Ele­na Lan­dau

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - E-MAIL: ELE­NA.LAN­[email protected]­S.ORG ELE­NA LAN­DAU ES­CRE­VE QUINZENALM­ENTE

Go­ver­no tei­ma em de­su­nir e an­ta­go­ni­zar, ape­sar de co­man­dar po­lí­ti­cas pa­ra to­dos os bra­si­lei­ros, e não ape­nas seus elei­to­res.

ADe­su­ma­ni­za­ção é o tí­tu­lo de um lin­do li­vro de Val­ter Hu­go Mãe. Em tem­pos de dis­cus­são so­bre gra­vi­dez pre­co­ce, sua lei­tu­ra é im­per­dí­vel. Mos­tra nu­ma es­cri­ta qua­se poé­ti­ca as con­sequên­ci­as cruéis da fal­ta de aco­lhi­men­to fa­mi­li­ar nes­ses ca­sos. Rou­bei pa­ra usar aqui no seu sen­ti­do li­te­ral. Cai co­mo uma lu­va pa­ra ilus­trar a fal­ta de hu­ma­ni­da­de des­te go­ver­no, in­to­le­ran­te aos di­fe­ren­tes de­le.

Pre­si­den­te, fi­lhos, mi­nis­tros e co­la­bo­ra­do­res per­de­ram a cen­su­ra e com ela a cor­te­sia. Po­de ser bom que re­ve­lem o que re­al­men­te pen­sam, sem dis­far­ces. Mas cho­ca por­que es­tão no co­man­do de po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra to­dos os bra­si­lei­ros, e não ape­nas seus elei­to­res. Po­lí­ti­cas que de­ve­ri­am ser de­se­nha­das pa­ra in­te­grar, unir, ge­rar opor­tu­ni­da­des a quem não tem.

Es­sa é a es­sên­cia do li­be­ra­lis­mo. Mas es­te go­ver­no tei­ma em se­pa­rar, de­su­nir e an­ta­go­ni­zar.

Ca­da vez pa­re­cem se sen­tir mais à von­ta­de pa­ra su­as im­pro­pri­e­da­des, e vão su­bin­do o tom. Não é só o con­teú­do que ofen­de, mas a for­ma, que am­pli­fi­ca a ofen­sa. Ges­tos im­pró­pri­os na por­ta do Pa­lá­cio, # com pa­la­vrões, xin­ga­men­tos a seguidores nas re­des so­ci­ais. A agres­si­vi­da­de dos seus apoi­a­do­res é es­ti­mu­la­da pe­lo exem­plo de ci­ma, trans­for­man­do a in­ter­net em uma pra­ça de gu­er­ra.

Não de­ve­ria ser sur­pre­sa. Afi­nal, Bol­so­na­ro co­me­çou sua cam­pa­nha na vo­ta­ção do im­pe­a­ch­ment ho­me­na­ge­an­do Us­tra. Na­da mais de­su­ma­no e co­var­de que a tortura.

To­do dia é um 7 a 1. Com­par­ti­lham ata­que co­var­de e se­xis­ta a uma jor­na­lis­ta. Ou­tra foi man­da­da de vol­ta pa­ra o Ja­pão. De­bo­cham das apa­rên­ci­as das mu­lhe­res. Aplau­dem ví­de­os nos qu­ais o ho­mos­se­xu­a­lis­mo é apre­sen­ta­do co­mo ori­gem de per­ver­si­da­des e di­zem que por­ta­do­res de HIV pe­sam no or­ça­men­to. Se di­ver­tem quan­do jor­na­lis­ta do “cír­cu­lo do po­der” faz cha­co­ta de bra­si­lei­ro em pa­les­tra. O Go­eb­bels tu­pi­ni­quim só foi de­mi­ti­do, a con­tra­gos­to do che­fe, por­que se sen­tiu tão à von­ta­de que saiu do ar­má­rio. Na Fun­da­ção Pal­ma­res es­tá al­guém que acha que a es­cra­vi­dão foi uma bên­ção pa­ra os ne­gros. Um mi­nis­tro, que nos re­me­te ao per­so­na­gem Jus­to Ve­rís­si­mo, acha que po­bre não sa­be pou­par, des­trói o meio am­bi­en­te e não po­de ir a Mi­a­mi. Vi­vem nu­ma bo­lha. E par­ti­lham das mes­mas idei­as.

Tu­do is­so é con­de­ná­vel, não por­que atra­pa­lha an­da­men­to das re­for­mas ou nos faz pas­sar ver­go­nha em fó­runs in­ter­na­ci­o­nais. A fal­ta de em­pa­tia, com­bi­na­da com uma ten­dên­cia au­to­ri­tá­ria, é pe­ri­go­sa.

Os exem­plos des­ses des­pau­té­ri­os são mui­tos. Vou me con­cen­trar na ques­tão da Aids, por­que re­ve­la não só pre­con­cei­to, mas to­tal fal­ta de pre­pa­ro pa­ra ana­li­sar e im­ple­men­tar po­lí­ti­cas pú­bli­cas

O pro­gra­ma bra­si­lei­ro de pre­ven­ção e tra­ta­men­to da Aids é re­co­nhe­ci­do mun­di­al­men­te pe­la sua ex­ce­lên­cia. Ini­ci­a­do

em me­a­dos dos anos 90, per­mi­tiu re­ver­ter as pro­je­ções mais pes­si­mis­tas do iní­cio da­que­la dé­ca­da.

O pla­no se ba­seia em dis­tri­bui­ção gra­tui­ta de me­di­ca­men­tos e ca­mi­si­nha; tes­tes gra­tui­tos; pro­fi­la­xia pa­ra a pré-ex­po­si­ção de pes­so­as que se re­la­ci­o­nam com in­fec­ta­dos. Há mui­to pre­con­cei­to nes­sa área. A tes­ta­gem é im­por­tan­te pa­ra re­du­zir o ris­co de trans­mis­são e fun­da­men­tal pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de e ex­pec­ta­ti­va de vi­da do por­ta­dor. Exa­mes pa­ra di­a­be­tes e co­les­te­rol são fei­tos com na­tu­ra­li­da­de, já HIV não faz par­te da ro­ti­na, mas de­ve­ria. A pre­ven­ção é a cha­ve.

Quan­do o co­que­tel foi des­co­ber­to, em 1995, o Bra­sil e a Áfri­ca do Sul ti­nham a mes­ma por­cen­ta­gem de sua po­pu­la­ção in­fec­ta­da pe­lo HIV. Os dois paí­ses se­gui­ram es­tra­té­gi­as di­fe­ren­tes. Ho­je são 10% de sul-afri­ca­nos, mai­o­res de 15 anos, por­ta­do­res. Por­cen­tu­al que apli­ca­do ao Bra­sil equi­va­le­ria a 17 mi­lhões, em lu­gar dos 800 mil bra­si­lei­ros in­fec­ta­dos ho­je. É re­sul­ta­do da dis­tri­bui­ção gra­tui­ta de me­di­ca­men­tos, que re­du­zem a car­ga vi­ral e a trans­mis­são. São mi­lhões de vi­das pou­pa­das.

A dis­tri­bui­ção de me­di­ca­men­tos cus­ta aos co­fres pú­bli­cos ape­nas R$ 1,8 bi­lhão ao ano. Se­ria im­por­tan­te re­gis­trar tam­bém as des­pe­sas evi­ta­das pa­ra tra­ta­men­to da do­en­ça no SUS. A qu­e­bra de pa­ten­tes e o uso de ge­né­ri­cos per­mi­tiu a re­du­ção sis­te­má­ti­ca do cus­to dos me­di­ca­men­tos an­tir­re­tro­vi­rais, que sig­ni­fi­ca ho­je me­nos de 0,06% dos gas­tos pú­bli­cos anu­ais.

Ape­sar dis­so, o pre­si­den­te Bol­so­na­ro de­cla­rou em en­tre­vis­ta que “pes­soa com HIV é des­pe­sa pa­ra to­do o Bra­sil”. Faz do­bra­di­nha com o ata­que ao jor­na­lis­ta com “ca­ra de ho­mos­se­xu­al ter­rí­vel”.

To­do tra­ta­men­to, de qual­quer do­en­ça, é des­pe­sa, se­ja pres­são al­ta, di­a­be­tes ou sa­ram­po. Com sua for­ma pe­cu­li­ar de fa­zer po­lí­ti­ca pú­bli­ca, a de­cla­ra­ção foi ba­se­a­da no re­la­to de uma obstetra ami­ga. Pal­pi­te ca­sei­ro. Ao ser co­bra­do pe­la im­pren­sa, deu uma ba­na­na pa­ra os jor­na­lis­tas. Por to­do con­jun­to de sua obra, pa­re­ce evi­den­te que o pro­ble­ma do pre­si­den­te com o HIV não é o cus­to do tra­ta­men­to.

Já é lu­gar co­mum apon­tar as im­pro­pri­e­da­des di­tas por es­te go­ver­no. Às ve­zes, vol­tam atrás, mas, na mai­o­ria dos ca­sos, co­lo­cam a res­pon­sa­bi­li­da­de na im­pren­sa. As fa­las são sem­pre re­ti­ra­das do con­tex­to. A culpa é sem­pre dos ou­tros.

Mas as pa­la­vras fi­cam.

Es­te go­ver­no tei­ma em se­pa­rar, de­su­nir e an­ta­go­ni­zar

ECO­NO­MIS­TA E AD­VO­GA­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.