O ENIG­MA DE PÁS­COA

Planeta - - SUMARIO - Tex­to por Jú­lio Cé­sar Bor­ges

As qua­se 900 grandes es­tá­tu­as que po­vo­am uma pe­que­na ilha do Pa­cí­fi­co tornam a per­gun­ta ine­vi­tá­vel: co­mo um lu­gar tão iso­la­do te­ria ori­gi­na­do uma cul­tu­ra ca­paz de fa­zer obras de tal por­te?

As qua­se 900 grandes es­tá­tu­as que po­vo­am uma pe­que­na ilha do Pa­cí­fi­co ori­en­tal re­me­tem a uma per­gun­ta ine­vi­tá­vel: co­mo um lu­gar tão iso­la­do te­ria ori­gi­na­do uma cul­tu­ra ca­paz de fa­zer obras de tal por­te?

São qua­se 164 km2 si­tu­a­dos no su­des­te do Pa­cí­fi­co, 2.075 km a les­te de Pit­cairn (a ilha dos amo­ti­na­dos do na­vio Bounty) e 3.500 km a oes­te do Chi­le. Es­sas dis­tân­ci­as tornam a pe­que­na Ilha de Pás­coa o lu­gar ha­bi­ta­do mais iso­la­do do mun­do. Mas não é es­se o mo­ti­vo pe­lo qual ela é mais co­nhe­ci­da. A ilha, per­ten­cen­te ao Chi­le, tor­nou-se fa­mo­sa pe­las grandes es­tá­tu­as de pe­dra que ali se en­con­tram, tes­te­mu­nho da pas­sa­gem de uma ci­vi­li­za­ção úni­ca por um pe­da­ço de terra per­di­do no oce­a­no.

Do­na de uma ri­ca flo­ra no pas­sa­do, a Ilha de Pás­coa atu­al­men­te é do­mi­na­da por uma ve­ge­ta­ção po­bre e bai­xa, mis­tu­ra­da na pai­sa­gem a uma in­fi­ni­da­de de ro­chas vul­câ­ni­cas. Não há ri­os, e as prin­ci­pais con­cen­tra­ções de água es­tão nas cra­te­ras de al­guns vul­cões.

Era es­se, ba­si­ca­men­te, o ce­ná­rio em que vi­vi­am os cer­ca de 3 mil mo­ra­do­res da ilha en­con­tra­dos pe- lo pri­mei­ro oci­den­tal a vi­si­tar a re­gião, o ho­lan­dês Ja­cob Rog­gen­ve­en, no dia de Pás­coa de 1722. Se­gun­do o na­ve­ga­dor, os na­ti­vos (en­tre os quais ha­via po­li­né­si­os e in­di­ví­du­os “de pe­le cla­ra e ca­be­los ver­me­lhos”) mo­ra­vam em ca­ba­nas de pa­lha e pra­ti­ca­vam agri­cul­tu­ra de sub­sis­tên­cia. Em meio à pai­sa­gem, ha­via cer­ca de 900 es­tá­tu­as de pe­dra vul­câ­ni­ca, al­gu­mas enor­mes, com 10 me­tros de al­tu­ra e 80 to­ne­la­das de pe­so. Na­tu­ral­men­te, os ha­bi­tan­tes da­que­la épo­ca não ti­nham con­di­ções de fa­zer tais obras.

De­no­mi­na­das mo­ai, es­sas fi­gu­ras ma­ci­ças e es­ti­li­za­das cons­ti­tu­em ho­je a mar­ca re­gis­tra­da da Ilha de Pás­coa. Su­as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas são as ca­be­ças mui­to alon­ga­das, os braços que pen­dem ri­gi­da­men­te ao lon­go dos tron­cos e os abdô­mens sa­li­en­tes. Al­guns mo­ais têm pe­sa­dos blo­cos de pe­dra sobre a ca­be­ça, à ma­nei­ra de cha­péus.

A ex­pe­di­ção do ex­plo­ra­dor su­e­co Thor Heyer­dahl à ilha, em 1956, des­co­briu mi­lha­res das fer­ra­men­tas de pe­dra usa­das na exe­cu­ção das pe­ças. Ou­tras dú­vi­das es­sen­ci­ais, po­rém, ain­da não fo­ram to­tal­men­te es­cla­re­ci­das: por que e por qu­em as es­cul­tu­ras fo­ram cons­truí­das, e co­mo fo­ram trans­por­ta­das sem apre­sen­tar da­nos?

IN­CAS E ALIENÍGENAS

Já se fa­lou que os es­cul­to­res dos mo­ais fo­ram os in­cas e até ex­tra­ter­res­tres. Mas o mais pro­vá­vel é que te­nham si­do mes­mo os po­li­né­si­os. Es­se po­vo te­ria che­ga­do à ilha no sé­cu­lo 7 – pro­va­vel­men­te, o len­dá­rio gru­po do rei Ho­tu Ma­tua, emi­gra­do de uma terra a oes­te de­no­mi­na­da “Hi­va”. A su­po­si­ção se ba­seia em cer­tas se­me­lhan­ças dos ahu (pla­ta­for­mas sa­gra­das cu­ja par­te cen­tral re­ce­bia os mo­ais) e de al­gu­mas es­tá­tu­as mais an­ti­gas com edi­fi­ca­ções si­mi­la­res en­con­tra­das em ou­tras ilhas do Pa­cí­fi­co. A gran­de quan­ti­da­de de mo­ais e ahus em Pás­coa, po­rém, in­di­ca que es­sas obras ga­nha­ram uma im­por­tân­cia mui­to mai­or do que a de seus con­gê­ne­res do oes­te do Pa­cí­fi­co.

As es­tá­tu­as não re­pre­sen­ta­ri­am deu­ses, mas di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos e es­pi­ri­tu­ais e fi­gu­ras de an­te­pas­sa­dos, de­ten­to­res de um po­der so­bre­na­tu­ral ( ma­na) que pro­te­ge­ria seus des­cen­den­tes. Es­sa in­ter­pre­ta­ção é re­for­ça­da pe­la des­co­ber­ta de olhos dos mo- ais nu­ma das prai­as da ilha, fei­ta pe­lo ar­queó­lo­go chi­le­no Ser­gio Ra­pu em 1978. Quan­do en­cai­xa­das nos es­pa­ços des­ti­na­dos aos olhos, as ré­pli­cas, fei­tas de co­ral bran­co (re­pre­sen­tan­do a cór­nea) e la­va ver­me­lha (a íris), dão às es­tá­tu­as um ar inequí­vo­co de ze­lo­sos guardiões lo­cais.

To­dos os mo­ais saí­ram de uma “ofi­ci­na” na par­te in­ter­na do vul­cão Ra­no Ra­ra­ku, su­pos­ta­men­te por meio de um sis­te­ma de ca­bos. Já o trans­por­te e a co­lo­ca­ção nas pla­ta­for­mas são ques­tões ain­da não res­pon­di­das com exa­ti­dão. Pa­ra os na­ti­vos da ilha, o ma­na do rei era res­pon­sá­vel por is­so. Mais prá­ti­co, o ar­queó­lo­go ame­ri­ca­no Wil­li­am Mul­loy, da equi­pe de Heyer­dahl, su­ge­riu que as pe­ças eram co­lo­ca­das de bru­ços sobre um tre­nó de ba­se ar­re­don­da­da, que de­pois se­ria ro­la­do, com o au­xí­lio de cor­das, por um ca­mi­nho re­co­ber­to de er­vas e ca­nas.

Pa­ra ex­pli­car o pas­so se­guin­te, Mul­loy de­sa­fi­ou um gru­po de na­ti­vos a le­van­tar uma es­tá­tua de 25 to­ne­la­das e de­po­si­tá-la no lo­cal de­mar­ca­do. Eles o fi­ze­ram uti­li­zan­do uma pla­ta­for­ma de al­ve­na­ria sob o abdô­men do mo­ai e er­guen­do-o com o apoio de dois tron­cos com 5 me­tros de com­pri­men­to. A tá­ti­ca, po­rém, não foi efi­ci­en­te: a es­tá­tua fi­cou bas­tan­te da­ni­fi­ca­da.

LU­TA DE CLASSES

Por que a fa­bri­ca­ção des­sas es­cul­tu­ras te­ria si­do in­ter­rom­pi­da? A hi­pó­te­se de uma guer­ra in­ter­na é a mais plau­sí­vel, mas aqui se en­tra na com­pli­ca­da mi­to­lo­gia lo­cal. As len­das fa­lam de dois gru­pos – os ha­nau ee­pe (“ho­mens ro­bus- tos”), do­mi­nan­tes, e os ha­nau mo­mo­ko (“ho­mens ma­gros”), mais an­ti­gos na ilha e so­ci­al­men­te in­fe­ri­o­res. Em cer­ta épo­ca, os ha­nau ee­pe te­ri­am or­de­na­do aos ha­nau mo­mo­ko que re­co­lhes­sem e amon­to­as­sem as pe­dras que re­co­bri­am o so­lo. Opri­mi­dos por es­sa ta­re­fa in­sa­na, os ha­nau mo­mo­ko te­ri­am se re­be­la­do e, após al­gu­mas ba­ta­lhas, des­truí­ram seus se­nho­res. Es­sa ideia ga­nha um re­for­ço quan­do se pen­sa que, no au­ge, a ilha abri­gou uma po­pu­la­ção de 15 mil pes­so­as em meio a uma gran­de es­cas­sez de ali­men­tos, agra­va­da por uma pro­gres­si­va de­vas­ta­ção da flo­ra na­ti­va. Também se en­con­tra­ram evi­dên­ci­as de que hou­ve an­tro­po­fa­gia en­tre os ilhéus, su­pos­ta­men­te nos pe­río­dos de con­vul­sões in­ter­nas. De qual­quer mo­do, a fú­ria guer­rei­ra – en­tre du­as cas­tas, ou en­tre os clãs lo­cais – pa­re­ce ter si­do res­pon­sá­vel pe­la des­trui­ção dos ahus e das grandes es­tá­tu­as, e pe­lo aban­do­no do cul-

to por elas re­pre­sen­ta­do.

O tra­ba­lho dos pes­qui­sa­do­res po­de­ria ser bem mais fá­cil, não fos­se o com­por­ta­men­to na­da elo­giá­vel ma­ni­fes­ta­do por di­ver­sos oci­den­tais em re­la­ção aos pas­co­a­nos no sé­cu­lo 19. Ex­pe­di­ções pe­ru­a­nas à ca­ta de es­cra­vos le­va­ram da ilha to­da sua eli­te go­ver­na­men­tal e cul­tu­ral, e os pou­cos que re­tor­na­ram do ca­ti­vei­ro não pos­suíam os co­nhe­ci­men­tos dos an­ces­trais. Con­ta-se que os es­co­ce­ses que ar­ren­da­ram ter­ras pa­ra cri­ar ove­lhas pre­fe­ri­ram cer­car a vi­la de Han­ga Roa (o prin­ci­pal nú­cleo ur­ba­no da ilha), di­fi­cul­tan­do o li­vre trânsito dos na­ti­vos.

Pro­ble­ma si­mi­lar ocor­reu com as tá­bu­as ron­go­ron­go, que con­ti­nham a mis­te­ri­o­sa es­cri­ta de­sen­vol­vi­da na ilha. Os pri­mei­ros mis­si­o­ná­ri­os ca­tó­li­cos que lá se ins­ta­la­ram con­si­de­ra­ram as pe­ças obra do demô­nio e as des­truí­ram. Fo­ram sal­vas ape­nas 26 de­las, in­su­fi­ci­en­tes pa­ra se de­ci­frar os ide­o­gra­mas.

Mas as pes­qui­sas ain­da têm mui­to a evo­luir. A ex­pe­di­ção de Heyer­dahl pro­du­ziu um tesouro de co­nhe­ci­men­tos ape­nas com es­ca­va­ções de até 20 cen­tí­me­tros de pro­fun­di­da­de – por­tan­to, po­de-se es­pe­rar mui­to mais de um tra­ba­lho ar­que­o­ló­gi­co am­plo e sis­te­má­ti­co, co­mo o que tem si­do de­sen­vol­vi­do pe­la par­ce­ria ame­ri­ca­no-chi­le­na do Eas­ter Is­land Sta­tue Pro­ject (EISP). Téc­ni­cas mo­der­nas de da­ta­ção po­de­ri­am re­ve­lar de­ta­lhes des­co­nhe­ci­dos sobre o ain­da con­fu­so po­vo­a­men­to da ilha e as épo­cas de cons­tru­ção dos ahus e dos mo­ais.

En­quan­to os ci­en­tis­tas pro­cu­ram so­lu­ções pa­ra es­ses mis­té­ri­os, Pás­coa per­ma­ne­ce aber­ta e hos­pi­ta­lei­ra, mas ze­lo­sa quan­to a seus se­gre­dos. Tal­vez não se­ja à toa que mui­tos vi­si­tan­tes cos­tu­mam iden­ti­fi­car nas es­tá­tu­as uma ex­pres­são de li­gei­ro des­dém, tal co­mo se elas de­sa­fi­as­sem os fo­ras­tei­ros a des­co­brir os enig­mas que seu pas­sa­do ocul­ta.

Ahu Vi­na­pu: pe­dras en­cai­xa­das co­mo em Sac­sayhu­a­man, no Pe­ru

No al­to, o ahu Aki­vi. Aci­ma, a praia de Ana­ke­na, on­de os co­lo­ni­za­do­res po­li­né­si­os apor­ta­ram

Aci­ma, mo­ai es­ca­va­do no Ra­no Ra­ra­ku pe­lo pro­je­to Eas­ter Is­land Sta­tue Pro­ject (EISP), par­ce­ria en­tre ci­en­tis­tas ame­ri­ca­nos e chi­le­nos. À di­rei­ta, ve­ge­ta­ção bai­xa no in­te­ri­or da ilha

À di­rei­ta, o ahu Ton­ga­ri­ki, de­vas­ta­do por um tsu­na­mi em 1960. Abai­xo, mo­ai com cha­péu ( pu­kao) e olhos

Es­cul­tu­ras na es­cos­ta do vul­cão Ra­no Ra­ra­ku, na Ilha de Pás­coa: mar­ca re­gis­tra­da des­se pon­to re­mo­to do Pa­cí­fi­co

Han­ga Roa Ins­cri­ções em pe­dra na vi­la ce­ri­mo­ni­al de Oron­go, no vul­cão Ra­no Kau

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.