No­va ame­a­ça do ami­go Trump

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Édi­fí­cil di­zer se a pas­si­vi­da­de de Jair Bol­so­na­ro di­an­te de uma evi­den­te agres­são re­fle­te seu des­pre­pa­ro, uma es­pan­to­sa in­ge­nui­da­de ou in­com­pre­en­são do que se pas­sa no ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal. Ou se­rá uma mis­tu­ra de tu­do is­so?

Guia es­pi­ri­tu­al, mo­de­lo ide­o­ló­gi­co e ins­pi­ra­dor di­plo­má­ti­co do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, o pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no, Do­nald Trump, vol­tou a ame­a­çar o Brasil com bar­rei­ras à im­por­ta­ção de aço e alu­mí­nio. Se­gun­do ele, o go­ver­no bra­si­lei­ro vem pro­mo­ven­do “ma­ci­ça des­va­lo­ri­za­ção” de sua mo­e­da e pre­ju­di­can­do, com es­se ex­pe­di­en­te, o co­mér­cio ex­te­ri­or dos Es­ta­dos Uni­dos. A acu­sa­ção e a ame­a­ça va­lem tam­bém pa­ra a Ar­gen­ti­na. A de­pre­ci­a­ção do re­al e do pe­so ba­ra­teia pro­du­tos bra­si­lei­ros e ar­gen­ti­nos, fa­ci­li­tan­do uma com­pe­ti­ção des­le­al com os in­dus­tri­ais e agri­cul­to­res ame­ri­ca­nos. Es­sa é a es­sên­cia do ar­gu­men­to. Te­ria sen­ti­do se a acu­sa­ção fos­se ver­da­dei­ra. Mas che­ga a ser uma per­ver­são acu­sar os go­ver­nos de Bra­sí­lia e de Bu­e­nos Ai­res pe­la des­va­lo­ri­za­ção de su­as mo­e­das na­ci­o­nais. Tra­ta-se de evi­den­te fenô­me­no de mer­ca­do, co­mo per­ce­be qual­quer pes­soa ra­zo­a­vel­men­te in­for­ma­da.

In­da­ga­do so­bre a ame­a­ça, num con­ta­to com a im­pren­sa, o pre­si­den­te Bol­so­na­ro pro­me­teu con­ver­sar com o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, e, se ne­ces­sá­rio, bus­car um con­ta­to com o pre­si­den­te ame­ri­ca­no. “Se for o ca­so, li­go pa­ra o Trump”, dis­se Bol­so­na­ro, acres­cen­tan­do ter “ca­nal aber­to” com a Ca­sa Bran­ca.

Mais uma vez o pre­si­den­te bra­si­lei­ro mis­tu­rou o re­la­ci­o­na­men­to pes­so­al – re­al ou ima­gi­ná­rio – com as­sun­tos de go­ver­no e pro­je­tos po­lí­ti­cos. O pre­si­den­te Do­nald Trump es­tá ob­vi­a­men­te mo­ven­do pe­ças num jo­go de seu in­te­res­se – e, até cer­to pon­to, de in­te­res­se de seg­men­tos da pro­du­ção ame­ri­ca­na. A eco­no­mia dos Es­ta­dos Uni­dos con­ti­nua em cres­ci­men­to, mas si­nais de en­fra­que­ci­men­to têm si­do apon­ta­dos por ana­lis­tas. Al­guns apon­tam ris­co de re­ces­são.

Há di­ver­gên­ci­as quan­to a es­se ris­co, mas o pre­si­den­te, can­di­da­to à re­e­lei­ção e ain­da su­jei­to a um pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment, tem evi­den­te in­te­res­se em pre­ser­var o apoio de seu elei­to­ra­do, em boa par­te fa­vo­rá­vel ao pro­te­ci­o­nis­mo, e em evi­tar más no­tí­ci­as econô­mi­cas des­de a fa­se pré-elei­to­ral.

O ata­que ao Brasil e à Ar­gen­ti­na é ba­si­ca­men­te uma am­pli­a­ção do con­fli­to co­mer­ci­al en­tre Es­ta­dos Uni­dos e par­cei­ros bem mais for­tes e ame­a­ça­do­res que qual­quer país su­la­me­ri­ca­no. A Chi­na é o prin­ci­pal ad­ver­sá­rio. Em se­gun­do lu­gar es­tá a União Eu­ro­peia.

Acu­sa­ções de ma­ni­pu­la­ção cam­bi­al têm si­do di­ri­gi­das ao go­ver­no chi­nês e, de vez em quan­do, a au­to­ri­da­des ale­mãs, em­bo­ra a Ale­ma­nha se­ja ape­nas um dos in­te­gran­tes da zo­na do eu­ro. É o só­cio mais for­te, sem dú­vi­da, mas é uma evi­den­te fan­ta­sia acu­sar o go­ver­no ale­mão de pro­vo­car a de­pre­ci­a­ção da mo­e­da co­mum.

No ca­so do Brasil a fan­ta­sia co­li­de com da­dos per­fei­ta­men­te vi­sí­veis do dia a dia. Pa­ra con­ter a ins­ta­bi­li­da­de, o Ban­co Cen­tral (BC) tem ven­di­do gran­des vo­lu­mes de dó­la­res no mer­ca­do cam­bi­al. Qual­quer par­ti­ci­pan­te do mer­ca­do – e is­so in­clui mui­tos in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros – co­nhe­ce mui­to bem es­ses fa­tos. A apa­ren­te ig­no­rân­cia do pre­si­den­te Trump e de gen­te de seu go­ver­no é tão no­tá­vel quan­to sus­pei­ta.

En­tre­vis­ta­do on­tem por uma te­vê ame­ri­ca­na, o se­cre­tá­rio de Co­mér­cio dos Es­ta­dos Uni­dos, Wil­bur Ross, fa­lou so­bre ne­go­ci­a­ções com a Chi­na, fa­lou em no­vas ta­ri­fas se fa­lhar um acor­do e de­pois foi qu­es­ti­o­na­do a res­pei­to de Brasil e Ar­gen­ti­na. “Nos­sos me­lho­res ali­a­dos pre­ci­sam tam­bém cum­prir as re­gras”, res­pon­deu, con­cen­tran­do-se no pro­ble­ma do re­al. En­tão, re­pe­tiu a acu­sa­ção e a ame­a­ça de Trump. Mas é pre­ci­so res­pei­tar re­gras for­mu­la­das por qu­em?

Ne­nhu­ma re­gra cam­bi­al ou co­mer­ci­al foi vi­o­la­da por au­to­ri­da­des bra­si­lei­ras ou ar­gen­ti­nas, ex­ce­to, tal­vez, al­gu­ma re­gra in­ven­ta­da por Trump. Sua ame­a­ça é mais uma exi­bi­ção de sua co­nhe­ci­da tru­cu­lên­cia. “Es­pe­ro que Trump te­nha en­ten­di­men­to e não nos pe­na­li­ze”, dis­se o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. “Te­nho qu­a­se cer­te­za de que ele vai nos aten­der.” Qu­a­se cer­te­za, ape­sar de sua de­can­ta­da ami­za­de com Trump, do “ca­nal aber­to” e das su­pe­ri­o­res qua­li­da­des do pre­si­den­te ame­ri­ca­no? É di­fí­cil di­zer se a pas­si­vi­da­de de Bol­so­na­ro di­an­te de uma evi­den­te agres­são re­fle­te seu des­pre­pa­ro em re­la­ção a ques­tões de Es­ta­do, uma es­pan­to­sa in­ge­nui­da­de ou in­com­pre­en­são do que se pas­sa no ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal. Ou se­rá uma mis­tu­ra de tu­do is­so?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.