­me­ro 2 que fa­rá com que o jul­ga­men­to en­tre pa­ra a His­tó­ria exis­te por­que, em­bo­ra se tra­te de uma ques­tão téc­ni­ca – se um ar­ti­go do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal é com­pa­tí­vel com a Cons­ti­tui­ção –, o re­sul­ta­do prin­ci­pal foi po­lí­ti­co. Da­qui pa­ra a fren­te co­me­ça a ser mon­ta­do o pal­co da elei­ção pre­si­den­ci­al de 2022. Ago­ra, com to­dos os per­so­na­gens que, de al­gu­ma for­ma, mo­vi­men­ta­rão as for­ças po­lí­ti­cas do País, ou na fren­te de al­gu­ma cha­pa, ou nos bas­ti­do­res.

O ex-pre­si­den­te Lu­la, mo­ti­vo de to­da a ba­ru­lhei­ra em tor­no do jul­ga­men­to, pas­sa a ter li­ber­da­de de lo­co­mo­ção pa­ra con­ti­nu­ar a fa­zer aqui­lo que sem­pre fez, e que não dei­xou de fa­zer nem na ca­deia, que é po­lí­ti­ca. Se se­rá can­di­da­to ou não, is­so é ou­tra coi­sa. Lu­la es­tá en­qua­dra­do na Lei da Fi­cha Lim­pa e, ca­so o STF não anu­le sua sen­ten­ça, o que, se não é im­pos­sí­vel, é mui­to di­fí­cil, não po­de­rá se can­di­da­tar. Mas po­de­rá per­cor­rer o País pa­ra fa­zer cam­pa­nha por um can­di­da­to do PT. Quer di­zer que ven­ce­rá a elei­ção, co­mo ven­ceu com Dil­ma? Ne­ces­sa­ri­a­men­te, não. Ho­je a si­tu­a­ção é mui­to di­fe­ren­te da de 2010. A re­jei­ção ao PT é mai­or. Nin­guém de­ve se es­que­cer que o pro­ces­so de cor­rup­ção que ar­rui­nou o par­ti­do é re­cen­te, es­tá na me­mó­ria do elei­tor e fez nas­cer no­vas for­ças po­lí­ti­cas no

País, uma de­las no po­der com Jair Bol­so­na­ro. Mas o pe­so de Lu­la é gran­de.

Ou­tro per­so­na­gem que po­de ser res­ga­ta­do, em­bo­ra no mo­men­to se en­con­tre um pou­co apa­ga­do, é o mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Sér­gio Mo­ro. É pos­sí­vel que a de­ci­são do STF re­a­cen­da a lem­bran­ça de que foi Mo­ro que con­de­nou Lu­la no pro­ces­so do tri­plex do Gu­a­ru­já. Não só Lu­la, mas de­ze­nas de em­pre­sá­ri­os até en­tão in­to­cá­veis, di­ri­gen­tes de par­ti­dos, par­la­men­ta­res e bu­ro­cra­tas de es­ta­tais. Não se de­ve es­que­cer ain­da que foi Mo­ro o mai­or res­pon­sá­vel pe­lo im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff. Ele di­vul­gou o gram­po de uma con­ver­sa en­tre Dil­ma e Lu­la, na qual a en­tão pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca man­da­va a seu men­tor o ter­mo de pos­se na Casa Ci­vil, o sal­vo-con­du­to pa­ra que não fos­se pre­so. Tal gram­po le­vou o mi­nis­tro Gil­mar Men­des a proi­bir a pos­se de Lu­la. Sem car­go no go­ver­no, Lu­la não pô­de fa­zer ne­nhu­ma ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca pa­ra sal­var Dil­ma, que lo­go te­ria o man­da­to cas­sa­do.

A res­pei­to de Mo­ro, Jair Bol­so­na­ro apro­vei­tou on­tem ce­rimô­nia de for­ma­tu­ra de po­li­ci­ais fe­de­rais pa­ra di­zer que se não fos­se o ex-juiz de Cu­ri­ti­ba ele não es­ta­ria ali co­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. “Par­te do que acon­te­ce na po­lí­ti­ca do Brasil de­ve­mos a Sér­gio Mo­ro”, afir­mou. Na­da mais ver­da­dei­ro. Pa­ra, em se­gui­da, di­zer es­sa fra­se enig­má­ti­ca, que po­de ser in­ter­pre­ta­da de vá­ri­as ma­nei­ras: “Ele (Mo­ro) es­ta­va cum­prin­do uma mis­são. Se a mis­são não fos­se bem cum­pri­da eu tam­bém não es­ta­ria aqui”. Bol­so­na­ro é ou­tro per­so­na­gem po­lí­ti­co que ten­de a se man­ter em evi­dên­cia por cau­sa da de­ci­são do STF. Ain­da en­ca­ra­do co­mo o “an­ti-PT” e o “an­ti-Lu­la”, ele vai aguar­dar a for­ma co­mo se com­por­ta­rá o ex-pre­si­den­te. Se Lu­la ra­di­ca­li­zar o dis­cur­so, fi­ca­rá à von­ta­de pa­ra tam­bém ra­di­ca­li­zar o seu e ten­tar ti­rar o mes­mo pro­vei­to do an­ta­go­nis­mo com os pe­tis­tas que ti­rou na elei­ção de 2018.

Lu­la, Sér­gio Mo­ro e Bol­so­na­ro ten­dem a ga­nhar mai­or es­pa­ço

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.