Eli­a­ne Can­ta­nhê­de

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - E-MAIL: ELI­A­[email protected] TWIT­TER: @ECANTANHED­E ELI­A­NE CAN­TA­NHÊ­DE ES­CRE­VE ÀS TERÇAS E SEX­TAS-FEI­RAS E AOS DO­MIN­GOS

O mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des de­vol­veu de ban­de­ja a Lu­la e ao PT a mar­ca so­ci­al e o slo­gan do ri­co con­tra o po­bre.

Du­ran­te anos, o PT e o pró­prio ex-pre­si­den­te Lu­la in­sis­ti­ram no que pa­re­cia uma fan­ta­sia, ou pe­ça de mar­ke­ting: a de que “as eli­tes” re­jei­ta­vam Lu­la por­que era um nor­des­ti­no re­ti­ran­te e nun­ca su­por­ta­ram que po­bres vi­a­jas­sem la­do a la­do com eles nos aviões. Is­so sem­pre so­ou bo­bo, ri­dí­cu­lo, po­pu­lis­ta. Des­de a quin­ta-fei­ra, con­tu­do, pas­sou a fa­zer sen­ti­do, a ser le­va­do a sé­rio.

Em ge­ral correto no con­teú­do e de­sas­tra­do na for­ma, o mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des aca­ba de dar de ban­de­ja uma su­per­ban­dei­ra po­lí­ti­ca e elei­to­ral pa­ra o PT e Lu­la. “Em­pre­ga­da do­més­ti­ca in­do pra Dis­ney­lân­dia? Uma fes­ta da­na­da. Pe­raí!”, dis­se o mi­nis­tro, que aca­ba de pas­sar fé­ri­as em... Mi­a­mi!

As­sim co­mo há no Bra­sil o rei­no da pi­a­da pron­ta, Gu­e­des in­tro­duz ago­ra o slo­gan pron­to de cam­pa­nha. Só que da opo­si­ção, do ad­ver­sá­rio. Já dá pa­ra ou­vir Lu­la e can­di­da­tos pe­tis­tas en­to­an­do País afo­ra: “Em­pre­ga­da do­més­ti­ca in­do pra Dis­ney­lân­dia? Uma fes­ta da­na­da Pe­raí!”. Ne­nhum mar­que­tei­ro ma­qui­a­vé­li­co fa­ria me­lhor.

Pa­ra pi­o­rar as coi­sas pa­ra o bol­so­na­ris­mo e me­lho­rar pa­ra o pe­tis­mo, a de­cla­ra­ção foi exa­ta­men­te na vés­pe­ra de

Lu­la se en­con­trar com o pa­pa Fran­cis­co no Vaticano, por uma ho­ra e em lu­gar re­ser­va­do, pa­ra, se­gun­do Lu­la, dis­cu­ti­rem um “mun­do mais jus­to e mais fra­ter­no” e “a ex­pe­ri­ên­cia bra­si­lei­ra no com­ba­te à mi­sé­ria”.

“Jus­ti­ça”, “fra­ter­ni­da­de”, “com­ba­te à mi­sé­ria” re­me­tem às ori­gens e aos pro­pó­si­tos anun­ci­a­dos na cri­a­ção do PT, há 40 anos – ou se­ri­am sé­cu­los? E, mais do que is­so, mar­cam um con­tra­pon­to po­de­ro­so ao pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e ao bol­so­na­ris­mo, que in­ves­tem em “fa­mí­lia”, “em­pre­sá­ri­os”, “ar­mas” e “com­ba­te à cor­rup­ção”.

O mai­or tro­féu de Lu­la, po­rém, foi a fo­to com o pa­pa. O pre­si­den­te mais po­pu­lar da his­tó­ria re­cen­te bra­si­lei­ra e o pa­pa mais hu­ma­nis­ta, in­clu­si­vo e ge­ne­ro­so em dé­ca­das. Às fa­vas os fa­tos, ora, os fa­tos: a pri­são, a con­de­na­ção em pri­mei­ra e se­gun­da ins­tân­ci­as, os pro­ces­sos, o en­vol­vi­men­to de fi­lhos, as re­la­ções pro­mís­cu­as en­tre pú­bli­co e pri­va­do, o fa­vo­re­ci­men­to pes­so­al. E os er­ros do PT, sem au­to­crí­ti­ca.

Com o fo­co ob­vi­a­men­te no go­ver­no, co­mo sem­pre é, es­sas coi­sas vão per­den­do in­te­res­se e es­pa­ço pa­ra ma­ni­fes­ta­ções sur­pre­en­den­tes do pre­si­den­te Bol­so­na­ro, dos mi­nis­tros da Eco­no­mia, da Edu­ca­ção, das Re­la­ções Exteriores, dos Di­rei­tos Hu­ma­nos. E não são só ma­ni­fes­ta­ções, mas, às ve­zes, tam­bém ações que cho­cam e vão es­can­ca­ran­do a re­al al­ma do go­ver­no.

Nes­ta se­ma­na, Pau­lo Gu­e­des ti­nha aca­ba­do de pe­dir des­cul­pas pu­bli­ca­men­te por cha­mar os fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos de “pa­ra­si­tas”, co­mo tam­bém de apa­gar um in­cên­dio cri­a­do pe­lo pró­prio Bol­so­na­ro. Num rom­pan­te po­pu­lis­ta, o pre­si­den­te ti­nha de­sa­fi­a­do os go­ver­na­do­res: se eles ze­ras­sem os im­pos­tos so­bre com­bus­tí­veis, a União fa­ria o mes­mo. Era uma bra­va­ta, pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel. E lá se foi Gu­e­des acal­mar os go­ver­na­do­res. Se­gun­do ele, foi só um “mal-en­ten­di­do”.

Tu­do pa­re­cia es­tar se acal­man­do, mas a gu­er­ra con­ti­nua. Ato con­tí­nuo, o go­ver­no ata­cou de no­vo os go­ver­na­do­res, des­ta vez os no­ve da Amazô­nia. De­pois de ex­cluir a so­ci­e­da­de ci­vil do Con­se­lho Na­ci­o­nal do Meio Am­bi­en­te, li­mou os go­ver­nos es­ta­du­ais do Con­se­lho da Amazô­nia. Se há uma coi­sa que Bol­so­na­ro não gos­ta é de con­se­lhos, con­tra­di­tó­rio, vi­sões di­fe­ren­tes, de­ba­tes...

Lo­go, as em­pre­ga­das do­més­ti­cas não es­tão so­zi­nhas. Fa­zem par­te de uma lis­ta lon­ga, e cres­cen­te, de al­vos de Bol­so­na­ro e de seu go­ver­no: jor­na­lis­tas, am­bi­en­ta­lis­tas, pes­qui­sa­do­res, pro­fes­so­res, es­tu­dan­tes, di­plo­ma­tas, po­li­ci­ais fe­de­rais, au­di­to­res fis­cais, po­lí­ti­cos e go­ver­na­do­res.

Lu­la e o PT es­tão fa­zen­do fes­ta. Eles não acer­tam uma, mas lu­cram com os er­ros ab­sur­dos do pre­si­den­te e seu go­ver­no. Bas­ta jo­gar pa­ra­do.

Mi­nis­tro de­vol­veu a Lu­la e ao PT a mar­ca so­ci­al e o slo­gan do ri­co con­tra o po­bre

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.