FA­CI­LI­TA­DO­RES SO­CI­AIS

Um es­tu­do re­cen­te in­di­ca que os cães pro­mo­vem com­por­ta­men­tos ami­gá­veis e pres­ta­ti­vos e es­ti­mu­lam as in­te­ra­ções so­ci­ais

Planeta - - SUMARIO - Por Lucas Cor­re­a­li

Um es­tu­do re­cen­te in­di­ca que os cães pro­mo­vem com­por­ta­men­tos ami­gá­veis e pres­ta­ti­vos e es­ti­mu­lam as in­te­ra­ções so­ci­ais

Aci­ên­cia tem vis­to com in­te­res­se ca­da vez mai­or as ca­rac­te­rís­ti­cas que en­vol­vem o re­la­ci­o­na­men­to en­tre os cães e os se­res hu­ma­nos, e a sequên­cia de re­sul­ta­dos po­si­ti­vos ob­ser­va­dos cha­ma a aten­ção de qual­quer um. Es­tu­dos re­cen­tes já ha­vi­am mos­tra­do que as pes­so­as acom­pa­nha­das por cães ten­dem a ob­ter res­pos­tas mais pres­ta­ti­vas de ou­tros e que a pre­sen­ça des­ses ani­mais no lo­cal de tra­ba­lho po­de re­du­zir o es­tres­se. Ago­ra, ou­tro as­pec­to se so­ma aos an­te­ri­o­res: os cães po­dem ser be­né­fi­cos pa­ra as in­te­ra­ções so­ci­ais em equi­pes. A con­clu­são apa­re­ceu em um es­tu­do pu­bli­ca­do em fe­ve­rei­ro na re­vis­ta Anth­ro­zoös.

Li­de­ra­da pe­lo pro­fes­sor de psi­co­lo­gia Stephen Co­la­rel­li, uma equi­pe da Cen­tral Mi­chi­gan Uni­ver­sity (EUA) dis­tri­buiu a pe­que­nos gru­pos de pes­so­as al­gu­mas ta­re­fas a se­rem exe­cu­ta­das com – ou sem – um cão de com­pa­nhia (aque­le mais de­pen­den­te do do­no) na sa­la. No pri­mei­ro ex­pe­ri­men­to, os gru­pos cri­a­ram um anún­cio de 15 se­gun­dos e um slo­gan pa­ra uma cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria fic­tí­cia, um tra­ba­lho no qual se exi­ge co­o­pe­ra­ção. Na ta­re­fa se­guin­te, eles dis­pu­ta­ram uma ver­são mo­di­fi­ca­da do “di­le-

ma do pri­si­o­nei­ro”, jo­go no qual ca­da um de­ve de­ci­dir se vai co­o­pe­rar com ou­tros in­te­gran­tes ou se vai agir de for­ma in­de­pen­den­te. Tu­do is­so foi fil­ma­do pe­los pes­qui­sa­do­res.

De­pois dis­so, os par­ti­ci­pan­tes ava­li­a­ram sua sa­tis­fa­ção em re­la­ção ao gru­po em que es­ta­vam e quan­to con­fi­a­vam nos ou­tros mem­bros. To­do o ma­te­ri­al gra­va­do foi ana­li­sa­do por ava­li­a­do­res in­de­pen­den­tes, que bus­ca­ram ne­le si­nais de co­o­pe­ra­ção, pis­tas ver­bais e fí­si­cas de vín­cu­lo ou pro­xi­mi­da­de e ex­pres­sões de vul­ne­ra­bi­li­da­de que in­di­ca­vam con­fi­an­ça.

CO­O­PE­RA­ÇÃO MAI­OR

Os gru­pos que ti­nham um cão na sa­la sem­pre ma­ni­fes­ta­ram mais si­nais ver­bais e fí­si­cos de pro­xi­mi­da­de do que os de­mais. Eles também exi­bi­ram mais si­nais de co­o­pe­ra­ção du­ran­te a pri­mei­ra ta­re­fa. Os re­la­tos dos mem­bros dos gru­pos a res­pei­to da se­gun­da ta­re­fa in­di­cam que eles sen­ti­ram mais con­fi­an­ça uns nos ou­tros se um ca­chor­ro es­ta­va no lo­cal. Es­ses da­dos re­for­çam a ideia de que exis­te uma re­la­ção en­tre a pre­sen­ça de um cão no am­bi­en­te e o in­cre­men­to de um com­por­ta­men­to amá­vel e pres­ta­ti­vo em gru­pos, ob­ser­va Co­la­rel­li: “Quan­do as pes­so­as tra­ba­lham em equi­pe, a pre­sen­ça de um cão pa­re­ce agir co­mo um lu­bri­fi­can­te so­ci­al. Os cães pa­re­cem ser be­né­fi­cos pa­ra as in­te­ra­ções so­ci­ais das equi­pes”.

Uma ex­pli­ca­ção pa­ra is­so po­de­ria ser o efei­to po­si­ti­vo dos cães sobre o bem-es­tar dos hu­ma­nos, e pa­ra ve­ri­fi­cá-la os pes­qui­sa­do­res pre­pa­ra­ram ví­de­os edi­ta­dos dos gru­pos na pri­mei­ra ta­re­fa, com 40 se­gun­dos de du­ra­ção, nos quais se re­ti­ra­ram o áu­dio e as evi­dên­ci­as de que ha­via um cão na sa­la. A se­guir, os pes­qui­sa­do­res so­li­ci­ta­ram aos ava­li­a­do­res in­de­pen­den­tes que ob­ser­vas­sem, nes­se ma­te­ri­al, quan­tas ve­zes apa­re­ci­am in­di­ca­ções de emo­ções po­si­ti­vas (por exem­plo, en­tu­si­as­mo, ener­gia e aten­ção). Os ava­li­a­do­res con­fir­ma­ram que ha­via mui­to mais de­mons­tra­ções de bons sen­ti­men­tos nos gru­pos com ca­chor­ros do que na­que­les em que es­ses ani­mais es­ta­vam au­sen­tes.

INFLUÊNCIA SAU­DÁ­VEL

Não hou­ve evi­dên­ci­as de que a pre­sen­ça de cães sig­ni­fi­cas­se uma me­lho­ra no de­sem­pe­nho dos gru­pos du­ran­te os ex­pe­ri­men­tos, mas Co­la­rel­li con­si­de­ra que os be­ne­fí­ci­os so­ci­ais e emo­ci­o­nais ob­ser­va­dos po­dem ter uma influência sau­dá­vel nes­se sen­ti­do com o pas­sar do tem­po. “Se, nu­ma si­tu­a­ção em que as pes­so­as es­tão tra­ba­lhan­do jun­tas por um lon­go pe­río­do, a qua­li­da­de de re­la­ci­o­na­men­to des­sa equi­pe – se eles fa­lam jun­tos, têm re­la­ci­o­na­men­to, atu­am de ma­nei­ra co­o­pe­ra­ti­va, aju­dam uns aos ou­tros – po­de in­flu­en­ci­ar o re­sul­ta­do da equi­pe, en­tão eu sus­pei­to que um cão te­ria um im­pac­to po­si­ti­vo”, afir­ma.

Co­la­rel­li ad­ver­te que não se po­de in­ter­pre­tar es­sas evi­dên­ci­as co­mo um pas­se li­vre pa­ra a pre­sen­ça de cães em lo­cais de tra­ba­lho, por exem­plo. Mui­tas pes­so­as são alér­gi­cas aos pe­los dos ani­mais; ou­tras sim­ples­men­te não gos­tam de­les. Tu­do is­so te­ria de ser cui­da­do­sa­men­te ava­li­a­do, ob­ser­va o psi­có­lo­go ame­ri­ca­no. Mas as in­for­ma­ções pré­vi­as já reu­ni­das nes­se sen­ti­do es­ti­mu­lam no­vas pes­qui­sas, que vão de­li­ne­an­do ca­da vez mais cla­ra­men­te a influência po­si­ti­va dos ani­mais de es­ti­ma­ção.

A pre­sen­ça de cães em de­ter­mi­na­dos am­bi­en­tes po­de in­co­mo­dar ou­tras pes­so­as

Pes­qui­sas re­for­çam a ideia de que os cães be­ne­fi­ci­am a in­te­ra­ção so­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.