CO­MU­NI­CA­ÇÃO DI­GI­TAL NO PAREDÃO

‘O Di­le­ma das Re­des’ mos­tra os pro­ble­mas de cons­ci­ên­cia dos seus cri­a­do­res

O Estado de S. Paulo - - Especial - Luiz Za­nin Oric­chio

Cri­a­das a pre­tex­to de apro­xi­mar as pes­so­as, elas ago­ra são acu­sa­das pe­la ex­tre­ma po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca, de­pres­são de ado­les­cen­tes, co­mo di­vul­ga­do­ras de fa­ke news, ame­a­ças à de­mo­cra­cia, con­tro­le das pes­so­as atra­vés de al­go­rit­mos e ou­tras coi­si­nhas mais. Em O Di­le­ma das Re­des, de Jeff Or­lows­ki e em exi­bi­ção na Net­flix, as re­des so­ci­ais são co­lo­ca­das no paredão. E pe­las pró­pri­as pes­so­as que as cri­a­ram ou aju­da­ram a de­sen­vol­vê-las.

Es­se “elen­co” do fil­me tal­vez se­ja seu mai­or trun­fo. Pa­ra fa­lar so­bre os efeitos no­ci­vos das re­des so­ci­ais, não fo­ram con­vo­ca­dos so­ció­lo­gos ou fi­ló­so­fos es­pe­ci­a­lis­tas em éti­ca, mas pes­so­as que de fa­to as co­nhe­cem por den­tro. Es­ses ge­ni­nhos do Va­le do Si­lí­cio sa­bem mui­to bem do seu po­der de se­du­ção (aju­da­ram a la­pi­dá-lo), do al­can­ce ob­ti­do e dos ma­le­fí­ci­os que tra­zem. Ho­je, mos­tram pro­ble­mas de cons­ci­ên­cia. E não sem mo­ti­vo. As re­des, tais co­mo as co­nhe­ce­mos, trans­for­ma­ram-se em ame­a­ça à pró­pria so­bre­vi­vên­cia da es­pé­cie – é o di­ag­nós­ti­co mais ou me­nos ge­ne­ra­li­za­do des­ses jo­vens ta­len­to­sos, ho­je tra­ba­lhan­do em em­pre­sas pró­pri­as ou ONGS.

Um de­les, tal­vez o as­tro do fil­me, Tristan Harris, an­ti­go exe­cu­ti­vo da gi­gan­te Go­o­gle, não eco­no­mi­za pa­la­vras: “Quan­do vo­cê olha ao re­dor, sen­te que o mun­do es­tá en­lou­que­cen­do”. Não fi­ca ape­nas na im­pres­são. Tristan ex­pli­ca, de ma­nei­ra mui­to di­dá­ti­ca, co­mo os al­go­rit­mos cap­tam da­dos dos cli­en­tes e pas­sam a di­re­ci­o­ná-los a seus ni­chos de pre­fe­rên­ci­as. E de con­su­mo, pois a ques­tão des­ses ser­vi­ços, ti­dos co­mo gra­tui­tos, é co­mo mo­ne­ti­zá-los. Ou se­ja, co­mo ga­nhar con­têi­ne­res de di­nhei­ro, que trans­for­ma­ram as em­pre­sas hi-te­ch nas mais po­de­ro­sas do ca­pi­ta­lis­mo di­gi­tal.

Há con­tra-ar­gu­men­tos. Um de­les diz que as re­des so­ci­ais se­ri­am ape­nas um cho­que tec­no­ló­gi­co a mais, co­mo fo­ram, em seu tem­po, o te­lé­gra­fo, o rá­dio, o te­le­fo­ne, o ci­ne­ma, a te­le­vi­são, etc. A hu­ma­ni­da­de so­bre­vi­veu a eles. En­tão, bas­ta­ria nos se­gu­rar­mos na ca­dei­ra e es­pe­rar­mos a on­da pas­sar. Ou ser subs­ti­tuí­da por ou­tra, ain­da não ima­gi­ná­vel.

A res­pos­ta a es­se ar­gu­men­to es­tá nu­ma ques­tão de es­ca­la. Nun­ca an­tes car­re­ga­mos no bol­so apa­re­lhi­nhos co­mo smartpho­nes, aces­sí­veis em qual­quer lu­gar e a qual­quer ho­ra do dia e da noi­te, api­tan­do a to­do mo­men­to no­ti­fi­ca­ções da che­ga­da de uma men­sa­gem de What­sapp ou de um li­ke nu­ma pos­ta­gem de Fa­ce­bo­ok. Pas­sa­mos a pra­ti­car es­sa ser­vi­dão vo­lun­tá­ria e tra­ze­mos a cor­ren­te em vol­ta do pes­co­ço 24 ho­ras por dia, se­te di­as por se­ma­na.

Nes­se as­pec­to, re­si­de o tal di­le­ma das re­des. O que fa­zer com elas? Dei­xá-las ope­rar à von­ta­de, pois seu li­vre exer­cí­cio re­si­de no li­vre de­se­jo dos usuá­ri­os? Mas se­rão mes­mo li­vres? Um dos en­tre­vis­ta­dos se lem­bra de que ho­je a pa­la­vra “usuá­rio” só é uti­li­za­do em dois ca­sos: pa­ra adic­tos em dro­gas e vi­ci­a­dos em in­ter­net. Am­bos des­fru­tam de uma li­ber­da­de ape­nas ilu­só­ria, pois, uma vez que se en­tra no jo­go, não há mais po­der de es­co­lha.

Dro­gas pe­sa­das e re­des so­ci­ais vi­ci­an­tes se apoi­am em fra­que­zas hu­ma­nas. No ca­so das re­des, a ne­ces­si­da­de pri­mal de apro­va­ção de um ser hu­ma­no por ou­tras pes­so­as. O re­co­nhe­ci­men­to pe­lo Ou­tro co­mo ne­ces­si­da­de hu­ma­na fun­da­men­tal foi te­o­ri­za­do por um fi­ló­so­fo co­mo He­gel e por um psi­ca­na­lis­ta co­moF­reud.Fazp ar­te da ma­triz psi­co­ló­gi­ca da es­pé­cie. Des­se mo­do, apes­soa que in­ven­tou o “li­ke” te­ve um vis­lum­bre de gê­nio. Cri­ou um sig­no de re­co­nhe­ci­men­to e apro­va­ção ao al­can­ce de um to­que na te­la. Na­da que envolva tra­ba­lho ou ela­bo­ra­ção in­te­lec­tu­al. Ape­nas is­so: “Gos­tei”. O que se tra­duz em: “Gos­to de vo­cê e o re­co­nhe­ço co­mo par­te do meu gru­po”.

O con­trá­rio tam­bém é ver­da­dei­ro. Daí o nú­me­ro de ado­les­cen­tes (e mes­mo adul­tos) que se de­pri­mem quan­do su­as pos­ta­gens não al­can­çam a re­per­cus­são de­se­ja­da. Pa­ra não fa­lar do pi­or, quan­do são al­vo de bullying e “can­ce­la­men­tos”, es­sa exe­crá­vel prá­ti­ca das re­des so­ci­ais apli­ca­da aos que não par­ti­lham de de­ter­mi­na­do mo­do de pen­sar. Apres­são psi­co­ló­gi­ca po­de ser de­vas­ta­do­ra nes­ses ca­sos ejá fo­ram re­gis­tra­dos ca­sos de sui­cí­di­os de“can­ce­la­dos” por mo­ti­vos di­ver­sos, se­ja uma opi­nião des­to­an­te do gru­po ou a ex­po­si­ção de fo­tos ou ví­de­os com­pro­me­te­do­res.

Mas co­mo dis­ci­pli­nar es­se am­bi­en­te apoi­a­do em ne­ces­si­da­des tão pri­mais? Atra­vés de uma le­gis­la­ção res­tri­ti­va? Con­tro­les e li­mi­ta­ções? Na­da mais di­fí­cil de im­ple­men­tar nu­ma épo­ca em que qual­quer li­mi­te é lo­go ta­cha­do de cen­su­ra ou res­tri­ção à li­ber­da­de.

Se, no pla­no in­di­vi­du­al, as­con se quên­ci­as sã otão gra­ves, oque di­zer do âm­bi­to co­le­ti­vo? As re­des são res­pon­sa­bi­li­za­das pe­la cri­a­ção de cul­tu­ras pa­ra­le­las, sem re­la­ção co­ma re­a­li­da­de. Ter­ra pla­nis­tas, gru­pos con­trá­ri­os a va­ci­nas, cé­ti­co sem re­la­ção ao jor­na­lis­mo pro­fis­si­o­nal

eà ciência en­con­tram nasr edes­seus iguais e for­mam gru­pos de in­fluên­cia. Nes­se há­bi­tat de va­le-tu­do e fa­ke news, al­te­ram dis­pu­tas elei­to­rais e al­çam in­ca­pa­zes ao po­der. Ain­da que de pas­sa­gem, são ci­ta­das elei­ções de po­pu­lis­tas de di­rei­ta in­flu­en­ci­a­das pe­las re­des, co­mo as de Trump e Bol­so­na­ro. A vo­ta­ção em fa­vor do Bre­xit te­ve for­te ma­ni­pu­la­ção das re­des so­ci­ais e a in­ter­fe­rên­cia rus­sa so­bre a elei­ção ame­ri­ca­na tam­bém en­tra nes­sa pau­ta. “Fa­ke news têm seis ve­zes mais im­pac­to do­que no­tí­ci­as verdadeira­s ”, cons­ta­ta um dos en­tre­vis­ta­dos.

Mas, ain­da uma vez, co­mo de­fen­der-se? Não há res­pos­tas pron­tas. Tão agu­do na crí­ti­ca e no di­ag­nós­ti­co dos efeitos des­tru­ti­vos das re­des, o fil­me pa­re­ce tí­mi­do ao apon­tar so­lu­ções. Os pró­pri­os es­pe­ci­a­lis­tas re­pe­tem fór­mu­las já co­nhe­ci­das. O que fa­zer com os fi­lhos, por exem­plo? Ten­tar li­mi­ta­ra en­tra­da nas re­des até de­ter­mi­na­da ida­de. Res­trin­gir o tem­po de aces­so diá­rio. Não per­mi­tir ce­lu­la­res na ho­ra de dor­mir. E, so­bre­tu­do, ori­en­ta­ção, mui­ta conversa e re­co­men­da­ção de an­tí­do­tos efi­ca­zes – a lei­tu­ra, o con­ta­to com al­ter­na­ti­vas con­fiá­veis de in­for­ma­ção, o diá­lo­go com pes­so­as que pen­sam di­fe­ren­te.

Em ou­tras pa­la­vras, co­mo em ou­tros ca­sos, nes­te tam­bém é mais fá­cil ava­li­ar os da­nos que pre­ve­ni-los ou re­me­diá-los. As saí­das pa­re­cem sem­pre in­di­vi­du­ais. Co­mo diz Ja­ron Lanier, mú­si­co e ci­en­tis­ta de com­pu­ta­ção, com jei­tão de hip­pie ve­lho e es­pe­ci­a­li­za­do em re­a­li­da­de vir­tu­al :“Des­li­gue o ce­lu­lar evá ve­ro dia de sol lá fo­ra”. É is­so. Mas saí­das in­di­vi­du­ais não são so­lu­ções. O do­cu­men­tá­rio, em que pe­se su­as li­mi­ta­ções, é uma ad­ver­tên­cia de im­pac­to. As re­des so­ci­ais, do jei­to que são, e sem con­tro­le, se trans­for­ma­ram num dos mai­o­res de­sa­fi­os da nos­sa épo­ca. Me­re­cem to­da a aten­ção.

NET­FLIX/EXPOSURE LABS

Aler­ta. Fil­me é nar­ra­do por pro­fis­si­o­nais da área de tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.