CRI­SE DERRUBA POPULARIDA­DES

On­da an­ti­es­ta­blish­ment que atin­ge o con­ti­nen­te se agra­vou em paí­ses cu­jos pre­si­den­tes já apre­sen­ta­vam ín­di­ces de apro­va­ção em que­da; con­vul­sões so­ci­ais ig­no­ram ide­o­lo­gia e de­ses­ta­bi­li­zam go­ver­nos tan­to de es­quer­da quan­to de di­rei­ta

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - es­ta­dao.com.br/e/Ame­ri­ca­doSul 6

De cu­nho po­lí­ti­co ou econô­mi­co, on­da an­ti­es­ta­blish­ment que atin­giu paí­ses sul-ame­ri­ca­nos der­ru­bou a po­pu­la­ri­da­de dos pre­si­den­tes do Chi­le, da Bo­lí­via, do Equa­dor e da Colôm­bia. Con­fron­tos dei­xa­ram ao me­nos 38 mor­tos e 4.700 fe­ri­dos.

Des­de ou­tu­bro, uma on­da an­ti­es­ta­blish­ment atin­giu a Amé­ri­ca do Sul, agra­van­do a cri­se de go­ver­nos tan­to de es­quer­da quan­to de di­rei­ta. A in­sa­tis­fa­ção, de cu­nho econô­mi­co ou po­lí­ti­co, der­ru­bou a po­pu­la­ri­da­de de qua­tro pre­si­den­tes sul-ame­ri­ca­nos, o que aju­dou a co­lo­car ain­da mais le­nha na fo­guei­ra dos con­fron­tos, que dei­xa­ram ao me­nos 38 mor­tos e 4.700 fe­ri­dos.

“Já ti­ve­mos ou­tros go­ver­nos com pou­ca apro­va­ção, mas sem pro­tes­tos des­se ta­ma­nho. Ago­ra, a bai­xa po­pu­la­ri­da­de é uma cau­sa e uma con­sequên­cia. Há uma cor­re­la­ção”, dis­se ao Es­ta­do o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Fré­dé­ric Mas­sé, da Uni­ver­si­da­de Ex­ter­na­do da Colôm­bia, de Bo­go­tá.

No Chi­le, o pre­si­den­te Se­bas­tián Piñe­ra as­su­miu o car­go em 2018 com 51% de apro­va­ção. Em ou­tu­bro, pou­co an­tes dos pro­tes­tos, o ín­di­ce era de 31%. O es­to­pim da in­sa­tis­fa­ção foi de cu­nho econô­mi­co, o au­men­to do pre­ço da pas­sa­gem de ôni­bus: de 800 pe­sos (R$ 4,10) pa­ra 830 pe­sos (R$ 4,26). Ao lon­go das ma­ni­fes­ta­ções, a cri­se se so­mou a ou­tras de­man­das po­pu­la­res, co­mo a mu­dan­ça da Cons­ti­tui­ção – que da­ta da di­ta­du­ra de Au­gus­to Pi­no­chet. Ho­je, a po­pu­la­ri­da­de de Piñe­ra es­tá em 12%.

No Equa­dor, o es­to­pim foi o anún­cio do corte dos sub­sí­di­os no pre­ço do com­bus­tí­vel, em vi­gor há 40 anos, e a re­du­ção dos be­ne­fí­ci­os do se­tor pú­bli­co. O pre­si­den­te Le­nín Moreno, que con­ta­va com 65% de apro­va­ção quan­do as­su­miu o car­go, em 2017, che­gou a 31% após ado­tar ajus­tes econô­mi­cos co­or­de­na­dos com o FMI.

A in­sa­tis­fa­ção po­pu­lar tam­bém der­ru­bou a po­pu­la­ri­da­de de Iván Du­que, pre­si­den­te da Colôm­bia, e de Evo Mo­ra­les, da Bo­lí­via. Em am­bos os ca­sos, a cri­se é mais po­lí­ti­ca do que econô­mi­ca.

Na Colôm­bia, Du­que as­su­miu em 2018 com 53,8% de apro­va­ção. Após dei­xar de cum­prir par­tes do acor­do de paz fe­cha­do por seu an­te­ces­sor com as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (Farc) e ser acu­sa­do de ne­gli­gen­ci­ar po­lí­ti­cas vol­ta­das pa­ra lí­de­res cam­po­ne­ses, per­deu apoio. Pou­co an­tes de os pro­tes­tos co­me­ça­rem, ele ti­nha apro­va­ção de ape­nas 26% dos co­lom­bi­a­nos.

Na Bo­lí­via, o des­gas­te com o go­ver­no de Evo, que du­rou qu­a­se 14 anos, cul­mi­nou com acu­sa­ções de frau­de na elei­ção de 20 de ou­tu­bro – as de­nún­ci­as fo­ram com­pro­va­das por uma mis­são da OEA. Iso­la­do pe­los pro­tes­tos de rua, pe­la pres­são do em­pre­sa­ri­a­do de Santa Cruz e sem apoio dos mi­li­ta­res, ele re­nun­ci­ou e par­tiu pa­ra o exí­lio no Mé­xi­co.

A on­da atu­al de pro­tes­tos de lar­go es­pec­tro de­sa­fia tam­bém a aná­li­se tra­di­ci­o­nal­men­te sim­pli­fi­ca­da da his­tó­ria la­ti­no-ame­ri­ca­na. Nos anos 60, era a cru­za­da so­ci­a­lis­ta de Fi­del Cas­tro con­tra o im­pe­ri­a­lis­mo ian­que. Nos anos 80, hou­ve a “dé­ca­da perdida” da es­tag­na­ção econô­mi­ca. Nos anos 90, a vi­ra­da do ne­o­li­be­ra­lis­mo, se­gui­da por uma “ma­ré rosa” de go­ver­nos es­quer­dis­tas, nos anos 2000.

O pên­du­lo po­lí­ti­co que os­ci­la­va en­tre es­quer­da e di­rei­ta pa­re­ce ter de­sa­pa­re­ci­do. A on­da de pro­tes­tos tem obri­ga­do os aca­dê­mi­cos a su­pe­rar a sim­pli­fi­ca­ção his­tó­ri­ca e bus­car aná­li­ses mais so­fis­ti­ca­das.

Mi­cha­el Shif­ter, do cen­tro de es­tu­dos Diá­lo­go In­te­ra­me­ri­ca­no, apon­ta o pa­pel do ce­lu­lar nas ma­ni­fes­ta­ções re­cen­tes na Amé­ri­ca do Sul. Além de aju­dar a con­cen­trar mul­ti­dões, a era da in­for­ma­ção trou­xe exem­plos de ou­tros can­tos do mun­do, co­mo Hong Kong, Fran­ça e Ira­que, e apre­sen­tou um pa­drão de vi­da que mui­tos na re­gião dei­xa­ram de ter.

“É um res­sen­ti­men­to generaliza­do con­tra qu­em de­tém ser­vi­ços”, lem­bra Shif­ter. “Es­sas pes­so­as que­rem mais di­rei­tos e, mui­tas ve­zes, são ques­tões di­fí­ceis de quan­ti­fi­car, co­mo o aces­so à Jus­ti­ça e a ser­vi­ços pú­bli­cos de qua­li­da­de.”

Em pa­ra­le­lo, se­gun­do ele, as bo­lhas e a dis­se­mi­na­ção de no­tí­ci­as fal­sas au­men­tam a ra­di­ca­li­za­ção po­lí­ti­ca. “As pes­so­as es­tão com mui­ta rai­va, em um ní­vel pou­cas ve­zes vis­to”, afir­ma Shif­ter. “Além dis­so, pa­re­cem dis­pos­tas a to­le­rar um al­to grau de vi­o­lên­cia.”

Pa­ra Mas­sé, as ma­ni­fes­ta­ções es­tão sen­do ins­tru­men­ta­li­za­das por ele­men­tos ex­tre­mos, mas ana­li­sar a cri­se exi­ge mui­to mais do que is­so. “São pro­tes­tos con­tra di­fe­ren­tes ti­pos de go­ver­nos. Os fa­to­res em co­mum são a in­sa­tis­fa­ção e a von­ta­de de ter mais voz den­tro da po­lí­ti­ca.”

JA­VI­ER TOR­RES / AFP)

Re­vol­ta. Es­tu­dan­tes vol­ta­ram a pu­lar on­tem as ca­tra­cas do me­trô em Santiago, em de­sa­fio ao go­ver­no de Piñe­ra; pro­tes­tos co­me­ça­ram as­sim em ou­tu­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.