Es­ta­dos pres­si­o­nam por mais em­prés­ti­mos; Eco­no­mia re­sis­te

Em ano elei­to­ral, go­ver­na­do­res que­rem aval da União pa­ra cap­tar di­nhei­ro; equi­pe econô­mi­ca te­me ca­lo­tes

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Adri­a­na Fernandes/ BRA­SÍ­LIA

anos. A de­fi­ni­ção de­ve ocor­rer nos pró­xi­mos di­as. Em 2019, o li­mi­te to­tal (com e sem ga­ran­tia) foi es­ti­pu­la­do pe­lo Con­se­lho Mo­ne­tá­rio Na­ci­o­nal em R$ 20 bi­lhões. A União pre­ci­sou ban­car R$ 8,35 bi­lhões em dí­vi­das não pa­gas por go­ver­nos es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais. Em 2018, o ca­lo­te foi de R$ 4,8 bi­lhões. Go­ver­na­do­res e pre­fei­tos de capitais pres­si­o­nam o mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des (Eco­no­mia) por um li­mi­te mai­or pa­ra a con­tra­ta­ção de em­prés­ti­mos no mer­ca­do fi­nan­cei­ro, com e sem aval da União. Co­mo es­te é ano elei­to­ral, o pra­zo pa­ra a ob­ten­ção dos em­prés­ti­mos ter­mi­na no iní­cio de ju­lho. O aval do go­ver­no fe­de­ral per­mi­te que Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os ob­te­nham re­cur­sos a ju­ros mais bai­xos. Ter a ga­ran­tia da União tam­bém sig­ni­fi­ca que, ca­so o dé­bi­to não se­ja qui­ta­do, o Te­sou­ro pa­ga­rá a dí­vi­da. A equi­pe econô­mi­ca do go­ver­no, po­rém, re­sis­te em am­pli­ar o va­lor do te­to de em­prés­ti­mos que pos­sam re­ce­ber seu aval por cau­sa do vo­lu­me de ca­lo­tes que te­ve de as­su­mir nos úl­ti­mos

Em ano de elei­ções, go­ver­na­do­res e pre­fei­tos de capitais têm pres­si­o­na­do o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, pa­ra ga­ran­tir que a União se­ja ava­lis­ta de um li­mi­te mai­or de em­prés­ti­mos que Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os pos­sam to­mar no mer­ca­do. O aval fe­de­ral é vital pa­ra que es­tes en­tes ob­te­nham crédito com ju­ros me­no­res. Os re­cur­sos po­dem ser usa­dos, por exem­plo, pa­ra to­car pro­je­tos de in­fra­es­tru­tu­ra.

A equi­pe econô­mi­ca, po­rém, re­sis­te em am­pli­ar o va­lor do te­to de em­prés­ti­mos com o seu aval, por cau­sa do vo­lu­me de ca­lo­tes que te­ve de as­su­mir nos úl­ti­mos anos. Ter a ga­ran­tia da União sig­ni­fi­ca que, ca­so o Es­ta­do ou mu­ni­cí­pio não pa­gue a pres­ta­ção, o Te­sou­ro hon­ra­rá a dí­vi­da.

Em 2019, o li­mi­te to­tal (com e sem ga­ran­tia da União) foi es­ti­pu­la­do em R$ 20 bi­lhões. A União pre­ci­sou ban­car R$ 8,35 bi­lhões em dí­vi­das não pa­gas por go­ver­nos es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais. O va­lor foi bem su­pe­ri­or aos R$ 4,80 bi­lhões hon­ra­dos em 2018.

To­dos os anos, o go­ver­no es­ti­pu­la es­se li­mi­te, que é da­do pe­lo Con­se­lho Mo­ne­tá­rio Na­ci­o­nal (CMN). Nes­te ano elei­to­ral, há pres­sa no as­sun­to, por­que o pra­zo pa­ra con­trair os em­prés­ti­mos só vai até o iní­cio de ju­lho.

Pa­ra ser ava­lis­ta, a União apli­ca um cri­té­rio de no­tas de A a D, o que equi­va­le a bons e maus pa­ga­do­res. Em con­di­ções nor­mais, ape­nas aque­les que têm no­ta A ou B, co­mo Es­pí­ri­to Santo e São Pau­lo, po­dem re­ce­ber ga­ran­tia pa­ra con­tra­tar em­prés­ti­mos. Há ini­ci­a­ti­vas, po­rém, pa­ra que Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os abai­xo des­sas ca­te­go­ri­as tam­bém pos­sam ser aten­di­dos.

O va­lor li­mi­te que se­rá uti­li­za­do pe­la União em 2020 ain­da não foi fe­cha­do. A ex­pec­ta­ti­va é que o no­vo li­mi­te pa­ra o aval da União se­ja de­fi­ni­do na reu­nião do CMN que acon­te­ce nes­te mês.

A ne­go­ci­a­ção em tor­no do as­sun­to é du­ra. A re­sis­tên­cia do go­ver­no já fez com que os pre­si­den­tes do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), e da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), fos­sem aci­o­na­dos nas ne­go­ci­a­ções. Há re­sis­tên­cia de par­la­men­ta­res em ga­ran­tir re­cur­sos no cai­xa de even­tu­ais ad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos nas elei­ções, apu­rou a re­por­ta­gem.

As dis­cus­sões tam­bém con­tem­plam um no­vo pro­je­to de so­cor­ro a Es­ta­dos em di­fi­cul­da­des. Tra­ta-se do cha­ma­do “Pla­no Man­su­e­to”, em re­fe­rên­cia ao se­cre­tá­rio do Te­sou­ro Na­ci­o­nal, Man­su­e­to Almeida.

O re­la­tor do pla­no que tra­mi­ta na Câ­ma­ra, de­pu­ta­do Pe­dro Pau­lo (DEM-RJ), qu­er am­pli­ar o li­mi­te pa­ra Es­ta­dos com no­tas A e B. Ao Es­ta­do, Pe­dro Pau­lo dis­se que é jus­to que Es­ta­dos com no­tas me­lho­res te­nham mais aces­so a em­prés­ti­mos. “Não é elei­ção. É uma ques­tão de jus­ti­ça.”

O Pla­no Man­su­e­to tam­bém é vol­ta­do a 13 Es­ta­dos com no­ta C, pa­ra que es­tes pos­sam ob­ter em­prés­ti­mo com ga­ran­tia da União. Pe­lo pro­je­to, o go­ver­no vai ava­li­zar até R$ 10 bi­lhões ao ano em no­vas dí­vi­das des­ses Es­ta­dos.

A que­da de bra­ço so­bre o as­sun­to já adi­ou, por exem­plo, o acor­do com o Congresso pa­ra de­vol­ver, ao Exe­cu­ti­vo, o con­tro­le so­bre R$ 11 bi­lhões em des­pe­sas não obri­ga­tó­ri­as, gas­tos que an­tes eram ca­rim­ba­dos pe­los par­la­men­ta­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.