Pre­o­cu­pa­ção eco­ló­gi­ca

Ci­ne­ma. Har­ri­son Ford fa­la ao ‘Es­ta­do’ so­bre ‘O Cha­ma­do da Flo­res­ta’, fil­me que tra­ta da necessidad­e de se man­ter har­mo­nia com a na­tu­re­za, co­mo na Amazô­nia

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - HAR­RI­SON FORD ATOR E AM­BI­EN­TA­LIS­TA Ma­ri­a­ne Mo­ri­sawa ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO CI­DA­DE DO MÉXICO

Har­ri­son Ford fa­la so­bre O Cha­ma­do da Flo­res­ta.

Aos 77 anos e com pe­lo me­nos três per­so­na­gens icô­ni­cos em sua car­rei­ra, Har­ri­son Ford po­de­ria es­tar des­can­san­do em sua ca­sa de cam­po, on­de gos­ta de se re­fu­gi­ar de Los An­ge­les. Mas ele não pa­ra. Além de re­vi­si­tar Han So­lo na sé­rie Star Wars, Rick Dec­kard em Bla­de Run­ner 2049 e, em bre­ve, In­di­a­na Jo­nes no quin­to lon­ga da sa­ga, ele faz fil­mes co­mo O Cha­ma­do da Flo­res­ta, de Ch­ris San­ders (Co­mo Trei­nar o Seu Dra­gão), que es­treia na quin­ta, 20, no Bra­sil.

Na pro­du­ção ins­pi­ra­da no li­vro O Cha­ma­do Sel­va­gem, de Jack Lon­don, ele é John Thorn­ton, que mo­ra na re­gião de Yu­kon, Ca­na­dá, du­ran­te a cor­ri­da do ou­ro no sé­cu­lo 19, e faz ami­za­de com o ca­chor­ro Buck, nas­ci­do na Ca­li­fór­nia e rou­ba­do pa­ra ser ven­di­do co­mo cão de tre­nó.

Buck foi in­tei­ra­men­te cri­a­do por com­pu­ta­ção grá­fi­ca. “Foi me­lhor do que fil­mar com ani­mais de ver­da­de, o que é sem­pre meio com­pli­ca­do”, dis­se o ator, bem-hu­mo­ra­do, em en­tre­vis­ta na Ci­da­de do México. “Ti­ve um ator e ex-bai­la­ri­no do Cir­que du So­leil, Ter­ry No­tary, com quem con­tra­ce­nar. De qual­quer mo­do, o tra­ba­lho do ator é fin­gir. Achei di­ver­ti­do. Só foi es­tra­nho quan­do ti­ve de co­çar a ore­lha do Buck, por exem­plo”, con­tou, rin­do.

Har­ri­son Ford tam­bém se co­nec­tou com a men­sa­gem do fil­me, de har­mo­nia com a na­tu­re­za. Há dé­ca­das, ele é um de­fen­sor do meio am­bi­en­te e mem­bro do con­se­lho da ONG Con­ser­va­ti­on In­ter­na­ti­o­nal. Em con­ver­sa ex­clu­si­va com o Es­ta­do, ele fa­lou do fil­me, de seus pa­péis icô­ni­cos, do Bra­sil e do meio am­bi­en­te.

• Por que quis fa­zer o fil­me?

O li­vro va­lia a pe­na, mas nes­se ca­so qu­e­ría­mos fa­zer um fil­me pa­ra to­da a fa­mí­lia – a his­tó­ria ori­gi­nal é du­ra. Qu­e­ría­mos fa­zer o ti­po de fil­me que Hollywo­od pro­du­zia mui­to e ho­je qua­se não exis­te mais. Nun­ca ti­nha fei­to um fil­me pa­ra a fa­mí­lia, por mais que In­di­a­na Jo­nes e Star Wars te­nham virado fenô­me­no e pas­sa­do de ge­ra­ção a ge­ra­ção.

• O Cha­ma­do Sel­va­gem é um clás­si­co da li­te­ra­tu­ra ame­ri­ca­na e mos­tra a jor­na­da de Buck. Acha que as pes­so­as se co­nec­tam com o fil­me pe­la emo­ção do ca­chor­ro? Eu acho que o pon­to de vis­ta é com­par­ti­lha­do en­tre Buck e John, meu per­so­na­gem. Mas no li­vro John não tem pas­sa­do. Não sa­be­mos de on­de ele vem. Ele sal­va Buck e o aju­da a con­ti­nu­ar em sua aven­tu­ra. En­tão quis que John ti­ves­se uma vi­da, uma his­tó­ria pa­ra­le­la e hu­ma­na, emo­ci­o­nal­men­te sig­ni­fi­ca­ti­va. No fil­me, é um ho­mem que dei­xou a ci­vi­li­za­ção, sua ca­sa e sua fa­mí­lia por cau­sa de uma tra­gé­dia – seu fi­lho mor­reu. Ele fo­ge do Alas­ca pa­ra es­ca­par de seus pro­ble­mas emo­ci­o­nais e en­con­tra Buck. Eles são úteis um pa­ra o ou­tro. É a his­tó­ria de Buck pro­cu­ran­do seu lu­gar no mun­do e John ga­nhan­do co­ra­gem por meio de sua re­la­ção com Buck pa­ra re­as­su­mir su­as res­pon­sa­bi­li­da­des.

• A his­tó­ria já foi con­ta­da ou­tras ve­zes no ci­ne­ma. Acha que a tec­no­lo­gia aju­dou a cri­ar uma ver­são mai­or e mais am­bi­ci­o­sa? Sim, a com­pu­ta­ção grá­fi­ca me­lho­rou mui­to nos úl­ti­mos anos. Quan­do fi­ze­mos Star Wars, usa­mos ma­que­tes e mi­ni­a­tu­ras pa­ra a Es­tre­la da Mor­te, por exem­plo. Era mui­to tra­ba­lho­so. Ago­ra, po­de­mos re­pre­sen­tar a na­tu­re­za e o mun­do na­tu­ral de mo­do ad­mi­rá­vel. Pu­de­mos re­cri­ar a be­le­za da na­tu­re­za, a vas­ti­dão, a es­ca­la de uma ma­nei­ra bo­ni­ta.

• Fil­mes pa­ra a fa­mí­lia co­mo O Cha­ma­do da Flo­res­ta cos­tu­mam pas­sar men­sa­gens po­si­ti­vas. Nes­te ca­so, a his­tó­ria fa­la mui­to de li­de­ran­ça ge­ne­ro­sa e éti­ca, não? Tu­do se tra­ta de li­de­ran­ça éti­ca ago­ra. Nos­sa his­tó­ria re­cen­te fez com que to­das as his­tó­ri­as fos­sem so­bre li­de­ran­ça. Al­guns ad­mi­ram as atu­ais li­de­ran­ças, e ou­tros es­tão per­tur­ba­dos com elas. Mas nos­so des­ti­no de­pen­de de se­guir­mos um ins­tin­to po­si­ti­vo ou ne­ga­ti­vo. O fil­me fa­la de ins­tin­tos po­si­ti­vos.

• Há ne­ga­ti­vi­da­de em ex­ces­so ho­je em dia?

Sim. Mais do que pre­ci­sa­mos. De­ve­mos nos con­cen­trar em re­sol­ver nos­sos pro­ble­mas, não cri­ar mais.

• O fil­me tam­bém tra­ta da con­vi­vên­cia pa­cí­fi­ca do ho­mem com a na­tu­re­za, por­que o ho­mem faz par­te da na­tu­re­za. Es­pe­ra que os es­pec­ta­do­res pen­sem nis­so? Que­ro que as pes­so­as sai­am da ses­são com uma ex­pe­ri­ên­cia emo­ci­o­nan­te, al­go que abra seus co­ra­ções. Gos­ta­ria que as fa­mí­li­as con­ver­sas­sem so­bre a na­tu­re­za, mas tam­bém so­bre éti­ca, com­por­ta­men­to, res­pon­sa­bi­li­da­de e en­fren­ta­men­to dos nos­sos de­sa­fi­os.

• E há mui­ta di­vi­são mes­mo den­tro das fa­mí­li­as ho­je em dia. Es­ta­mos acos­tu­ma­dos a nos co­mu­ni­car por má­qui­nas, não de­pen­de­mos mais da nos­sa ha­bi­li­da­de de sen­tir a pre­sen­ça re­al de al­guém e ver seu ní­vel de in­ves­ti­men­to no re­la­ci­o­na­men­to. Dá pa­ra in­ven­tar tu­do. En­tão me pre­o­cu­po com is­so.

• Vo­cê es­te­ve no Bra­sil mui­tas ve­zes por cau­sa de seu tra­ba­lho em prol da con­ser­va­ção do meio am­bi­en­te e re­cen­te­men­te se pro­nun­ci­ou na ONU so­bre a si­tu­a­ção na Amazô­nia. Con­ti­nua acom­pa­nhan­do de per­to?

Sim. Es­tou mui­to pre­o­cu­pa­do, pri­mei­ra­men­te com os po­vos in­dí­ge­nas que vi­vem nes­sas áre­as e as ame­a­ças a eles. E, cla­ro, es­tou pre­o­cu­pa­do com o cli­ma, com as prioridade­s na­ci­o­nais, com as in­ter­na­ci­o­nais, com o com­pro­me­ti­men­to hu­ma­no com o ou­tro e a vi­da na

Ter­ra e não só com as opor­tu­ni­da­des econô­mi­cas.

• Acre­di­ta que hou­ve al­gum pro­gres­so nos úl­ti­mos anos?

Me­lho­rou em al­guns lu­ga­res e pi­o­rou em ou­tros. O Bra­sil é mui­to com­ple­xo, e te­nho cer­te­za de que há mui­tas com­ple­xi­da­des com as qu­ais não es­tou fa­mi­li­a­ri­za­do. Mas é um país vi­bran­te, ri­co. E te­mos nos Es­ta­dos Uni­dos es­sas ques­tões tam­bém. Mas o po­vo bra­si­lei­ro é re­si­li­en­te, pro­gres­sis­ta e tra­ba­lha­dor. E te­nho cer­te­za de que vai pre­va­le­cer.

• Por que de­fen­deu em seu dis­cur­so na ONU que se man­das­se di­nhei­ro di­re­ta­men­te pa­ra os po­vos in­dí­ge­nas e a so­ci­e­da­de ci­vil?

Por cau­sa do que eles es­tão so­fren­do. Eles es­tão so­fren­do enor­me­men­te e são os pro­te­to­res na­tu­rais, co­nhe­cem a fun­do a ter­ra. E sa­bem vi­ver con­for­ta­vel­men­te com a na­tu­re­za e per­mi­tir que ela pros­pe­re. Têm res­pei­to pe­la ter­ra. Ela es­tá vi­va pa­ra eles, as­sim co­mo a na­tu­re­za, que é uma cri­a­tu­ra. E sua his­tó­ria é mui­to po­de­ro­sa, a co­ne­xão dos po­vos in­dí­ge­nas com os lu­ga­res on­de vi­vem.

• Vo­cê tem re­vi­si­ta­do seus per­so­na­gens mais fa­mo­sos – pri­mei­ro Han So­lo, de­pois Rick Dec­kard em Bla­de Run­ner 2049 e In­di­a­na Jo­nes em bre­ve. Es­tá se des­pe­din­do de seus per­so­na­gens?

Não es­tou in­do em­bo­ra, não! A ver­da­de é que eu gos­to. Se fo­rem bons fil­mes, que­ro fa­zer. Daí meu in­te­res­se por es­ses per­so­na­gens e his­tó­ri­as.

DIS­NEY

John e Buck. Ami­za­de que res­ga­ta con­fi­an­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.