Di­vi­sor de águas

Planeta - - EDITORIAL -

To­dos os se­res vi­vos me­re­cem res­pei­to, mas, pa­ra a mai­o­ria de nós, e pa­ra­fra­se­an­do o es­cri­tor in­glês Ge­or­ge Orwell, al­guns me­re­cem mais res­pei­to ain­da. Os ou­tros, ora, são os ou­tros. Es­sa mai­o­ria po­de até se en­tris­te­cer por um ins­tan­te ao sa­ber das di­fi­cul­da­des de so­bre­vi­vên­cia da tar­ta­ru­ga-gi­gan­te em meio a re­sí­du­os plás­ti­cos no mar, da ba­ta­lha da ba­leia-azul pa­ra se re­cu­pe­rar da ca­ça que qua­se ex­tin­guiu a es­pé­cie ou do as­sus­ta­dor en­co­lhi­men­to da po­pu­la­ção do ti­gre-si­be­ri­a­no. Mas, de­pois que es­se mo­men­to pas­sa, o as­sun­to ten­de a su­mir da sua men­te. Afi­nal, as tar­ta­ru­gas-gi­gan­tes vi­vem em áre­as re­la­ti­va­men­te pe­que­nas do Pa­cí­fi­co, as ba­lei­as-azuis se es­pa­lham pe­los oce­a­nos e os ti­gres-si­be­ri­a­nos ocu­pam re­giões iso­la­das do les­te da Rússia e do nor­des­te da Chi­na. São ani­mais mui­to dis­tan­tes do co­ti­di­a­no des­sas pes­so­as e, co­mo tal, fa­cil­men­te es­que­cí­veis.

Mas a des­trui­ção cau­sa­da pe­la ação hu­ma­na no mun­do atin­ge ní­veis ca­da vez mai­o­res, e ago­ra a lis­ta das es­pé­ci­es ame­a­ça­das de ex­tin­ção in­clui al­gu­mas ve­lhas co­nhe­ci­das, que mui­ta gen­te pô­de co­nhe­cer em zo­o­ló­gi­cos pe­lo me­nos uma vez na vi­da. Co­mo re­ve­la a ma­té­ria de ca­pa des­ta edi­ção, de Ana Ca­ro­li­na Nu­nes, um dos no­vos mem­bros da re­la­ção é a sim­pá­ti­ca gi­ra­fa, que so­fre na Áfri­ca com a ex­pan­são da agri­cul­tu­ra e das ci­da­des, o des­ma­ta­men­to, a ca­ça ile­gal e as guer­ras ci­vis. O ele­fan­te afri­ca­no é ca­ça­do por­que, se­gun­do a me­di­ci­na ori­en­tal, o mar­fim das su­as pre­sas te­ria po­de­res me­di­ci­nais. Por mo­ti­vo pa­re­ci­do – as su­pos­tas pro­pri­e­da­des cu­ra­ti­vas do seu chi­fre –, o ri­no­ce­ron­te-bran­co do nor­te te­ve sua po­pu­la­ção re­du­zi­da a três exem­pla­res. Os go­ri­las da Áfri­ca Cen­tral também pa­de­cem com a ca­ça clan­des­ti­na. Até as abe­lhas têm pe­na­do com o uso de agro­tó­xi­cos e a re­du­ção de seu ha­bi­tat.

Não se de­ve me­nos­pre­zar a in­sen­si­bi­li­da­de do ser hu­ma­no, mas a che­ga­da de ani­mais co­mo es­ses à lis­ta dos ame­a­ça­dos de de­sa­pa­re­ci­men­to po­de sig­ni­fi­car o pon­to de vi­ra­da nes­se qua­dro. Eles têm o dom de nos pôr a re­fle­tir sobre o que es­ta­mos fa­zen­do com o pla­ne­ta e co­mo po­de­mos con­ser­tar o que es­ta­mos des­truin­do. Lem­bram-se do mi­co-leão-dou­ra­do ou do pan­da-gi­gan­te? Su­as po­pu­la­ções, até re­cen­te­men­te ame­a­ça­dís­si­mas, es­tão-se re­cu­pe­ran­do, gra­ças so­bre­tu­do a es­for­ços pa­ra pro­te­ger seus ha­bi­tats. Não são ca­sos per­di­dos – as­sim co­mo nos­sa ra­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.