O mun­do não aca­bou

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Con­cor­de-se ou não com a de­ci­são do Su­pre­mo, é ho­ra de se­re­ni­da­de. O aper­fei­ço­a­men­to do sis­te­ma de Jus­ti­ça não se dá com afron­tas, ar­rou­bos ou es­tri­dên­ci­as.

Di­an­te de um jul­ga­men­to que des­per­tou, co­mo pou­cas ve­zes, tan­tas pai­xões, é opor­tu­no en­ten­der o que de fa­to foi ana­li­sa­do pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) nas Ações De­cla­ra­tó­ri­as de Cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de (ADCs) 43, 44 e 54, a res­pei­to do iní­cio do cum­pri­men­to da pe­na. Con­cor­de-se ou não com a de­ci­são do Su­pre­mo, é ho­ra de se­re­ni­da­de, evi­tan­do con­ta­mi­nar a dis­cus­são com ques­tões po­lí­ti­cas ou ide­o­ló­gi­cas. O aper­fei­ço­a­men­to do sis­te­ma de Jus­ti­ça não se dá com afron­tas, ar­rou­bos ou es­tri­dên­ci­as.

Em pri­mei­ro lu­gar, de­ve-se res­sal­tar a fal­ta de fun­ci­o­na­li­da­de de um sis­te­ma pe­nal que es­pe­ra o es­go­ta­men­to de to­dos os re­cur­sos pa­ra que se pos­sa ini­ci­ar o cum­pri­men­to da pe­na. Não é as­sim que fun­ci­o­na nos paí­ses ci­vi­li­za­dos. Aguar­dar o trân­si­to em jul­ga­do é co­lo­car o tra­ba­lho da pri­mei­ra e da se­gun­da ins­tân­ci­as sob uma né­voa de dú­vi­da, o que tem mui­tos efei­tos da­ni­nhos. Além de so­bre­car­re­gar as ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res, es­sa con­di­ção trans­mi­te a men­sa­gem de que as ins­tân­ci­as in­fe­ri­o­res não pre­ci­sam fa­zer um tra­ba­lho im­pe­cá­vel. Su­as de­ci­sões não ge­ram efei­tos, es­tan­do sem­pre con­di­ci­o­na­das a uma cor­te su­pe­ri­or de re­vi­são. Um bom sis­te­ma de Jus­ti­ça atua de for­ma opos­ta, for­ta­le­cen­do a res­pon­sa­bi­li­da­de de ca­da ins­tân­cia.

Ao lon­go do jul­ga­men­to das ADCs 43, 44 e 54, mui­to se fa­lou na pre­sun­ção de ino­cên­cia, o que po­de­ria le­var a um en­ga­no sig­ni­fi­ca­ti­vo. O ob­je­ti­vo das três ações não era ga­ran­tir a ex­ten­são des­se prin­cí­pio, mas tão so­men­te es­cla­re­cer a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de do art. 283 do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal (CPP). “Nin­guém po­de­rá ser pre­so se­não em fla­gran­te de­li­to ou por or­dem es­cri­ta e fun­da­men­ta­da da au­to­ri­da­de ju­di­ciá­ria com­pe­ten­te, em de­cor­rên­cia de sen­ten­ça con­de­na­tó­ria tran­si­ta­da em jul­ga­do ou, no cur­so da in­ves­ti­ga­ção ou do pro­ces­so, em vir­tu­de de pri­são tem­po­rá­ria ou pri­são pre­ven­ti­va”, diz o ar­ti­go 283 do CPP.

É a pró­pria lei que con­di­ci­o­na a pe­na de pri­são à “sen­ten­ça con­de­na­tó­ria tran­si­ta­da em jul­ga­do”. Des­sa for­ma, por mais equi­vo­ca­do que se­ja o sis­te­ma que im­pe­de o iní­cio da exe­cu­ção após a de­ci­são de se­gun­da ins­tân­cia, é de re­co­nhe­cer que o pro­ble­ma tem sua ori­gem na lei, e não na de­ci­são do STF. A cor­re­ção da dis­tor­ção de­ve vir do Le­gis­la­ti­vo, fa­zen­do as emen­das na Cons­ti­tui­ção e no Di­rei­to Pro­ces­su­al Pe­nal. E o mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li abriu ca­mi­nho pa­ra tal, com seu vo­to.

Ca­be tam­bém no­tar o ir­ra­zoá­vel alar­mis­mo sus­ci­ta­do em re­la­ção aos efei­tos da de­ci­são do STF, co­mo se ela con­ce­des­se ime­di­a­ta li­ber­da­de aos cerca de 5 mil réus que es­tão, até ago­ra, cum­prin­do pe­na an­tes do trân­si­to em jul­ga­do. A le­gis­la­ção pre­vê a pos­si­bi­li­da­de de de­cre­tar pri­são “co­mo ga­ran­tia da or­dem pú­bli­ca, da or­dem econô­mi­ca, por con­ve­ni­ên­cia da ins­tru­ção cri­mi­nal, ou pa­ra as­se­gu­rar a apli­ca­ção da lei pe­nal” (art. 312 do CPP). Des­sa for­ma, an­tes de sol­tar qual­quer pre­so com ba­se na re­cen­te de­ci­são do STF, de­ve o Ju­di­ciá­rio ana­li­sar com aten­ção se há mo­ti­vo le­gal pa­ra de­cre­tar sua pri­são pre­ven­ti­va.

Tam­bém não há sen­ti­do em fa­lar que a de­ci­são do Su­pre­mo re­pre­sen­ta um gol­pe de mor­te na Ope­ra­ção La­va Ja­to. O jul­ga­men­to das ADCs 43, 44 e 54 re­fe­re-se à exe­cu­ção da pe­na, as­sun­to ab­so­lu­ta­men­te es­tra­nho à La­va Ja­to. Não é pa­pel de uma ope­ra­ção de in­ves­ti­ga­ção ad­mi­nis­trar pe­na e, me­nos ain­da, in­ter­fe­rir na de­fi­ni­ção das re­gras e pro­ce­di­men­tos apli­cá­veis ao cum­pri­men­to des­sa pe­na, o que se­ria sin­to­ma de gra­ve con­fu­são de com­pe­tên­ci­as.

Hou­ve tam­bém ten­ta­ti­vas de con­ta­mi­nar a dis­cus­são ju­rí­di­ca com ques­tões po­lí­ti­cas. Pa­ra al­guns, a mu­dan­ça de ju­ris­pru­dên­cia se­ria uma ma­no­bra pa­ra sol­tar o ex-pre­si­den­te Lu­la, o que, den­tro des­sa vi­são, re­pre­sen­ta­ria o re­tor­no aos “tem­pos de im­pu­ni­da­de”. Pa­ra ou­tros, nu­ma ló­gi­ca igual­men­te alheia aos fa­tos, a no­va ori­en­ta­ção do STF se­ria uma ab­sol­vi­ção do lí­der pe­tis­ta. No jul­ga­men­to, os mi­nis­tros do STF não ana­li­sa­ram ne­nhum dos vá­ri­os pro­ces­sos nos quais o ex­pre­si­den­te fi­gu­ra co­mo réu. E o réu Lu­la, se não pe­lo que foi de­ci­di­do na noi­te de quin­ta-fei­ra, se­ria sol­to em de­cor­rên­cia da pro­gres­são da pe­na.

É ho­ra de bai­xar a po­ei­ra. Exer­cen­do a sua com­pe­tên­cia ins­ti­tu­ci­o­nal, tal co­mo pre­vis­ta pe­la Cons­ti­tui­ção, o STF ana­li­sou a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de de um ar­ti­go do CPP, de­cla­ran­do-o cons­ti­tu­ci­o­nal. Se o que a lei dis­põe traz da­nos ao sis­te­ma de Jus­ti­ça, o ca­mi­nho ins­ti­tu­ci­o­nal pa­ra sua cor­re­ção é o re­cur­so à Casa da re­pre­sen­ta­ção do po­vo. Nu­ma Re­pú­bli­ca, es­se é o úni­co ca­mi­nho le­gí­ti­mo e sa­dio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.