Ve­ra Ma­ga­lhães

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - E-MAIL: VE­[email protected] TWIT­TER: @VERAMAGALH­AES PO­LI­TI­CA.ESTADAO.COM.BR/CO­LU­NAS/VE­RA-MAGALHAES/

Bol­so­na­ro vol­tou das fé­ri­as dis­pos­to a gas­tar, mas ca­be a Gu­e­des as­si­nar os che­ques.

Na­da co­mo uma me­lho­ra, mes­mo tí­mi­da, nas con­di­ções fi­nan­cei­ras e um ve­rão en­so­la­ra­do pa­ra dei­xar a pes­soa ani­ma­da e pro­pen­sa a gas­tar. Pa­re­ce ser es­se o es­ta­do de es­pí­ri­to de um Jair Bol­so­na­ro que, ade­mais, se es­que­ceu de le­var o pro­te­tor so­lar na ma­la e vol­tou das fé­ri­as na praia tão tor­ra­do quan­to mão aber­ta.

Sub­sí­di­os? Tem de ver is­so aí, tal­key? Sa­lá­rio mí­ni­mo? Dá pa­ra pa­gar um pou­co mais. Dé­ci­mo ter­cei­ro pa­ra o Bol­sa Fa­mí­lia? Pas­sa ali no Pos­to Ipi­ran­ga. Te­to de gas­tos? Vo­cês da im­pren­sa só que­rem fa­lar de no­tí­cia ruim. E Pau­lo Gu­e­des que tra­te de as­si­nar os che­ques.

Mas exis­te dinheiro pa­ra to­das as bon­da­des que o pre­si­den­te quer pra­ti­car em 2020? As­se­gu­ra­do, não. Em­bo­ra te­nha con­cor­da­do com o re­a­jus­te mai­or que o pre­vis­to ini­ci­al­men­te no mí­ni­mo, o pró­prio mi­nis­tro da Eco­no­mia dei­xou cla­ro que ain­da não há pro­vi­são de re­cei­ta pa­ra ban­car seu cus­to, de R$ 2,3 bi­lhões nes­te ano. Diz que em bre­ve se­rá anun­ci­a­do de on­de vai “apa­re­cer” o dinheiro. Aguar­de­mos.

Ou ore­mos, já que, tu­do in­di­ca, uma das ten­dên­ci­as do ano no­vo da gas­tan­ça de Bol­so­na­ro é aju­dar a en­cher as bur­ras das igre­jas evan­gé­li­cas, que, afi­nal, es­tão co­le­tan­do “de gra­ça” as­si­na­tu­ras pa­ra a cri­a­ção do Aliança pe­lo Bra­sil.

De­pois de aven­tar o sub­sí­dio da con­ta de luz pa­ra tem­plos re­li­gi­o­sos, o pre­si­den­te des­con­ver­sou. Dis­se que ain­da não de­ci­diu eque es­tál evan­do“pan­ca­da”àtoa.C omo ades in­for­ma­çãoéo mé­to­do de Bol­so­na­ro se co­mu­ni­car, con­vém es­cla­re­cer: aseu pe­di­do, o Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Ener­gia ela­bo­rou uma mi­nu­ta de de­cre­to co­ma sub­ven­ção aos tem­plos. O po­pu­lis­mo ta­ri­fá­rio re­li­gi­o­so cus­ta­ria R $30 mi­lhões ao ano.

A ma­nu­ten­ção de ou­tro des­ses be­ne­fí­ci­os, o con­ce­di­do – por Dil­ma Rous­seff, é bom fri­sar – à co­lo­ca­ção de pla­cas de ener­gia so­lar em re­si­dên­ci­as, cus­ta­rá al­go co­mo R$ 30 bi­lhões até 2035. O pre­si­den­te de­ve achar que o

Pos­to Ipi­ran­ga fa­bri­ca dinheiro.

Não só ain­da não tem es­sa ca­pa­ci­da­de co­mo te­rá li­mi­tes ain­da mais es­tri­tos pa­ra cum­prir nes­te ano. Não po­de­rá, por exem­plo, cus­te­ar o es­tou­ro do te­to de gas­tos por par­te do Ju­di­ciá­rio e do Le­gis­la­ti­vo, o que já vai cus­tar uma pres­são po­lí­ti­ca e tan­to num ano cheio de vo­ta­ções com­pli­ca­das no Con­gres­so e de­man­das igual­men­te com­ple­xas no STF.

As pri­va­ti­za­ções, com as quais Gu­e­des e equi­pe es­ti­mam ob­ter exa­ge­ra­dos R$ 150 bi­lhões em 2020, ain­da de­pen­dem de uma sé­rie de cir­cuns­tân­ci­as po­lí­ti­cas, mui­to mais com­ple­xas quan­do se sa­be que es­te é um ano elei­to­ral – por­tan­to com ca­len­dá­rio le­gis­la­ti­vo mais curto e dis­po­si­ção dos par­la­men­ta­res ao des­gas­te bas­tan­te re­du­zi­da.

A ven­da da Ele­tro­brás, car­ro-che­fe do pa­co­te, con­ta com a obs­tru­ção ati­va do pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), que tem si­do um “fa­ci­li­ta­dor” da vi­da do go­ver­no em ou­tras áre­as, mas fez des­ta pau­ta um ca­va­lo de batalha.

Por fim, Gu­e­des em­pe­nha um oti­mis­mo exa­ge­ra­do em que a li­nha de mon­ta­gem de re­for­mas que de­se­nhou vá fun­ci­o­nar azei­ta­di­nha, mas ela ten­de a já em­per­rar na saí­da, uma vez que Bol­so­na­ro não pa­re­ce dis­pos­to a ban­car a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va e se in­dis­por de vez com o fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co. O pre­si­den­te de­mons­tra crer que já fez sua co­ta de mal­da­de com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, e sua pri­o­ri­da­de nes­te ano, es­tá ób­vio, é pa­vi­men­tar o ca­mi­nho pa­ra o par­ti­do de sua fa­mí­lia e atra­ves­sar o de­ser­to da de­nún­cia con­tra o fi­lho Flá­vio, sem mui­tos so­la­van­cos.

Gu­e­des es­ta­rá em Da­vos na se­ma­na que vem, on­de de­ve des­fi­lar os re­la­ti­va­men­te bons re­sul­ta­dos da eco­no­mia no pri­mei­ro ano e pro­pa­gar pers­pec­ti­vas mais ani­ma­do­ras pa­ra o se­gun­do. Di­an­te da di­fe­ren­ça de tom en­tre ele e Bol­so­na­ro nes­ta lar­ga­da, a me­lhor no­tí­cia é que o pre­si­den­te te­nha de­sis­ti­do de acom­pa­nhá-lo na vi­a­gem.

Bol­so­na­ro vol­tou das fé­ri­as mão aber­ta, mas ca­be a Gu­e­des as­si­nar os che­ques

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.