DESIGUALDADE SEM CON­TRO­LE

Planeta - - SUMARIO - Por Win­nie Byanyi­ma*

A enor­me desigualdade econô­mi­ca mun­di­al co­bra um al­tís­si­mo pre­ço não ape­nas na eco­no­mia, mas também nas es­fe­ras so­ci­al e po­lí­ti­ca, e re­pre­sen­ta um ris­co pa­ra a saú­de das de­mo­cra­ci­as

A enor­me desigualdade econô­mi­ca de­tec­ta­da no pla­ne­ta no Re­la­tó­rio Mun­di­al de Ci­ên­ci­as So­ci­ais 2016 co­bra um al­tís­si­mo pre­ço não ape­nas na eco­no­mia, mas também nas es­fe­ras so­ci­al e po­lí­ti­ca, e re­pre­sen­ta um ris­co pa­ra a saú­de das pró­pri­as de­mo­cra­ci­as

O1% mais ri­co da po­pu­la­ção mun­di­al ago­ra pos­sui tan­to quan­to o res­to do mun­do, re­for­çan­do a afir­ma­ção da Ox­fam (con­fe­de­ra­ção de 17 or­ga­ni­za­ções e mais de 3 mil par­cei­ros que atua em mais de 100 paí­ses na bus­ca de so­lu­ções pa­ra a po­bre­za e a in­jus­ti­ça) de que a ex­tre­ma desigualdade econô­mi­ca es­tá sain­do de con­tro­le.

Es­se fenô­me­no é in­jus­to e des­pro­vi­do de mo­ral, e su­as con­sequên­ci­as são cor­ro­si­vas pa­ra to­dos. A ex­tre­ma desigualdade cor­rom­pe a po­lí­ti­ca, im­pe­de o cres­ci­men­to econô­mi­co e aba­fa a mo­bi­li­da­de so­ci­al. Ela ali­men­ta o cri­me e os con­fli­tos vi­o­len­tos.

To­ca um ner­vo mo­ral ao ame­a­çar a pró­pria saú­de de nos- sas de­mo­cra­ci­as quan­do o po­der po­lí­ti­co e econô­mi­co é cap­tu­ra­do pe­las eli­tes. O rá­pi­do au­men­to da ex­tre­ma desigualdade econô­mi­ca es­tá no ca­mi­nho da eli­mi­na­ção da po­bre­za glo­bal.

Se a Ín­dia re­du­zis­se a desigualdade em 36%, po­de­ria pra­ti­ca­men­te eli­mi­nar a po­bre­za ex­tre­ma até 2019 (Ox­fam, 2014). Nos­sa pes­qui­sa in­di­cou que a desigualdade é o elo per­di­do que

ex­pli­ca co­mo a mes­ma ta­xa de cres­ci­men­to em di­fe­ren­tes paí­ses po­de le­var a di­fe­ren­tes ta­xas de re­du­ção da po­bre­za.

De acor­do com o Over­se­as De­ve­lop­ment Ins­ti­tu­te, 200 mi­lhões do 1,1 bi­lhão de pes­so­as que vi­vi­am na ex­tre­ma po­bre­za em 2010 po­de­ri­am ter es­ca­pa­do des­sa si­tu­a­ção se os po­bres ti­ves­sem se be­ne­fi­ci­a­do igual­men­te do pro­du­to do cres­ci­men­to du­ran­te o pe­río­do dos Ob­je­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to do Mi­lê­nio (ODM), en­tre 2000 e 2015 (Hoy e Sam­man, 2015). As pro­je­ções dos eco­no­mis­tas do Ban­co Mun­di­al re­ve­la­ram que, pa­ra eli­mi­nar a po­bre­za ex­tre­ma até 2030, os mais po­bres de­ve­rão se be­ne­fi­ci­ar de um cres­ci­men­to su­pe­ri­or em 2 pon­tos per­cen­tu­ais ao res­to da po­pu­la­ção (Lak­ner e ou­tros, 2014). Uma par­ti­ci­pa­ção igual no cres­ci­men­to não é su­fi­ci­en­te e dei­xa­ria qua­se 200 mi­lhões de pes­so­as adi­ci­o­nais pre­sas na po­bre­za ex­tre­ma (Ox­fam, 2015).

Um al­to ní­vel de desigualdade cons­ti­tui uma bar­rei­ra pa­ra o cres­ci­men­to econô­mi­co fu­tu­ro por­que obs­trui o in­ves­ti­men­to produtivo, li­mi­ta a ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va e con­su­mi­do­ra da eco­no­mia e mi­na as ins­ti­tui­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra uma so­ci­e­da­de jus­ta. Pes­qui­sa­do­res do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) des­co­bri­ram que um au­men­to na par­ti­ci­pa­ção dos po­bres e da clas­se mé­dia au­men­ta de fa­to o cres­ci­men­to, en­quan­to fa­zer o mes­mo pa­ra os 20% mais ri­cos re­sul­ta em me­nor cres­ci­men­to (Da­bla-nor­ris e ou­tros, 2015).

Os ex­tre­mos da desigualdade são, nas pa­la­vras do eco­no­mis­ta Ha-jo­on Chang, da Uni­ver­si­da­de de Cam­brid­ge, “uma fon­te de des­per­dí­cio hu­ma­no e econô­mi­co des­ne­ces­sá­rio” (ci­ta­do em Ox­fam, 2014, p. iii). A ex­tre­ma desigualdade é uma pre­o­cu­pa­ção ime­di­a­ta pa­ra to­dos nós e de­ve ser re­sol­vi­da sem de­mo­ra. Os or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais e os go­ver­nos devem pres­tar mais aten­ção à dis­tân­cia en­tre os mais ri­cos e os mais po­bres e mo­ni­to­rar a ri­que­za e as trans­fe­rên­ci­as de ren­da no to­po e no fun­do dos ex­tre­mos da desigualdade. O aces­so a da­dos de boa qua­li­da­de é im­pe­ra­ti­vo pa­ra pro­du­zir uma in­ves­ti­ga­ção mais apro­fun­da­da sobre os fa­to­res de ex­tre­ma ri­que­za e desigualdade de ren­di­men­to, além de seu im­pac­to na po­bre­za.

A desigualdade não é ine­vi­tá­vel. Os go­ver­nos po­dem re­du­zir os ex­tre­mos econô­mi­cos ado­tan­do um pa­co­te de me­di­das re­dis­tri­bu­ti­vas, im­plan­tan­do sis­te­mas fis­cais mais pro­gres­si­vos que re­dis­tri­bu­em equi­ta­ti­va­men­te os ren­di­men­tos e au­men­tan­do o in­ves­ti­men­to em pro­gra­mas pú­bli­cos de ser­vi­ços pú­bli­cos e de pro­te­ção so­ci­al uni­ver­sais, de boa qua­li­da­de e gra­tui­tos.

Au­men­tar o nú­me­ro de em­pre­gos de­cen­tes que pa­guem sa­lá­ri­os de­cen­tes também é es­sen­ci­al. Os em­pre­gos de boa qua­li­da­de são ine­ren­te­men­te aque­les que pa­gam um sa­lá­rio dig­no, pro­por­ci­o­nam se­gu­ran­ça no car­go e res­pei­to aos di­rei­tos dos tra­ba­lha­do­res, e as­se­gu­ram a igual­da­de de re­mu­ne­ra­ção pa­ra as mu­lhe­res.

Há, no en­tan­to, uma di­nâ­mi­ca de po­der pa­ra re­sol­ver, e a so­ci­e­da­de ci­vil de­ve res­pon­sa­bi­li­zar os to­ma­do­res de de­ci­são. Os go­ver­nos e as ins­ti­tui- ções pú­bli­cas devem per­ce­ber que são, em pri­mei­ro lu­gar, ser­vos dos seus ci­da­dãos, e não de gru­pos de in­te­res­ses. Os go­ver­nos são obri­ga­dos a pro­te­ger os di­rei­tos hu­ma­nos, o que en­vol­ve pre­ve­nir in­te­res­ses co­mer­ci­ais de emas­cu­lar es­ses di­rei­tos. So­men­te en­tão po­de­re­mos en­fren­tar com êxi­to o fla­ge­lo da ex­tre­ma desigualdade econô­mi­ca.

* Es­te ar­ti­go foi es­cri­to por Win­nie Byanyi­ma, di­re­to­ra exe­cu­ti­va da Ox­fam, no âm­bi­to do Re­la­tó­rio Mun­di­al de Ci­ên­ci­as So­ci­ais 2016, pro­du­zi­do pe­lo Con­se­lho In­ter­na­ci­o­nal de Ci­ên­ci­as So­ci­ais (ISSC, na si­gla em in­glês) e co­e­di­ta­do com a Unesco

Pa­trimô­nio Cul­tu­ral

Se­gun­do o Ban­co Mun­di­al, um cres­ci­men­to da eco­no­mia pa­ra os mais po­bres 2% su­pe­ri­or ao do res­to da po­pu­la­ção até 2030 eli­mi­na­ria a po­bre­za ex­tre­ma do pla­ne­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.