Eu­ro­pa ame­a­ça Irã com san­ções

Rei­no Uni­do, Fran­ça e Ale­ma­nha res­pon­dem a mo­vi­men­to ira­ni­a­no de se afas­tar de acor­do nu­cle­ar as­si­na­do em 2015; ape­sar de pas­so agres­si­vo, di­plo­ma­tas eu­ro­peus ain­da acre­di­tam que po­dem sal­var pac­to e con­ven­cer Washing­ton e Te­e­rã a ne­go­ci­ar

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - BRU­XE­LAS

Ale­ma­nha, Fran­ça e Rei­no Uni­do que­rem for­çar o Irã a cum­prir o acor­do nu­cle­ar de 2015. Sim­pa­ti­zan­tes de mi­lí­cia pró-re­gi­me ira­ni­a­no (foto) cho­ra­ram pe­las ví­ti­mas do avião der­ru­ba­do por mís­sil.

Pe­la pri­mei­ra vez des­de que o acor­do nu­cle­ar com o Irã foi as­si­na­do, em 2015, Rei­no Uni­do, Fran­ça e Ale­ma­nha ame­a­çam im­por de no­vo san­ções aos ira­ni­a­nos. Os três paí­ses aci­o­na­ram on­tem o me­ca­nis­mo de so­lu­ção de con­tro­vér­si­as do pac­to, emi­tin­do um ul­ti­ma­to a Te­e­rã. En­quan­to a pres­são cres­cia em Bru­xe­las, a ba­se ira­qui­a­na de Ta­ji, que abri­ga tro­pas dos EUA, ao nor­te de Bag­dá, foi atin­gi­da por cin­co fo­gue­tes – sem dei­xar fe­ri­dos.

De acor­do com re­la­tos de mi­li­ta­res ira­qui­a­nos, fo­ram cin­co dis­pa­ros de fo­gue­tes Ka­tiushas, de fa­bri­ca­ção so­vié­ti­ca. “Ne­nhum sol­da­do da co­a­li­zão foi atin­gi­do”, dis­se o co­ro­nel ame­ri­ca­no My­les Cag­gins, por­ta-voz das tro­pas. Ape­sar de nin­guém ter as­su­mi­do a au­to­ria do ata­que, os EUA acre­di­tam que mi­lí­ci­as xi­i­tas pró-Irã, que atu­am no Ira­que, es­te­jam por trás da ação.

Ata­ques a ba­ses ira­qui­a­nas que abri­gam tro­pas dos EUA vêm sen­do ca­da vez mais fre­quen­tes nas du­as úl­ti­mas se­ma­nas. No do­min­go, oi­to fo­gue­tes Ka­tiushas fo­ram lan­ça­dos con­tra a ba­se de Ba­lad, on­de tam­bém há sol­da­dos ame­ri­ca­nos – qua­tro sol­da­dos ira­qui­a­nos fi­ca­ram fe­ri­dos.

Des­de que os EUA or­de­na­ram a mor­te do ge­ne­ral Qas­sim Su­lei­ma­ni, no dia 3, o re­gi­me ira­ni­a­no vem ca­mi­nhan­do na cor­da bam­ba, ten­tan­do de­mons­trar for­ça pa­ra a po­pu­la­ção in­sa­tis­fei­ta com a cri­se econô­mi­ca e pro­me­ten­do vin­gan­ça, e bus­can­do ao mes­mo tem­po não exa­ge­rar na re­ta­li­a­ção, pa­ra não pro­vo­car um con­fli­to de­vas­ta­dor con­tra os ame­ri­ca­nos.

Uma das respostas anun­ci­a­das pe­lo re­gi­me, na se­ma­na pas­sa­da, foi a re­to­ma­da do en­ri­que­ci­men­to de urâ­nio e o au­men­to do número de cen­trí­fu­gas, o que pra­ti­ca­men­te se­pul­tou o acor­do nu­cle­ar de 2015. On­tem, os eu­ro­peus que as­si­na­ram o pac­to de­ram o pas­so mais agres­si­vo con­tra o Irã des­de en­tão.

“Não te­mos ou­tra es­co­lha, em ra­zão das ações do Irã, além de ex­pres­sar nos­sa pre­o­cu­pa­ção quan­to ao fa­to de o Irã não cum­prir seus com­pro­mis­sos com o acor­do nu­cle­ar”, afir­ma­ram os três paí­ses, que ain­da ten­tam sal­var o pac­to fir­ma­do tam­bém por Rús­sia e Chi­na – o pre­si­den­te Do­nald Trump re­ti­rou os EUA do acor­do em maio de 2018.

Os mi­nis­tros das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res de Rei­no Uni­do, Fran­ça e Ale­ma­nha de­ci­di­ram ati­var o me­ca­nis­mo de so­lu­ção de con­tro­vér­si­as pre­vis­to no pac­to pa­ra obri­gar Te­e­rã a vol­tar a res­pei­tar seus com­pro­mis­sos. “Ao fa­zer is­so, não en­tra­mos na cam­pa­nha de pres­são má­xi­ma ao Irã”, dis­se­ram. “Nos­so ob­je­ti­vo é pre­ser­var o acor­do e al­can­çar uma so­lu­ção di­plo­má­ti­ca den­tro de­le.”

O aci­o­na­men­to do me­ca­nis­mo pre­vê um pra­zo de 60 di­as de ne­go­ci­a­ções com o Irã, dan­do es­pa­ço pa­ra os ira­ni­a­nos vol­ta­rem “ao ple­no cum­pri­men­to do acor­do”. Ca­so as ne­go­ci­a­ções não avan­cem e Te­e­rã con­ti­nue vi­o­lan­do os ter­mos do pac­to, as san­ções que es­ta­vam sus­pen­sas se­rão reim­pos­tas, in­cluin­do o em­bar­go de ar­mas. O go­ver­no ame­ri­ca­no elo­gi­ou on­tem a de­ci­são dos eu­ro­peus.

Di­plo­ma­tas bri­tâ­ni­cos, fran­ce­ses e ale­mães, no en­tan­to, ain­da pre­ten­dem sal­var o acor­do e con­ven­cer Washing­ton e Te­e­rã a ini­ci­ar uma no­va ro­da­da de ne­go­ci­a­ções so­bre o de­sen­vol­vi­men­to de mís­seis e as ati­vi­da­des re­gi­o­nais do Irã, dis­se uma au­to­ri­da­de da União Eu­ro­peia ao New York Ti­mes.

Cor­ri­da nu­cle­ar. O jor­nal Je­ru­sa­lem Post, ci­tan­do fontes de in­te­li­gên­cia do Exér­ci­to de Is­ra­el, pu­bli­cou on­tem que, se o Irã man­ti­ver o mes­mo rit­mo atu­al de en­ri­que­ci­men­to, te­ria urâ­nio su­fi­ci­en­te pa­ra pro­du­zir uma bom­ba nu­cle­ar até o fim do ano e se­ria ca­paz de ter mís­sil ar­ma­do com ela em até dois anos.

De acor­do com as mes­mas fontes is­ra­e­len­ses, no en­tan­to, os ira­ni­a­nos não te­ri­am in­te­res­se em pro­du­zir uma ar­ma atô­mi­ca e es­ta­ri­am ca­da vez mais dis­pos­tos a re­ne­go­ci­ar o acor­do nu­cle­ar de 2015, es­pe­ci­al­men­te com os EUA.

ATTA KENARE / AFP

OMER MESSINGER/EFE–11/1/2020

Iro­nia. Ati­vis­tas protestam com más­ca­ras de Hassan Roha­ni, pre­si­den­te do Irã, da chan­ce­ler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, e de Do­nald Trump, em Ber­lim

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.