Tof­fo­li de­ve adi­ar cri­a­ção do juiz de ga­ran­ti­as

Lei an­ti­cri­me que pre­vê dis­po­si­ti­vo en­tra em vi­gor no dia 23, mas pre­si­den­te do Su­pre­mo tem de­fen­di­do um pe­río­do de tran­si­ção de 6 me­ses pa­ra apli­ca­ção da me­di­da

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ra­fa­el Mo­ra­es Mou­ra / BRA­SÍ­LIA

O pre­si­den­te do STF e do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça, Di­as Tof­fo­li, de­ve adi­ar por seis me­ses a im­ple­men­ta­ção da fi­gu­ra do juiz de ga­ran­ti­as. A me­di­da es­tá pre­vis­ta na lei an­ti­cri­me, san­ci­o­na­da pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, pre­vis­ta pa­ra en­trar em vi­gor no pró­xi­mo dia 23. A mai­o­ria dos mi­nis­tros do Su­pre­mo apoia a cri­a­ção do dis­po­si­ti­vo, vis­to co­mo uma der­ro­ta pa­ra o mi­nis­tro Sér­gio Mo­ro (Jus­ti­ça).

O pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) e do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ), Di­as Tof­fo­li, de­ve adi­ar por seis me­ses a im­ple­men­ta­ção da fi­gu­ra do juiz de ga­ran­ti­as. A me­di­da es­tá pre­vis­ta na lei an­ti­cri­me, san­ci­o­na­da pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, que en­tra em vi­gor no dia 23 de ja­nei­ro. A mai­o­ria dos mi­nis­tros do STF – in­clu­si­ve o pró­prio Tof­fo­li – apoia a cri­a­ção do dis­po­si­ti­vo, co­mo adi­an­tou o Es­ta­do.

A san­ção da me­di­da impôs uma der­ro­ta ao mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Sér­gio Mo­ro, que apon­tou di­fi­cul­da­des pa­ra vi­a­bi­li­zar a pro­pos­ta e ha­via re­co­men­da­do o ve­to, mas aca­bou não sen­do aten­di­do por Bol­so­na­ro. O pa­co­te an­ti­cri­me foi en­vi­a­do por Mo­ro ao Con­gres­so, que de­si­dra­tou a ver­são ori­gi­nal e in­cluiu a fi­gu­ra do juiz de ga­ran­ti­as, vis­ta pe­lo ex-juiz fe­de­ral da La­va Ja­to co­mo um em­pe­ci­lho no com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de.

Mo­ro afir­mou ao Es­ta­do que é pre­ci­so re­sol­ver o que con­si­de­ra “pro­ble­mas téc­ni­cos gra­ves” na ado­ção do juiz de ga­ran­ti­as. “Mui­tas ques­tões fi­ca­ram in­de­fi­ni­das. É in­di­ca­ti­vo de que fal­tou de­ba­te, ape­sar de a Câ­ma­ra ter si­do aler­ta­da Es­pe­ro que o STF ou o CNJ pos­sa cor­ri­gir es­ses pro­ble­mas”, dis­se ele.

Se­gun­do in­ter­lo­cu­to­res de Tof­fo­li, a im­ple­men­ta­ção da me­di­da de­ve ser efe­tu­a­da em seis me­ses, mes­mo pra­zo que o mi­nis­tro já dis­se ser ne­ces­sá­rio pa­ra um pe­río­do de tran­si­ção no sis­te­ma ju­di­ciá­rio do País. In­te­gran­tes de tri­bu­nais su­pe­ri­o­res ou­vi­dos pe­la re­por­ta­gem tam­bém con­si­de­ram di­fí­cil a vi­gên­cia da nor­ma ime­di­a­ta­men­te, por tra­zer im­pli­ca­ções diretas nas ati­vi­da­des dos tri­bu­nais. O mi­nis­tro do Su­pre­mo Alexandre de Mo­ra­es, ou­tro ide­a­li­za­dor do pa­co­te an­ti­cri­me, de­fen­deu “a di­la­ção de pra­zo, pa­ra que (o juiz de ga­ran­ti­as) se­ja ins­ta­la­do de ma­nei­ra cons­ci­en­te, ra­zoá­vel e na­ci­o­nal­men­te.

Co­mo re­ve­lou o Es­ta­do, Tof­fo­li deu aval a Bol­so­na­ro pa­ra san­ci­o­nar o juiz de ga­ran­ti­as, fa­zen­do che­gar ao Pla­nal­to que a me­di­da era “fac­tí­vel”. O pre­si­den­te do STF dis­se, po­rém, que não in­ter­fe­riu na de­ci­são de Bol­so­na­ro.

Tof­fo­li já afir­mou que a lei não re­tro­a­ge, ou se­ja, não al­can­ça os ca­sos em an­da­men­to – co­mo as in­ves­ti­ga­ções que mi­ram o se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (sem par­ti­do-RJ) – nem atin­ge tri­bu­nais su­pe­ri­o­res, va­len­do pa­ra a pri­mei­ra ins­tân­cia.

Atu­al­men­te, o juiz que ana­li­sa pe­di­dos da po­lí­cia e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co na in­ves­ti­ga­ção é o mes­mo que po­de con­de­nar ou ab­sol­ver o réu. Pe­la no­va lei, o juiz de ga­ran­ti­as de­ve­rá con­du­zir a in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal e to­mar me­di­das pa­ra o an­da­men­to do ca­so, co­mo au­to­ri­zar bus­ca e apre­en­são e que­bra de si­gi­lo te­lefô­ni­co

e ban­cá­rio, até o mo­men­to em que a de­nún­cia é re­ce­bi­da. A par­tir daí, ou­tro ma­gis­tra­do acom­pa­nha o ca­so e fi­ca res­pon­sá­vel pe­la sen­ten­ça.

Des­pe­sas. De­pois da san­ção da lei an­ti­cri­me por Bol­so­na­ro, a As­so­ci­a­ção dos Ma­gis­tra­dos Bra­si­lei­ros (AMB) e a dos Juí­zes Fe­de­rais do Bra­sil (Aju­fe) en­tra­ram jun­tas com uma ação no Su­pre­mo pa­ra sus­pen­der a me­di­da. As en­ti­da­des sus­ten­tam que não há co­mo dar exe­cu­ção à lei “sem pro­vo­car au­men­to de des­pe­sas”. AMB e Aju­fe ale­gam que a pro­pos­ta “não se mos­tra ma­te­ri­al­men­te pos­sí­vel de ser ins­ti­tuí­da de for­ma ime­di­a­ta, se­ja pe­la União, se­ja pe­los Es­ta­dos da fe­de­ra­ção”. Os par­ti­dos Ci­da­da­nia, Po­de­mos e PSL tam­bém aci­o­na­ram o tri­bu­nal.

As ações fo­ram sor­te­a­das pa­ra o vi­ce-pre­si­den­te do STF, Luiz Fux, mas Tof­fo­li de­ve de­ci­dir so­bre os pe­di­dos em bre­ve, an­tes de Fux as­su­mir o co­man­do do plan­tão, na pró­xi­ma se­ma­na. A Cor­te re­to­ma re­gu­lar­men­te as ati­vi­da­des em fe­ve­rei­ro.

Su­ges­tões. Por de­ter­mi­na­ção de Tof­fo­li, um gru­po de tra­ba­lho foi cri­a­do no CNJ pa­ra ela­bo­rar um es­tu­do so­bre a apli­ca­ção do pa­co­te an­ti­cri­me e pro­por uma nor­ma­ti­za­ção do as­sun­to. Além dis­so, uma con­sul­ta pú­bli­ca foi aber­ta pa­ra ou­vir juí­zes, tri­bu­nais e en­ti­da­des da ma­gis­tra­tu­ra e co­lher su­ges­tões.

O gru­po do CNJ já re­ce­beu 99 re­co­men­da­ções en­vi­a­das por meio da con­sul­ta pú­bli­ca, en­tre elas pro­pos­tas de cri­a­ção de va­ras re­gi­o­na­li­za­das (com ma­gis­tra­dos que atu­am so­men­te co­mo juiz de ga­ran­ti­as), di­gi­ta­li­za­ção de pro­ces­sos fí­si­cos e a re­a­li­za­ção de au­di­ên­ci­as de cus­tó­dia por vi­de­o­con­fe­rên­cia. Os tra­ba­lhos do co­le­gi­a­do de­vem ser con­cluí­dos ho­je.

GABRIELA BILO / ESTADAO-13/12/2019

Aná­li­se. Pre­si­den­te do STF, Tof­fo­li de­ter­mi­nou a cri­a­ção de um gru­po de tra­ba­lho no CNJ pa­ra dis­cu­tir o juiz de ga­ran­ti­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.