CIA, ESPIÃ E FORNECEDOR­A

Com­pa­nhia suí­ça Cryp­to fa­tu­rou mi­lhões ne­go­ci­an­do com mais de 120 paí­ses des­de a 2ª Gu­er­ra; o que ne­nhum de seus cli­en­tes nun­ca des­con­fi­ou é que ela era de pro­pri­e­da­de dos ser­vi­ços de in­te­li­gên­cia dos Es­ta­dos Uni­dos e da Ale­ma­nha Oci­den­tal

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Greg Mil­ler THE WASHING­TON POST / TRA­DU­ÇÃO DE RE­NA­TO PRELORENTZ­OU

Uma em­pre­sa suí­ça ven­deu equi­pa­men­tos de crip­to­gra­fia a mais de 120 paí­ses des­de a 2.ª Gu­er­ra. Seus cli­en­tes nun­ca des­con­fi­a­ram que ela era da CIA. Ou se­ja, eles pa­ga­vam a quem os es­pi­o­na­va.

Por mais de meio sé­cu­lo, go­ver­nos de to­do o mun­do con­fi­a­ram em uma úni­ca em­pre­sa pa­ra man­ter em se­gre­do as co­mu­ni­ca­ções de es­piões, sol­da­dos e di­plo­ma­tas. A Cryp­to AG con­se­guiu seu pri­mei­ro gran­de con­tra­to pa­ra cons­truir má­qui­nas de cri­a­ção de có­di­gos pa­ra as tro­pas ame­ri­ca­nas du­ran­te a 2.ª Gu­er­ra.

Com o di­nhei­ro, tor­nou-se a prin­ci­pal fa­bri­can­te de dis­po­si­ti­vos de crip­to­gra­fia, na­ve­gan­do na on­da da tec­no­lo­gia, das en­gre­na­gens me­câ­ni­cas aos cir­cui­tos ele­trô­ni­cos e, fi­nal­men­te, em softwa­res e chips de si­lí­cio. A em­pre­sa suí­ça fa­tu­rou mi­lhões de dó­la­res ven­den­do equi­pa­men­tos pa­ra mais de 120 paí­ses. En­tre seus cli­en­tes es­ta­vam o Irã, as di­ta­du­ras mi­li­ta­res da Amé­ri­ca La­ti­na, os ri­vais nu­cle­a­res Ín­dia e Pa­quis­tão e até o Vaticano.

Mas o que ne­nhum de seus cli­en­tes ja­mais sou­be foi que a Cryp­to era da CIA, em uma par­ce­ria se­cre­ta com a in­te­li­gên­cia da Ale­ma­nha Oci­den­tal. Es­sas agên­ci­as de es­pi­o­na­gem ma­ni­pu­la­ram os dis­po­si­ti­vos da em­pre­sa pa­ra que pu­des­sem que­brar fa­cil­men­te os có­di­gos que os paí­ses usa­vam pa­ra en­vi­ar men­sa­gens crip­to­gra­fa­das.

Es­se ar­ran­jo, um dos se­gre­dos mais bem guar­da­dos da Gu­er­ra Fria, es­tá des­cri­to em uma his­tó­ria con­fi­den­ci­al so­bre a ope­ra­ção, fei­ta pe­la pró­pria CIA e ob­ti­da pe­lo Washing­ton Post e pe­la ZDF, emis­so­ra pú­bli­ca ale­mã, em uma re­por­ta­gem con­jun­ta.

O re­la­to iden­ti­fi­ca os ofi­ci­ais da CIA que di­ri­gi­am o pro­gra­ma e os exe­cu­ti­vos da em­pre­sa en­car­re­ga­dos de exe­cu­tá-lo. Des­cre­ve ain­da co­mo os EUA e seus ali­a­dos ex­plo­ra­ram a cre­du­li­da­de de ou­tras na­ções, pe­gan­do seu di­nhei­ro e rou­ban­do seus se­gre­dos. A ope­ra­ção, co­nhe­ci­da pri­mei­ro pe­lo co­di­no­me “The­sau­rus” e, mais tar­de, “Ru­bi­con”, es­tá en­tre as mais au­da­ci­o­sas da his­tó­ria da CIA.

“Foi o gol­pe de in­te­li­gên­cia do sé­cu­lo”, con­clui o re­la­tó­rio da CIA. “Os go­ver­nos es­tran­gei­ros es­ta­vam pa­gan­do um bom di­nhei­ro aos EUA e à Ale­ma­nha Oci­den­tal pe­lo pri­vi­lé­gio de ter su­as co­mu­ni­ca­ções mais se­cre­tas li­das por pe­lo me­nos dois (e pos­si­vel­men­te até cin­co ou seis) paí­ses es­tran­gei­ros.”

A par­tir de 1970, a CIA e sua só­cia na qu­e­bra dos có­di­gos, a Agên­cia de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal

(NSA, na si­gla em in­glês), con­tro­la­ram qua­se to­das os as­pec­tos das ope­ra­ções da Cryp­to. Com seus par­cei­ros ale­mães, elas de­ci­di­ram as con­tra­ta­ções de pes­so­al da em­pre­sa, pro­je­ta­ram sua tec­no­lo­gia, sa­bo­ta­ram seus al­go­rit­mos e di­re­ci­o­na­ram su­as me­tas de ven­das. Os es­piões de EUA e Ale­ma­nha Oci­den­tal fi­ca­ram só ou­vin­do.

Mal­vi­nas. Eles mo­ni­to­ra­ram os mu­lás do Irã du­ran­te a cri­se dos re­féns, de 1979, for­ne­ce­ram ao Rei­no Uni­do in­for­ma­ções so­bre as For­ças Ar­ma­das da Ar­gen­ti­na du­ran­te a Gu­er­ra das Mal­vi­nas, acom­pa­nha­ram as cam­pa­nhas de as­sas­si­na­to de di­ta­do­res sul-ame­ri­ca­nos e fla­gra­ram au­to­ri­da­des lí­bi­as se pa­ra­be­ni­zan­do pe­lo aten­ta­do à bom­ba em uma dis­co­te­ca de Ber­lim, em 1986.

Mas o pro­gra­ma ti­nha li­mi­tes. Os prin­ci­pais ri­vais dos EUA, União So­vié­ti­ca e Chi­na, nun­ca fo­ram cli­en­tes da Cryp­to. Su­as sus­pei­tas dos la­ços da em­pre­sa com o Oci­den­te os pro­te­ge­ram, em­bo­ra es­piões ame­ri­ca­nos te­nham des­co­ber­to mui­tas coi­sas mo­ni­to­ran­do in­te­ra­ções de ou­tros paí­ses com Mos­cou e Pe­quim.

Tam­bém ocor­re­ram vi­o­la­ções de se­gu­ran­ça que co­lo­ca­ram a Cryp­to sob sus­pei­ta. Do­cu­men­tos di­vul­ga­dos na dé­ca­da de 70 mos­tram uma cor­res­pon­dên­cia ex­ten­sa – e in­cri­mi­na­tó­ria – en­tre um agen­te da NSA e o fun­da­dor da Cryp­to. Em 1992, a pri­são de um ven­de­dor da em­pre­sa no Irã, que não ha­via per­ce­bi­do que es­ta­va ven­den­do equi­pa­men­tos ma­ni­pu­la­dos, pro­vo­cou uma “tem­pes­ta­de de pu­bli­ci­da­de”, se­gun­do a his­tó­ria da CIA.

Mas a ver­da­dei­ra extensão do re­la­ci­o­na­men­to da em­pre­sa com a CIA nun­ca ti­nha si­do re­ve­la­da até ago­ra. A agên­cia de es­pi­o­na­gem ale­mã, a BND, co­me­çou a con­si­de­rar que o ris­co de ex­po­si­ção era gran­de de­mais e aban­do­nou a ope­ra­ção no iní­cio dos anos 90. Mas a CIA com­prou a par­ti­ci­pa­ção dos ale­mães e deu con­ti­nui­da­de aos tra­ba­lhos, ex­plo­ran­do to­do o po­ten­ci­al de es­pi­o­na­gem da Cryp­to até 2018, quan­do a agên­cia ven­deu os ati­vos da em­pre­sa, se­gun­do an­ti­gos e atu­ais fun­ci­o­ná­ri­os.

A im­por­tân­cia da em­pre­sa já não é a mes­ma em ra­zão da dis­se­mi­na­ção da tec­no­lo­gia de crip­to­gra­fia on­li­ne. An­tes ter­ri­tó­rio de go­ver­nos e gran­des cor­po­ra­ções, a crip­to­gra­fia é ho­je tão co­mum quan­to apli­ca­ti­vos pa­ra ce­lu­la­res. Mes­mo as­sim, a ope­ra­ção Cryp­to é re­le­van­te pa­ra a es­pi­o­na­gem mo­der­na. Seu al­can­ce e du­ra­ção aju­dam a ex­pli­car co­mo os EUA de­sen­vol­ve­ram o ape­ti­te in­sa­ciá­vel por vi­gi­lân­cia glo­bal, de­nun­ci­a­do por Edward Snow­den em 2013.

Tam­bém há ecos da Cryp­to nas sus­pei­tas que en­vol­vem em­pre­sas mo­der­nas com vín­cu­los com go­ver­nos es­tran­gei­ros, en­tre elas a de­sen­vol­ve­do­ra de an­ti­ví­rus rus­sa Kas­persky, um apli­ca­ti­vo de men­sa­gens de tex­to vin­cu­la­do aos Emi­ra­dos Ára­bes e a gi­gan­te chi­ne­sa de te­le­co­mu­ni­ca­ções Hu­awei.

É di­fí­cil ex­pres­sar o ca­rá­ter ex­tra­or­di­ná­rio dos re­la­tos da CIA e da BND. Ar­qui­vos de in­te­li­gên­cia sen­sí­veis são pe­ri­o­di­ca­men­te li­be­ra­dos e di­vul­ga­dos ao pú­bli­co. Mas é ex­tre­ma­men­te ra­ro, tal­vez iné­di­to, vis­lum­brar his­tó­ri­as in­ter­nas e ofi­ci­ais so­bre to­da uma ope­ra­ção se­cre­ta. O Post leu to­dos os do­cu­men­tos, mas a fon­te do ma­te­ri­al in­sis­tiu pa­ra que ape­nas al­guns tre­chos fos­sem pu­bli­ca­dos.

A CIA e a BND não co­men­ta­ram o ca­so, em­bo­ra au­to­ri­da­des ame­ri­ca­nas e ale­mãs não te­nham con­tes­ta­do a au­ten­ti­ci­da­de dos do­cu­men­tos. Am­bos os la­dos des­cre­vem a ope­ra­ção co­mo um su­ces­so. Na dé­ca­da de 80, a Cryp­to che­gou a res­pon­der por 40% dos te­le­gra­mas di­plo­má­ti­cos e ou­tras trans­mis­sões de go­ver­nos, que os ana­lis­tas da NSA ex­plo­ra­ram.

En­quan­to is­so, a Cryp­to ge­rou mi­lhões de dó­la­res em lu­cros, que a CIA e a BND re­par­ti­ram e in­ves­ti­ram em ou­tras ope­ra­ções. Os pro­du­tos da em­pre­sa ain­da es­tão em uso em mais de uma dú­zia de paí­ses e seu le­trei­ro ain­da es­tá no to­po da an­ti­ga se­de, per­to de Zug, na Suí­ça.

A em­pre­sa foi des­mem­bra­da em 2018, li­qui­da­da por aci­o­nis­tas cu­jas iden­ti­da­des es­tão pro­te­gi­das pe­las leis bi­zan­ti­nas de Li­e­ch­tens­tein, mi­nús­cu­lo país eu­ro­peu com re­pu­ta­ção de si­gi­lo fi­nan­cei­ro.

As his­tó­ri­as, que não di­zem se a CIA pôs fim a seu en­vol­vi­men­to, car­re­gam os vi­e­ses de do­cu­men­tos es­cri­tos a par­tir das pers­pec­ti­vas dos ar­qui­te­tos da ope­ra­ção. Os do­cu­men­tos evi­tam ques­tões in­qui­e­tan­tes, co­mo o que os EUA sa­bi­am – e o que fi­ze­ram – a res­pei­to de paí­ses que usa­ram má­qui­nas da Cryp­to pa­ra pla­ne­jar as­sas­si­na­tos, cam­pa­nhas de lim­pe­za ét­ni­ca e vi­o­la­ções de di­rei­tos hu­ma­nos.

As re­ve­la­ções po­dem for­ne­cer mo­ti­vos pa­ra se re­vi­si­tar a pos­si­bi­li­da­de de os EUA te­rem se en­con­tra­do em po­si­ção de in­ter­vir em atro­ci­da­des, ou pe­lo me­nos de­nun­ciá-las, e de te­rem op­ta­do por não o fa­zer, pa­ra pre­ser­var seu aces­so a va­li­o­sos flu­xos de in­te­li­gên­cia.

REU­TERS–1/6/1982

Ope­ra­ção. Sol­da­dos bri­tâ­ni­cos de­sem­bar­cam nas Mal­vi­nas du­ran­te gu­er­ra com Ar­gen­ti­na: CIA re­pas­sou co­mu­ni­ca­ções dos ar­gen­ti­nos pa­ra o Rei­no Uni­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.