CO­RA­ÇÃO DE FER­RO

Quer pro­te­ger o co­ra­ção? En­tão, re­fa­ça seu car­dá­pio e aposte em ali­men­tos ri­cos em ôme­ga-3!

O Poder dos Alimentos - - ÍNDICE - Tex­to LARISSA TOMAZINI | De­sign DIEGO DI­AS

Afas­te do­en­ças car­día­cas com a aju­da do ôme­ga-3

SALMÃO, LI­NHA­ÇA, SE­MEN­TES DE ABÓBORA, aba­ca­te, chia... São inú­me­ros os ali­men­tos que tra­zem con­si­go as van­ta­gens ofe­re­ci­das pe­lo ôme­ga-3, den­tre as quais se des­ta­ca a me­lho­ra do sis­te­ma car­di­o­vas­cu­lar. Por­tan­to, in­ves­tir em fon­tes des­se áci­do gra­xo é uma óti­ma al­ter­na­ti­va pa­ra pre­ve­nir pro­ble­mas co­mo hi­per­ten­são, colesterol al­to e até mes­mo ar­rit­mi­as. Du­vi­da? A ci­ên­cia com­pro­va: uma pes­qui­sa re­a­li­za­da na Uni­ver­si­da­de de Har­vard, nos Es­ta­dos

Uni­dos, de­mons­trou que co­mer re­gu­lar­men­te ali­men­tos que con­te­nham es­se ti­po de gor­du­ra re­duz o ris­co de ata­que car­día­co en­tre 20% e 40%.

PROTETOR DO CO­RA­ÇÃO

Se­gun­do a nu­tri­ci­o­nis­ta Ja­que­li­ne Araujo dos San­tos Ber­to­li, o ôme­ga-3 tra­ba­lha de du­as ma­nei­ras pa­ra for­ne­cer be­ne­fí­ci­os ao sis­te­ma car­di­o­vas­cu­lar: o áci­do ei­co­sa­pen­ta­e­noi­co (EPA) di­mi­nui as ati­vi­da­des das pla­que­tas san­guí­ne­as, evi­tan­do coá­gu­los de san­gue, que po­dem le­var a um der­ra­me ou in­far­to, e tam­bém re­duz os ní­veis de tri­gli­ce­rí­de­os, ou­tro ti­po de gor­du­ra que é ruim pa­ra o or­ga­nis­mo quan­do es­tá ele­va­da. “Já o áci­do do­co­sahe­xa­e­noi­co (DHA) aju­da a evi­tar ar­rit­mi­as car­día­cas, es­ta­bi­li­zan­do a ati­vi­da­de elé­tri­ca no co­ra­ção”, ex­pli­ca a pro­fis­si­o­nal.

Pa­ra fa­ci­li­tar a com­pre­en­são, é pos­sí­vel di­zer que o ôme­ga-3 con­tri­bui pa­ra a di­mi­nui­ção do colesterol to­tal e aju­da na co­a­gu­la­ção san­guí­nea. Des­sa for­ma, com os ní­veis de colesterol es­tá­veis, o co­ra­ção fun­ci­o­na de uma ma­nei­ra ade­qua­da e o ris­co de de­sen­vol­vi­men­to de do­en­ças car­día­cas é re­du­zi­do.

PA­RA PRE­VE­NIR E REMEDIAR

Sa­bia que o ôme­ga-3 não atua ape­nas na pre­ven­ção de pro­ble­mas car­día­cos? Ele tam­bém é ca­paz de evi­tar a rein­ci­dên­cia de do­en­ças que afe­tam o co­ra­ção, co­mo o pró­prio in­far­to. Pa­ra com­pro­var es­sa in­for­ma­ção, um car­di­o­lo­gis­ta do Cen­tro de Pes­qui­sas Mé­di­cas de Car­diff, no País de Ga­les, ana­li­sou o his­tó­ri­co de ví­ti­mas de in­far­to e cons­ta­tou que as chan­ces de no­vos ata­ques car­día­cos fo­ram re­du­zi­das em 29% quan­do os pa­ci­en­tes pas­sa­ram a con­su­mir peixes ri­cos nes­sa gor­du­ra pe­lo me­nos du­as ve­zes por se­ma­na. E as com­pro­va­ções ci­en­tí­fi­cas não pa­ram por aí: ou­tro es­tu­do fei­to pe­lo

Phy­si­ci­an’s He­alth Study, nos Es­ta­dos Uni­dos, e que con­tou com a co­la­bo­ra­ção de 22 mil vo­lun­tá­ri­os do se­xo mas­cu­li­no, con­cluiu que os in­di­ví­du­os com mai­o­res ní­veis de ôme­ga-3 no san­gue ti­nham me­nor ris­co de mor­te sú­bi­ta, en­quan­to os ido­sos que co­mi­am uma por­ção de pei­xe ri­co nes­se áci­do gra­xo por se­ma­na apre­sen­ta­vam 44% me­nos chan­ces de so­frer um in­far­to.

BATENDO MAIS FOR­TE

Além de afas­tar o ris­co de in­far­to, o ôme­ga-3 tam­bém age no con­tro­le da pres­são ar­te­ri­al, já que ele é ca­paz de evi­tar a for­ma­ção das pla­cas de gor­du­ra na pa­re­de das ar­té­ri­as e ga­ran­tir a fle­xi­bi­li­da­de das vei­as e das ar­té­ri­as. Pa­ra se ter uma ideia do qu­an­to es­se fa­tor é im­por­tan­te pa­ra a saú­de, aten­te-se aos da­dos a se­guir: uma pes­qui­sa fei­ta pe­la Har­vard Scho­ol of Pu­blic He­alth (Es­ta­dos Uni­dos) ava­li­ou que a hi­per­ten­são é res­pon­sá­vel por 31% do au­men­to do ris­co de do­en­ças car­día­cas e 65% do ris­co de der­ra­me.

Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca be­né­fi­ca des­sa subs­tân­cia é a re­du­ção do colesterol ruim (LDL), uma vez que os áci­dos gra­xos mo­di­fi­cam a com­po­si­ção quí­mi­ca do san­gue, pro­vo­can­do o au­men­to dos ní­veis do HDL (colesterol bom). Mas vo­cê sa­be o que, de fa­to, é es­se tal colesterol? Ele é uma gor­du­ra que se en­con­tra li­ga­da a pro­teí­nas e que es­tá pre­sen­te na cor­ren­te san­guí­nea, atu­an­do na ci­ca­tri­za­ção e em re­ser­vas ener­gé­ti­cas, for­man­do uma ca­ma­da gor­du­ro­sa. Des­sas pro­teí­nas, as mais fa­mo­sas são a LDL ( li­po­pro­teí­na de bai­xa den­si­da­de) e o HDL (li­po­pro­teí­na de al­ta den­si­da­de).

POR QUE O LDL É RUIM?

Ele é con­si­de­ra­do ruim por ser uma li­po­pro­teí­na, ou se­ja, é pro­du­zi­da pe­lo fí­ga­do pa­ra car­re­gar o colesterol na cor­ren­te san­guí­nea. Quan­do es­sa subs­tân­cia es­tá em ex­ces­so no or­ga­nis­mo, ela acar­re­ta no au­men­to dos ní­veis de gor­du­ra no san­gue e, con­se­quen­te­men­te, na de­po­si­ção nas pa­re­des dos va­sos, oca­si­o­nan­do a ar­te­ri­o­es­cle­ro­se. O LDL po­de atin­gir ní­veis ele­va­dos de­vi­do ao se­den­ta­ris­mo e do au­men­to da mas­sa cor­po­ral, além da má ali­men­ta­ção e da he­re­di­ta­ri­e­da­de.

FO­TOS is­tock.com/getty Images

CONSULTORIA Ja­que­li­ne Araujo dos San­tos Ber­to­li, nu­tri­ci­o­nis­ta do Ate­liê do Olhar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.