Pon­tei­ros da ba­lan­ça

Pro­te­ger a saú­de não é a úni­ca van­ta­gem de con­su­mir o tu­bér­cu­lo, sa­bia? Ele tam­bém po­de aju­dar na bri­ga contra os pon­tei­ros da ba­lan­ça!

O Poder dos Alimentos - - EDITORIAL / ÍNDICE -

Além de fa­vo­re­cer ao cor­po, a ba­ta­ta-do­ce é uma óti­ma op­ção pa­ra ma­tar a fo­me

Opri­mei­ro pas­so pa­ra con­se­guir per­der pe­so de ma­nei­ra sau­dá­vel é es­co­lher bem os in­gre­di­en­tes pa­ra com­por as re­fei­ções. Ali­a­da à prá­ti­ca re­gu­lar de ati­vi­da­de fí­si­ca, uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da é ca­paz de pro­mo­ver o ema­gre­ci­men­to e cui­dar do bom fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo. E, pa­ra is­so, não é ne­ces­sá­rio fa­zer lou­cu­ras: o ide­al é con­su­mir to­dos os gru­pos ali­men­ta­res, com mo­de­ra­ção, e apos­tar em es­co­lhas na­tu­rais e sau­dá­veis, co­mo mui­tas fru­tas, ver­du­ras, le­gu­mes e, cla­ro, a ba­ta­ta-do­ce na do­se cer­ta!

Car­boi­dra­to do bem!

É im­por­tan­te sa­ber que nem to­do car­boi­dra­to é vi­lão da di­e­ta e da saú­de. E vo­cê sa­bia que a ba­ta­ta-do­ce es­tá den­tro des­se gru­po ali­men­tar? Ela é fon­te de ami­do re­sis­ten­te e age no or­ga­nis­mo co­mo as fi­bras ali­men­ta­res, pro­mo­ven­do o bom fun­ci­o­na­men­to do in­tes­ti­no, que tem tu­do a ver com o ema­gre­ci­men­to. Além dis­so, a ba­ta­ta-do­ce con­tém bai­xo ín­di­ce gli­cê­mi­co, que sa­cia a fo­me e ga­ran­te mais ener­gia pa­ra en­ca­rar as ati­vi­da­des, sem so­bre­car­re­gar o san­gue com ex­ces­so de açú­car. E tu­do is­so for­ne­cen­do bons nu­tri­en­tes ao or­ga­nis­mo: “A ba­ta­ta-do­ce pos­sui al­tas ta­xas de vi­ta­mi­na A, vi­ta­mi­nas do com­ple­xo B, sais mi­ne­rais co­mo cál­cio, fer­ro, po­tás­sio, fós­fo­ro e vi­ta­mi­na C”, lis­ta o nu­tri­ci­o­nis­ta Ri­car­do Za­nu­to.

Não fal­ta fô­le­go

A ba­ta­ta-do­ce per­ten­ce ao gru­po dos car­boi­dra­tos e for­ne­ce ener­gia ao or­ga­nis­mo, en­tão, é ne­ces­sá­rio ter cau­te­la ao con­su­mi-la. “Po­de­mos con­si­de­rá-la uma ali­a­da, pois é um car­boi­dra­to com­ple­xo, sen­do di­ge­ri­da mais len­ta­men­te, au­men­tan­do a sa­ci­e­da­de e, con­se­quen­te­men­te, di­mi­nuin­do a quan­ti­da­de de ali­men­to con­su­mi­do na mes­ma re­fei­ção”, ex­pli­ca Mi­che­le Ro­dri­gues, nu­tri­ci­o­nis­ta. Des­sa for­ma, ela aju­da no pro­ces­so de per­da de pe­so e na ma­nu­ten­ção de uma di­e­ta ba­lan­ce­a­da, além de evi­tar o acúmulo de gor­du­ra. Po­rém, se con­su­mi­da em ex­ces­so, po­de ter o efei­to con­trá­rio ao de­se­ja­do.

Sem fo­me

A pre­sen­ça de fi­bras em sua com­po­si­ção aju­da na sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de, con­tro­lan­do o ape­ti­te e, com is­so, con­tri­buin­do pa­ra a per­da de pe­so. En­tre­tan­to, a nu­tri­ci­o­nis­ta Car­la Cot­ta aler­ta pa­ra uma pre­o­cu­pa­ção ex­ces­si­va com o pe­so que es­tá mar­ca­do na ba­lan­ça. O mais im­por­tan­te, se­gun­do ela, é en­xu­gar a gor­du­ri­nha ex­ce­den­te, olhar o es­pe­lho e fi­car sa­tis­fei­to. “Ter mas­sa ma­gra é im­por­tan­te no pro­ces­so de eli­mi­na­ção de gor­du­ra cor­po­ral. Não há um mi­la­gre pa­ra se­car a bar­ri­ga”, com­ple­ta a pro­fis­si­o­nal.

Quan­to con­su­mir?

A quan­ti­da­de ide­al de con­su­mo va­ria pa­ra ca­da um e de­pen­de­rá das ne­ces­si­da­des nu­tri­ci­o­nais da pes­soa. “Ge­ral­men­te, quan­do a ba­ta­ta-do­ce es­tá in­se­ri­da den­tro das prin­ci­pais re­fei­ções, é pos­sí­vel con­su­mir du­as porções diá­ri­as de 150g, com guar­ni­ção as­so­ci­a­da a um fi­lé de fran­go, ve­ge­tais e le­gu­mi­no­sas. Seu con­su­mo de­ve ser prin­ci­pal­men­te pré-trei­no, pois, an­tes de re­a­li­zar qual­quer ati­vi­da­de fí­si­ca, é ne­ces­sá­rio ob­ter ener­gia su­fi­ci­en­te pa­ra man­tê-la”, avi­sa a nu­tri­ci­o­nis­ta Fer­nan­da Ma­cha­do. Po­rém, a es­pe­ci­a­lis­ta res­sal­ta que a ba­ta­ta-do­ce não de­ve ser con­su­mi­da em ex­ces­so, pois o car­boi­dra­to in­ge­ri­do exa­ge­ra­da­men­te é trans­for­ma­do em gor­du­ra e ar­ma­ze­na­do prin­ci­pal­men­te na bar­ri­ga, bra­ços e co­xas. Além dis­so, ape­sar de ser um tu­bér­cu­lo muito re­co­men­da­do pa­ra os di­a­bé­ti­cos, é pre­ci­so que os pa­ci­en­tes con­sul­tem um pro­fis­si­o­nal da área pa­ra sa­ber quan­to es­tá li­be­ra­do co­mer por dia e em qual a frequên­cia. “Por­tan­to, pro­cu­re um nu­tri­ci­o­nis­ta pa­ra ele cal­cu­lar um pla­no ali­men­tar ba­lan­ce­a­do, sem­pre de acor­do com as ne­ces­si­da­des in­di­vi­du­ais”, fi­na­li­za Fer­nan­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.