Seis PMs são afas­ta­dos após mor­tes em Pa­rai­só­po­lis

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Bru­no Ribeiro / CO­LA­BO­RA­RAM PAULA FE­LIX e MAR­CO ANTÔ­NIO CAR­VA­LHO

Seis po­li­ci­ais en­vol­vi­dos na ocor­rên­cia que ter­mi­nou com no­ve pes­so­as mor­tas por pi­so­te­a­men­to em Pa­rai­só­po­lis, na zo­na sul da ca­pi­tal pau­lis­ta, fo­ram afas­ta­dos das ru­as on­tem. Eles es­ta­vam en­tre os pri­mei­ros agen­tes a en­trar no lo­cal e fi­ca­rão em ser­vi­ço ad­mi­nis­tra­ti­vo até o fim das in­ves­ti­ga­ções, que se­rão acom­pa­nha­das por uma pro­mo­to­ra do jú­ri, So­raia Si­mões. On­tem, o go­ver­na­dor João Do­ria (PSDB) de­fen­deu a ação po­li­ci­al con­tra bai­les funk e cul­pou cri­mi­no­sos pe­la per­se­gui­ção, en­quan­to o co­man­dan­te da PM, Mar­ce­lo Sal­les, ad­mi­tiu que se pla­ne­ja­va uma ope­ra­ção que aca­bou abor­ta­da por cau­sa do gran­de nú­me­ro de pes­so­as. O Es­ta­do vol­tou à co­mu­ni­da­de e con­ver­sou com pes­so­as que acom­pa­nha­ram e até gra­va­ram a con­fu­são no do­min­go – al­gu­mas ima­gens in­di­ca­ri­am ações in­jus­ti­fi­ca­das, o que os po­li­ci­ais ne­gam. Par­te das ví­ti­mas era me­nor de ida­de e não mo­ra­va em Pa­rai­só­po­lis.

Po­li­ci­ais in­ves­ti­ga­dos fo­ram os pri­mei­ros ache­ga­ra o lo­cal e fa­rão ser­vi­ço ad­mi­nis­tra­ti­vo até o fim da apuração; co­man­dan­te ad­mi­te que ope­ra­ção pla­ne­ja­da pa­ra o bai­le funk foi sus­pen­sa em ra­zão da mul­ti­dão pre­sen­te. Pro­to­co­lo não se­rá al­te­ra­do, diz go­ver­na­dor

O Co­man­do da Po­lí­cia Mi­li­tar afas­tou do ser­vi­ço ope­ra­ci­o­nal nas ru­as seis po­li­ci­ais en­vol­vi­dos na ocor­rên­cia que ter­mi­nou com no­ve pes­so­as mor­tas por pi­so­te­a­men­to em um bai­le funk em Pa­rai­só­po­lis, na zo­na sul de São Pau­lo. Os agen­tes re­a­li­za­rão ser­vi­ços ad­mi­nis­tra­ti­vos en­quan­to a in­ves­ti­ga­ção con­du­zi­da pe­la Cor­re­ge­do­ria e pe­lo De­par­ta­men­to de Ho­mi­cí­di­os e Pro­te­ção à Pes­soa (DHPP) es­cla­re­ce em quais cir­cuns­tân­ci­as as mor­tes acon­te­ce­ram.

Ro­dri­go Car­do­so da Sil­va, de 31 anos; An­to­nio Mar­cos Cruz da Sil­va, de 45; Vi­ní­cius Jo­sé Naho­ol Li­ma, de 35; Thiago Roger de Li­ma Mar­tins de Oliveira, de 37; Renan Ce­sar An­ge­lo, de 31; e João Pau­lo Vec­chi Al­ves Ba­tis­ta, de 36, ti­ve­ram as ar­mas apre­en­di­das e en­ca­mi­nha­das pa­ra pe­rí­cia. Eles fo­ram os pri­mei­ros agen­tes a en­trar na fa­ve­la. O ad­vo­ga­do Fer­nan­do Ca­pa­no, que as­su­miu a de­fe­sa, in­for­mou que “aguar­da o aces­so aos inqué­ri­tos pa­ra que pos­sa se pro­nun­ci­ar so­bre o as­sun­to”.

O afas­ta­men­to ha­via si­do pe­di­do à Cor­re­ge­do­ria pe­la Ou­vi­do­ria da Po­lí­cia. O ou­vi­dor Benedito

Ma­ri­a­no dis­se que a ocor­rên­cia foi “de­sas­tro­sa”. “A im­pro­vi­sa­ção e a pre­ci­pi­ta­ção po­dem ter con­tri­buí­do, di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te, pa­ra as mor­tes des­sa tra­gé­dia.”

On­tem, o go­ver­na­dor João Do­ria (PSDB) saiu em de­fe­sa da atu­a­ção da PM na ma­dru­ga­da do do­min­go ao di­zer que “a le­ta­li­da­de não foi pro­vo­ca­da pe­la Po­lí­cia Mi­li­tar, e sim por ban­di­dos que in­va­di­ram a área on­de es­ta­va acon­te­cen­do o bai­le funk”. “Não hou­ve ação da po­lí­cia em re­la­ção a in­va­dir a área on­de o bai­le funk es­ta­va ocor­ren­do. Tan­to é fa­to que o bai­le funk con­ti­nu­ou.”

Do­ria dis­se ain­da que os pro­to­co­los es­ta­be­le­ci­dos pa­ra a atu­a­ção da PM no Es­ta­do não so­fre­rão al­te­ra­ções, “o que não nos de­so­bri­ga de re­a­va­li­ar e re­ver pon­tos es­pe­cí­fi­cos de ação, on­de fa­lhas pos­sam ter acon­te­ci­do”. “As ações na co­mu­ni­da­de de Pa­rai­só­po­lis, co­mo em ou­tras co­mu­ni­da­des do Es­ta­do de São Pau­lo, se­ja pe­la de­so­be­di­ên­cia à Lei do Si­lên­cio, se­ja pe­la bus­ca e apre­en­são de dro­gas, de fur­to e rou­bo de au­to­mó­veis e mo­to­ci­cle­tas, ou de ou­tros bens, vão con­ti­nu­ar na ca­pi­tal, na re­gião me­tro­po­li­ta­na e no Es­ta­do de São Pau­lo”, res­sal­tou

o go­ver­na­dor. Ele ain­da cha­mou o ca­so de “in­ci­den­te tris­te” e dis­se trans­mi­tir aos pa­ren­tes dos no­ve jo­vens mor­tos sua “so­li­da­ri­e­da­de”.

O co­man­dan­te-ge­ral da PM, co­ro­nel Mar­ce­lo Sal­les, afir­mou que a Po­lí­cia Mi­li­tar ha­via mon­ta­do uma ope­ra­ção es­pe­ci­al pa­ra coi­bir o bai­le funk. Se­gun­do ele, ha­via oi­to festas di­fe­ren­tes den­tro da fa­ve­la na­que­la noi­te, com 5 mil pes­so­as. En­tre­tan­to, a ope­ra­ção te­ria si­do abor­ta­da, da­do o vo­lu­me de ci­da­dãos aglo­me­ra­dos nas vi­e­las.

“Nós iría­mos ocu­par? Iría­mos. Só que, às 20 ho­ras, foi fei­ta uma aná­li­se de ris­co e não da­va. Já es­ta­va tu­do to­ma­do na­que­la lo­ca­li­za­ção. In­gres­sar ali se­ria um er­ro. (Se­ria um er­ro) dis­per­sar ali. Tan­to que es­se even­to ocor­reu às 4 ho­ras.”

Sal­les afir­mou ain­da que a op­ção foi re­for­çar o po­li­ci­a­men­to no en­tor­no do bai­le, sob o ar­gu­men­to de que cri­mi­no­sos se apro­vei­tam da fes­ta, e da mul­ti­dão. “Há cri­mes ad­ja­cen­tes. Car­ros são rou­ba­dos e le­va­dos pa­ra den­tro do pan­ca­dão.”

For­ça mo­de­ra­da. An­te­on­tem, os seis po­li­ci­ais mi­li­ta­res da For­ça Tá­ti­ca do 16.º Ba­ta­lhão pres­ta­ram de­poi­men­to no 89.º DP (Por­tal do Morumbi). Ao de­le­ga­do, eles re­pe­ti­ram ver­sões si­mi­la­res. Fo­ram aci­o­na­dos pa­ra apoi­ar uma di­li­gên­cia de ave­ri­gua­ção a um veí­cu­lo mo­de­lo Cel­ta de cor pre­ta, mas o car­ro não foi encontrado. Du­ran­te o des­lo­ca­men­to pe­la Ave­ni­da He­be Ca­mar­go, na al­tu­ra do cru­za­men­to com a Rua Ru­dolf Lut­ze, ocu­pan­tes de uma mo­to, ao ve­rem os po­li­ci­ais, efe­tu­a­ram di­ver­sos dis­pa­ros e aden­tra­ram na mul­ti­dão do bai­le funk.

Os dis­pa­ros, con­ta­ram os po­li­ci­ais, ini­ci­a­ram uma con­fu­são ge­ne­ra­li­za­da. “As equi­pes pas­sa­ram a ser hos­ti­li­za­das pe­los fre­quen­ta­do­res do bai­le funk, que ar­re­mes­sa­ram gar­ra­fas, pe­dras e ma­dei­ra na di­re­ção dos po­li­ci­ais”, de­cla­rou um dos agen­tes à po­lí­cia. Eles, en­tão, ten­ta­ram sair do lo­cal, mas se de­pa­ra­ram com du­as vi­a­tu­ras da­ni­fi­ca­das pe­lo tu­mul­to. “De­sem­bar­ca­ram pa­ra pres­tar apoio, no en­tan­to ha­via um gran­de nú­me­ro de pes­so­as des­con­tro­la­das, sen­do ne­ces­sá­rio uso mo­de­ra­do da for­ça, com em­pre­go de cas­se­te­te e mu­ni­ção quí­mi­ca pe­los po­li­ci­ais da For­ça Tá­ti­ca, do Co­man­do, pa­ra dis­per­sar a mul­ti­dão.”

Es­ses po­li­ci­ais não re­la­ta­ram ter vis­to a con­fu­são que le­vou às mor­tes. Em re­la­tos nas re­des so­ci­ais, a mo­ra­do­res e ao Es­ta­do, tes­te­mu­nhas afir­mam que os PMs cer­ca­ram os par­ti­ci­pan­tes da fes­ta e apon­tam tru­cu­lên­cia. Cir­cu­lam ain­da ví­de­os de su­pos­tas agres­sões por po­li­ci­ais mi­li­ta­res, mas não há con­fir­ma­ção so­bre da­ta e lo­cal exa­tos das gra­va­ções – co­mo des­ta­ca­ram au­to­ri­da­des on­tem.

TIAGO QUEIROZ/ES­TA­DÃO

Tris­te­za. Vi­e­la on­de os 9 jo­vens mor­re­ram

IAGO QUEIROZ / ES­TA­DÃO

Tu­mul­to. Escadaria em vi­e­la on­de jo­vens fo­ram pi­so­te­a­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.