FUN­DA­MEN­TAL NA GES­TA­ÇÃO

O Poder dos Alimentos - - ÍNDICE - Tex­to PAU­LA SAN­TA­NA | De­sign ADRIANA OSHIRO

O nutriente de­ve fa­zer par­te da ro­ti­na ali­men­tar de to­das as pes­so­as, es­pe­ci­al­men­te, das fu­tu­ras ma­mães

Co­mo o ôme­ga-3 atua na ges­ta­ção, uma das fa­ses mais im­por­tan­tes na vi­da da mu­lher

AESPERA DE UMA CRI­AN­ÇA GERA UMA SÉ­RIE DE DÚ­VI­DAS ACERCA DA

ALI­MEN­TA­ÇÃO DAS GES­TAN­TES. E não é pa­ra me­nos, já que es­sa fa­se re­quer mui­tos cui­da­dos es­pe­ci­ais e me­re­ce o acom­pa­nha­men­to de um es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra que as me­lho­res fon­tes ali­men­ta­res se­jam de­vi­da­men­te in­se­ri­das na dieta em be­ne­fí­cio da mãe e do be­bê. “O acom­pa­nha­men­to nu­tri­ci­o­nal da ges­tan­te tem co­mo ob­je­ti­vo aten­der às ne­ces­si­da­des ali­men­ta­res da mãe, além de iden­ti­fi­car fa­to­res de ris­co pa­ra al­gu­mas do­en­ças e pla­ne­jar a edu­ca­ção nu­tri­ci­o­nal, pro­vi­den­ci­an­do re­ser­vas ca­ló­ri­cas pa­ra o alei­ta­men­to ma­ter­no, aten­den­do, com is­so, as ca­rên­ci­as nu­tri­ci­o­nais pa­ra o cres­ci­men­to fe­tal ade­qua­do”, es­cla­re­ce a gi­ne­co­lo­gis­ta Pa­trí­cia To­ni­o­lo Va­rel­la Cos­ta. Mas vo­cê sa­bia que al­guns nu­tri­en­tes têm um pa­pel es­pe­ci­al na ali­men­ta­ção du­ran­te a gra­vi­dez? Es­se é o ca­so do áci­do gra­xo te­ma des­ta re­vis­ta. Saiba mais a se­guir!

O PA­PEL DO ÔME­GA-3

O de­sen­vol­vi­men­to sa­dio do fe­to, as­sim co­mo uma gra­vi­dez tran­qui­la pa­ra as ges­tan­tes, se des­ta­cam co­mo al­gu­mas das van­ta­gens ofe­re­ci­das pe­lo nutriente. “O ôme­ga-3 aju­da as mu­lhe­res a te­rem be­bês mais for­tes e a re­du­zir a in­ci­dên­cia de par­tos pre­ma­tu­ros. Além dis­so, ou­tras pes­qui­sas apon­tam que o seu con­su­mo no úl­ti­mo tri­mes­tre de ges­ta­ção e nos pri­mei­ros me­ses de alei­ta­men­to au­men­ta o QI dos be­bês”, con­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Ja­que­li­ne Araujo dos San­tos Ber­to­li. E as van­ta­gens não pa­ram por aí: as ca­pa­ci­da­des cog­ni­ti­vas do be­bê são com­pro­va­da­men­te me­lho­ra­das quan­do fon­tes de ôme­ga-3 são in­cluí­das na dieta da mãe. “Ele é im­por­tan­te por­que me­lho­ra o de­sen­vol­vi­men­to da cri­an­ça, tan­to cog­ni­ti­vo qu­an­to sen­so­ri­al, atu­an­do na ca­pa­ci­da­de de ra­ci­o­ci­nar e re­sol­ver pro­ble­mas. Além dis­so, me­lho­ra a sen­si­bi­li­da­de aos es­tí­mu­los du­ran­te o de­sen­vol­vi­men­to e é be­né­fi­co pa­ra o sis­te­ma car­di­o­vas­cu­lar da mãe”, acres­cen­ta Ja­que­li­ne. E es­se be­ne­fí­cio é ex­ce­len­te pa­ra pre­ve­nir os ca­sos de ges­ta­ção com pré-eclâmp­sia (ou hi­per­ten­são). “O áci­do gra­xo po­li-in­sa­tu­ra­do fun­ci­o­na co­mo an­ti-in­fla­ma­tó­rio e an­ti­trom­bó­ti­co, sen­do ain­da mais es­sen­ci­al pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo feminino du­ran­te a gra­vi­dez, que é quan­do a mu­lher es­tá mais pro­pen­sa a pro­ble­mas cir­cu­la­tó­ri­os e de pres­são”, fi­na­li­za a nu­tri­ci­o­nis­ta.

OU­TRAS FON­TES PRECIOSAS

Ve­ja ou­tros nu­tri­en­tes são mui­to im­por­tan­tes pa­ra saú­de da ma­mãe e do be­bê!

VITAMINA C: ela aju­da na pro­du­ção de co­lá­ge­no da pe­le, di­mi­nuin­do os ris­cos da ges­tan­te de­sen­vol­ver es­tri­as ou ou­tros pro­ble­mas de pe­le re­la­ci­o­na­dos à gra­vi­dez. Vo­cê po­de en­con­trar em: ace­ro­la, kiwi, la­ran­ja.

CÁLCIO: além de for­ta­le­cer a mus­cu­la­tu­ra da futura ma­mãe, o mi­ne­ral é es­sen­ci­al na for­ma­ção dos os­sos do be­bê. Vo­cê po­de en­con­trar em: lei­te e seus de­ri­va­dos (quei­jos, io­gur­tes).

VITAMINA D: es­sa vitamina é es­sen­ci­al na ab­sor­ção do cálcio. Vo­cê po­de en­con­trar em: ovos, fí­ga­do e por meio da ex­po­si­ção so­lar.

FER­RO: é de extrema im­por­tân­cia con­su­mir ali­men­tos ri­cos nes­sa subs­tân­cia, já que, a par­tir do se­gun­do tri­mes­tre de ges­ta­ção, o fe­to co­me­ça­rá a cri­ar a sua re­ser­va do mi­ne­ral. Vo­cê po­de en­con­trar em: fí­ga­do, fei­jão, es­pi­na­fre. DEN­TRO DO PE­SO IDE­AL O ga­nho de qui­los ex­tras tam­bém é uma pre­o­cu­pa­ção pa­ra as mu­lhe­res que pla­ne­jam ter um be­bê. “O cál­cu­lo do ga­nho de pe­so ide­al de­ve ser per­so­na­li­za­do e in­di­vi­du­al, le­van­do-se em con­ta o es­ta­do nu­tri­ci­o­nal da ges­tan­te, ava­li­a­do pe­lo ín­di­ce de mas­sa cor­po­ral pré-gra­ví­di­ca. Em mé­dia, de­ve si­tu­ar en­tre 8 a 12 kg. O so­bre­pe­so au­men­ta os ris­cos de do­en­ças ma­ter­nas e fe­tais. Pa­ra que vo­cê con­si­ga es­sa me­ta, uma ava­li­a­ção nu­tri­ci­o­nal es­pe­ci­a­li­za­da po­de ser re­a­li­za­da, au­xi­li­an­do a ges­tan­te na es­co­lha dos ali­men­tos apro­pri­a­dos pa­ra ca­da tri­mes­tre”, ex­pli­ca Pa­trí­cia. No en­tan­to, em­bo­ra es­se pon­to se­ja mui­to im­por­tan­te, pro­cu­re não fa­zer des­sa a sua mai­or pre­o­cu­pa­ção. Pa­ra ter uma ges­ta­ção tran­qui­la, si­ga as ori­en­ta­ção de seu mé­di­co e cur­ta es­se mo­men­to ao má­xi­mo!

“O áci­do li­no­lê­ni­co atua na sus­ten­ta­ção dos te­ci­dos e na me­lho­ra do flu­xo san­guí­neo, oca­si­o­nan­do um efei­to di­re­to na qua­li­da­de da ges­ta­ção e, por con­sequên­cia, na saú­de da mãe e do be­bê”, Ja­que­li­ne Araujo dos San­tos Ber­to­li, nu­tri­ci­o­nis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.