O Estado de S. Paulo

Maia des­car­ta au­xí­lio por mais 3 me­ses

Há ar­ti­cu­la­ções no Con­gres­so pa­ra que es­ta­do de ca­la­mi­da­de te­nha mais três me­ses, o que am­pli­a­ria pa­ga­men­to do au­xí­lio emer­gen­ci­al

- Fa­brí­cio de Cas­tro / Cí­ce­ro Cotrim/ Politics · Rodrigo Maia · Paulo Roberto Nunes Guedes

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, de­pu­ta­do Ro­dri­go Maia (DEMRJ), afir­mou on­tem que a pos­si­bi­li­da­de de pror­ro­ga­ção do es­ta­do de ca­la­mi­da­de, de­cre­ta­do du­ran­te a pan­de­mia do no­vo co­ro­na­ví­rus, por mais três me­ses “não exis­te”. Se­gun­do ele, is­so sig­ni­fi­ca­ria a pror­ro­ga­ção, tam­bém por mais três me­ses, da Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) do Or­ça­men­to de Gu­er­ra, o que “se­ria uma si­na­li­za­ção mui­to ruim quan­to à ân­co­ra fis­cal”.

A prin­cí­pio, o es­ta­do de ca­la­mi­da­de pú­bli­ca ter­mi­na­rá no fim de de­zem­bro de 2020. No Con­gres­so, no en­tan­to, há ar­ti­cu­la­ções pa­ra que ele abar­que mais três me­ses, o que abri­ria espaço pa­ra que be­ne­fí­ci­os li­ga­dos à PEC de Gu­er­ra tam­bém du­rem pa­ra além de 2020.

Ao ava­li­ar a ques­tão, Maia lem­brou que o or­ça­men­to pri­má­rio bra­si­lei­ro tem ho­je “pou­ca gor­du­ra”, o que afe­ta a ca­pa­ci­da­de do go­ver­no de man­ter o au­xí­lio emer­gen­ci­al – lan­ça­do du­ran­te a pan­de­mia – por mais tem­po. De acor­do com o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, há quem ava­lie que é pos­sí­vel “em­pur­rar” mais o au­xí­lio pa­ra o pró­xi­mo ano, sem que ha­ja pro­ble­mas.

Maia, no en­tan­to, vê a ques­tão de ou­tra for­ma.

Da­ta. “A es­tru­tu­ra cri­a­da pa­ra en­fren­tar a pan­de­mia tem da­ta pa­ra aca­bar, em de­zem­bro de 2020”, dis­se. “Se hou­ver mu­dan­ça, vai afe­tar mui­to mais a vi­da dos bra­si­lei­ros”, pon­tu­ou o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, que par­ti­ci­pou on­tem de even­to vir­tu­al da XP In­ves­ti­men­tos.

Maia afir­mou que a pror­ro­ga­ção do au­xí­lio emer­gen­ci­al pa­ra além de 2020, se ocor­rer, fa­rá o go­ver­no fe­de­ral “pa­gar a con­ta com sua po­pu­la­ri­da­de”. “Qual­quer ca­mi­nho que use ata­lho, pa­re­ce bom, vo­cê che­ga mais rá­pi­do, mas o bra­si­lei­ro pa­ga a con­ta”, ci­tou, acres­cen­tan­do que is­so se re­fle­te na po­pu­la­ri­da­de do pre­si­den­te.

“Quan­do apro­va­mos PEC da Gu­er­ra, con­tra­ta­mos o pe­río­do pa­ra des­pe­sas extraordin­árias.

Is­so es­tá da­do. A Câ­ma­ra não vai vo­tar a pror­ro­ga­ção do es­ta­do de ca­la­mi­da­de, por­que não vê ne­ces­si­da­de”, re­for­çou.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre a pos­si­bi­li­da­de de o Se­na­do aco­lher a ideia de não cum­pri­men­to do te­to de gas­tos, Maia afir­mou que sua pre­o­cu­pa­ção é “ze­ro”. “Os se­na­do­res têm ex­pe­ri­ên­cia e têm cum­pri­do seu pa­pel”, afir­mou. “Sei que os par­la­men­ta­res não vão acei­tar mu­dan­ças no te­to de gas­tos”, acres­cen­tou.

Maia afir­mou ain­da que, “em te­se, o te­to vai ex­plo­dir em 2021”. No en­tan­to, se­gun­do ele, “exis­tem des­pe­sas que po­dem ser alo­ca­das”. Ele dis­se que o fi­nan­ci­a­men­to de um pro­gra­ma de trans­fe­rên­cia de ren­da em 2021 de­ve par­tir da re­or­ga­ni­za­ção de des­pe­sas já exis­ten­tes. Se­gun­do o de­pu­ta­do, cer­ca de 18 itens no Or­ça­men­to po­dem ser mo­di­fi­ca­dos pa­ra li­be­rar um espaço de R$ 30,0 bi­lhões ne­ces­sá­ri­os pa­ra fi­nan­ci­ar o pro­gra­ma.

Re­for­ma tri­bu­tá­ria. O pre­si­den­te da Câ­ma­ra afir­mou que cor­po­ra­ções li­ga­das ao Fis­co em âm­bi­to fe­de­ral, es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal não de­se­jam as mu­dan­ças tra­zi­das pe­la re­for­ma tri­bu­tá­ria por­que “não que­rem per­der po­der”.

Maia tam­bém cri­ti­cou a pos­tu­ra do em­pre­sa­ri­a­do bra­si­lei­ro em re­la­ção à re­for­ma. “Me ir­ri­ta mui­to es­sa pai­xão dos em­pre­sá­ri­os por re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va e pre­vi­den­ciá­ria. E quan­do che­ga a tri­bu­tá­ria, eles fa­lam: ‘va­mos dei­xar pa­ra de­pois’”, cri­ti­cou.

Ele dis­se que a ado­ção de um Im­pos­to so­bre o Va­lor Agre­ga­do (IVA) se­rá uma “gran­de re­vo­lu­ção” e abri­rá espaço pa­ra o en­cer­ra­men­to de li­tí­gi­os ju­di­ci­ais e pa­ra re­du­ção dos cus­tos das em­pre­sas. Ele tam­bém se dis­se oti­mis­ta com a tra­mi­ta­ção da re­for­ma tri­bu­tá­ria. “Há am­bi­en­te pa­ra apro­var.”

Maia pon­de­rou, por ou­tro la­do, que a re­for­ma não po­de ser apro­va­da no Con­gres­so sem a participaç­ão do mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des. Ele ci­tou ain­da o re­ceio en­tre os pre­fei­tos das ca­pi­tais de que ha­ja per­da de re­cei­tas. “Pe­lo con­trá­rio”, dis­se.

 ?? NAJARA ARAUJO / AGENCIA CA­MA­RA - 1/9/2020 ?? Fim do so­cor­ro. Maia dis­se que go­ver­no vai ‘pa­gar com sua po­pu­la­ri­da­de se pror­ro­gar pa­ga­men­to do au­xí­lio emer­gen­ci­al’
NAJARA ARAUJO / AGENCIA CA­MA­RA - 1/9/2020 Fim do so­cor­ro. Maia dis­se que go­ver­no vai ‘pa­gar com sua po­pu­la­ri­da­de se pror­ro­gar pa­ga­men­to do au­xí­lio emer­gen­ci­al’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil