EX­TRE­MA DI­REI­TA GA­NHA ES­PA­ÇO NO LES­TE EU­RO­PEU

Em ve­lhas na­ções co­mu­nis­tas, co­mo Hun­gria e Polô­nia, além do la­do ori­en­tal da Ale­ma­nha, par­ti­dos na­ci­o­na­lis­tas cap­tam frus­tra­ção da po­pu­la­ção com pros­pe­ri­da­de econô­mi­ca que nun­ca veio e usam dis­cur­so con­tra eli­te pa­ra ga­nhar es­pa­ço po­lí­ti­co

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ana Ca­ro­li­na Sa­co­man

En­tre os ha­bi­tan­tes de paí­ses da an­ti­ga Cor­ti­na de Fer­ro, co­mo Hun­gria e Polô­nia, há um sen­ti­men­to de que as eli­tes e os po­lí­ti­cos ga­nha­ram mais do que o ci­da­dão co­mum 30 anos após a que­da do mu­ro de Ber­lim. Tam­bém na par­te ori­en­tal da Ale­ma­nha, par­ti­dos na­ci­o­na­lis­tas dis­cur­sam con­tra as eli­tes pa­ra avan­çar.

O cal­dei­rão do na­ci­o­nal-po­pu­lis­mo foi len­ta­men­te co­zi­do no fo­go bai­xo da in­sa­tis­fa­ção e da frus­tra­ção no Les­te Eu­ro­peu nos 30 anos após a que­da do Mu­ro de Ber­lim. Par­ti­dos frá­geis, a per­cep­ção de que a pros­pe­ri­da­de é ain­da uma som­bra do pro­me­ti­do e a re­vo­lu­ção di­gi­tal, que abriu as por­tas pa­ra as trans­for­ma­ções no mer­ca­do de tra­ba­lho, im­pul­si­o­na­ram o dis­cur­so de com­ba­te às eli­tes do par­ti­do hún­ga­ro Fi­desz, de Vik­tor Or­bán, e do po­lo­nês Lei e Jus­ti­ça, de Ja­ros­law Kaczyns­ki.

“As pes­so­as acei­ta­ram de má von­ta­de a de­si­gual­da­de, mas es­pe­ra­vam que is­so fos­se com­pen­sa­do pe­la igual­da­de de opor­tu­ni­da­des (após a que­da)”, diz Kons­tanty Ge­bert, colunista da Ga­ze­ta Wy­borc­za, na Polô­nia, ex-ati­vis­ta an­ti­co­mu­nis­ta. “Quan­do vi­ram que não acon­te­ceu, is­so le­vou à sen­sa­ção de que a re­vo­lu­ção ha­via si­do traí­da e a uma re­a­ção con­tra as eli­tes de­mo­crá­ti­cas.”

Pes­qui­sa di­vul­ga­da no mês pas­sa­do pe­lo Pew Re­se­ar­ch Cen­ter re­for­ça a te­se. Se­gun­do o es­tu­do, há en­tre os ha­bi­tan­tes dos paí­ses da an­ti­ga Cor­ti­na de Fer­ro um sen­ti­men­to ge­ne­ra­li­za­do de que as eli­tes e os po­lí­ti­cos ga­nha­ram mais do que o ci­da­dão co­mum – 71% dos hún­ga­ros, por exem­plo, cre­em que os po­lí­ti­cos não se im­por­tam com o que a po­pu­la­ção pen­sa.

A si­tu­a­ção não é di­fe­ren­te en­tre os ale­mães que vi­vi­am sob o re­gi­me co­mu­nis­ta. Uma vi­são me­nos fa­vo­rá­vel da União Eu­ro­peia e o des­con­ten­ta­men­to com a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de po­lí­ti­ca dão com­bus­tí­vel pa­ra ini­ci­a­ti­vas co­mo a do Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha (AfD), par­ti­do de ex­tre­ma di­rei­ta que ob­te­ve, em se­tem­bro, 27,8% dos vo­tos nas elei­ções na Saxô­nia e 23,5% em Bran­dem­bur­go, am­bos Es­ta­dos que per­ten­ce­ram à Ale­ma­nha Ori­en­tal (RDA).

Aná­li­se do Barô­me­tro do Po­pu­lis­mo, de 2018, mos­tra que qua­se um ter­ço dos elei­to­res da ex-RDA (30,4%) apre­sen­ta­vam “ten­dên­ci­as po­pu­lis­tas”. “Na Ale­ma­nha, a vol­ta de par­ti­dos de ex­tre­ma di­rei­ta as­sus­ta mais pe­la lem­bran­ça do na­zis­mo, que em ge­ral é re­la­ci­o­na­do a tais mo­vi­men­tos”, afir­ma o pro­fes­sor de re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais da ESPM, De­me­trius Pe­rei­ra.

Eco­no­mia. Ain­da que o avan­ço do na­ci­o­nal-po­pu­lis­mo te­nha co­me­ça­do pou­cos anos após a que­da do Mu­ro, as cri­ses econô­mi­ca de 2008 e a mi­gra­tó­ria, a par­tir de 2015, aju­da­ram a de­to­nar a re­jei­ção aos par­ti­dos tra­di­ci­o­nais e à in­te­gra­ção eu­ro­peia. “A cri­se fi­nan­cei­ra de 2008 con­fir­mou o sen­ti­men­to ge­ne­ra­li­za­do pa­ra par­ce­la da po­pu­la­ção de que os ‘sá­bi­os’, na me­lhor das hi­pó­te­ses, não sa­bem o que es­tão fa­zen­do e o Oci­den­te men­te de­li­be­ra­da­men­te pa­ra man­ter seus in­te­res­ses”, diz Ge­bert. Pa­ra Jo­erg For­brig, di­re­tor pa­ra o Les­te Eu­ro­peu e Eu­ro­pa Cen­tral do Ger­man

Marshall Fund, o ba­que econô­mi­co de dez anos atrás re­sul­tou em uma “re­a­ção con­tra a glo­ba­li­za­ção e a in­te­gra­ção da zo­na do eu­ro”.

A cri­se dos re­fu­gi­a­dos acres­cen­tou mais ele­men­tos à lis­ta de pro­ble­mas. “Ten­sões de lon­ga da­ta vi­e­ram à to­na en­tre a ideia de so­ci­e­da­des aber­tas e di­ver­sas, por um la­do, e a ideia tra­di­ci­o­nal de co­mu­ni­da­des cul­tu­rais ho­mo­gê­ne­as, por ou­tro”, diz o es­pe­ci­a­lis­ta ale­mão. “Os go­ver­nos de Hun­gria e Polô­nia e mui­tas pes­so­as na Ale­ma­nha Ori­en­tal tam­bém re­jei­ta­ram as de­ci­sões da UE de ad­mi­tir re­fu­gi­a­dos de re­giões de­vas­ta­das pe­la gu­er­ra. Co­mo re­sul­ta­do, a re­jei­ção à mi­gra­ção e à in­te­gra­ção na UE ga­nhou mais for­ça.”

No ano pas­sa­do, o Pew Re­se­ar­ch Cen­ter mos­trou que, en­quan­to a Eu­ro­pa co­mo um to­do apoia a en­tra­da de imi­gran­tes, mas ques­ti­o­na co­mo Bru­xe­las tra­ta do as­sun­to, paí­ses co­mo Hun­gria e Polô­nia têm os me­no­res ín­di­ces de dis­po­si­ção em aco­lher re­fu­gi­a­dos: 32% e 49%, res­pec­ti­va­men­te.

“As cri­ses fi­nan­cei­ra e imi­gra­tó­ria re­for­ça­ram nes­ses paí­ses a sen­sa­ção de que os novos re­gi­mes não con­se­gui­ram en­tre­gar os bens pú­bli­cos pro­me­ti­dos co­mo con­tra­par­ti­da do no­vo con­tra­to so­ci­al es­ta­be­le­ci­do após 1989”, afir­ma Pau­la Ve­do­ve­li, pro­fes­so­ra de re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas (FGV).

Es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo Es­ta­do são unâ­ni­mes em apon­tar uma hi­po­té­ti­ca pa­ra­li­sia po­lí­ti­ca co­mo um dos ris­cos do avan­ço do na­ci­o­nal-po­pu­lis­mo na UE, ain­da que, por ora, os ten­tá­cu­los es­te­jam res­tri­tos a Es­ta­dos pe­que­nos e de in­fluên­cia li­mi­ta­da.

“O mo­vi­men­to se­ria mui­to mais ame­a­ça­dor se um go­ver­no co­mo o da Itá­lia ou da Fran­ça re­sol­ves­se de­sa­fi­ar as re­gras econô­mi­cas do blo­co”, afir­ma Ro­ger Eatwell, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de Bath, no Rei­no Uni­do, e au­tor do li­vro Na­ti­o­nal Po­pu­lism: The Re­volt Against Li­be­ral De­mo­cracy, que de­ve ser lan­ça­do no Brasil em 2020.

E co­mo se­rá o fu­tu­ro? Pa­ra ana­lis­tas, o re­sul­ta­do das elei­ções lo­cais na Hun­gria, com a der­ro­ta do par­ti­do de Or­bán em Bu­da­pes­te e em 11 das 23 prin­ci­pais ci­da­des, po­de dar dicas. “Há si­nais de que a ‘on­da’ po­pu­lis­ta que var­reu a Eu­ro­pa nos úl­ti­mos anos não cres­ce­rá de ma­nei­ra li­ne­ar”, diz Jo­erg For­brig.

Kons­tanty Ge­bert, po­rém, aler­ta que os po­pu­lis­tas não per­de­rão po­der en­quan­to os de­mo­cra­tas não con­ven­ce­rem seus elei­to­res de que eles são con­fiá­veis. “Is­so sig­ni­fi­ca abor­dar as ra­zões que le­va­ram à per­da de con­fi­an­ça, in­cluin­do er­ros co­me­ti­dos na eco­no­mia e a re­jei­ção às iden­ti­da­des de gru­po.”

FABRIZIO BENSCH/REU­TERS–9/11/1989

Mo­men­to his­tó­ri­co. Ci­da­dãos das Ale­ma­nhas Oci­den­tal e Ori­en­tal fes­te­jam di­an­te do Por­tão de Bran­den­bur­go a aber­tu­ra do Mu­ro de Ber­lim

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.