Câ­ma­ra de SP apro­va cri­a­ção de Par­que do Be­xi­ga

Po­lí­ti­ca cul­tu­ral. Pro­je­to em ter­re­no dis­pu­ta­do há 40 anos por Sil­vio Santos e Zé Cel­so se­gue pa­ra san­ção ou ve­to do pre­fei­to

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Le­an­dro Nu­nes

Ve­re­a­do­res apro­va­ram pro­je­to de lei que de­ter­mi­na im­plan­ta­ção do Par­que do Be­xi­ga em área al­vo de em­ba­te de 40 anos en­tre o di­re­tor do Te­a­tro Ofi­ci­na, Jo­sé Cel­so Mar­ti­nez Corrêa, ven­ce­dor da dis­pu­ta, e o Gru­po Sil­vio Santos. Ca­be ago­ra ao pre­fei­to Bru­no Co­vas san­ci­o­nar ou ve­tar o pro­je­to.

Após 40 anos de dis­pu­ta en­tre o di­re­tor do Te­a­tro Ofi­ci­na, Jo­sé Cel­so Mar­ti­nez Corrêa, e o Gru­po Sil­vio Santos, o Pro­je­to de Lei 805/2017, que de­ter­mi­na a cri­a­ção do Par­que do Be­xi­ga, foi vo­ta­do e aprovado na quar­ta-fei­ra, 12, na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal, em ses­são ex­tra­or­di­ná­ria e se­gue ago­ra pa­ra san­ção ou ve­to do pre­fei­to Bru­no Co­vas.

A área que cor­res­pon­de às Ru­as Ja­ce­guai, Abo­li­ção, Ja­pu­rá

e Santo Ama­ro, na re­gião cen­tral, é al­vo de um con­fli­to que já du­ra qua­tro dé­ca­das. O pro­je­to da Si­san Em­pre­en­di­men­tos, bra­ço imo­bi­liá­rio do Gru­po Sil­vio Santos, pre­via a cons­tru­ção de três tor­res com 100 me­tros de al­tu­ra, o que pre­ju­di­ca­ria a cons­tru­ção do te­a­tro pro­je­ta­do pe­la ar­qui­te­ta ita­li­a­na Li­na Bo Bar­di, em 1993, e tom­ba­do em 2010 pe­lo Ins­ti­tu­to do Pa­trimô­nio His­tó­ri­co e Ar­tís­ti­co Na­ci­o­nal (Iphan).

No en­tan­to, em 2017, o ór­gão es­ta­du­al do Con­se­lho de De­fe­sa do Pa­trimô­nio His­tó­ri­co, Ar­que­o­ló­gi­co, Ar­tís­ti­co e Tu­rís­ti­co (Con­depha­at) au­to­ri­zou a cons­tru­ção das tor­res. A de­ci­são foi acom­pa­nha­da pe­lo Iphan, em 2018, e pe­lo Con­se­lho Mu­ni­ci­pal de Pre­ser­va­ção do Pa­trimô­nio His­tó­ri­co, Cul­tu­ral e Am­bi­en­tal de São Pau­lo (Con­presp). Além das tor­res, o ter­re­no re­ce­be­ria um es­ta­ci­o­na­men­to com va­ga pa­ra mil au­to­mó­veis.

Após o fim da vo­ta­ção de quar­ta, o di­re­tor do Ofi­ci­na ci­tou os efei­tos do tem­po­ral que atin­giu São Pau­lo na se­gun­da, 10, e afir­mou que a des­trui­ção po­de ser so­lu­ci­o­na­da. “A ci­da­de aca­bou de dar um show de fim do mun­do, com to­dos es­ses ri­os en­ter­ra­dos to­man­do as ru­as e ca­sas. O par­que é o opos­to des­sa tra­gé­dia, se­rá uma área re­ple­ta de ár­vo­res”, dis­se em uma trans­mis­são re­a­li­za­da nas re­des so­ci­ais.

Ain­da no ví­deo, Zé Cel­so ava­li­ou a re­gião e afir­mou que a im­plan­ta­ção do par­que dei­xa­rá im­pac­to po­si­ti­vo co­mo tam­bém vai po­si­ci­o­nar a ci­da­de em um de­ba­te so­bre a pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te. “Até exis­te ver­de no lo­cal, mas um ver­de ma­chu­ca­do. A cons­tru­ção do par­que re­pre­sen­ta o com­ba­te con­tra os es­tra­gos fei­tos, uma ma­nei­ra de re­cu­pe­ra­ção pa­ra São Pau­lo e pa­ra o mun­do.

Em ju­nho do ano pas­sa­do, o Ofi­ci­na apre­sen­tou um pro­je­to-pi­lo­to com mo­de­lo de ges­tão com­par­ti­lha­da e di­re­ci­o­na­men­tos pa­ra a ocu­pa­ção da área. A ar­qui­te­ta cê­ni­ca do Ofi­ci­na, Ma­rí­lia de Oli­vei­ra Ca­va­lhei­ro Gall­meis­ter, res­sal­tou que a re­gião cor­res­pon­den­te ao Te­a­tro Bra­si­lei­ro de Co­mé­dia, o TBC, e a Ca­sa de Do­na Yayá pos­sui um len­çol freá­ti­co que pre­ci­sa ser pre­ser­va­do. “É in­dis­cu­tí­vel a im­por­tân­cia do ter­re­no pa­ra o in­te­res­se pú­bli­co, são qua­tro dé­ca­das. É al­go que a ci­da­de pre­ci­sa de for­ma ur­gen­te.”

A re­por­ta­gem pro­cu­rou os re­pre­sen­tan­tes do Gru­po Sil­vio Santos, mas não ob­te­ve res­pos­ta até o mo­men­to.

TE­A­TRO OFI­CI­NA

Pla­no. Par­que vai ocu­par área de 11 mil me­tros qua­dra­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.