• Prin­ci­pal op­ção de la­zer

Não ra­ro, o pan­ca­dão co­me­ça na quin­ta e vai até do­min­go; pa­ra mo­ra­do­res, fal­tam al­ter­na­ti­vas

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - / F.R.

O Bai­le daDz7éo­panc adão mais fa­mo­so de Pa­rai­só­po­lis e, há qu­a­se 10 anos, reú­ne de 3 mi la 5 mil pes­so­as. É con­si­de­ra­do por mui­tos mo­ra­do­res co­mo a prin­ci­pal op­ção de la­zer da fa­ve­la.

Al­vo da ação da Po­lí­cia Mi­li­tar que ter­mi­nou com no­ve mor­tos e 12 fe­ri­dos, o Bai­le da Dz7 é o pan­ca­dão mais fa­mo­so de Pa­rai­só­po­lis. Há qu­a­se uma dé­ca­da, o bai­le funk reú­ne, em mé­dia, en­tre 3 mil e 5 mil pes­so­as em fins de se­ma­na e é con­si­de­ra­do por mui­tos mo­ra­do­res co­mo a prin­ci­pal al­ter­na­ti­va de la­zer da fa­ve­la. Ho­je, a mai­or par­te do pú­bli­co vem de ou­tros bair­ros da ca­pi­tal ou da Gran­de São Pau­lo e a fes­ta até re­ce­be ca­ra­va­nas de fo­ra do Es­ta­do.

Não ra­ro, o pan­ca­dão co­me­ça na quin­ta-fei­ra e só ter­mi­na no do­min­go. Sá­ba­do é con­si­de­ra­do o pi­co do even­to. No Bai­le da Dz7, uma sé­rie de ba­res abre as por­tas du­ran­te a ma­dru­ga­da e car­ros ou pa­re­dões de som to­cam funk nas al­tu­ras. Tam­bém há al­to con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas e de dro­gas, se­gun­do re­la­tam os mo­ra­do­res.

Em­bo­ra não te­nha au­to­ri­za­ção le­gal ou es­tru­tu­ra ade­qua­da, a re­gião che­ga a re­a­li­zar festas com 30 mil pes­so­as. A mul­ti­dão to­ma prin­ci­pal­men­te a Rua Er­nest Renan, pa­ra on­de tam­bém vai a mai­o­ria dos ven­de­do­res am­bu­lan­tes, mas o flu­xo se es­pa­lha ain­da por ou­tras ru­as e vi­e­las do en­tor­no.

“Das pes­so­as que par­ti­ci­pam do bai­le funk, 80% não são mo­ra­do­res de Pa­rai­só­po­lis”, afir­ma o lí­der co­mu­ni­tá­rio Gil­son Ro­dri­gues. “Mui­tos jo­vens vêm do Morumbi, que é vi­zi­nho da­qui, ou de ou­tras áre­as da ci­da­de. Vá­ri­os fre­quen­ta­do­res vêm de mu­ni­cí­pi­os pró­xi­mos e há ex­cur­sões de ou­tros Es­ta­dos.”

Es­se era o ca­so de ví­ti­mas da tra­gé­dia no bai­le funk. O jo­vem Denys Hen­ri­que Qui­ri­no da Sil­va, de 16 anos, por exem­plo, mo­ra­va no Li­mão, bair­ro do ou­tro la­do da ci­da­de. “Ele saiu pa­ra tra­ba­lhar e não vol­tou”, diz a mãe, Ma­ria Cris­ti­na Por­tu­gal.

Mo­ra­do­res ne­gam a ver­são ofi­ci­al da PM de que ti­ros te­nham par­ti­do de uma mo­to e afir­mam que os fre­quen­ta­do­res, na ver­da­de, fo­ram en­cur­ra­la­dos pe­los po­li­ci­ais. Pa­ra Ro­dri­gues, as ví­ti­mas que não eram de Pa­rai­só­po­lis so­fre­ram ain­da mais na cor­re­ria. “Eles não sa­bi­am que es­sa vi­e­la tem uma es­ca­da”, afir­ma, apon­tan­do pa­ra o be­co on­de a mai­o­ria dos cor­pos foi en­con­tra­da. “Aca­ba­ram cain­do e sen­do pi­so­te­a­dos, co­mo se fos­sem uma ‘ram­pa’.”

“Os bai­les funk acon­te­cem por au­sên­cia de ou­tras opor­tu­ni­da­des ou al­ter­na­ti­vas de la­zer”, afir­ma Ro­dri­gues. “Eu gos­ta­ria que ti­ves­se es­tru­tu­ra e se­gu­ran­ça. O bai­le já é uma re­a­li­da­de há mui­tos anos e não vai aca­bar, en­tão tem de es­tru­tu­rar.”

O mo­ra­dor Ro­gé­rio Fer­rei­ra, de 29 anos, de­fen­de o pan­ca­dão. “É o úni­co la­zer que nós te­mos. Não con­si­go pa­gar o in­gres­so de uma ba­la­da fo­ra da­qui”, diz. “É cla­ro que tem pro­ble­ma de ba­ru­lho ou xi­xi na rua.

Mas que­rem aca­bar com o pro­ble­ma sem dar so­lu­ção.”

Pre­ven­ção. Em en­tre­vis­ta à Rá­dio El­do­ra­do, o por­ta-voz da PM, te­nen­te-co­ro­nel Emer­son Mas­se­ra, dis­se, on­tem, que ain­da “não é pos­sí­vel apon­tar que hou­ve uma fa­lha dos po­li­ci­ais”. “O bai­le funk acon­te­ce há anos na co­mu­ni­da­de de Pa­rai­só­po­lis, sem es­tru­tu­ra ade­qua­da. É pre­ci­so fo­car em pro­vi­dên­ci­as pa­ra ofe­re­cer lo­cal mais ade­qua­do pa­ra a re­a­li­za­ção”, afir­mou.

TIAGO QUEIROZ / ES­TA­DÃO

Lu­to. Des­co­nhe­ci­men­to de es­ca­da po­de ter cau­sa­do mor­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.