O Estado de S. Paulo

Bi­bli­o­te­cas são ne­ces­sá­ri­as

En­con­tro vai de­ba­ter co­mo es­pa­ço é vi­tal pa­ra as so­ci­e­da­des

- Maria Fer­nan­da Ro­dri­gues

A bi­bli­o­te­ca não é um ar­ti­go de lu­xo, mas uma ins­ti­tui­ção de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de. Ela vai mui­to além dos li­vros, po­de aju­dar no de­sen­vol­vi­men­to de sua co­mu­ni­da­de e é ain­da mais ne­ces­sá­ria atu­al­men­te por cau­sa do ex­ces­so de in­for­ma­ção. A opi­nião é de Gon­za­lo Oyar­zún, pro­fes­sor e con­sul­tor chi­le­no com um vas­to cur­rí­cu­lo na área de bi­bli­o­te­cas pú­bli­cas e um dos con­vi­da­dos do Workshop In­ter­na­ci­o­nal Me­di­a­ção: Uma Bi­bli­o­te­ca pa­ra Ho­je e pa­ra To­dos, que se­rá re­a­li­za­do na quin­ta, 13, e sex­ta, 14, na Bi­bli­o­te­ca de São Pau­lo, com or­ga­ni­za­ção do Sis­te­ma Es­ta­du­al de Bi­bli­o­te­cas Pú­bli­cas de São Pau­lo.

“Na era em que to­do o co­nhe­ci­men­to hu­ma­no es­tá na te­la e o le­va­mos no bol­so, as bi­bli­o­te­cas se tor­nam im­pres­cin­dí­veis”, diz Oyar­zún, que já foi di­re­tor do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Bi­bli­o­te­cas Pú­bli­cas do Chi­le, pre­si­den­te do Pro­gra­ma Ibe­roA­me­ri­ca­no de Bi­bli­o­te­cas Pú­bli­cas e di­re­tor fun­da­dor da Bi­bli­o­te­ca de San­ti­a­go, a mai­or en­tre as pú­bli­cas do Chi­le.

Oyar­zún apon­ta três mo­ti­vos que tor­nam as bi­bli­o­te­cas ain­da mais ne­ces­sá­ri­as nos di­as atu­ais.

O pri­mei­ro é que a pro­mes­sa de aces­so uni­ver­sal à in­for­ma­ção é uma fan­ta­sia pa­ra a mai­o­ria da po­pu­la­ção mun­di­al por cau­sa da lín­gua – qua­se 70% do con­teú­do na in­ter­net es­tá em in­glês, ale­mão, rus­so e francês. “Pa­ra paí­ses do ter­cei­ro mun­do, a bi­bli­o­te­ca é a úni­ca por­ta de aces­so a in­for­ma­ções que vão aju­dar as pes­so­as a en­con­trar tra­ba­lho, ampliar seus es­tu­dos, en­trar em con­ta­to com seus fa­mi­li­a­res, cui­dar da saú­de e me­lho­rar su­as com­pe­tên­ci­as pro­fis­si­o­nais. Ela é uma ins­ti­tui­ção de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de.”

O segundo mo­ti­vo, ex­pli­ca, é que as bi­bli­o­te­cas têm um pa­pel de­ter­mi­nan­te na vi­da das co­mu­ni­da­des. Segundo Oyar­zún, as pes­so­as usam as tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção pa­ra se co­mu­ni­car, mas es­sas tec­no­lo­gi­as não são exa­ta­men­te um es­pa­ço de en­con­tro. “Sem ex­ce­ção, es­ses lo­cais são to­dos co­mer­ci­ais, on­de de­ve­mos con­su­mir, pa­gar, nos

“Na era em que to­do o co­nhe­ci­men­to hu­ma­no es­tá na te­la e o le­va­mos no bol­so, as bi­bli­o­te­cas se tor­nam im­pres­cin­dí­veis.”

“A bi­bli­o­te­ca de­ve es­tar pró­xi­ma das pes­so­as, de su­as ne­ces­si­da­des. Ela tem que es­tar ocu­pa­da por pes­so­as. Se uma bi­bli­o­te­ca abre sua por­ta e fi­ca es­pe­ran­do que al­guém vá pe­dir um li­vro, é mui­to pro­vá­vel que ela desapareça pa­ra sem­pre”

Gon­za­lo Oyar­zún

PRO­FES­SOR E CON­SUL­TOR CHI­LE­NO

ex­por às di­nâ­mi­cas do mer­ca­do. Já as bi­bli­o­te­cas são es­pa­ços pa­ra to­dos e de to­dos, em que nin­guém tem o aces­so ne­ga­do e que é de­mo­crá­ti­ca por ex­ce­lên­cia, gra­tui­ta em seus ser­vi­ços e com con­teú­do de qua­li­da­de.”

Por fim, o ter­cei­ro mo­ti­vo é a im­por­tân­cia do me­di­a­dor de lei­tu­ra. Ele ar­gu­men­ta que um li­vro po­de ser­vir pa­ra en­fei­tar uma me­sa, se­gu­rar uma por­ta ou pa­ra ser li­do. “O que vai fa­zer a di­fe­ren­ça é a me­di­a­ção. Um li­vro por si só não mu­da na­da. É pre­ci­so ter gen­te, e um bi­bli­o­te­cá­rio po­de ser es­sa pes­soa que vai apro­xi­mar ca­ri­nho­sa­men­te a lei­tu­ra de qu­em pre­ci­sa.”

Foi o mo­de­lo chi­le­no, que Oyar­zún aju­dou a for­ma­tar, que ins­pi­rou a Bi­bli­o­te­ca de São Pau­lo – um mar­co na trans­for­ma­ção do es­pa­ço pú­bli­co no Bra­sil. Inau­gu­ra­da há 10 anos, ela foi cons­truí­da on­de fi­ca­va a Ca­sa de De­ten­ção do Ca­ran­di­ru, pal­co do mas­sa­cre de 111 pre­sos, em 1992. Ali, e em ou­tras bi­bli­o­te­cas bra­si­lei­ras que vi­e­ram de­pois, ins­pi­ra­das nes­se mo­de­lo ou na ideia co­lom­bi­a­na de bi­bli­o­te­cas par­que, os li­vros es­tão ao aces­so de to­dos, co­mo em pra­te­lei­ras de li­vra­ri­as, os usuá­ri­os aju­dam na es­co­lha dos tí­tu­los que se­rão ad­qui­ri­dos, há cur­sos nas mais va­ri­a­das áre­as, en­con­tros com es­cri­to­res, clu­bes de lei­tu­ra, apre­sen­ta­ções mu­si­cais e te­a­trais, em­prés­ti­mo de fil­mes e mui­to mais.

O de­sa­fio, es­pe­ci­al­men­te pa­ra paí­ses com uma re­la­ção mais re­cen­te e não mui­to com­pro­me­ti­da com a lei­tu­ra, é atrair mais gen­te pa­ra as bi­bli­o­te­cas e trans­for­mar es­sas pes­so­as que as fre­quen­tam por cau­sa dos cur­sos ofe­re­ci­dos, por exem­plo, em leitores.

“A bi­bli­o­te­ca de­ve es­tar pró­xi­ma das pes­so­as, de su­as ne­ces­si­da­des. Ela tem que es­tar ocu­pa­da por pes­so­as. Não há uma re­cei­ta di­fe­ren­te des­sa. Se uma bi­bli­o­te­ca abre sua por­ta e fi­ca es­pe­ran­do que al­guém vá pe­dir um li­vro, é mui­to pro­vá­vel que ela desapareça pa­ra sem­pre. De­ve ter vi­da den­tro de uma bi­bli­o­te­ca. As pes­so­as de­vem po­der usar um com­pu­ta­dor, ver uma ex­po­si­ção, fa­zer um cur­so de cu­li­ná­ria, par­ti­ci­par de um clu­be de lei­tu­ra, fa­zer au­las de io­ga, pro­du­zir um fan­zi­ne com seus ami­gos, ou sim­ples­men­te sen­tar e ler um li­vro. Elas de­vem ser agen­tes de fo­men­to e pro­mo­ção de lei­tu­ra em múltiplos for­ma­tos. Nas me­lho­res bi­bli­o­te­cas, ho­je se lê, se es­cre­ve, se can­ta, se es­cu­ta, se dan­ça, se pro­gra­ma, se conversa, se de­se­nha, se so­nha e se cria”, com­ple­ta.

Fu­tu­ro. Gon­za­lo Oyar­zún evi­ta fa­lar no que de­ve­ria ser a bi­bli­o­te­ca do fu­tu­ro. Não há tem­po pa­ra is­so. “A bi­bli­o­te­ca do fu­tu­ro de­ve ser ho­je, e ela de­ve es­tar em lu­ga­res pú­bli­cos per­to de su­as co­mu­ni­da­des, com es­pa­ços e ser­vi­ços cons­truí­dos por es­sa co­mu­ni­da­de. Ela tem que aten­der às ne­ces­si­da­des vi­tais des­sa po­pu­la­ção e ade­quar seu acervo, ho­rá­rio, di­men­são e pro­gra­ma­ção ao que seus usuá­ri­os pre­ci­sam.” E is­so, ele diz, não im­por­ta se ela fun­ci­o­na num gran­de pré­dio ou num ôni­bus.

“A bi­bli­o­te­ca de ho­je de­ve es­tar fo­ca­da nas pes­so­as, em to­das as pes­so­as. Ela de­ve ser in­clu­si­va e in­cen­ti­var a di­ver­si­da­de”, ex­pli­ca. “Seu for­ma­to e sua es­tru­tu­ra de­vem ser cons­ti­tuí­das pe­lo prin­cí­pio per­ma­nen­te de que o ser hu­ma­no é o mais im­por­tan­te e que a ex­pres­são co­le­ti­va des­se ser hu­ma­no é a co­mu­ni­da­de em que ele es­tá in­se­ri­do”, com­ple­ta Oyar­zún.

Nes­se sen­ti­do, pa­ra o chi­le­no, uma Bi­bli­o­te­ca Na­ci­o­nal é igual­men­te de­ter­mi­nan­te na vi­da das pes­so­as. Na opi­nião de­le, há um fal­so an­ta­go­nis­mo en­tre a pre­ser­va­ção e o aces­so a uma in­for­ma­ção de ma­nei­ra mas­si­va.

“As bi­bli­o­te­cas na­ci­o­nais e pú­bli­cas e as uni­ver­si­tá­ri­as e es­co­la­res mu­da­ram e fo­ram in­cor­po­ra­das à vi­da das pes­so­as em to­dos os seus as­pec­tos.”

 ?? AMAN­DA PEROBELLI / ESTADÃO ?? In­te­ra­ção. Jo­vens na Bi­bli­o­te­ca de SP, que não res­trin­ge seu acervo a li­vros
AMAN­DA PEROBELLI / ESTADÃO In­te­ra­ção. Jo­vens na Bi­bli­o­te­ca de SP, que não res­trin­ge seu acervo a li­vros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil