Turismo sus­ten­tá­vel

Planeta - - EDITORIAL - EDU­AR­DO ARAIA – EDI­TOR EXE­CU­TI­VO EDU­AR­DO@REVISTAPLANETA.COM.BR

Vi­a­jar é mui­to bom, lem­bra a re­pór­ter Re­na­ta Va­lé­rio de Mes­qui­ta na aber­tu­ra da ma­té­ria de ca­pa des­ta edi­ção. A imen­sa mai­o­ria das pes­so­as de­ve con­cor­dar com a afir­ma­ção, pois sem vi­a­gens a vi­da se tor­na­ria uma eter­na ro­ti­na. Vi­a­jar, tan­to no sen­ti­do fí­si­co co­mo no sim­bó­li­co, sig­ni­fi­ca dei­xar o lar e um co­ti­di­a­no co­nhe­ci­do e aven­tu­rar-se por lu­ga­res e ex­pe­ri­ên­ci­as di­fe­ren­tes, se­jam tais tra­je­tos cur­tos ou lon­gos, en­vol­ven­do des­ti­nos pró­xi­mos ou dis­tan­tes. É, por is­so mes­mo, uma oca­sião ex­cep­ci­o­nal pa­ra abrir-se pa­ra o no­vo que es­ses mo­men­tos pro­por­ci­o­nam e apren­der com eles.

Mas vi­a­jar po­de tam­bém ser um pro­ble­ma. O po­ten­ci­al de tur­bu­lên­cia re­pre­sen­ta­do pe­las hor­das de vi­a­jan­tes já fez com que habitantes de al­guns des­ti­nos ul­tra­con­cor­ri­dos, co­mo Bar­ce­lo­na, na Es­pa­nha, de­sen­vol­ves­sem uma fo­bia ao turismo. Pa­ra es­sas pes­so­as, é pre­fe­rí­vel a au­sên­cia de turistas – ape­sar dos re­cur­sos que in­je­tam na eco­no­mia lo­cal – à per­tur­ba­ção no fun­ci­o­na­men­to da ci­da­de que eles cau­sam. Em Ve­ne­za, na Itá­lia, o pro­ble­ma já pas­sou pa­ra um es­tá­gio mais gra­ve: par­te da po­pu­la­ção saiu de vez da ci­da­de, en­quan­to o es­pa­ço é ocu­pa­do por turistas de to­do o mun­do às vol­tas com preços ele­va­dos e o avan­ço do mar in­cen­ti­va­do pe­lo aquecimento glo­bal.

Co­mo vi­a­jar po­de ser um mo­vi­men­to que tra­ga bons di­vi­den­dos pa­ra vi­si­tan­tes e vi­si­ta­dos? En­tra em ce­na aqui um con­cei­to que vem se de­sen­vol­ven­do gra­du­al­men­te em to­do o mun­do: o turismo res­pon­sá­vel. Nes­se ti­po de turismo, os cui­da­dos am­bi­en­tais que muitos de nós já in­cor­po­ra­mos ao nos­so co­ti­di­a­no se so­mam a ou­tras pre­o­cu­pa­ções, es­sas ain­da não tão evi­den­tes. O tu­ris­ta res­pon­sá­vel, por exemplo, de­di­ca im­por­tân­cia e res­pei­to à co­mu­ni­da­de que vai vi­si­tar, e vai pro­cu­rar in­te­ra­gir mais in­ten­sa­men­te com ela, em vez de vê-la ba­si­ca­men­te a par­tir de um ôni­bus de ex­cur­são. Sua pre­fe­rên­cia em termos de hos­pe­da­gem, por­tan­to, não se­ria por uma ca­deia in­ter­na­ci­o­nal pas­teu­ri­za­da de ho­téis, mas por es­ta­be­le­ci­men­tos mais afi­na­dos com a co­mu­ni­da­de vi­si­ta­da. E o con­ví­vio com os habitantes lo­cais se­ria o mais es­trei­to pos­sí­vel no dia a dia.

As ex­cur­sões em rit­mo ace­le­ra­do não vão dei­xar de exis­tir, pe­lo me­nos tão ce­do. Mas até mes­mo os que par­ti­ci­pam de­las po­dem co­me­çar a fa­zer seu trei­no pa­ra tu­ris­ta res­pon­sá­vel. Num mun­do mais sus­ten­tá­vel, eles se­rão fi­gu­ras in­dis­pen­sá­veis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.