Bra­si­lei­ro frau­da sis­te­ma e re­ce­be R$ 600 no ex­te­ri­or

CGU apu­ra de­nún­ci­as de pa­ga­men­to do be­ne­fí­cio de R$ 600 a bra­si­lei­ros que vi­vem de for­ma ir­re­gu­lar em ou­tros paí­ses

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Anne Warth Ju­lia Lind­ner/ BRA­SÍ­LIA

A Con­tro­la­do­ria-Ge­ral da União apu­ra de­nún­ci­as de pa­ga­men­to do au­xí­lio emer­gen­ci­al a bra­si­lei­ros que vi­vem de for­ma ir­re­gu­lar em ou­tros paí­ses. Nas re­des so­ci­ais, o Ita­ma­raty tem ori­en­ta­do ci­da­dãos a bai­xar o apli­ca­ti­vo.

Bra­si­lei­ros que mo­ram no ex­te­ri­or em si­tu­a­ção ile­gal en­con­tra­ram bre­chas pa­ra re­ce­ber o au­xí­lio emer­gen­ci­al de R$ 600 men­sais. A Con­tro­la­do­ria-Ge­ral da União (CGU) es­tá apu­ran­do as de­nún­ci­as, con­fir­mou o ór­gão ao Estadão/Broadcast, mas ain­da não tem ideia da quan­ti­da­de de pes­so­as que frau­da­ram o sis­te­ma pa­ra se ins­cre­ver no pro­gra­ma. Quem for iden­ti­fi­ca­do se­rá obri­ga­do a de­vol­ver os va­lo­res e po­de­rá so­frer san­ções ci­vis e pe­nais – não ex­pli­ci­ta­das pe­lo ór­gão, no en­tan­to.

Mais de dez mi­lhões de pes­so­as en­qua­dra­das nos re­qui­si­tos do au­xí­lio emer­gen­ci­al ain­da aguar­dam o pro­ces­sa­men­to de seus pe­di­dos. En­quan­to is­so, en­tre as frau­des já apu­ra­das, o Estadão re­ve­lou que mi­li­ta­res – re­cru­tas que pres­tam ser­vi­ço obri­ga­tó­rio e pen­si­o­nis­tas – re­ce­be­ram o be­ne­fí­cio de for­ma ir­re­gu­lar. Já o jor­nal O Glo­bo

mos­trou que estudantes uni­ver­si­tá­ri­os, mu­lhe­res de em­pre­sá­ri­os, ser­vi­do­res apo­sen­ta­dos e seus de­pen­den­tes tam­bém con­se­gui­ram ob­ter o be­ne­fí­cio.

O au­xí­lio é pa­go pe­la União pa­ra aju­dar tra­ba­lha­do­res in­for­mais, mi­cro­em­pre­en­de­do­res in­di­vi­du­ais (MEI), autô­no­mos e de­sem­pre­ga­dos com ren­da per ca­pi­ta de até R$ 522,50 men­sais ou ren­da fa­mi­li­ar de até R$ 3.135, o equi­va­len­te a três sa­lá­ri­os mí­ni­mos.

Não têm di­rei­to ao au­xí­lio aque­les com em­pre­go for­mal, que es­te­jam re­ce­ben­do se­gu­ro­de­sem­pre­go ou be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os ou as­sis­ten­ci­ais (ex­ce­to o Bol­sa Fa­mí­lia) e que re­ce­be­ram ren­di­men­tos tri­bu­tá­veis aci­ma de R$ 28.559.70 em 2018, de acor­do com de­cla­ra­ção do Im­pos­to de Ren­da.

A bur­la ao sis­te­ma acon­te­ce na ba­se de da­dos da Re­cei­ta Fe­de­ral. Bra­si­lei­ros que es­tão em si­tu­a­ção re­gu­lar no ex­te­ri­or – ou se­ja, que se mu­da­ram pa­ra ou­tro país de for­ma de­fi­ni­ti­va ou que pas­sa­ram à con­di­ção de não re­si­den­te em ca­rá­ter tem­po­rá­rio – são obri­ga­dos a apre­sen­tar a De­cla­ra­ção de Saí­da De­fi­ni­ti­va do País ao ór­gão.

Quem imi­gra ile­gal­men­te não pres­ta es­sa in­for­ma­ção ao Fis­co e, por is­so, con­ta co­mo re­si­den­te no Brasil, sem em­pre­go for­mal ou ren­da. Por cau­sa des­sa fa­lha, é iden­ti­fi­ca­do co­mo ele­gí­vel nas ope­ra­ções de cru­za­men­to de informaçõe­s re­a­li­za­das pe­la Da­ta­prev, res­pon­sá­vel por dar su­por­te tec­no­ló­gi­co pa­ra o Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia no re­co­nhe­ci­men­to do di­rei­to do au­xí­lio aos ci­da­dãos. “A em­pre­sa uti­li­za as informaçõe­s cons­tan­tes nas ba­ses ofi­ci­ais do go­ver­no fe­de­ral pa­ra cru­zar os da­dos e re­a­li­zar a ele­gi­bi­li­da­de dos ci­da­dãos, con­for­me pre­vis­to na le­gis­la­ção”, dis­se a Da­ta­prev.

Em co­mu­ni­da­des em re­des so­ci­ais que reú­nem bra­si­lei­ros re­si­den­tes em ou­tros paí­ses, o pró­prio Ita­ma­raty tem ori­en­ta­do os ci­da­dãos a bai­xa­rem o apli­ca­ti­vo do au­xí­lio emer­gen­ci­al em lo­jas do Go­o­gle e da Ap­ple “bra­si­lei­ras”. Os con­su­la­dos do Brasil em Tó­quio, Ro­ma e Ma­dri pu­bli­ca­ram em suas pá­gi­nas no Facebook ori­en­ta­ções pa­ra o re­ce­bi­men­to do be­ne­fí­cio.

Cons­ci­ên­cia. Nos comentário­s des­sas pu­bli­ca­ções, bra­si­lei­ros con­fir­mam ter re­ce­bi­do o di­nhei­ro, en­quan­to al­guns co­bram cons­ci­ên­cia e acu­sam os de­mais de es­ta­rem se apro­pri­an­do de re­cur­sos que de­ve­ri­am fi­car no Brasil. Aque­les com di­fi­cul­da­des em fa­zer o pe­di­do pe­lo ce­lu­lar re­ce­bem ori­en­ta­ções dos de­mais. A prin­ci­pal di­ca é fa­zer a so­li­ci­ta­ção pe­lo si­te do au­xí­lio. As­sim, é pos­sí­vel pre­en­cher os da­dos com um ce­lu­lar de um fa­mi­li­ar ou ami­go que te­nha um nú­me­ro na­ci­o­nal.

Em dó­la­res, na co­ta­ção em que a mo­e­da fe­chou on­tem no mer­ca­do ofi­ci­al, R$ 600 equi­va­lem a US$ 107,98. O au­xí­lio equi­va­le a £ 88,28 no Rei­no Uni­do, a ¤ 98,71 nos paí­ses da União Eu­ro­peia e a 11.634,67 ie­nes no Ja­pão.

À fren­te das in­ves­ti­ga­ções de frau­des den­tro do Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU), o mi­nis­tro Bruno Dan­tas afir­mou que as pes­so­as que se ins­cre­vem no pro­gra­ma com informaçõe­s fal­sas co­me­tem cri­me de fal­si­da­de ide­o­ló­gi­ca e de de­cla­ra­ção fal­sa a ór­gãos pú­bli­cos – cu­ja pe­na é de re­clu­são de um a cin­co anos e mul­ta, con­for­me ar­ti­go 299 do Có­di­go Pe­nal Bra­si­lei­ro.

“São cri­mi­no­sas e de­vem ter seus no­mes en­vi­a­dos ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra se­rem pro­ces­sa­das”, afir­mou. Se­gun­do ele, em­bo­ra a lei não ci­te que é pre­ci­so mo­rar em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal pa­ra re­ce­ber o di­nhei­ro, a in­ter­pre­ta­ção do go­ver­no é ra­zoá­vel e vá­li­da. “Não faz sen­ti­do pa­gar be­ne­fí­cio as­sis­ten­ci­al pa­ra al­guém que mo­ra em ou­tro país.”

A Cai­xa, que re­a­li­za os pa­ga­men­tos, não se pro­nun­ci­ou so­bre o ca­so. O Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia in­for­mou ter fir­ma­do par­ce­ria com a CGU pa­ra acom­pa­nhar o pro­ces­so de pa­ga­men­tos.

DIDA SAMPAIO/ES­TA­DAO–21/5/2015

Con­tra lei. Dan­tas diz que pe­na pe­lo cri­me de fal­si­da­de ide­o­ló­gi­ca é de re­clu­são de 1 a 5 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.