O so­be e des­ce do açú­car

En­ten­da as di­fe­ren­ças en­tre a hi­po e a hi­per­gli­ce­mia e veja co­mo a ba­ta­ta-do­ce po­de aju­dar a man­ter as ta­xas den­tro das re­co­men­da­ções mé­di­cas!

O Poder dos Alimentos - - EDITORIAL / ÍNDICE -

Saiba mais so­bre a hi­po e a hi­per­gli­ce­mia e co­mo o ali­men­to aju­da no con­tro­le dos ní­veis ide­ais

Quan­do o as­sun­to é cui­dar da saú­de, os ex­ces­sos sem­pre são um pro­ble­ma, já que in­ter­fe­rem no equi­lí­brio do or­ga­nis­mo e im­pe­dem o seu bom fun­ci­o­na­men­to. Os ín­di­ces de gli­co­se tam­bém não po­dem apre­sen­tar ta­xas muito ele­va­das ou muito bai­xas, pois is­so com­pro­me­te o sis­te­ma co­mo um to­do. Co­nhe­ça as di­fe­ren­ças en­tre a hi­po­gli­ce­mia e a hi­per­gli­ce­mia, su­as cau­sas, con­sequên­ci­as e for­mas de tra­tar.

Hi­po­gli­ce­mia

Mui­tas dú­vi­das sur­gem quan­do se fa­la so­bre in­su­li­na e su­as quan­ti­da­des. “A hi­po­gli­ce­mia ocor­re quan­do a quan­ti­da­de de in­su­li­na em cir­cu­la­ção no or­ga­nis­mo é mai­or do que a ne­ces­sá­ria pa­ra man­ter o equi­lí­brio dos ní­veis de gli­co­se. Exis­tem di­ver­sas si­tu­a­ções que po­dem au­men­tar o ris­co, mas a mais fre­quen­te é a omis­são ou o atra­so de al­gu­ma re­fei­ção”, ex­pli­ca a en­do­cri­no­lo­gis­ta Le­ni­ta Zaj­den­verg. En­tre es­sas si­tu­a­ções es­tão uso ex­ces­si­vo de me­di­ca­men­tos que fa­zem a se­cre­ção de in­su­li­na au­men­tar, exer­cí­ci­os fí­si­cos des­me­di­dos, mu­dan­ças na di­e­ta sem ori­en­ta­ção nu­tri­ci­o­nal, pro­ble­mas nos rins, in­su­fi­ci­ên­cia da glân­du­la su­prar­re­nal, en­tre ou­tros.

Sin­to­mas: os si­nais são va­ri­a­dos, co­mo tre­mo­res, ton­tu­ra, pa­li­dez, su­or, pal­pi­ta­ções, náu­se­as, can­sa­ço, fra­que­za, ta­qui­car­dia e fo­me. Po­rém, é ne­ces­sá­rio aten­ção com a hi­po­gli­ce­mia, co­mo in­di­ca a pro­fis­si­o­nal: “Ca­so ela per­sis­ta, sin­to­mas neu­ro­ló­gi­cos vão sur­gir, co­mo con­fu­são men­tal e agi­ta­ção. Em ca­sos mais gra­ves, é pos­sí­vel que acon­te­ça con­vul­sões e até co­ma, por is­so é ne­ces­sá­rio con­tro­lar a gli­ce­mia com aju­da es­pe­ci­a­li­za­da”.

Tra­ta­men­to: é ne­ces­sá­rio to­mar cui­da­do com a hi­po­gli­ce­mia. “Nos ca­sos em que o in­di­ví­duo en­con­tra-se acor­da­do e lú­ci­do, de­vem ser for­ne­ci­dos ali­men­tos que con­te­nham en­tre 15g e 30g de car­boi­dra­to de rá­pi­da ab­sor­ção co­mo açú­car, mel, su­co de la­ran­ja ou re­fri­ge­ran­tes não di­e­té­ti­cos. Exis­tem no co­mér­cio pro­du­tos que con­têm gli­co­se, em for­ma de gel, que tam­bém são in­di­ca­dos”, co­men­ta Le­ni­ta.

Não é re­co­men­da­do in­ge­rir ali­men­tos gor­du­ro­sos, pois eles di­fi­cul­tam a pro­du­ção rá­pi­da de in­su­li­na e, em ca­sos de pa­ci­en­tes di­a­bé­ti­cos, o cui­da­do de­ve ser mai­or. “Nos ca­sos em que a pes­soa com di­a­be­tes se apre­sen­ta em co­ma, de­ve ser for­ne­ci­do tra­ta­men­to ime­di­a­to, in­de­pen­den­te­men­te da con­fir­ma­ção por meio da me­di­da da gli­co­se no san­gue. Nos ca­sos le­ves, e quan­do há pos­si­bi­li­da­de de me­dir a gli­co­se, es­sa me­di­ca­ção de­ve ser fei­ta ime­di­a­ta­men­te pa­ra con­fir­mar o di­ag­nós­ti­co e, lo­go após, ins­ti­tuir me­di­das te­ra­pêu­ti­cas”, afir­ma a en­do­cri­no­lo­gis­ta.

Hi­per­gli­ce­mia

É cau­sa­da pe­lo con­su­mo ex­ces­si­vo de ali­men­tos de ín­di­ce gli­cê­mi­co al­to, co­mo sor­ve­te, bis­coi­tos, do­ces e en­fa­ri­nha­dos. Com o au­men­to das ta­xas de açú­car no san­gue, o pân­cre­as pro­duz mais in­su­li­na pa­ra con­tro­lar esse açú­car e trans­for­má-lo em ener­gia. Esse pro­ces­so po­de acar­re­tar em um acúmulo de gor­du­ra no cor­po, o que, por sua vez, au­men­ta as ta­xas de co­les­te­rol. Além dis­so, se­gun­do o en­do­cri­no­lo­gis­ta Antô­nio Car­los Mi­nuz­zi, a hi­per­gli­ce­mia é ca­paz de cau­sar di­a­be­tes ti­po 2, do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res e até de­ter­mi­na­dos ti­pos de cân­cer. A pes­soa, em ge­ral, vai se sen­tir can­sa­da, de­sa­ni­ma­da e te­rá mais von­ta­de de co­mer car­boi­dra­tos.

Sin­to­mas: en­tre as ca­rac­te­rís­ti­cas des­se pro­ble­ma, des­ta­cam-se, além do can­sa­ço e de dor de ca­be­ça, en­joo, di­fi­cul­da­de pa­ra res­pi­rar, fo­me in­ten­sa, se­de, bo­ca se­ca e von­ta­de de uri­nar com frequên­cia.

Tra­ta­men­to: a hi­per­gli­ce­mia po­de ser con­tro­la­da com a aju­da dos ali­men­tos certos. Por is­so, pres­te aten­ção ao con­su­mo de car­boi­dra­tos de al­to ín­di­ce gli­cê­mi­co (do­ces e fa­ri­nha bran­ca) e subs­ti­tua por car­boi­dra­tos com­ple­xos (ce­re­ais, len­ti­lha, ar­roz in­te­gral, ba­ta­ta-do­ce e len­ti­lha) e por pro­teí­nas (pei­xe e ovo, por exem­plo). As ati­vi­da­des fí­si­cas tam­bém são in­dis­pen­sá­veis pa­ra o tra­ta­men­to. “Não se po­de abrir mão de um pro­gra­ma de exer­cí­ci­os fí­si­cos, que de­ve ser adap­ta­do às pre­fe­rên­ci­as e às ne­ces­si­da­des de ca­da pes­soa”, re­co­men­da Antô­nio.

Mas co­mo a ba­ta­ta-do­ce po­de aju­dar?

O gran­de trun­fo des­se tu­bér­cu­lo es­tá no seu bai­xo ín­di­ce gli­cê­mi­co. Is­so quer di­zer que es­sa raiz - de sa­bor ado­ci­ca­do - po­de con­tro­lar os ín­di­ces de açú­car no san­gue, já que li­be­ra seu car­boi­dra­to de for­ma gra­da­ti­va no or­ga­nis­mo. Esse be­ne­fí­cio es­tá as­so­ci­a­do aos efei­tos que a ba­ta­ta-do­ce pro­vo­ca nos ní­veis de gli­co­se no san­gue e na ve­lo­ci­da­de da sua di­ges­tão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.