A NA­TU­RE­ZA ENCOLHE

Planeta - - SUMARIO - Por Ana Ca­ro­li­na Nu­nes

O pla­ne­ta já per­deu mais da me­ta­de de su­as es­pé­ci­es ani­mais, e ago­ra a ame­a­ça che­ga a ani­mais mui­to co­nhe­ci­dos, co­mo o ele­fan­te, a gi­ra­fa, o go­ri­la, o ri­no­ce­ron­te e a abe­lha. Ações de con­ten­ção têm sur­ti­do efei­to, mas ain­da aquém da ur­gên­cia da na­tu­re­za

Ao lon­go da evo­lu­ção da vi­da em nos­so pla­ne­ta, mui­tas es­pé­ci­es ani­mais fo­ram extintas, nu­ma con­ta que po­de ser atri­buí­da à na­tu­re­za – por exem­plo, a par­tir de aque­ci­men­tos glo­bais, gla­ci­a­ções, al­te­ra­ções am­bi­en­tais abrup­tas cau­sa­das por inun­da­ções ou grandes erup­ções vul­câ­ni­cas. Ou­tro pro­ces­so do gê­ne­ro es­tá em cur­so atu­al­men­te, mas ago­ra com ca­rac­te­rís­ti­cas di­fe­ren­tes: a po­pu­la­ção de cer­tas es­pé­ci­es es­tá en­co­lhen­do em ve­lo­ci­da­de mui­to mai­or que a na­tu­ral e ani­mais bem co­nhe­ci­dos fi­gu­ram na lis­ta, co­mo ele­fan­tes, gi­ra­fas e abe­lhas.

O mais am­plo e re­cen­te alar­me foi da­do pe­la or­ga­ni­za­ção World Wil­dli­fe Fund (WWF) e a Zo­o­lo­gi­cal So­ci­ety of Lon­don (ZSL), em um re­la­tó­rio no qual in­di­cam que mu­dan­ças cli­má­ti­cas, ati­vi­da­des agro­pe­cuá­ri­as e de ex­tra­ção de re­cur­sos na­tu­rais e a ca­ça ile­gal es­tão di­zi­man­do po­pu­la­ções de ma­mí­fe­ros, pás­sa­ros, pei­xes, an­fí­bi­os e rép­teis. De acor­do com o do­cu­men­to, a po­pu­la­ção des­sas es­pé­ci­es so­freu uma bai­xa de 58% des­de os anos 1970. A mé­dia de re­du­ção anu­al en­tre os ani­mais, de 2% ao ano, ten­de a se man­ter ou a pi­o­rar. Nes­se rit­mo, as per­das po­dem che­gar a 67% até 2020.

A mais re­cen­te in­clu­são na ca­te­go­ria de es­pé­ci­es em pe­ri­go

O pla­ne­ta já per­deu mais da me­ta­de de su­as es­pé­ci­es ani­mais, de­vi­do à mu­dan­ça cli­má­ti­ca e à exploração de re­cur­sos na­tu­rais, que re­du­zem ha­bi­tats e de­gra­dam o meio am­bi­en­te. Ações de con­ten­ção têm sur­ti­do efei­to, mas ain­da aquém da ur­gên­cia ne­ces­sá­ria

é o gue­par­do (chi­ta), o ma­mí­fe­ro mais rá­pi­do do mun­do. A World Con­ser­va­ti­on So­ci­ety (WCS) e a ZSL cal­cu­lam que res­tam pou­co mais de 7 mil in­di­ví­du­os na na­tu­re­za, ocu­pan­do ho­je so­men­te 9% do seu ter­ri­tó­rio ori­gi­nal nas sa­va­nas da Áfri­ca. Ape­nas no Zim­bá­bue, a que­da re­gis­tra­da no nú­me­ro de gue­par­dos é de 85% num pe­río­do de 10 anos.

As gi­ra­fas se­guem o mes­mo ca­mi­nho, ten­do per­di­do 40% da sua po­pu­la­ção nos úl­ti­mos 30 anos. Ri­no­ce­ron­tes e ele­fan­tes também es­tão em si­tu­a­ção bas­tan­te vul­ne­rá­vel e su­as po­pu­la­ções vão min­guan­do em ter­ri­tó­rio afri­ca­no, en­cur­ra­la­das pe­la re­du­ção pro­gres­si­va de seu ha­bi­tat na­tu­ral. Além dis­so, eles são ví­ti­mas da ca­ça ile­gal. Os ca­ça­do­res aba­tem os gi­gan­tes afri­ca­nos de olho em seus chi­fres de mar­fim, que, de acor­do com a me­di­ci­na ori­en­tal, te­ri­am po­de­res cu­ra­ti­vos. O aba­te de ele­fan­tes che­gou à es­ca­la ab­sur­da de cem por dia du­ran­te o pe­río­do mais crí­ti­co (en­tre 2010 e 2011), e o de ri­no­ce­ron­tes re­gis­trou um sal­to de 9.000% en­tre 2007 e 2014, de acor­do com re­la­tó­rio do WWF.

BI­O­MAS SOB RIS­CO

No Bra­sil, a Ma­ta Atlân­ti­ca foi o pri­mei­ro bi­o­ma a so­frer os efei­tos da ur­ba­ni­za­ção e do des­ca­so am-

bi­en­tal, e a re­du­ção de sua área (ho­je equi­va­len­te a 7% do ori­gi­nal) foi um gran­de gol­pe na pre­ser­va­ção de es­pé­ci­es co­mo o mi­co-leão-dou­ra­do. Ma­ri­a­na Na­po­li­ta­no, di­re­to­ra do WWF Bra­sil, cha­ma a aten­ção também pa­ra ou­tros dois bi­o­mas sob ris­co, o Cer­ra­do e a Ca­a­tin­ga.

Em re­la­ção aos se­res aquá­ti­cos, as ame­a­ças também são uma cons­tan­te, a co­me­çar pe­la pes­ca. Não só aque­la ile­gal e de­sor­de­na­da, mas também a cha­ma­da pes­ca fan­tas­ma, quan­do pes­ca­do­res aban­do­nam su­as re­des que, à de­ri­va, con­ti­nu­am cap­tu­ran­do ani­mais, os quais aca­bam por mor­rer. A lis­ta in­clui ain­da a po­lui­ção das águas com re­jei­tos in­dus­tri­ais quí­mi­cos e ou­tros efei­tos da mu­dan­ça cli­má­ti­ca, co­mo o aque­ci­men­to dos ma­res, fa­to que tur­bi­na o pro­ces­so de di­zi­ma­ção de di­fe­ren­tes es­pé­ci­es que lá vi­vem, co­mo os corais.

Sa­ber o ta­ma­nho do pro­ble­ma é o pri­mei­ro pas­so pa­ra co­me­çar a re­sol­vê-lo. Um dos termô­me­tros con­sa­gra­dos pa­ra is­so é a Lis­ta Ver­me­lha de Es­pé­ci­es Ame­a­ça­das, ela­bo­ra­da pe­la União In­ter­na­ci­o­nal pa­ra Con­ser­va­ção da Na­tu­re­za (IUCN, na si­gla em in­glês). A fer­ra­men­ta ca­ta­lo­ga es­pé­ci­es e as mo­ni­to­ra com

A LIS­TA DA IUCN TEM CER­CA DE 80 MIL ES­PÉ­CI­ES CATALOGADAS – NEM 10% DO QUE EXIS­TE

ba­se em in­di­ca­do­res ci­en­tí­fi­cos.

Até ho­je, a IUCN tem cer­ca de 80 mil es­pé­ci­es iden­ti­fi­ca­das e catalogadas, nú­me­ro que pro­je­ta do­brar até 2020. Ain­da as­sim, a lis­ta não re­pre­sen­ta 10% das es- pé­ci­es que exis­tem no pla­ne­ta. E, das 80 mil ava­li­a­das, 24 mil en­fren­tam al­gum grau de ame­a­ça. “Os da­dos da IUCN são mui­to pe­que­nos ain­da per­to do uni­ver­so que te­mos; por is­so, po­de es­tar ha­ven­do ex­tin­ções que nem co­nhe­ce­mos”, diz Car­los Du­rin­gan, di­re­tor do WCS no Bra­sil e mem­bro do gru­po de pes­qui­sa­do­res do IUCN. “O de­sa­pa­re­ci­men­to de es­pé­ci­es é um in­di­ca­dor de que es­ta­mos de­gra­dan­do o am­bi­en­te e, com o tem­po, is­so vai che­gar até o ho­mem. Não é al­go sim­ples, es­ta­mos fa­lan­do da con­ser­va­ção de vi­da no pla­ne­ta”, aler­ta ele.

PREJUÍZOS EM SÉRIE

Cri­ses am­bi­en­tais cer­ta­men­te ge­ram cri­ses econô­mi­cas. A si­tu­a­ção dos po­li­ni­za­do­res, es­pe­ci­al­men­te as abe­lhas, é um bom exem­plo. Eles não têm vez com a es­ca­la­da da pro­du­ção agrí­co­la e o uso in­dis­cri­mi­na­do de agro­tó­xi­cos. Com a que­da de po­pu­la­ção po­li­ni­za­do­ra, os se­to­res agrí­co­la, ali­men­tí­cio, cos­mé­ti­co e me­di­ci­nal são pre­ju­di­ca­dos. Es­ti­ma-se que as abe­lhas res­pon­dam por dois ter­ços do que con­su­mi­mos e aju­dem a ge­rar, só em nos­so país, uma ri­que­za equi­va­len­te a US$ 12 bi­lhões.

O Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te do Bra­sil lan­çou no ano pas­sa­do o Li­vro Ver­me­lho da Fau­na Ame­a­ça­da de Ex­tin­ção, con­ten­do um no­vo le­van­ta­men­to das es­pé­ci­es ame­a­ça­das, com mais de 12 mil es­pé­ci­es ana­li­sa­das – um dos mai­o­res es­for­ços glo­bais de ava­li­a­ção. A par­tir da me­to­do­lo­gia da IUCN, de­tec­tou-se que 1.173 es­pé­ci­es es­tão sob ame­a­ça em ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro.

“Nos­so co­nhe­ci­men­to me­lho­rou mui­to no Bra­sil nos úl­ti­mos

10 a 15 anos”, diz Ma­ri­a­na. “Es­sa última ava­li­a­ção mos­tra uma evo­lu­ção e uma se­ri­e­da­de em re­la­ção a es­se pro­ces­so. Quan­do a gen­te fa­la que uma es­pé­cie es­tá ame­a­ça­da, tem que ter cer­te­za do que es­tá fa­lan­do, e es­se pro­ces­so me­lho­rou mui­to.”

A ve­lo­ci­da­de das ações pa­ra con­ter a di­zi­ma­ção de es­pé­ci­es não acom­pa­nha o rit­mo de avan­ço do pro­ble­ma. Mas es­for­ços fei­tos ao re­dor do mun­do por go­ver­nos e ONGS mos­tram que agir faz efei­to.

Uma das me­di­das mais efi­ca­zes pa­ra con­ter a per­da de ha­bi­tat na­tu­ral (uma das grandes res­pon­sá­veis pe­la per­da de es­pé­ci­es) é a cri­a­ção ou o au­men­to de áre­as de pro­te­ção. As lu­tas do WCS in­clu­em der­ru­bar o con­cei­to de que áre­as pro­te­gi­das atra­pa­lham o de­sen­vol­vi­men­to (co­mo ale­gam al­guns se­to­res da so­ci­e­da­de) e con­cen­trar-se em mos­trar que ho­je es­sa agen­da não es­tá à mar­gem do de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co. Os tra­ba­lhos de­sen­vol­vi­dos com pan­das, por exem­plo ( ver qua­dro à pág. 34), mos­tram que am­pli­ar áre­as pro­te­gi­das é uma lu­ta que va­le a pe­na en­fren­tar.

Du­rin­gan res­sal­ta que as áre­as pa­ra con­ser­va­ção não são isen­tas de uso. Elas pos­su­em graus de uti­li­za­ção e, de for­ma pla­ne­ja­da, é pos­sí­vel de­sen­vol­ver ati­vi­da­des econô­mi­cas em pa­ra­le­lo.

ZO­O­LÓ­GI­COS DO BEM

A atu­a­ção de ca­ti­vei­ros e de zo­o­ló­gi­cos com­pro­me­ti­dos com pes­qui­sa e con­ser­va­ção de es­pé­cie é ou­tra fren­te de atu­a­ção com re­sul­ta­dos ani­ma­do­res, de acor­do com o WCS e a ZSL. Cen­tros de con­ser­va­ção e es­tu­do de es­pé­ci­es de­man­dam in­ves­ti­men­to e tra­ba­lho mo­ni­to­ra­do no ca­ti­vei­ro, com es­for­ços pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção e rein­tro­du­ção das es­pé­ci­es no meio am­bi­en­te.

“Ho­je, é pa­ten­te o tra­ba­lho de zo­o­ló­gi­cos e aquá­ri­os no mun­do”, afir­ma Du­rin­gan, res­sal­tan­do que exis­tem zo­o­ló­gi­cos li­dan­do com es­pé­ci­es que não têm mais seu ha­bi­tat. Os oran­go­tan­gos são o prin­ci­pal ca­so, pois ti­ve­ram uma per­da drás­ti­ca de ha­bi­tat e pra­ti­ca­men­te to­das as ações de con-

ser­va­ção re­a­li­za­das ho­je acon­te­cem em ca­ti­vei­ro.

Os zo­o­ló­gi­cos também pos­su­em apoi­os es­pe­cí­fi­cos pa­ra ca­da es­pé­cie e par­ti­ci­pam de pro­gra­mas glo­bais de con­ser­va­ção dos ha­bi­tats em 40 paí­ses nos cin­co con­ti­nen­tes. Além dis­so, tra­ba­lham na cap­ta­ção de re­cur­sos fi­nan­cei­ros e em cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção.

Pa­ra ce­le­brar es­sas con­quis­tas, a Zo­o­lo­gi­cal So­ci­ety of Lon­don pro­mo­veu em abril um se­mi­ná­rio de­di­ca­do ao oti­mis­mo com que con­ser­va­ci­o­nis­tas que­rem tra­tar o te­ma, o Con­ser­va­ti­on Op­ti­mism Sum­mit. A en­ti­da­de acre­di­ta que as no­tí­ci­as ne­ga­ti­vas do­mi­nam o no­ti­ciá­rio de uma for­ma que le­va a cons­ci­ên­cia co­le­ti­va a in­ter­pre­tar a ques­tão co­mo en­cer­ra­da. A ideia é cha­mar a aten­ção pa­ra as con­quis­tas de su­as ini­ci­a­ti­vas. Se não fos­sem os es­for­ços pa­ra cri­a­ção de áre­as pro­te­gi­das, con­ven­ções sobre co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal de es­pé­ci­es ame­a­ça­das ou ações an­ti­ca­ça ile­gal, por exem­plo, o pro­ble­ma po­de­ria ser ain­da mai­or. “Pre­ci­sa­mos cri­ar uma vi­são po­si­ti­va de fu­tu­ro, fo­car nas so­lu­ções e ins­pi­rar a so­ci­e­da­de a to­mar uma ati­tu­de. Pre­ci­sa­mos ce­le­brar o su­ces­so, iden­ti­fi­car o que es­tá fun­ci­o­nan­do e apli­car em mai­or es­ca­la”, afir­mou Jo­nathan Bail­lie, di­re­tor da ZSL, na divulgação do even­to pa­ra a im­pren­sa.

“To­das as ações com­bi­na­das têm al­gum êxi­to, di­mi­nu­em o grau de ame­a­ça às es­pé­ci­es, mas, co­mo a ame­a­ça é um fa­to con­tí­nuo, mui­tas ve­zes da­mos dois pas­sos e vol­ta­mos um”, la­men­ta Du­rin­gan. Pa­ra exem­pli­fi­car is­so, em mar­ço, um tri­bu­nal da Áfri­ca do Sul re­vo­gou a proi­bi­ção que vi­go­ra­va no país ao co­mér­cio de chi­fres de ri­no­ce­ron­te. É pre­ci­so mais tra­ba­lho pa­ra man­ter o oti­mis­mo.

No al­to, ele­fan­te em área de pro­te­ção, um dos re­cur­sos pa­ra a de­fe­sa dos ani­mais. Aci­ma, co­ral bran­que­a­do pe­lo aque­ci­men­to do mar

Cru­el­da­de dos ca­ça­do­res: es­sa fê­mea de ri­no­ce­ron­te te­ve seu chi­fre cor­ta­do e foi dei­xa­da pa­ra mor­rer

O uso de agro­tó­xi­cos é um dos obs­tá­cu­los à so­bre­vi­vên­cia dos ani­mais po­li­ni­za­do­res, em especial as abe­lhas

O mi­co-leão­dou­ra­do, um dos sím­bo­los mai­o­res da enor­me de­vas­ta­ção da Ma­ta Atlân­ti­ca

CA­PA: fo­to Is­tockpho­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.