Fe­li­ci­a­no é o cam­peão em emen­das li­be­ra­das

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Da­ni­el We­ter­man / BRA­SÍ­LIA

Par­la­men­ta­res de par­ti­dos co­mo PP, DEM e PL e ali­a­dos pró­xi­mos ao pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro ti­ve­ram a mai­or quan­tia de emen­das li­be­ra­das no ano. O cam­peão é o de­pu­ta­do Pas­tor Mar­co Fe­li­ci­a­no (Po­de­mos-SP), vi­ce-lí­der do go­ver­no na Câmara. Ele te­ve R$ 12 mi­lhões li­be­ra­dos dos R$ 15 mi­lhões in­di­ca­dos no Or­ça­men­to de 2019. Até a se­ma­na pas­sa­da, o go­ver­no já ha­via em­pe­nha­do R$ 8,6 bi­lhões dos R$ 9,2 bi­lhões pre­vis­tos pa­ra to­do o ano. O em­pe­nho é a pri­mei­ra eta­pa pa­ra a li­be­ra­ção do re­cur­so.

Um dos prin­ci­pais ali­a­dos do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, o de­pu­ta­do Mar­co Fe­li­ci­a­no (SP) cor­re o ris­co de ser ex­pul­so do Po­de­mos. O par­ti­do de­ve con­cluir até o fim do mês um pro­ces­so con­tra o par­la­men­tar. Um dos ca­sos em aná­li­se pe­lo con­se­lho de éti­ca da le­gen­da é o gas­to de R$ 157 mil com um tra­ta­men­to odon­to­ló­gi­co re­em­bol­sa­do pe­la Câmara, re­ve­la­do pe­lo Es­ta­do em agos­to. Na épo­ca, o par­la­men­tar ar­gu­men­tou que pre­ci­sa­va cor­ri­gir um pro­ble­ma de ar­ti­cu­la­ção na man­dí­bu­la e re­cons­truir o sor­ri­so com co­ro­as e im­plan­tes na boca.

Du­ran­te a cam­pa­nha, Fe­li­ci­a­no de­cla­rou apoio a Bol­so­na­ro, ape­sar de o par­ti­do ter um can­di­da­to pró­prio: o se­na­dor Al­va­ro Dias. A pos­sí­vel saída for­ça­da de Fe­li­ci­a­no ocor­re den­tro da estratégia do Po­de­mos de se afas­tar do “bol­so­na­ris­mo” e se fir­mar co­mo a si­gla da La­va Ja­to. O par­ti­do tem atraí­do par­la­men­ta­res da cen­tro-di­rei­ta des­con­ten­tes com o go­ver­no e, só no Se­na­do, pas­sou de cin­co pa­ra dez par­la­men­ta­res nos úl­ti­mos me­ses – a se­gun­da mai­or ban­ca­da. Co­mo mos­trou o Es­ta­do, o cres­ci­men­to tem in­co­mo­da­do ali­a­dos do pre­si­den­te.

Fe­li­ci­a­no se fi­li­ou ao Po­de­mos em 2018 com a ex­pec­ta­ti­va de que, sen­do pas­tor da As­sem­bleia de Deus, pu­des­se ser um pu­xa­dor de vo­tos.

O de­pu­ta­do afir­mou que não es­tá acom­pa­nhan­do o pro­ces­so dis­ci­pli­nar. “Não es­tou nem a par dis­so. Pa­ra mim, o que acon­te­cer es­tá bom”, dis­se, ne­gan­do que vá dei­xar o Po­de­mos por de­ci­são pró­pria. “Que o elei­tor jul­gue o ca­so. Um par­ti­do ex­pul­sa um de­pu­ta­do por apoi­ar um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Aí, não tem mais o que fa­zer”, afir­mou, acres­cen­tan­do que fe­chou um acor­do com o Po­de­mos des­de a cam­pa­nha elei­to­ral pa­ra ser in­de­pen­den­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.