TURISMO SUS­TEN­TÁ­VEL: PEGADAS DO BEM

Vi­a­jar é mui­to bom! Mas o turismo precisa fa­zer bem tan­to pa­ra quem vi­si­ta quan­to pa­ra quem é vi­si­ta­do. En­ten­da co­mo vo­cê po­de dei­xar uma mar­ca po­si­ti­va por on­de pas­sa

Planeta - - SUMARIO - Por Re­na­ta Va­lé­rio de Mes­qui­ta

Vi­a­jar é mui­to bom, con­cor­da a mai­o­ria avas­sa­la­do­ra das pes­so­as. Mas o turismo precisa fa­zer bem tan­to pa­ra quem vi­si­ta quan­to pa­ra quem é vi­si­ta­do. En­ten­da co­mo vo­cê po­de dei­xar uma mar­ca po­si­ti­va pe­los des­ti­nos que vi­si­ta

Es­que­ça aque­las vi­a­gens em que tu­do se pas­sa pe­la ja­ne­la do ôni­bus. O me­lhor up­gra­de que vo­cê po­de dar às su­as fé­ri­as en­vol­ve turismo ativo, que in­te­ra­ge com a po­pu­la­ção lo­cal, co­nhe­ce os cos­tu­mes da re­gião, mo­vi­men­ta a eco­no­mia do des­ti­no vi­si­ta­do e per­mi­te que vo­cê re­no­ve sua ba­ga­gem cul­tu­ral. Em­bar­que nes­sa ideia, cha­ma­da mun­do afo­ra de turismo res­pon­sá­vel.

“Fa­zer lu­ga­res me­lho­res pa­ra as pes­so­as vi­ve­rem e pa­ra as pes­so­as vi­si­ta­rem” é a mis­são do turismo res­pon­sá­vel. Pa­ra is­so, é pre­ci­so que ope­ra­do­res de turismo, ho­téis, go­ver­nos, po­pu­la­ção lo­cal e ca­da tu­ris­ta to­mem pa­ra si a res­pon­sa­bi­li­da­de de fa­zer um turismo mais sus­ten­tá­vel, que im­pac­te o des­ti­no da for­ma mais po­si­ti­va pos­sí­vel.

“É res­pon­sa­bi­li­da­de tan­to de quem es­tá ofe­re­cen­do o serviço ou pro­du­to quan­to de quem es­tá con­su­min­do. O tu­ris­ta precisa ser um con­su­mi­dor cons­ci­en­te. Su­as es­co­lhas e ati­tu­des vão fa­zer to­da a diferença no des­ti­no vi­si­ta­do”, afir­ma Pau­la Aran­tes, co­or­de­na­do­ra do Fórum In­te­ra­me­ri­ca­no de Turismo Sus­ten­tá­vel (Fits) – even­to pa­ra­le­lo à Ad­ven­tu­re Sports Fair – e res­pon­sá­vel por pro­je­tos e pros­pec­ção de par­ce­ri­as na ONG Ga­ru­pa.

Não importa se o des­ti­no é uma praia pa­ra­di­sía­ca, a flo­res­ta, o campo ou uma grande ci­da­de. Tam­bém in­de­pen­de de es­ti­lo – lu­xo, econô­mi­co, aven­tu­rei­ro ou ou­tra al­ter­na­ti­va. A sustentabilidade abran­ge tan­to o pi­lar am­bi­en­tal co­mo o so­ci­o­cul­tu­ral e o econô­mi­co – to­dos com a mes­ma im­por­tân­cia.

“Na área de ali­men­ta­ção e da mo­da, por exemplo, a pro­pos­ta do consumo mais sus­ten­tá­vel já es­tá mais cla­ra, mas no se­tor de vi­a­gens ain­da não”, afir­ma Ana Duék, jor­na­lis­ta cri­a­do­ra do blog Vi­a­jar Ver­de e em­bai­xa­do­ra do Gre­en Des­ti­na­ti­ons. Se­gun­do ela, o Bra­sil ain­da es­tá na fa­se da quan­ti­da­de, de lo­tar os des­ti­nos, por­que as pes­so­as es­tão des­co­brin­do que po­dem vi­a­jar.

No ex­te­ri­or, so­bre­tu­do na Eu­ro­pa, já exis­te uma com­pre­en­são me­lhor das con­sequên­ci­as do turismo de mas­sa – e até já sur­giu o ódio ao ex­ces­so de turistas (a “tu­ris­mo­fo­bia”). Pre­fe­rem-se vi­si­tan­tes que cui­dem do des­ti­no e res­pei­tem a cul­tu­ra lo­cal, por­que es­tá pro­va­do que sai mais ca­ro re­ver­ter o es­tra­go cau­sa­do pe­lo turismo des­con­tro­la­do.

DRA­MA VENEZIANO

Ve­ne­za é um exemplo do im­pac­to ne­ga­ti­vo ex­tre­mo que a ati­vi­da­de tu­rís­ti­ca po­de cau­sar na vi­da de uma co­mu­ni­da­de. Nos úl­ti­mos 30 anos, a ci­da­de ita­li­a­na per­deu mais de 50% dos seus mo­ra­do­res, de­vi­do à es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria, aos preços pra­ti­ca­dos no co­mér­cio e à su­per­lo­ta­ção que in­vi­a­bi­li­za o co­ti­di­a­no.

Os cer­ca de 55 mil habitantes atu­ais re­ce­bem 30 mi­lhões de vi­si­tan­tes por ano – a mai­o­ria vin­da de na­vi­os de cru­zei­ro gi­gan­tes, que ame­a­çam as es­tru­tu­ras da ci­da­de. A be­le­za ve­ne­zi­a­na per­ma­ne­ce nas fa­cha­das vis­tas dos canais. Mas a ci­da­de ho­je é mais ce­no­grá­fi­ca – a ri­que­za hu­ma­na que ha­bi­ta­va ali foi es­va­zi­a­da.

Pa­ra evi­tar con­sequên­ci­as co­mo es­sas, es­tá sur­gin­do o cha­ma­do “turismo de ba­se co­mu­ni­tá­ria”, de­sen­vol­vi­do a par­tir dos de­se­jos da co­mu­ni­da­de lo­cal. “Não che­ga­mos lá di­zen­do o que fa­zer. Aju­da­mos a de­se­nhar o que eles que­rem. E nos tor­na­mos um par­cei­ro de co- mer­ci­a­li­za­ção do pla­no que eles de­ci­di­rem ofe­re­cer”, ex­pli­ca Ma­ri­an­ne Costa, tu­ris­mó­lo­ga e fun­da­do­ra da agên­cia Vi­ve­jar.

Nes­ses ca­sos, é fun­da­men­tal que a ati­vi­da­de de re­ce­ber vi­si­tan­tes se­ja con­ci­li­a­da com tradições e cos­tu­mes da­que­la po­pu­la­ção e tra­ga uma fon­te a mais de ren­da pa­ra a iden­ti­da­de cul­tu­ral ser man­ti­da. Os ro­tei­ros da Vi­ve­jar ofe­re­cem aos turistas a pos­si­bi­li­da­de de vi­ven­ci­ar o dia a dia de uma co­mu­ni­da­de tra­di­ci­o­nal da for­ma mais au­tên­ti­ca pos­sí­vel.

No ro­tei­ro “Do bar­ro à ar­te”, de­sen­vol­vi­do no Va­le do Je­qui­ti­nho­nha (MG), por exemplo, os vi­si­tan­tes se hos­pe­dam em ca­sa de fa­mí­lia, apren­dem a fa­zer a ce­râ­mi­ca que ca­rac­te­ri­za a co­mu­ni­da­de (tradição pas­sa­da de mãe pa­ra fi­lha) e têm a opor­tu­ni­da­de de ou­vir as his­tó­ri­as da­que­la gen­te. “No turismo sus­ten­tá­vel, o olhar é apre­ci­a­ti­vo. O Va­le é eco­no­mi­ca­men­te mui­to po­bre, mas a vi­si­ta mos­tra co­mo es­sas mulheres são cri­a­ti­vas, quan­to

Jovem eu­ro­peu con­ver­sa com ne­pa­le­sas em Kat­man­du: o tu­ris­ta res­pon­sá­vel ob­ser­va e in­te­ra­ge com os mo­ra­do­res e bus­ca co­nhe­cer a cul­tu­ra lo­cal

Aci­ma, na­vio de cru­zei­ro em Ve­ne­za, uma das ori­gens do ex­ces­so de turistas que abar­ro­ta a ci­da­de. À es­quer­da, a par­tir do al­to: pi­cha­ção an­ti­tu­ris­tas em rua de Bar­ce­lo­na; mu­lher maia pre­pa­ra um pra­to tí­pi­co da re­gião pa­ra turistas, em sua ca­sa em Zi­na­can­tán (Mé­xi­co); du­as ima­gens das au­las de ce­râ­mi­ca da­das por ar­te­sãs do Va­le do Je­qui­ti­nho­nha (MG) a vi­si­tan­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.