O PT e a po­bre­za ex­tre­ma

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

O úl­ti­mo go­ver­no lu­lo­pe­tis­ta dei­xou le­ga­do de pro­fun­da cri­se econô­mi­ca e de­gra­da­ção de in­di­ca­do­res so­ci­ais.

Os 4,5 mi­lhões de bra­si­lei­ros in­cor­po­ra­dos à po­pu­la­ção que vi­ve em si­tu­a­ção de ex­tre­ma po­bre­za en­tre 2014 e 2018 com­põem o re­sul­ta­do so­ci­al mais dra­má­ti­co do de­sas­tre po­lí­ti­co, econô­mi­co e ad­mi­nis­tra­ti­vo que foi o go­ver­no da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, em boa ho­ra afas­ta­da do car­go pe­lo Con­gres­so em agos­to de 2016. O úl­ti­mo go­ver­no lu­lo­pe­tis­ta fez o Brasil pi­o­rar mui­to, pois seu le­ga­do foi uma pro­fun­da cri­se econô­mi­ca, que vai sen­do su­pe­ra­da len­ta­men­te, e a de­gra­da­ção de al­guns dos prin­ci­pais in­di­ca­do­res so­ci­ais, so­bre­tu­do os que se re­fe­rem a em­pre­go e ren­da. En­tre 2014 – úl­ti­mo ano do pri­mei­ro man­da­to de Dil­ma, quan­do co­me­ça a cri­se – e 2018, o nú­me­ro de bra­si­lei­ros vi­ven­do abai­xo da li­nha da po­bre­za pas­sou de 45,817 mi­lhões pa­ra 52,523 mi­lhões. Os nú­me­ros mos­tram tam­bém a fa­lá­cia das cha­ma­das po­lí­ti­cas so­ci­ais dos go­ver­nos pe­tis­tas, anun­ci­a­das co­mo res­pon­sá­veis pe­lo fim da po­bre­za no País, mas cu­jos efei­tos, quan­do de­tec­ta­dos, se mos­tra­ram efê­me­ros, pois sem­pre fal­tou ba­se de sus­ten­ta­ção a es­sas po­lí­ti­cas, a co­me­çar pe­la pre­pa­ra­ção ade­qua­da dos be­ne­fi­ci­a­dos pa­ra seu de­sen­vol­vi­men­to pes­so­al.

A Sín­te­se de In­di­ca­do­res So­ci­ais – Uma Aná­li­se das Con­di­ções de Vi­da da Po­pu­la­ção Bra­si­lei­ra 2019 do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE) é um re­tra­to pre­ci­so das con­di­ções em que vi­vem os bra­si­lei­ros. Sua sé­rie his­tó­ri­ca, a par­tir de 2012, é tam­bém um ates­ta­do da ir­res­pon­sa­bi­li­da­de com que os go­ver­nos do PT ma­ni­pu­la­ram os prin­ci­pais in­di­ca­do­res so­ci­ais. Hou­ve, de fa­to, al­gu­ma me­lho­ra nes­ses in­di­ca­do­res nos pri­mei­ros anos do pri­mei­ro man­da­to de Dil­ma, co­mo a re­du­ção por­cen­tu­al e em nú­me­ros ab­so­lu­tos da po­pu­la­ção ex­tre­ma­men­te po­bre e dos bra­si­lei­ros que vi­vem abai­xo da li­nha de po­bre­za. Mas o re­sul­ta­do fi­nal é as­sus­ta­dor.

A pes­qui­sa do IBGE uti­li­za o cri­té­rio do Ban­co Mun­di­al pa­ra a clas­si­fi­ca­ção de po­bre­za ex­tre­ma, que são as pes­so­as com ren­di­men­to in­fe­ri­or a US$ 1,90 por dia, o que cor­res­pon­dia, no ano pas­sa­do, a R$ 145,00 men­sais. O nú­me­ro de pes­so­as vi­ven­do na si­tu­a­ção de po­bre­za ex­tre­ma, de 13,537 mi­lhões no ano pas­sa­do, é o mai­or de to­da a sé­rie do IBGE. Es­se nú­me­ro su­pe­ra a po­pu­la­ção da Bo­lí­via. A pe­que­na me­lho­ra que se ob­ser­va há al­gum tem­po no mer­ca­do de tra­ba­lho não es­tá al­can­çan­do es­sa po­pu­la­ção. “A ex­tre­ma po­bre­za cres­ce”, ob­ser­vou o ge­ren­te da Co­or­de­na­ção de Po­pu­la­ção e In­di­ca­do­res So­ci­ais do IBGE, An­dré Si­mões.

A pro­por­ção de bra­si­lei­ros abai­xo da li­nha de po­bre­za – com ren­da men­sal de apro­xi­ma­da­men­te R$ 440,00, pou­co mais de 44% do sa­lá­rio mí­ni­mo em vi­gor no ano pas­sa­do – pa­rou de cres­cer em 2018: cor­res­pon­dia a 25,3% da po­pu­la­ção, ín­di­ce um pou­co in­fe­ri­or ao ob­ser­va­do em 2017 (26,0%). Mas ain­da é mui­to alto e pre­o­cu­pan­te, pois cor­res­pon­de a 52,5 mi­lhões de pes­so­as, 6,7 mi­lhões mais do que em 2014.

Ou­tros in­di­ca­do­res tam­bém mos­tram a de­te­ri­o­ra­ção do qua­dro econô­mi­co e so­ci­al do País nos úl­ti­mos anos. En­tre 2015 e 2018, o PIB per ca­pi­ta acu­mu­lou re­du­ção de 7,8% e o con­su­mo das fa­mí­li­as, de 3,8%. En­tre 2012 e 2014, es­ses in­di­ca­do­res ha­vi­am cres­ci­do 2,8% e 9,6% res­pec­ti­va­men­te.

O pi­or pe­río­do pa­ra es­ses in­di­ca­do­res ocor­reu en­tre 2015 e 2016, quan­do os re­cu­os fo­ram tão for­tes que nem a re­cu­pe­ra­ção ob­ser­va­da nos dois anos se­guin­tes foi su­fi­ci­en­te pa­ra com­pen­sá-los. Não por coin­ci­dên­cia, es­ses são os anos em que o País as­sis­tiu ao pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff.

O im­pac­to da cri­se que mar­cou os dois úl­ti­mos anos da ges­tão lu­lo­pe­tis­ta foi in­ten­so so­bre o mer­ca­do de tra­ba­lho. Es­se im­pac­to não es­tá evi­den­te no nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res ocu­pa­dos ou na ta­xa de de­so­cu­pa­ção, mas na qua­li­da­de do tra­ba­lho. Fo­ram eli­mi­na­dos mui­tos em­pre­gos de me­lhor qua­li­da­de, no mer­ca­do for­mal e em boa par­te da in­dús­tria, e au­men­tou o nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res no mer­ca­do in­for­mal. O nú­me­ro re­cor­de de tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos ob­ser­va­do em 2018, 6,24 mi­lhões de pes­so­as, é um re­fle­xo des­sa mu­dan­ça. Ou­tra con­sequên­cia é a in­ter­rup­ção da tra­je­tó­ria as­cen­den­te da ren­da do tra­ba­lha­dor. En­tre 2014 e 2018, ela caiu 2,5%.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.