SP po­de per­der R$ 21,2 bi

No­va tri­bu­ta­ção. Par­ti­ci­pa­ção do Es­ta­do na so­ma da ar­re­ca­da­ção do ICMS (es­ta­du­al) e do ISS (mu­ni­ci­pal) cai­ria de 30,5% pa­ra 26,6%, se­gun­do es­tu­do ela­bo­ra­do pe­lo Ipea, que ain­da apon­ta que Es­ta­dos mais ri­cos vão trans­fe­rir R$ 25 bi­lhões pa­ra os mais po­bres

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Adri­a­na Fer­nan­des / BRA­SÍ­LIA

Es­tu­do mos­tra que SP é o Es­ta­do que mais vai per­der com no­va tri­bu­ta­ção so­bre o con­su­mo pro­pos­ta nas re­for­mas que es­tão no Con­gres­so.

O Es­ta­do de São Pau­lo é o que mais per­de com o no­vo mo­de­lo de tri­bu­ta­ção so­bre o con­su­mo pro­pos­to pe­las re­for­mas tri­bu­tá­ri­as que tra­mi­tam no Con­gres­so Na­ci­o­nal. A par­ti­ci­pa­ção do Es­ta­do no bo­lo de ar­re­ca­da­ção da so­ma de ICMS (es­ta­du­al) e ISS (mu­ni­ci­pal) cai­ria dos atu­ais 30,5% pa­ra 26,6%.

É o que mos­tra es­tu­do do Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca e Apli­ca­da (Ipea). O tra­ba­lho faz si­mu­la­ções e mos­tra que o IVA (o no­vo im­pos­to que se­rá cri­a­do ao ex­tin­guir os atu­ais) tem po­ten­ci­al pa­ra pro­mo­ver uma re­dis­tri­bui­ção de R$ 25 bi­lhões de ar­re­ca­da­ção de Es­ta­dos mais ri­cos pa­ra os mais po­bres. No ca­so dos mu­ni­cí­pi­os, o po­ten­ci­al é ain­da mai­or: R$ 30 bi­lhões se­ri­am trans­fe­ri­dos pa­ra as ci­da­des mais po­bres.

Se­gun­do o es­tu­do, São Pau­lo per­de­ria R$ 21,24 bi­lhões no pri­mei­ro ano da vi­gên­cia da re­for­ma ca­so a mu­dan­ça se­ja fei­ta de uma só vez.

Pe­las pro­pos­tas do Se­na­do e da Câ­ma­ra, o IVA se­ria cri­a­do em subs­ti­tui­ção aos tri­bu­tos fe­de­rais, es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais que in­ci­dem so­bre o con­su­mo.

O es­tu­do re­for­ça a ideia de que a apro­va­ção da re­for­ma tri­bu­tá­ria é im­por­tan­te não ape­nas pa­ra o mun­do dos ne­gó­ci­os e a eli­mi­na­ção da guer­ra fis­cal nos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os pa­ra atrair em­pre­sas, mas tam­bém pa­ra re­du­zir gra­ves de­se­qui­lí­bri­os fis­cais fe­de­ra­ti­vos.

As du­as pro­pos­tas de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal – a PEC 45 da Câ­ma­ra e a PEC 110 do Se­na­do – tendem a des­con­cen­trar re­cei­tas em fa­vor de Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os mais po­bres do País ao mi­grar do mo­de­lo atu­al em que a co­bran­ça é fei­ta na ori­gem, ou se­ja, on­de os pro­du­tos são pro­du­zi­dos, pa­ra o des­ti­no, on­de são com­pra­dos. Es­sa mu­dan­ça, se apro­va­da pe­lo Con­gres­so, vai al­te­rar, prin­ci­pal­men­te, a for­ma co­mo o ICMS e o ISS são re­par­ti­dos atu­al­men­te.

Si­mu­la­ções. O tra­ba­lho do Ipea dos eco­no­mis­tas Ro­dri­go Orair e Ser­gio Go­bet­ti é a pri­mei­ra aná­li­se so­bre as du­as pro­pos­tas que traz si­mu­la­ções com as per­das e ga­nhos pa­ra Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. Ou se­ja, quem são os po­ten­ci­ais per­de­do­res e ga­nha­do­res com a re­for­ma.

Pe­las si­mu­la­ções, oi­to Es­ta­dos tendem a per­der a par­ti­ci­pa­ção no no­vo tributo ca­so a mi­gra­ção fos­se fei­ta de ma­nei­ra abrup­ta, de um úni­ca vez: Ama­zo­nas, Es­pí­ri­to San­to, Mi­nas Ge­rais, Ma­to Gros­so do Sul, Ma­to Gros­so, Rio Gran­de do Sul, Santa Catarina e São Pau­lo. Os de­mais 19 Es­ta­dos tendem a ga­nhar. São jus­ta­men­te os Es­ta­dos que con­so­mem mais que pro­du­zem.

Se­gun­do Go­bet­ti, o ob­je­ti­vo do es­tu­do não é pre­ver com exa­ti­dão quan­to ca­da en­te da Fe­de­ra­ção re­ce­be­rá de re­cei­ta, mas ana­li­sar as ten­dên­ci­as re­dis­tri­bu­ti­vas com a apro­va­ção da re­for­ma. Pa­ra ele, o fo­co de­ve ser mai­or so­bre os si­nais po­si­ti­vos ou ne­ga­ti­vos do que so­bre o ta­ma­nho dos ga­nhos e per­das. “A re­gra de tran­si­ção con­tri­bui­rá, na prá­ti­ca, pa­ra su­a­vi­zar o im­pac­to ao lon­go do tem­po”, diz o eco­no­mis­ta.

O tra­ba­lho do Ipea não per­mi­te ain­da ava­li­ar o im­pac­to den­tro de ca­da Es­ta­do en­tre os di­fe­ren­tes mu­ni­cí­pi­os. Por exem­plo, em­bo­ra São Pau­lo apa­re­ça com mai­or va­lor ab­so­lu­to de per­da, exis­tem mu­ni­cí­pi­os pau­lis­tas que po­ten­ci­al­men­te ga­nha­ri­am com a re­for­ma.

Os gran­des ga­nha­do­res são os Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os do Nor­des­te e do Nor­te (com ex­ce­ção do Ama­zo­nas). O des­ta­que é o ca­so do Pa­rá (R$ 5,6 bi­lhões) e Ma­ra­nhão (R$ 4,3 bi­lhões). Bahia, Ce­a­rá, Pa­raí­ba, Ala­go­as e Rio Gran­de do Nor­te tam­bém apre­sen­tam es­ti­ma­ti­vas de ga­nhos ex­pres­si­vos (ve­ja ao la­do).

As si­mu­la­ções fo­ram fei­tas an­tes da di­vul­ga­ção da úl­ti­ma Pes­qui­sa de Or­ça­men­tos Fa­mi­li­a­res (POF) do IBGE. A par­ti­ci­pa­ção de São Pau­lo no con­su­mo é mai­or do que a pre­vi­a­men­te es­ti­ma­da, pro­va­vel­men­te pe­la ex­pan­são do con­su­mo de ser­vi­ços. Com es­se au­men­to, São Pau­lo po­de ter uma per­da me­nor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.