Eli­a­ne Can­ta­nhê­de

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - E-MAIL: ELI­A­[email protected]­TA­DAO.COM TWIT­TER: @ECANTANHED­E ELI­A­NE CAN­TA­NHÊ­DE ES­CRE­VE ÀS TER­ÇAS E SEX­TAS-FEI­RAS E AOS DO­MIN­GOS

Pa­rai­só­po­lis se trans­for­mou em In­fer­nó­po­lis, com no­ve jo­vens mor­tos. Com o ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de, vai fi­car ain­da mais ma­ca­bro.

Ao se trans­for­mar em In­fer­nó­po­lis, Pa­rai­só­po­lis con­fir­ma vá­ri­as cer­te­zas num mo­men­to em que os go­ver­nos e um la­do do­en­tio da so­ci­e­da­de apro­vam e es­ti­mu­lam ar­mas, po­lí­ci­as vi­o­len­tas e ma­tan­ças de cri­mi­no­sos a qual­quer cus­to. Não fal­tam “ci­da­dãos do bem” pre­gan­do, sem um pin­go de pu­dor, que “ban­di­do bom é ban­di­do mor­to”. Mas não são os ban­di­dos, ou não só eles, que es­tão mor­ren­do.

A pa­la­vra de or­dem vem do pró­prio pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e dos seus fi­lhos, vai des­cen­do pa­ra os go­ver­na­do­res, atin­ge as se­cre­ta­ri­as de

Se­gu­ran­ça e, cla­ro, che­gam à pon­ta: os pró­pri­os po­li­ci­ais, que são pa­gos pa­ra de­fen­der vi­das hu­ma­nas e aca­bam vi­ran­do ame­a­ças à so­ci­e­da­de. Não ra­ro, ci­da­dãos e ci­da­dãs aca­bam ten­do tan­to me­do do po­li­ci­al far­da­do quan­to do ban­di­do que sur­ge do na­da.

As in­ves­ti­ga­ções con­ti­nu­am pa­ra es­ta­be­le­cer res­pon­sa­bi­li­da­des e cir­cuns­tân­ci­as, mas o fa­to nu, cru e cru­el em Pa­rai­só­po­lis é que no­ve jo­vens, en­tre 14 e 23 anos, mor­re­ram de ma­nei­ra es­tú­pi­da e inad­mis­sí­vel nu­ma in­va­são po­li­ci­al num bai­le funk de fim de se­ma­na. Mais uma vez, co­mo já é cor­ri­quei­ro no Rio, por exem­plo, no­ve fa­mí­li­as, uma co­mu­ni­da­de, uma ci­da­de, um Es­ta­do e um país so­frem a dor da mor­te, da vi­o­lên­cia, do des­ca­so com a vi­da. E por qu­em? Por agen­tes do Es­ta­do, pa­gos in­clu­si­ve pe­los pais, mães, ami­gos e vi­zi­nhos das ví­ti­mas de Pa­rai­só­po­lis.

Os mes­mos po­li­ci­ais ocu­pa­ri­am um show de rock nos Jar­dins, ou no Le­blon, ou em Boa Vi­a­gem da mes­ma for­ma e com a mes­ma agres­si­vi­da­de com que in­va­di­ram um bai­le funk da pe­ri­fe­ria com 5 mil jo­vens se di­ver­tin­do num do­min­go à noi­te? E tra­ta­ri­am com so­cos e cas­se­te­tes os fi­lhos da eli­te bran­ca co­mo fi­ze­ram com os fi­lhos mu­la­tos e ne­gros de Pa­rai­só­po­lis?

Se a or­dem pa­ra “me­ter o pau” vem de ci­ma, é na­tu­ral tam­bém que po­li­ci­ais de Pe­lo­tas (RS) es­pan­quem dois ga­ro­tos po­bres com a mes­ma “efi­ci­ên­cia”

com que os de São Pau­lo ata­ca­ram a ju­ven­tu­de de Pa­rai­só­po­lis. É co­mo se hou­ves­se uma li­cen­ça pa­ra ba­ter, pa­ra ma­tar. “Mi­ra a ca­be­ci­nha e... fo­go!”, co­mo dis­se o go­ver­na­dor do Rio, Wil­son Wit­zel, aque­le que co­me­mo­rou com pu­li­nhos e so­cos no ar – co­mo se fos­se um gol, uma fes­ta – a mor­te de um se­ques­tra­dor. A “ca­be­ci­nha” de qu­em?

Num país tão in­jus­to e tão de­si­gual co­mo o Brasil, o en­du­re­ci­men­to con­tra os ban­di­dos cor­res­pon­de a uma es­pé­cie de pac­to: é cha­to ter uma, du­as, três, 20 cri­an­ças mor­tas pi­so­te­a­das ou por ba­las per­di­das, mas, bem, es­se é o pre­ço pa­ra ga­ran­tir a or­dem e re­du­zir a cri­mi­na­li­da­de. Per­ver­so? Mas re­al.

A mor­te de Ágatha Vi­tó­ria Sales Fé­lix, de 8 anos, com um ti­ro de fu­zil dis­pa­ra­do por um po­li­ci­al, co­mo­veu o Brasil. De on­de Ágatha era? Do Com­ple­xo do Ale­mão, equi­va­len­te ao Com­ple­xo do Cha­pa­dão, Co­mu­ni­da­de da Cha­tu­ba, Bair­ro de Tri­a­gem e Ban­gu, to­dos no Rio, to­dos po­bres, on­de ou­tras cri­an­ças tam­bém fo­ram as­sas­si­na­das bru­tal­men­te por ba­las per­di­das.

Em re­su­mo, o as­sas­si­na­to de cri­an­ças po­bres, ne­gras e mu­la­tas é con­ta­bi­li­za­do co­mo uma fa­ta­li­da­de, um efei­to co­la­te­ral do com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de. A mor­te de­las é o cus­to a pa­gar pa­ra que fa­mí­li­as bran­cas e ri­cas pos­sam ter mais se­gu­ran­ça...

Quan­to me­nos di­rei­to à vi­da as co­mu­ni­da­des, as cri­an­ças e os jo­vens po­bres têm, mais o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de­fen­de o “ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de”, pa­ra li­vrar a ca­ra de po­li­ci­ais que ma­tam. Se­gun­do ele, os ban­di­dos “vão mor­rer na rua igual ba­ra­ta”.

O pro­ble­ma, pre­si­den­te, é que nas de­mo­cra­ci­as se ma­tam ban­di­dos ape­nas no úl­ti­mo ca­so. E, na re­a­li­da­de bra­si­lei­ra, qu­em já es­tá “mor­ren­do igual ba­ra­ta” não são os ban­di­dos, mas os fi­lhos e fi­lhas de pe­drei­ros, em­pre­ga­das do­més­ti­cas, ga­ris, pin­to­res de pa­re­de. E sem o ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de... Com ele, a coi­sa vai fi­car ain­da mais ma­ca­bra.

No­ve jo­vens mor­tos. Mas, com o ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de, vai fi­car ain­da mais ma­ca­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.