COM­BA­TE AO DIABETES

O ami­do re­sis­ten­te, nu­tri­en­te abun­dan­te na fru­ta, é ca­paz de con­tro­lar a glicemia e afas­tar a do­en­ça

O Poder dos Alimentos - - ÍNDICE - CON­SUL­TO­RIA Eli­a­ne Pe­te­an Are­na, nu­tri­ci­o­nis­ta; Ju­li­a­na Ca­va­co, nu­tri­ci­o­nis­ta; Ma­ria Eli­za­beth Ros­si da Sil­va, en­do­cri­no­lo­gis­ta; Pau­lo Ca­miz, clí­ni­co ge­ral; Ma­xi­mo Asi­nel­li, nu­tró­lo­go FOTOS Shutterstock Images

ATEN­ÇÃO PA­RA O ALER­TA A SE­GUIR: de acor­do com um a OMS, o to­tal de ca­sos de diabetes ho­je é qua­tro ve­zes mai­or do que em 1980. Se­gun­do o re­la­tó­rio, o pro­ble­ma es­tá re­la­ci­o­na­do a 3,7 mi­lhões de mor­tes to­dos os anos - nú­me­ro que de­ve au­men­tar pro­gres­si­va­men­te. Só pa­ra se ter no­ção, em 1980, o mun­do ti­nha cer­ca de 108 mi­lhões de di­a­bé­ti­cos, o que equi­va­lia a 4,7% da po­pu­la­ção adul­ta da épo­ca. Ho­je, eles são 422 mi­lhões, ou 8,5%. Is­so pro­va o quan­to a do­en­ça é um pro­ble­ma sé­rio que pre­ci­sa de aten­ção re­do­bra­da, a fim de evi­tar as com­pli­ca­ções. “O diabetes aca­ba le­van­do a com­pli­ca­ções na mi­cro­cir­cu­la­ção e is­so afe­ta prin­ci­pal­men­te os rins, os olhos e o sis­te­ma nervoso”, re­for­ça o clí­ni­co ge­ral Pau­lo Ca­miz. Saiba quais são os prin­ci­pais sin­to­mas e ti­pos da do­en­ça a se­guir:

DIABETES TI­PO 1

É con­si­de­ra­da uma do­en­ça au­toi­mu­ne, ou se­ja, o pró­prio or­ga­nis­mo des­trói as cé­lu­las pro­du­to­ras de in­su­li­na, hormô­nio res­pon­sá­vel por con­tro­lar as ta­xas de açú­car no san­gue. Ge­ral­men­te, o diabetes ti­po 1 aco­me­te cri­an­ças e ado­les­cen­tes. “Os pa­ci­en­tes ne­ces­si­tam to­mar vá­ri­as do­ses do hormô­nio por dia, pa­ra man­te­rem sua glicemia ade­qua­da”, afir­ma a en­do­cri­no­lo­gis­ta Ma­ria Eli­za­beth Ros­si da Sil­va.

DIABETES TI­PO 2

Es­sa va­ri­a­ção es­tá re­la­ci­o­na­da aos maus há­bi­tos e ao se­den­ta­ris­mo. “O ti­po 2 con­sis­te em uma re­du­ção do efei­to da in­su­li­na, cau­sa­do prin­ci­pal­men­te pe­la obe­si­da­de e pe­lo se­den­ta­ris­mo”, afir­ma Pau­lo. De acor­do com a As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de As­sis­tên­cia ao Di­a­bé­ti­co (ANAD), es­se ti­po da do­en­ça é mui­to mais co­mum que o ti­po 1 e aco­me­te cer­ca de 10% da po­pu­la­ção en­tre 30 e 69 anos.

DIABETES GESTACIONAL

Co­mo o pró­prio no­me diz, es­se ti­po de diabetes acon­te­ce du­ran­te a ges­ta­ção. O di­ag­nós­ti­co po­de ser fei­to com um exa­me de gli­co­se em je­jum após 22 se­ma­nas de ges­ta­ção e ten­de a ser con­tro­la­do com ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da e a prá­ti­ca ade­qua­da de exer­cí­ci­os. Es­se ti­po de diabetes ten­de a de­sa­pa­re­cer após a ges­ta­ção.

LADA

Pa­re­ci­da com o diabetes ti­po 1, a LADA se ca­rac­te­ri­za pe­la des­trui­ção qua­se com­ple­ta das cé­lu­las pro­du­to­ras de in­su­li­na pe­lo pró­prio sis­te­ma imu­no­ló­gi­co. “É tam­bém uma al­te­ra­ção au­toi­mu­ne, se­me­lhan­te a do diabetes mel­li­tus ti­po 1, mas com pe­que­nas di­fe­ren­ças. Uma de­las é a ida­de. O prin­ci­pal an­ti­cor­po nos por­ta­do­res des­sa do­en­ça é o an­ti-gad. Além dis­so, o pro­ces­so de des­trui­ção das cé­lu­las be­tas nos por­ta­do­res de LADA é mais len­to do que no diabetes ti­po 1. As­sim, por oca­sião do di­ag­nós­ti­co, os pa­ci­en­tes com LADA ain­da con­se­guem pro­du­zir in­su­li­na, sen­do que, mui­tas ve­zes, é pos­sí­vel o tra­ta­men­to com hi­po­gli­ce­mi­an­tes orais por 6 me­ses ou até vá­ri­os anos”, des­ta­ca Ma­ria Eli­za­beth.

MODY

Exis­tem cer­ca de 6 ti­pos prin­ci­pais de Mody. “Ocor­rem de­fei­tos ge­né­ti­cos da fun­ção das cé­lu­las be­ta pro­du­to­ras de in­su­li­na. A apre­sen­ta­ção clí­ni­ca ini­ci­al mais co­mum é a hi­per­gli­ce­mia le­ve, sem sin­to­mas, que não re­quer in­su­li­na, em cri­an­ças, ado­les­cen­tes e adul­tos jo­vens não obe­sos, com his­tó­ria pro­e­mi­nen­te de diabetes fa­mi­li­ar (três ou mais ge­ra­ções su­ces­si­vas aco­me­ti­das), es­cla­re­ce a en­do­cri­no­lo­gis­ta.

AJU­DA ES­PE­CI­AL DA BANANA VER­DE

As fi­bras pre­sen­tes na banana ver­de são res­pon­sá­veis por di­ver­sos be­ne­fí­ci­os. Em es­pe­ci­al pa­ra com­ba­ter o diabetes ti­po 2: elas re­gu­lam a ab­sor­ção in­tes­ti­nal dos açú­ca­res pro­ve­ni­en­tes dos alimentos, evi­tan­do os pi­cos de glicemia no or­ga­nis­mo. Quan­do há o ex­ces­so de açú­car no san­gue, o pân­cre­as é for­ça­do a li­be­rar mai­or quan­ti­da­de de in­su­li­na pa­ra man­ter os ní­veis ide­ais. Quan­do is­so acon­te­ce com frequên­cia, al­guns ór­gãos cri­am re­sis­tên­cia ao hormô­nio, fa­tor que po­de se tor­nar um ga­ti­lho pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do diabetes ti­po 2. Além dis­so, o ex­ces­so de in­su­li­na no cor­po po­de se tor­nar gor­du­ra vis­ce­ral, aque­la que se acu­mu­la no abdô­men e é res­pon­sá­vel pe­lo de­sen­vol­vi­men­to de aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC).

E O AMI­DO RE­SIS­TEN­TE?

Pou­ca gen­te sa­be, mas es­se nu­tri­en­te é mais um trun­fo da banana ver­de pa­ra a saú­de dos di­a­bé­ti­cos. As­sim co­mo as fi­bras, o ami­do re­sis­ten­te não é di­ge­ri­do pe­las en­zi­mas da di­ges­tão, fa­ci­li­tan­do a eli­mi­na­ção pe­lo or­ga­nis­mo. Nes­se pro­ces­so, ele aju­da a di­mi­nuir a ab­sor­ção de gli­co­se e gor­du­ras pe­lo or­ga­nis­mo, fa­to­res que be­ne­fi­ci­am o pa­ci­en­te com diabetes. Além do mais, a subs­tân­cia au­men­ta a sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de, evi­tan­do os ata­ques con­tí­nu­os à ge­la­dei­ra, aju­dan­do quem quer ema­gre­cer.

Di­ca: Pa­ra que o ami­do re­sis­ten­te apre­sen­te to­das es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas ci­ta­das an­te­ri­or­men­te, é ne­ces­sá­rio que ele se­ja aque­ci­do ou co­zi­do. As pro­pri­e­da­des quí­mi­cas só são ati­vas em al­tas tem­pe­ra­tu­ras.

MU­DAN­ÇA DE HÁ­BI­TOS

En­ga­na-se quem pen­sa que o di­a­bé­ti­co de­ve ape­nas ex­cluir o açú­car do car­dá­pio. Pa­ra con­tro­lar a glicemia e evi­tar as con­sequên­ci­as da do­en­ça, é ne­ces­sá­rio ado­tar tam­bém uma ali­men­ta­ção equi­li­bra­da. “Os di­a­bé­ti­cos, as­sim co­mo os in­di­ví­du­os que bus­cam uma ali­men­ta­ção mais sau­dá­vel, de­vem di­vi­dir as re­fei­ções e se ali­men­tar seis ve­zes ao dia. Be­ber bas­tan­te água, co­mer fru­tas, ver­du­ras e le­gu­mes, dar pre­fe­rên­cia a alimentos mais sau­dá­veis, evi­tar fri­tu­ras e alimentos gor­du­ro­sos, abu­sar dos alimentos ri­cos em fi­bras, evi­tar alimentos ri­cos em açú­car e fa­zer ati­vi­da­de fí­si­ca mo­de­ra­da são as prin­ci­pais in­di­ca­ções”, re­co­men­da o nu­tró­lo­go Ma­xi­mo Asi­nel­li. Fu­gir de ví­ci­os co­mo o con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas e o ci­gar­ro são ou­tros pas­sos im­por­tan­tes pa­ra se man­ter sau­dá­vel!

OU­TROS ALIMENTOS AMI­GOS

Ve­ja al­guns ali­a­dos da saú­de quan­do o as­sun­to é diabetes pa­ra unir ao con­su­mo da banana ver­de no seu pla­no ali­men­tar:

BERINJELA: o le­gu­me possui an­ti­o­xi­dan­tes, co­mo os fla­vo­noi­des, sen­do for­te ali­a­do no com­ba­te aos ra­di­cais li­vres, que cau­sam o en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce da pe­le e o de­sen­vol­vi­men­to de cân­cer, além de ser uma gran­de ali­a­da no con­tro­le da glicemia.

CANELA: tem­pe­ro mui­to usa­do tan­to em re­cei­tas do­ces quan­to sal­ga­das, a canela tam­bém pro­mo­ve be­ne­fí­ci­os à saú­de dos pa­ci­en­tes di­a­bé­ti­cos, me­lho­ran­do o con­tro­le gli­cê­mi­co e afas­tan­do os fa­to­res de ris­co pa­ra do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res as­so­ci­a­das.

BA­TA­TA YACON: seu con­su­mo diá­rio po­de aju­dar no con­tro­le da glicemia em por­ta­do­res de diabetes ti­po 2. O ve­ge­tal é ri­co em um car­boi­dra­to cha­ma­do fru­to­o­li­gos­sa­cá­ri­co, que age de for­ma se­me­lhan­te as fi­bras em nos­so or­ga­nis­mo. Um car­boi­dra­to sim­ples - tam­bém co­nhe­ci­do co­mo ami­do - é ab­sor­vi­do ra­pi­da­men­te pe­lo or­ga­nis­mo, ele­van­do as ta­xas de gli­co­se no san­gue em uma ve­lo­ci­da­de mai­or e ge­ran­do pi­cos de in­su­li­na. Já no ca­so do car­boi­dra­to pre­sen­te na ba­ta­ta yacon, o que acon­te­ce é o con­trá­rio.

GEN­GI­BRE: é uma raiz ter­mo­gê­ni­ca, ou se­ja, que pro­duz ca­lor de for­ma me­câ­ni­ca. Ela fa­vo­re­ce os sis­te­mas di­ges­ti­vo e res­pi­ra­tó­rio, além de ain­da di­mi­nuir os ní­veis de gli­co­se no san­gue, po­den­do ser ne­ces­sá­rio o re­a­jus­te das do­ses de in­su­li­na por pes­so­as que so­fram com o diabetes.

ABA­CA­TE: a fru­ta apre­sen­ta inú­me­ros be­ne­fí­ci­os à saú­de, já que seu al­to va­lor ener­gé­ti­co pro­ve­ni­en­te de gor­du­ras com­pos­tas por áci­dos gra­xos mo­noin­sa­tu­ra­dos é res­pon­sá­vel pe­lo au­men­to do HDL (colesterol bom) e re­du­ção do colesterol LDL (ruim), en­quan­to,

ao mes­mo tem­po, au­xi­lia o me­ta­bo­lis­mo da gli­co­se re­du­zin­do, as­sim, a re­sis­tên­cia à in­su­li­na.

ALIMENTOS IN­TE­GRAIS: ar­roz, ma­car­rão, bo­los e pães in­te­grais são, de­fi­ni­ti­va­men­te, igua­ri­as fun­da­men­tais pa­ra os di­a­bé­ti­cos. “Os alimentos in­te­grais são op­ções sau­dá­veis pa­ra to­dos, em es­pe­ci­al pa­ra os di­a­bé­ti­cos. Is­so por­que o al­to te­or de fi­bras pre­sen­te nes­ses alimentos pro­mo­ve uma ab­sor­ção da gli­co­se de for­ma mais len­ta, evi­tan­do os pi­cos de glicemia. Além dis­so, es­ses pro­du­tos agre­gam di­ver­sos nu­tri­en­tes im­por­tan­tes pa­ra o equi­lí­brio de nos­so or­ga­nis­mo, pre­vi­nem do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res e obe­si­da­de (tra­zem mai­or sa­ci­e­da­de) e con­tri­bu­em pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to in­tes­ti­nal”, diz a nu­tri­ci­o­nis­ta Ju­li­a­na Ca­va­co.

LINHAÇA: ela atua de três ma­nei­ras di­fe­ren­tes na lu­ta con­tra o diabetes: é ri­ca em pro­teí­nas, fi­bras e gor­du­ras mo­noins­sa­tu­ra­das. Tam­bém é óti­ma fon­te de mag­né­sio, um mi­ne­ral es­sen­ci­al pa­ra o con­tro­le da glicemia, por­que aju­da as cé­lu­las no uso da in­su­li­na.

BA­TA­TA-DOCE: es­se ali­men­to, na sua ver­são as­sa­da ou co­zi­da, faz com que o ní­vel de açú­car no san­gue au­men­te cer­ca de 30% a me­nos que o nor­mal. A ba­ta­ta-doce é ri­ca em fi­bras so­lú­veis que con­tri­bu­em na re­du­ção da glicemia e do colesterol, sen­do uma por­ção diá­ria mais do que su­fi­ci­en­te.

MA­ÇÃ: mui­to po­pu­lar, a fru­ta é re­che­a­da de be­ne­fí­ci­os. Is­so por­que ela possui quer­ce­ti­na, uma subs­tân­cia que di­fi­cul­ta o acú­mu­lo de gor­du­ra nas ar­té­ri­as ao im­pe­dir a ab­sor­ção de colesterol no or­ga­nis­mo. A fru­ta ain­da possui pec­ti­na, fi­bra que au­xi­lia no con­tro­le da glicemia.

PEI­XE: as car­nes bran­cas são mui­to mais in­di­ca­das pa­ra os di­a­bé­ti­cos, mas o trun­fo es­pe­ci­al des­se in­gre­di­en­te es­tá na pre­sen­ça de ôme­ga-3, uma gor­du­ra be­né­fi­ca que pro­mo­ve mui­tos ga­nhos à saú­de. Ela é apon­ta­da em al­guns es­tu­dos co­mo a res­pon­sá­vel pe­la di­mi­nui­ção da glicemia em quem já é di­a­bé­ti­co e a pre­ven­ção do diabetes ti­po 2. Al­gu­mas fon­tes do ôme­ga-3 são peixes co­mo sar­di­nha, atum e aren­que.

“Alimentos com di­ges­tão len­ta e bai­xo ín­di­ce gli­cê­mi­co (que li­be­ram a gli­co­se len­ta­men­te no or­ga­nis­mo) têm si­do as­so­ci­a­dos com o me­lhor con­tro­le de diabetes, e a banana ver­de possui es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca”, Eli­a­ne Pe­te­an Are­na, nu­tri­ci­o­nis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.