Go­ver­no vai con­tra­tar até 7 mil mi­li­ta­res pa­ra di­mi­nuir fi­la no INSS

Ob­je­ti­vo é li­be­rar ser­vi­do­res pa­ra ana­li­sar 1,3 mi­lhão de pe­di­dos de be­ne­fí­ci­os em atra­so

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Com 1,3 mi­lhão de pe­di­dos de be­ne­fí­ci­os aguar­dan­do aná­li­se no INSS, o go­ver­no de­ci­diu con­tra­tar até 7 mil mi­li­ta­res da re­ser­va das For­ças Ar­ma­das pa­ra re­for­çar o aten­di­men­to nas agên­ci­as da Pre­vi­dên­cia So­ci­al. Ob­je­ti­vo é li­be­rar pe­lo me­nos 2,1 mil ser­vi­do­res do ór­gão pa­ra tra­ba­lhar na aná­li­se dos pro­ces­sos em atra­so. O INSS vai pa­gar os 30% de adi­ci­o­nal que os mi­li­ta­res vão re­ce­ber so­bre sua atu­al re­mu­ne­ra­ção. O tra­ba­lho de­ve du­rar no­ve me­ses, com um cus­to es­ti­ma­do em R$ 14,5 mi­lhões men­sais. Os mi­li­ta­res pas­sa­rão por um pe­río­do de trei­na­men­to e, em mar­ço, vão co­me­çar a atu­ar. A ex­pec­ta­ti­va é de que o acú­mu­lo de re­que­ri­men­tos caia nu­ma ve­lo­ci­da­de de 150 mil a 160 mil pe­di­dos ao mês. A re­du­ção da fi­la evi­ta­rá que o go­ver­no te­nha de pa­gar cor­re­ção mo­ne­tá­ria so­bre os be­ne­fí­ci­os. O al­to co­man­do das For­ças Ar­ma­das re­ce­beu com al­gu­ma re­ser­va o pe­di­do pa­ra re­sol­ver mais es­se pro­ble­ma. “É o Pos­to Ipi­ran­ga”, dis­se um mi­li­tar.

Em uma pro­va do ape­ti­te dos in­ves­ti­do­res pe­lo se­tor da cons­tru­ção, a Mi­tre Re­alty lan­çou sua ofer­ta ini­ci­al de ações (IPO, na si­gla em in­glês) com in­ves­ti­do­res-ân­co­ra e já ga­ran­tiu me­ta­de da ofer­ta, que de­ve­rá so­mar cer­ca de R$ 1,1 bi­lhão. Se con­si­de­ra­das as in­ten­ções de in­ves­ti­men­to co­le­ta­das nas reu­niões pre­li­mi­na­res com po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res nes­se iní­cio de ano, a de­man­da dos in­te­res­sa­dos já co­bre o vo­lu­me a ser lan­ça­do. A ofer­ta ini­ci­al das ações da cons­tru­to­ra se­rá pra­ti­ca­men­te to­da pri­má­ria, com os no­vos re­cur­sos sen­do in­je­ta­dos no cai­xa da com­pa­nhia. Seu ob­je­ti­vo é es­tar pre­pa­ra­da pa­ra o cres­ci­men­to do se­tor imo­bi­liá­rio. Do pe­que­no lo­te se­cun­dá­rio, o ven­de­dor se­rá Jor­ge Mi­tre, pai de Fa­brí­cio Mi­tre, pre­si­den­te da com­pa­nhia fa­mi­li­ar. » Mé­dia-al­ta. Os pro­je­tos da cons­tru­to­ra têm fo­co no pú­bli­co de mé­dia e mé­dia-al­ta ren­da, na ci­da­de de São Pau­lo. Es­se seg­men­to ten­de a ser o mais be­ne­fi­ci­a­do pe­lo no­vo ci­clo de cré­di­to nos pró­xi­mos anos. A ação es­treia na B3 na pri­mei­ra se­ma­na de fe­ve­rei­ro.

» Know-how. Fa­brí­cio Mi­tre, que pos­sui 40% da com­pa­nhia e pre­si­de a cons­tru­to­ra des­de 2008, já tra­ba­lhou em ban­cos de in­ves­ti­men­to, co­mo HSBC, BNP Pa­ri­bas, Mac­qua­rie Bank e Cre­dit Suis­se. Em sua bi­o­gra­fia no si­te da com­pa­nhia, um dos des­ta­ques é que ele fez par­te de “im­por­tan­tes IPOs e tran­sa­ções do se­tor no País”. Pro­cu­ra­da, a Mi­tre não co­men­tou. » Fim. De­pois de não che­gar a um con­sen­so com a Pre­vi, fun­do de pen­são dos fun­ci­o­ná­ri­os do Ban­co do Bra­sil, o INSS can­ce­lou o con­vê­nio com a fun­da­ção, no iní­cio des­te ano. Con­ver­sas pa­ra a fun­da­ção “com­prar” a pró­pria folha de pa­ga­men­tos ocor­re­ram, mas sem su­ces­so. Co­mo o ca­bo de guer­ra não deu em na­da, o jei­to foi par­tir pa­ra o pla­no B. Ago­ra, o ins­ti­tu­to ame­a­ça lei­lo­ar a folha de apo­sen­ta­dos do BB a pos­sí­veis ban­cos in­te­res­sa­dos. O INSS tam­bém te­ria can­ce­la­do o con­vê­nio que de­ti­nha com a Pe­tros, da Pe­tro­brás, e a Fun­cef, da Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral.

» Quem vai que­rer? No ca­so das fo­lhas de pa­ga­men­tos de BB e Cai­xa, di­fí­cil é ima­gi­nar qual ban­co vai con­cor­dar pa­gar por no­vos cli­en­tes com ris­co de per­dê-los mais adi­an­te. Is­so por­que os apo­sen­ta­dos des­sas ins­ti­tui­ções po­dem, pos­te­ri­or­men­te, re­cor­rer ao me­ca­nis­mo da por­ta­bi­li­da­de pa­ra vol­tar tu­do co­mo an­tes, re­ce­ben­do seus be­ne­fí­ci­os no pró­prio ban­co.

» Lá vem o pa­to. Com a fal­ta de acer­to en­tre INSS e Pre­vi, os apo­sen­ta­dos do BB é que es­tão so­fren­do as con­sequên­ci­as. Por con­ta do can­ce­la­men­to do con­vê­nio en­tre am­bos, eles dei­xa­ram de re­ce­ber os va­lo­res men­sais de for­ma uni­fi­ca­da.

» Fei­ti­ço e fei­ti­cei­ro. A se­pa­ra­ção dos pa­ga­men­tos da Pre­vi e do INSS di­fi­cul­ta não só a ges­tão das fi­nan­ças co­mo tam­bém a ques­tão tri­bu­tá­ria. Além dis­so, os apo­sen­ta­dos do BB ti­ve­ram de pas­sar a se re­la­ci­o­nar com os ban­cos in­di­ca­dos pe­lo INSS, en­tran­do na mi­ra do as­sé­dio pa­ra ven­da de cré­di­to con­sig­na­do (com des­con­to na folha) e se­gu­ros. » Com a pa­la­vra. Pro­cu­ra­do, o INSS não co­men­tou. BB e Pre­vi tam­bém não se ma­ni­fes­ta­ram.

» Es­pe­ran­ça. A mai­o­ria dos bra­si­lei­ros co­me­çou o ano oti­mis­ta em re­la­ção à eco­no­mia, de acor­do com pes­qui­sa do Da­ta­fo­lha, en­co­men­da­da pe­la As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra das En­ti­da­des dos Mer­ca­dos Fi­nan­cei­ro e de Ca­pi­tais (An­bi­ma). Dos en­tre­vis­ta­dos 62% dis­se­ram es­tar oti­mis­tas, 17% acre­di­tam que a eco­no­mia fi­ca­rá de la­do e o res­tan­te (21%), pre­vê pi­o­ra. O por­cen­tu­al, po­rém, é me­nor do que a pes­qui­sa di­vul­ga­da no iní­cio do ano pas­sa­do, quan­do 74% de­mons­tra­ram oti­mis­mo.

» Gru­po. Pa­ra a pes­qui­sa fo­ram fei­tas 3.433 en­tre­vis­tas em to­do o Bra­sil, em 149 mu­ni­cí­pi­os, com a po­pu­la­ção eco­no­mi­ca­men­te ati­va, ina­ti­vos com ren­da e apo­sen­ta­dos, das clas­ses A, B e C, a par­tir dos 16 anos. A mar­gem de er­ro é de dois pon­tos por­cen­tu­ais pa­ra mais ou pa­ra me­nos, com ní­vel de con­fi­an­ça de 95%.

» En­quan­to is­so... O em­pre­sa­ri­a­do bra­si­lei­ro en­cer­rou 2019 com ex­pec­ta­ti­vas frus­tra­das. O Ín­di­ce de Ati­vi­da­de In­dus­tri­al, cal­cu­la­do pe­la As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Au­to­ma­ção com ba­se no re­gis­tro de có­di­go de bar­ras dos pro­du­tos, en­cer­rou com que­da de 8,4% na in­ten­ção de lan­ça­men­to en­tre ja­nei­ro e de­zem­bro.

» Ex­ce­ção. Ape­sar dis­so, as in­dús­tri­as de be­bi­das e a de ves­tuá­rio e aces­só­ri­os não têm do que re­cla­mar. Es­ses se­to­res lan­ça­ram 8,6% e 1,7% mais pro­du­tos no ano pas­sa­do do que em 2018, res­pec­ti­va­men­te. » E a re­to­ma­da? A ex­pec­ta­ti­va do em­pre­sa­ri­a­do es­ta­va an­co­ra­da no de­sem­pe­nho dos dois pri­mei­ros tri­mes­tres de 2019, que ti­ve­ram cres­ci­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo fren­te ao ano ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­or. A par­tir de ju­lho, po­rém, con­for­me a pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção, Vir­gi­nia Va­a­mon­de, hou­ve de­sa­ce­le­ra­ção no lan­ça­men­to de pro­du­tos com re­sul­ta­do abai­xo do es­pe­ra­do no ter­cei­ro e quar­to tri­mes­tres.

FER­NAN­DA GUI­MA­RÃES E ALI­NE BRONZATI

TIAGO QU­EI­ROZ / ESTADÃO-23/12/2017

ROB­SON FERNANDJES/ESTADÃO - 26/4/2002

WERTHER SAN­TA­NA/ESTADÃO-8/2/2019

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.