Pedro Fer­nan­do Nery

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - E-MAIL : [email protected] ES­CRE­VE ÀS TER­ÇAS-FEI­RAS DOU­TOR EM ECO­NO­MIA

A mo­di­nha do in­fla­ci­o­nis­mo nu­tel­la, a que diz que ne­nhum país que­bra por­que im­pri­me a pró­pria mo­e­da, che­gou ao País.

Cha­ma-se Te­o­ria Mo­ne­tá­ria Mo­der­na (MMT, na si­gla em in­glês). Des­co­nhe­ci­da até pou­co tem­po, ga­nhou no­to­ri­e­da­de por par­la­men­ta­res mais à es­quer­da no Par­ti­do De­mo­cra­ta ame­ri­ca­no, co­mo Oca­sio-Cortez e Ber­nie San­ders. Ofe­re­ce a pres­cri­ção dos so­nhos pa­ra qual­quer po­lí­ti­co: em li­nhas ge­rais, o go­ver­no po­de­ria gas­tar sem pre­ci­sar au­men­tar im­pos­tos. O le­ma é que go­ver­nos ja­mais vão que­brar, se im­pri­mem a pró­pria mo­e­da.

É cla­ro que a mo­di­nha já che­gou aqui e na se­ma­na pas­sa­da de­sem­bar­cou no Brasil Ran­dall Wray, pro­fes­sor ex­po­en­te da MMT. Cri­ti­cou as po­lí­ti­cas do atu­al go­ver­no, mes­mo tra­zi­do por um ór­gão fe­de­ral (a Fi­o­cruz, há mui­to cai­xa de res­so­nân­cia da pau­ta do fun­ci­o­na­lis­mo). Tam­bém

par­ti­ci­pou de even­to or­ga­ni­za­do por sin­di­ca­tos de ser­vi­do­res.

O lei­tor po­de se es­pan­tar com a au­to­de­no­mi­na­ção “mo­der­na” da te­o­ria. Afi­nal, o tes­te da im­pres­so­ra é um pe­lo qual o País já pas­sou di­ver­sas ve­zes na ten­ta­ti­va de fi­nan­ci­ar o Es­ta­do de for­ma in­do­lor. A emis­são de mo­e­da e a hi­pe­rin­fla­ção de­sor­ga­ni­za­va a eco­no­mia e dei­xa­va os mi­se­rá­veis mais mi­se­rá­veis. O pró­prio Wray ad­mi­tiu no tour bra­si­lei­ro que a MMT não traz na­da de no­vo e faz a res­sal­va de que a emis­são po­de ter co­mo con­sequên­cia a in­fla­ção, mas é di­fí­cil con­ci­li­ar os aler­tas tí­mi­dos com os slo­gans mais ani­ma­dos do mo­vi­men­to.

Wray veio en­si­nar a mis­sa ao pa­dre. Vá lá, a sim­pa­tia pe­la MMT na po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na é com­pre­en­sí­vel pa­ra o país que emi­te dó­lar, tem his­tó­ri­co de ju­ros bai­xos e não vi­veu em dé­ca­das re­cen­tes epi­só­di­os de hi­pe­rin­fla­ção. Aqui, não faz sen­ti­do ig­no­rar o pro­ble­ma fis­cal e cair no con­to de que a im­pres­so­ra re­sol­va os pro­ble­mas.

De fa­to, re­ce­beu crí­ti­cas da es­quer­da nes­se sen­ti­do. Na re­vis­ta Ja­co­bin,o jor­na­lis­ta Doug Henwo­od apon­tou nes­te ano que a MMT es­tá en­rai­za­da em um con­tex­to de país ri­co e na no­ção do ex­cep­ci­o­na­lis­mo ame­ri­ca­no: “Se­ria tris­te ver a es­quer­da so­ci­a­lis­ta, que pa­re­ce mais for­te do que es­te­ve em dé­ca­das, cair nes­se óleo de ser­pen­te. É um fan­tas­ma, um sonho fe­bril e im­pe­ri­al, não uma po­lí­ti­ca econô­mi­ca sé­ria”.

Ve­ja: a Te­o­ria Mo­ne­tá­ria Mo­der­na po­de ser usa­da jus­ta­men­te con­tra a agen­da de tri­bu­ta­ção pro­gres­si­va ca­ra à es­quer­da. Por que uma re­for­ma tri­bu­tá­ria com fo­co nos mais ri­cos, se o pro­ble­ma fis­cal não exis­te de fa­to? A MMT é usa­da po­li­ti­ca­men­te pa­ra di­ri­mir pre­o­cu­pa­ções so­bre efei­tos da des­pe­sa na dí­vi­da, mas po­de da mes­ma for­ma ser usa­da con­tra al­ta de im­pos­tos.

Aliás, o te­ma já foi abor­da­do re­cen­te­men­te por Stepha­nie Kel­ton, a eco­no­mis­ta de Ber­nie San­ders, e tão ex­po­en­te do mo­vi­men­to quan­to o nos­so vi­si­tan­te Wray. Ela iro­ni­za a es­quer­da que qu­er tri­bu­tar os mais ri­cos, afir­man­do que eles não de­vem ser tra­ta­dos co­mo

“co­fri­nhos”. De­fen­de a su­pe­ri­o­ri­da­de da po­lí­ti­ca pres­cri­ta pe­lo seu mo­vi­men­to: a emis­são de mo­e­da te­ria a van­ta­gem de me­lho­rar a vi­da de to­dos, en­quan­to a tri­bu­ta­ção pro­gres­si­va com gas­to pró-po­bre me­lho­ra­ria a vi­da só dos po­bres, pi­o­ran­do a dos ri­cos.

É exa­ta­men­te es­se o ape­lo da MMT, a ver­são nu­tel­la do in­fla­ci­o­nis­mo que a Amé­ri­ca La­ti­na co­nhe­ce tão bem: a pro­mes­sa de so­lu­ção in­do­lor, que não exi­ge sa­cri­fí­ci­os de nin­guém.

É gan­cho pa­ra fa­lar­mos do ho­mem da ho­ra: Pedro Sou­za, do Ipea, ga­nhou dois Ja­bu­tis com sua te­se-li­vro so­bre a his­tó­ria da de­si­gual­da­de no Brasil – in­cluin­do o prê­mio de li­vro do ano. O tra­ba­lho do­cu­men­ta com da­dos a evo­lu­ção da par­ce­la re­ti­da pe­lo 1% mais ri­co do Brasil. Os pi­cos de con­cen­tra­ção de ren­da des­de a dé­ca­da de 20 fo­ram três: nos anos sub­se­quen­tes à di­ta­du­ra de Var­gas e à di­ta­du­ra mi­li­tar, e na hi­pe­rin­fla­ção dos anos 80.

En­quan­to os mais ri­cos se pro­te­gem com apli­ca­ções fi­nan­cei­ras, os mais po­bres não pos­su­em ins­tru­men­tos pa­ra se de­fen­der da “di­ta­du­ra” da hi­pe­rin­fla­ção. A con­cen­tra­ção de ren­da piora.

Um eco­no­mis­ta bra­si­lei­ro en­tu­si­as­ta da MMT con­fes­sa re­ser­va­da­men­te: “Mais do que uma te­o­ria, é uma ban­dei­ra”. Em su­as pa­la­vras, a MMT se­ria sen­sa­ci­o­na­lis­ta, exa­ge­ra­da, mas ser­vi­ria pa­ra cha­mar a aten­ção e es­ti­mu­lar ci­da­dãos a não se con­for­ma­rem com a si­tu­a­ção de ele­va­do de­sem­pre­go, e de­man­da­rem mais do Es­ta­do.

Mas os dias atu­ais não são só de in­fla­ci­o­nis­mo nu­tel­la. Tam­bém na se­ma­na pas­sa­da fo­ram di­vul­ga­dos mais detalhes do Plan Ve­ra­no, que Al­ber­to Fer­nán­dez ame­a­ça co­me­ter de­pois de to­mar pos­se na Ar­gen­ti­na. Pre­vê au­men­to da emis­são de mo­e­da pa­ra pa­gar au­men­tos a apo­sen­ta­dos e tra­ba­lha­do­res.

Sua equi­pe acre­di­ta que há ca­pa­ci­da­de oci­o­sa su­fi­ci­en­te pa­ra que a im­pres­são de di­nhei­ro não re­sul­te em au­men­to de pre­ços. Mas a in­fla­ção acu­mu­la­da em 12 me­ses já é de 50%, fe­chan­do ou­tu­bro em 3,6% – mais do que o Brasil te­rá em to­do 2019. O pre­si­den­te elei­to ex­pli­cou: “Te­mos de vol­tar a fa­bri­car, dar cré­di­to pa­ra que se re­a­ti­ve a pro­du­ção, dar di­nhei­ro aos apo­sen­ta­dos pa­ra que con­su­mam. Te­mos de fa­zer o que aqui se cha­ma de pe­ro­nis­mo”.

O in­fla­ci­o­nis­mo raiz res­pi­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.