So­nhos amazô­ni­cos

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

O Bra­sil, prin­ci­pal gu­ar­dião da flo­res­ta amazô­ni­ca, tem pa­pel de­ci­si­vo na tran­subs­tan­ci­a­ção dos so­nhos do pa­pa Fran­cis­co pa­ra uma “eco­lo­gia in­te­gral” em re­a­li­da­de.

Qua­se cin­co anos após a pu­bli­ca­ção da en­cí­cli­ca Lau­da­to si’ so­bre a ques­tão so­ci­o­am­bi­en­tal, o pa­pa Fran­cis­co con­so­li­dou a po­si­ção dou­tri­nal da Igre­ja na Exor­ta­ção Qu­e­ri­da Amazô­nia, sus­ci­ta­da pe­lo Sí­no­do da Amazô­nia.

O des­ti­no da flo­res­ta amazô­ni­ca tem res­so­nân­cia uni­ver­sal. Co­mo dis­se o di­re­tor de comunicaçã­o do Vaticano, An­drea Tor­ni­el­li, “as di­nâ­mi­cas que ali se ma­ni­fes­tam an­te­ci­pam de­sa­fi­os já pró­xi­mos a nós: os efei­tos de uma eco­no­mia glo­ba­li­za­da e de um sis­te­ma fi­nan­cei­ro ca­da vez mais in­sus­ten­tá­vel na vi­da dos se­res hu­ma­nos e do meio am­bi­en­te; a con­vi­vên­cia en­tre po­vos e cul­tu­ras pro­fun­da­men­te di­ver­sos; as mi­gra­ções; a necessidad­e de pro­te­ger a cri­a­ção, que cor­re o ris­co de fi­car ir­re­me­di­a­vel­men­te fe­ri­da”.

An­te es­ses de­sa­fi­os o pa­pa expôs seus qua­tro “so­nhos” – o so­ci­al, o cul­tu­ral, o eco­ló­gi­co e o ecle­si­al – nu­ma pro­gres­são sinfô­ni­ca que bus­ca har­mo­ni­zar mo­ti­vos opos­tos, mas não an­tagô­ni­cos: a con­ser­va­ção am­bi­en­tal e o pro­gres­so so­ci­al; as tra­di­ções lo­cais e os va­lo­res uni­ver­sais; a indignação com a agres­são aos na­ti­vos e seu ecos­sis­te­ma e o fas­cí­nio com os re­fle­xos da be­le­za do Cri­a­dor em sua cri­a­ção.

“Uma ver­da­dei­ra abor­da­gem eco­ló­gi­ca sem­pre se tor­na uma abor­da­gem so­ci­al, que de­ve in­te­grar a jus­ti­ça nos de­ba­tes so­bre o meio am­bi­en­te, pa­ra ou­vir tan­to o cla­mor da ter­ra co­mo o cla­mor dos po­bres”, já dis­se­ra Fran­cis­co na

Lau­da­to si’. A na­da ser­ve um con­ser­va­ci­o­nis­mo “que se pre­o­cu­pa com o bi­o­ma, po­rém ig­no­ra os po­vos amazô­ni­cos”. Nas pa­la­vras do seu pre­de­ces­sor, Ben­to XVI, “ao la­do da eco­lo­gia da na­tu­re­za, exis­te uma eco­lo­gia que po­de­mos de­sig­nar ‘hu­ma­na’, a qual, por sua vez, re­quer uma ‘eco­lo­gia so­ci­al’.”

O pa­pa de­nun­cia a “fal­sa mís­ti­ca amazô­ni­ca” tec­no­crá­ti­ca e con­su­mis­ta que vê na flo­res­ta um enor­me va­zio a ser pre­en­chi­do. “Às ope­ra­ções econô­mi­cas, na­ci­o­nais ou in­ter­na­ci­o­nais, que da­ni­fi­cam a Amazô­nia e des­res­pei­tam o di­rei­to dos po­vos na­ti­vos ao ter­ri­tó­rio e sua de­mar­ca­ção, à au­to­de­ter­mi­na­ção e ao con­sen­ti­men­to pré­vio, há que ro­tu­lá-las com o no­me de­vi­do: in­jus­ti­ça e cri­me.” Mes­mo os mis­si­o­ná­ri­os cris­tãos, em que pe­se a sua ab­ne­ga­ção na lu­ta pe­la dig­ni­da­de dos in­dí­ge­nas, nem sem­pre es­ti­ve­ram ao la­do dos opri­mi­dos, obri­gan­do o pon­tí­fi­ce a pe­dir per­dão pe­las ofen­sas da Igre­ja e pe­los cri­mes co­me­ti­dos em seu no­me des­de a cha­ma­da con­quis­ta da Amé­ri­ca.

Mas Fran­cis­co tam­bém dei­xa cla­ro que o res­pei­to à au­to­no­mia dos in­dí­ge­nas não po­de sig­ni­fi­car um me­ro ab­sen­teís­mo. “A iden­ti­da­de e o diá­lo­go não são ini­mi­gos. A pró­pria iden­ti­da­de cul­tu­ral apro­fun­da-se e en­ri­que­ce-se no diá­lo­go com os que são di­fe­ren­tes, e o mo­do au­tên­ti­co de a con­ser­var não é um iso­la­men­to que em­po­bre­ce.” Por is­so o in­di­ge­nis­mo que a Igre­ja pro­põe não é “com­ple­ta­men­te fe­cha­do, a-his­tó­ri­co, es­tá­ti­co, que se ne­gue a to­da e qual­quer for­ma de mes­ti­ça­gem”. No mes­mo di­a­pa­são, o tra­ba­lho mis­si­o­ná­rio de­ve pro­mo­ver con­quis­tas so­ci­ais, mas não po­de se re­su­mir a elas. A

Igre­ja não po­de ser “mais uma ONG”, mas de­ve pro­mo­ver uma in­cul­tu­ra­ção “que na­da des­pre­za do bem que já exis­te nas cul­tu­ras amazô­ni­cas, mas re­ce­be-o e le­va-o à ple­ni­tu­de à luz do Evan­ge­lho”.

Pa­ra tan­to, os bis­pos são cha­ma­dos a cul­ti­var a es­pi­ri­tu­a­li­da­de mis­si­o­ná­ria, o pro­ta­go­nis­mo dos lei­gos e no­vos es­pa­ços às mu­lhe­res. A res­pei­to da pro­pos­ta co­la­te­ral, mas de al­to im­pac­to mi­diá­ti­co da or­de­na­ção de ho­mens ca­sa­dos, o pon­tí­fi­ce não se pro­nun­ci­ou. Mes­mo que ti­ves­se es­sa dis­po­si­ção, se­ria te­me­rá­rio mo­di­fi­car uma dis­ci­pli­na mi­le­nar com ba­se num sí­no­do re­gi­o­nal de me­nos de 200 bis­pos e meia dú­zia de car­de­ais sem se­quer con­sul­tar os mais de 5.000 bis­pos e cen­te­nas de car­de­ais do res­to do mun­do.

Os so­nhos do pa­pa pa­ra uma “eco­lo­gia in­te­gral” aco­lhem os so­nhos so­ci­o­am­bi­en­tais se­cu­la­res e os trans­cen­dem ru­mo a um ma­trimô­nio ple­no en­tre o Céu e a Ter­ra atra­vés do en­con­tro com Je­sus Cris­to. O Bra­sil, prin­ci­pal gu­ar­dião da flo­res­ta amazô­ni­ca, com a mai­or po­pu­la­ção de ca­tó­li­cos do mun­do, tem um pa­pel de­ci­si­vo na tran­subs­tan­ci­a­ção des­ses so­nhos em re­a­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.