O con­ti­do oti­mis­mo do go­ver­no

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Ele ele­vou de 2,32% pa­ra 2,40% sua pro­je­ção de cres­ci­men­to econô­mi­co em 2020.

Cau­te­lo­so, o go­ver­no au­men­tou de 2,32% pa­ra 2,40% sua pro­je­ção de cres­ci­men­to econô­mi­co em 2020, sem se en­tre­gar a um sur­to de oti­mis­mo. A no­va pro­je­ção é pa­re­ci­da com a do mer­ca­do, de 2,30%, in­cluí­da no úl­ti­mo bo­le­tim Fo­cus do Ban­co Cen­tral (BC). Tam­bém é mo­des­ta a pre­vi­são pa­ra os dois anos se­guin­tes: em ca­da um, avan­ço de 2,50%. Es­se número, tal­vez de apa­rên­cia ca­ba­lís­ti­ca, tem apa­re­ci­do há mui­to tem­po nas es­ti­ma­ti­vas do mer­ca­do. Mas seu sig­ni­fi­ca­do é sim­ples. Na fal­ta de mai­o­res in­for­ma­ções, to­ma­se co­mo re­fe­rên­cia o su­pos­to po­ten­ci­al de cres­ci­men­to. Ou se­ja, o pa­no­ra­ma a par­tir de 2021 con­ti­nua ene­vo­a­do. Po­de­rá fi­car mais cla­ro, e mais pro­mis­sor, se hou­ver avan­ço na pau­ta de re­for­mas, a con­fi­an­ça se for­ta­le­cer, o in­ves­ti­men­to au­men­tar e o po­ten­ci­al pro­du­ti­vo se ex­pan­dir. Por en­quan­to, a vi­são pros­pec­ti­va dos eco­no­mis­tas do go­ver­no pa­re­ce tão li­mi­ta­da quan­to a de seus co­le­gas do se­tor fi­nan­cei­ro e das prin­ci­pais con­sul­to­ri­as.

O mi­nis­tro da Eco­no­mia e sua equi­pe es­tão ob­vi­a­men­te con­cen­tra­dos na agen­da de re­for­mas e de ajus­tes, sem dar gran­de aten­ção às con­di­ções de cres­ci­men­to econô­mi­co. Não há no ho­ri­zon­te, pe­lo me­nos até ago­ra, no­vos es­tí­mu­los à ati­vi­da­de. Con­su­mi­do­res e em­pre­sá­ri­os de­ve­rão con­ti­nu­ar mo­vi­dos pe­los in­cen­ti­vos ofe­re­ci­dos até ago­ra. O es­que­ma de li­be­ra­ção de re­cur­sos do FGTS con­ti­nua sen­do o prin­ci­pal es­tí­mu­lo ofi­ci­a­li­za­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia. A re­du­ção de ju­ros e ações pa­ra in­cen­ti­var a ex­pan­são dos ca­nais de fi­nan­ci­a­men­to tem si­do a con­tri­bui­ção do BC. Se a in­fla­ção con­ti­nu­ar bem com­por­ta­da, pa­re­ce mí­ni­mo o ris­co de no­vo au­men­to dos ju­ros bá­si­cos até o fim do ano.

Sem de­ta­lhar o as­sun­to, o no­vo pa­no­ra­ma di­vul­ga­do pe­lo go­ver­no in­clui a ex­pec­ta­ti­va de re­sul­ta­dos me­lho­res pa­ra a indústria de trans­for­ma­ção. Pro­je­ta­se ex­pan­são de 2,28% pa­ra 2020. Pa­ra 2019, es­ti­ma-se um re­cuo de 0,02%. Mui­to ruim des­de 2012, o de­sem­pe­nho da indústria, es­pe­ci­al­men­te do seg­men­to de trans­for­ma­ção, se­rá es­sen­ci­al pa­ra po­der ca­rac­te­ri­zar uma efe­ti­va re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia bra­si­lei­ra nes­te ano e nos pró­xi­mos.

Atri­buir a fra­que­za do se­tor in­dus­tri­al, no úl­ti­mo ano, às di­fi­cul­da­des do se­tor ex­ter­no, es­pe­ci­al­men­te à re­du­ção das com­pras ar­gen­ti­nas, é cer­ta­men­te um en­ga­no. A pro­du­ção ma­nu­fa­tu­rei­ra tem per­di­do vi­gor des­de o pri­mei­ro man­da­to da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff. Com is­so, per­deu im­por­tân­cia co­mo fo­co de di­na­mis­mo, co­mo cen­tro de ir­ra­di­a­ção de tec­no­lo­gia e co­mo fonte de re­cei­ta de ex­por­ta­ções. Al­guns seg­men­tos in­dus­tri­ais apre­sen­ta­ram re­sul­ta­dos mui­to po­si­ti­vos, mas fo­ram ex­ce­ções.

Par­te da ex­pli­ca­ção es­tá nas po­lí­ti­cas in­dus­tri­ais de­sas­tro­sas do pe­tis­mo. Mas o as­sun­to é mais com­pli­ca­do e ne­nhu­ma aná­li­se sé­ria do pro­ble­ma foi apre­sen­ta­da pe­lo go­ver­no. Tam­pou­co fo­ram anun­ci­a­das so­lu­ções mais am­plas e mais com­ple­xas do que a re­du­ção dos cus­tos tra­ba­lhis­tas.

A re­for­ma tri­bu­tá­ria, uma das pri­o­ri­da­des ofi­ci­ais pa­ra 2020, po­de­ria ser im­por­tan­te pa­ra o for­ta­le­ci­men­to da indústria, mas o con­jun­to das pos­sí­veis mu­dan­ças per­ma­ne­ce obs­cu­ro. O Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia con­ti­nua de­ven­do pro­pos­tas bem de­fi­ni­das pa­ra a po­lí­ti­ca tri­bu­tá­ria. A ca­da dia fontes do go­ver­no for­ne­cem in­for­ma­ções con­tra­di­tó­ri­as so­bre as in­ten­ções da equi­pe econô­mi­ca. Um dos gran­des mis­té­ri­os é o al­can­ce da re­for­ma: in­clui­rá o sis­te­ma tri­bu­tá­rio dos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os? Ha­ve­rá pe­lo me­nos al­gu­ma for­ma de con­ci­li­a­ção en­tre as nor­mas de di­fe­ren­tes ní­veis da ad­mi­nis­tra­ção?

En­quan­to se es­pe­ram es­sas in­for­ma­ções, pe­lo me­nos al­guns pon­tos pa­re­cem bem es­ta­be­le­ci­dos. Re­du­zir o dé­fi­cit pri­má­rio (cal­cu­la­do sem os ju­ros) e re­du­zir o pe­so da dí­vi­da bru­ta do se­tor pú­bli­co es­tão en­tre as pri­o­ri­da­des pa­ra 2020, co­mo in­di­cou o se­cre­tá­rio da Fa­zen­da do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, Wal­dery Ro­dri­gues. Se for con­ti­da abai­xo de 80% do PIB, es­sa dí­vi­da, re­co­nhe­ceu o se­cre­tá­rio, ain­da es­ta­rá aci­ma do pa­ta­mar de paí­ses com per­fil se­me­lhan­te ao do Bra­sil. Conter a dí­vi­da é con­di­ção pa­ra o su­ces­so de qual­quer po­lí­ti­ca de cres­ci­men­to. Ain­da fal­ta co­nhe­cer es­sa po­lí­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.