Uso de ce­lu­lar con­tra aglo­me­ra­ção ge­ra dú­vi­da

Em­pre­sas de te­le­fo­nia di­zem que ge­o­lo­ca­li­za­ção não in­va­de pri­va­ci­da­de por­que apon­ta aglo­me­ra­ções sem iden­ti­fi­car in­di­ví­du­os; fal­ta de re­gu­la­men­ta­ção cria in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca

O Estado de S. Paulo - - Pri­mei­ra pá­gi­na - Ricardo Ga­lhar­do

Mais da me­ta­de dos Es­ta­dos aderiu ao uso de fer­ra­men­tas de ge­o­lo­ca­li­za­ção cri­a­das pe­las ope­ra­do­ras de te­le­fo­nia ou por star­tups de tec­no­lo­gia pa­ra en­fren­tar a pan­de­mia do no­vo co­ro­na­ví­rus. As em­pre­sas ga­ran­tem que, da for­ma co­mo vêm sen­do usa­das, as fer­ra­men­tas não ofe­re­cem ris­co à pri­va­ci­da­de. Mas a fal­ta de me­ca­nis­mos pa­ra re­gu­la­men­tar e fis­ca­li­zar o uso de da­dos pes­so­ais cria in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca tan­to pa­ra os usuá­ri­os de ce­lu­la­res, que não que­rem seus da­dos ex­pos­tos, qu­an­to pa­ra ges­to­res, que pre­ten­dem dar mais efe­ti­vi­da­de à apli­ca­ção da tec­no­lo­gia, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas.

A fer­ra­men­ta de­sen­vol­vi­da pe­la star­tup per­nam­bu­ca­na In Lo­co foi ado­ta­da por 14 das 27 uni­da­des fe­de­ra­ti­vas. O Es­ta­do de São Pau­lo usa tam­bém a pla­ta­for­ma ofe­re­ci­da pe­las qua­tro ope­ra­do­ras de te­le­fo­nia – Vi­vo, Cla­ro, Oi e Tim. As em­pre­sas se com­pro­me­te­ram a dis­po­ni­bi­li­zar, a par­tir de amanhã, a tec­no­lo­gia pa­ra a União, Es­ta­dos e ci­da­des com mais de 500 mil ha­bi­tan­tes. O ser­vi­ço já ti­nha si­do ofe­re­ci­do ao go­ver­no fe­de­ral, mas a ne­go­ci­a­ção foi abor­ta­da por or­dem do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro.

Com a no­me­a­ção de Nel­son Tei­ch pa­ra o Mi­nis­té­rio da Saú­de, exis­te a ex­pec­ta­ti­va de re­to­ma­da das tra­ta­ti­vas. Ele já de­fen­deu o uso da ge­o­lo­ca­li­za­ção em ar­ti­gos. On­tem o go­ver­no, por meio de Me­di­da Pro­vi­só­ria, de­ter­mi­nou que as ope­ra­do­ras en­tre­guem

ao IBGE os no­mes, números de ce­lu­lar e en­de­re­ço de mais de 200 mi­lhões de cli­en­tes.

No en­tan­to, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, a de­ci­são de pos­ter­gar a vi­gên­cia da Lei Ge­ral de Pro­te­ção de Da­dos (LGPD), apro­va­da em 2018, e a de­mo­ra pa­ra in­di­car os no­mes da Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal de Pro­te­ção de Da­dos (ANPD), san­ci­o­na­da em ju­lho do ano pas­sa­do, mas até ho­je pa­ra­da, po­dem ser entraves (mais in­for­ma­ções nes­ta pá­gi­na).

Em paí­ses que ti­ve­ram bons re­sul­ta­dos no com­ba­te à pan­de­mia até ago­ra, co­mo a Co­reia do Sul, o uso da ge­o­lo­ca­li­za­ção foi fun­da­men­tal. Os co­re­a­nos uti­li­za­ram, en­tre ou­tras ações, um sis­te­ma co­nhe­ci­do co­mo con­tact tra­cing (ras­tre­a­men­to de con­ta­to), que per­mi­te iden­ti­fi­car os con­ta­mi­na­dos pe­la co­vid19, ras­tre­ar os lo­cais por on­de eles pas­sa­ram e as pes­so­as com quem ti­ve­ram con­ta­to e fa­zer o iso­la­men­to se­le­ti­vo des­tes in­di­ví­du­os sem a ne­ces­si­da­de de me­di­das mais drás­ti­cas.

Ou­tros paí­ses na Eu­ro­pa e na Ásia ado­ta­ram sis­te­mas se­me­lhan­tes com bons re­sul­ta­dos, mas is­so ge­rou um de­ba­te so­bre qual é o pon­to de equi­lí­brio en­tre o di­rei­to à pri­va­ci­da­de e a ne­ces­si­da­de do uso de da­dos pes­so­ais no com­ba­te à pan­de­mia.

Fun­ci­o­na­men­to. No Bra­sil, o uso da ge­o­lo­ca­li­za­ção ain­da é pri­má­rio. As ope­ra­do­ras de te­le­fo­nia e a In Lo­co for­ne­cem aos go­ver­nos es­ta­du­ais, me­di­an­te ter­mos de co­o­pe­ra­ção, um pai­nel no qual é pos­sí­vel ver o flu­xo de pes­so­as do dia an­te­ri­or. Os da­dos são anô­ni­mos e mos­tra­dos em blo­co – e não in­di­vi­du­al­men­te. Com eles, é pos­sí­vel di­zer se hou­ve gran­de con­cen­tra­ção de pes­so­as em um lo­cal, mas não se po­de iden­ti­fi­car quem es­te­ve lá, se­gun­do os res­pon­sá­veis.

A par­tir dis­so, ca­da go­ver­no usa as in­for­ma­ções da for­ma que achar con­ve­ni­en­te. No Pi­auí, pri­mei­ro Es­ta­do a usar a tec­no­lo­gia

da In Lo­co, a PM já fez ao me­nos 19 ope­ra­ções con­tra aglo­me­ra­ções usando a ge­o­lo­ca­li­za­ção. “A mai­o­ria dos ca­sos era de co­mér­ci­os que abri­ram as portas”, dis­se o co­man­dan­te do Cen­tro de Ope­ra­ções da PM do Pi­auí, ma­jor Gus­ta­vo Cam­pe­lo. Em to­dos os ca­sos, os en­vol­vi­dos fo­ram iden­ti­fi­ca­dos. Des­de se­ma­na pas­sa­da, a PM po­de apli­car mul­tas de até R$ 5 mil pa­ra pes­so­as fí­si­cas e R$ 17 mil pa­ra pes­so­as ju­rí­di­cas que des­cum­prem as nor­mas da qua­ren­te­na.

Em São Pau­lo, o Sis­te­ma de Mo­ni­to­ra­men­to In­te­li­gen­te (SMI) cru­za as in­for­ma­ções dos te­le­fo­nes com ban­cos de da­dos do Es­ta­do e usa o re­sul­ta­do pa­ra ori­en­tar ações. Um exem­plo são as men­sa­gens via SMS en­vi­a­das a mo­ra­do­res de re­giões on­de há al­to ín­di­ce de con­ta­mi­na­ções. “Es­ta­mos apli­can­do tec­no­lo­gia e trans­pa­rên­cia pa­ra vi­a­bi­li­zar um mo­de­lo de qua­ren­te­na parcial, sem­pre res­pei­tan­do a pri­va­ci­da­de do in­di­ví­duo. Paí­ses que con­se­gui­ram ta­xas de iso­la­men­to co­mo a nos­sa ti­ve­ram que re­cor­rer a mo­de­los di­fe­ren­tes do nos­so co­mo o con­fi­na­men­to to­tal (lock­down) e/ou uso de da­dos do in­di­ví­duo pa­ra mo­ni­to­ra­men­to em tem­po re­al”, dis­se a se­cre­tá­ria de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co, Pa­trí­cia El­len da Sil­va.

Se­gun­do Pa­trí­cia, os ter­mos de co­o­pe­ra­ção com a In Lo­co e ope­ra­do­ras res­pei­tam os dis­po­si­ti­vos da LGPD, em­bo­ra a nor­ma ain­da não es­te­ja em vi­gor. E o go­ver­no pau­lis­ta não tem in­ten­ção de apli­car tec­no­lo­gi­as in­va­si­vas, co­mo o ras­tre­a­men­to de con­ta­to da Co­reia.

LUIS BLANCO / GO­VER­NO SP

Con­tro­le. Sa­la do nú­cleo de in­for­ma­ções da cen­tral de mo­ni­to­ra­men­to da pan­de­mia de co­vid-19 do go­ver­no de São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.