SEDENTARISMO: PRE­CI­SA­MOS NOS ME­XER

Ter uma ro­ti­na fi­si­ca­men­te ati­va não é ape­nas um es­ti­lo de vi­da – ela de­ve fa­zer par­te dos cui­da­dos bá­si­cos com nos­sa saú­de

Planeta - - SUMARIO - Por Ana Ca­ro­li­na Nu­nes

Ter uma ro­ti­na fi­si­ca­men­te ati­va não é ape­nas um es­ti­lo de vi­da – ela de­ve fa­zer par­te dos cui­da­dos bá­si­cos com nos­sa saú­de

En­tre as do­en­ças que mais ma­tam no mun­do ho­je há um fa­tor em co­mum que pou­co pre­o­cu­pa a po­pu­la­ção em ge­ral: o sedentarismo. Não que a prá­ti­ca de ati­vi­da­de física cu­re do­en­ças ou subs­ti­tua tra­ta­men­tos médicos. Mas a fal­ta de­la es­tá sen­do en­ca­ra­da pe­la me­di­ci­na mo­der­na co­mo um grande pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca e uma das prin­ci­pais cau­sas de mor­te ou de bai­xa qualidade de vi­da no mun­do ho­je. As cam­pa­nhas de mar­ke­ting das aca­de­mi­as cos­tu­mam ex­plo­rar a be­le­za de cor­pos ma­gros, tor­ne­a­dos, es­cul­pi­dos ou mus­cu­lo­sos pa­ra con­quis­tar cli­en­tes, mas po­de­ri­am con­si­de­rar a si­tu­a­ção de epi­de­mia clí­ni­ca re­pre­sen­ta­da pe­lo sedentarismo pa­ra con­ven­cer o pú­bli­co. Ser se­den­tá­rio sig­ni­fi­ca es­tar mais su­jei­to à in­ci­dên­cia de do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, co­les­te­rol al­to, di­a­be­tes ti­po 2, os­te­o­po­ro­se, atro­fia mus­cu­lar, ter me­nor imu­ni­da­de e en­ve­lhe­ci­men­to das cé­lu­las mais ace­le­ra­do e es­tar mais sus­ce­tí­vel a al­guns ti­pos de cân­cer, co­mo o de in­tes­ti­no.

Já ser ativo, além de evi­tar pro­ble­mas de saú­de no cor­po, co­la­bo­ra pa­ra a saú­de men­tal, pois a li­be­ra­ção de en­dor­fi­na (o hormô­nio do bem-es­tar) que a ati­vi­da­de física pro­vo­ca aju­da a re­du­zir o es­tres­se e a an­si­e­da­de, co­la­bo­ran­do na re­du­ção de do­res e qua­dros de depressão e de de­mên­cia se­nil.

A ati­vi­da­de física in­flu­en­cia ain­da na produção de ou­tros hormô­ni­os, co­mo o cor­ti­sol, que aju­da a re­gu­lar o so­no, a pres­são e pro­ces­sos in­fla­ma­tó­ri­os do cor­po. “Pes­so­as se­den­tá­ri­as cos­tu­mam ter um des­com­pas­so mui­to grande no cor­ti­sol, fi­cam mais de­sa­ni­ma­das, so­no­len­tas, ‘len­ti­fi­ca­das’, sem di­na­mis­mo”, ex­pli­ca Ro­ber­to Ra­ched, mé­di­co fi­si­a­tra no Hos­pi­tal das Clí­ni­cas em São Pau­lo. Con­for­me a pes­soa se exer­ci­ta, a li­be­ra­ção do cor­ti­sol a aju­da a ter ain­da mais dis­po­si­ção pa­ra se mo­vi­men­tar.

A con­ta de uma vi­da se­den­tá­ria ge­ral­men­te che­ga quan­do o en­ve­lhe­ci­men­to se acen­tua. Se­gun­do Ra­ched, po­rém, a sar­co­pe­nia – o pro­ces­so de per­da mus­cu­lar ao lon­go dos anos, co­mum em ido­sos e que tem seu pi­co por vol­ta da sé­ti­ma dé­ca­da de vi­da – tem apa­re­ci­do mais ce­do nos exa­mes de res­so­nân­cia mag­né­ti­ca. “As mus­cu­la­tu­ras de co­lu­na es­tão vi­ran­do gor­du­ras na co­lu­na.”

PER­DAS ES­PA­LHA­DAS

Por con­ta da per­da mus­cu­lar, te­mos tam­bém per­das nos ten­dões, que fi­cam mais fra­cos, me­nos nu­tri­dos, me­nos hi­dra­ta­dos e cau­sam mais le­sões por en­fra­que­ci­men­to. “Es­ta­mos ven­do com mais frequên­cia es­se qua­dro em pa­ci­en­tes jo­vens e de es­cri­tó­rio, ou que es­tão sem­pre sen­ta­dos em li­nha de produção”, ob­ser­va Ra­ched. “A mus­cu­la­tu­ra do pes­co­ço tam­bém se mos­tra mais en­fra­que­ci­da e ocor­rem alterações de ar­ti­cu­la­ções, principalmente em jo­e­lhos e qua­dris.”

O im­pac­to da mus­cu­la­ção e da cor­ri­da e caminhada for­ta­le­ce os os­sos. Nas pes­so­as que fi­cam sen­ta­das ou dei­ta­das o dia to­do, eles se en­fra­que­cem, e com is­so o ris­co de fra­tu­ra au­men­ta, so­bre­tu­do na ter­cei­ra ida­de. Há tam­bém um au­men­to nos ca­sos de mulheres com os­te­o­pe­nia e os­te­o­po­ro­se.

Ati­vi­da­des fí­si­cas ha­bi­tu­ais po­dem até mes­mo al­te­rar ca­rac­te­rís­ti­cas ce­lu­la­res. Um es­tu­do li­de­ra­do pe­la Uni­ver­si­da­de Stan­ford (EUA) que ana­li­sou da­dos de saú­de de mais de 500 mil pes­so­as apon­tou que tan­to ho­mens co­mo mulheres com he­ran­ça ge­né­ti­ca de do­en­ças car­día­cas, po­rém com me­lhor con­di­ci­o­na­men­to fí­si­co e ca­pa­ci­da­de ae­ró­bi­ca, re­du­zi­ram pe­la me­ta­de a pro­ba­bi­li­da­de de te­rem pro­ble­mas car­di­o­vas­cu­la­res. Ou­tra pes­qui­sa, da Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, mos­trou que mulheres se­den­tá­ri­as po­dem ser bi­o­lo­gi­ca­men­te oi­to anos mais ve­lhas do que aque­las que se exer­ci­tam. A ex­pli­ca­ção es­ta­ria no pro­ces­so de re­no­va­ção ce­lu­lar im­pul­si­o­na­do pe­las ati­vi­da­des fí­si­cas.

“Te­mos mi­lhões de mo­ti­vos pa­ra nos exer­ci­tar”, afir­ma Ri­car­do Mu­nir Nahas, co­or­de­na­dor do Cen­tro de Me­di­ci­na do Exercício e do Es­por­te do Hos­pi­tal No­ve de Ju­lho, em São Pau­lo.

A ina­ti­vi­da­de física res­pon­de por mais de 5 mi­lhões de mor­tes no mun­do, se­gun­do es­ti­ma­ti­vas da Organização Mun­di­al de Saú­de (OMS), que já con­si­de­ra o im­pac­to do sedentarismo tão maléfico quan­to o fumo.

A úl­ti­ma pes­qui­sa so­bre o te­ma fei­ta pe­lo Mi­nis­té­rio do Es­por­te do Bra­sil não é ani­ma­do­ra: 45% dos en­tre­vis­ta­dos não pra­ti­cam qual­quer ati­vi­da­de física, mes­mo sa­ben­do dos ris­cos de uma vi­da se­den­tá­ria. Es­se com­por­ta­men­to, ali­a­do a uma ali­men­ta­ção rica em ca­lo­ri­as – ge­ral­men­te ex­tra­po­lan­do os li­mi­tes de gor­du­ra, sal e açú­car – e ao ta­ba­gis­mo, é co­mo uma bom­ba-re­ló­gio. A boa notícia é que ela po­de ser de­sar­ma­da a qual­quer mo­men­to da vi­da – quan­to an­tes, po­rém, me­lhor.

CUL­PA DA EVOLUÇÃO

“Em um pe­río­do de 100 anos con­tra­ri­a­mos uma ló­gi­ca evo­lu­ti­va de mi­lha­res de anos”, ex­pli­ca Pau­lo Ca­miz, clí­ni­co ge­ral e ge­ri­a­tra do Hos­pi­tal das Clí­ni­cas de São Pau­lo e pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (FMUSP).

Quan­do sur­gi­ram na Ter­ra, há cer­ca de 180 mil anos, os hu­ma­nos pre­ci­sa­vam con­ser­var ener­gia (ca­lo­ri­as) pa­ra su­por­tar pe­río­dos de ali­men­ta­ção mais es­cas­sa, já que con­se­guir comida não era al­go fá­cil. A fi­si­o­lo­gia hu­ma­na ain­da fun­ci­o­na de for­ma a pri­o­ri­zar o ar­ma­ze­na­men­to de gor­du­ra. Tam­bém se des­ta­ca­ram nes­se pro­ces­so evo­lu­ti­vo aque­les que tinham o me­lhor pre­pa­ro fí­si­co, fa­zen­do do cor­po hu­ma­no “uma má­qui­na ex­tre­ma­men­te in­te­li­gen­te”, res­sal­ta Ca­miz. “É só dar um co­man­do que ele [cor­po] res­pon­de. E res­pon­de me­lho­ran­do o fun­ci­o­na­men­to. Mas, quan­do se­den­tá­rio, é co­mo se o cor­po in­ter­pre­tas­se não ter ne­ces­si­da­de de fun­ci­o­nar no me­lhor de su­as pos­si­bi­li- da­des de de­sem­pe­nho, e aí co­me­ça a eli­mi­nar os ex­ces­sos, co­mo mús­cu­los, e a ar­ma­ze­nar ener­gia, ou gor­du­ra”, ex­pli­ca.

Na so­ci­e­da­de pós-re­vo­lu­ção in­dus­tri­al, exer­ci­tar-se pas­sou a ser ca­da vez me­nos ne­ces­sá­rio, en­quan­to con­se­guir comida fi­cou ca­da vez mais fá­cil e abun­dan­te. E fo­mos en­tão nos tor­nan­do ca­da vez mais ina­ti­vos, o que tem tra­zi­do con­sequên­ci­as di­re­tas pa­ra a saú­de.

Pa­ra rom­per a inér­cia, a mo­ti­va­ção pe­lo me­do não se sus­ten­ta, afir­ma Re­na­to Zil­li, en­do­cri­no­lo­gis­ta no Hos­pi­tal Sí­rio-li­ba­nês: “Tem que ter um gan­cho po­si­ti­vo. Além dis­so, as pes­so­as são mui­to ime­di­a­tis­tas”. In­fe­liz­men­te (ou não), os cui­da­dos com a saú­de em ge­ral têm re­sul­ta­dos em lon­go pra­zo.

Pa­ra pi­o­rar, não é fá­cil ser ativo. A so­ci­e­da­de ca­mi­nha no sen­ti­do de se tornar ca­da vez mais prá­ti­ca – vi­de ex­plo­são de ser­vi­ços de­li­very e ou­tras co­mo­di­da­des vir­tu­ais. Ao mes­mo tem­po, já se tor­na­ram comuns as ro­ti­nas ca­da vez mais pe­sa­das, com mui­tas ho­ras de­di­ca­das ao tra­ba­lho e à educação e qua­li­fi­ca­ção. Mas su­pe­rar is­so não re­quer gran­des es­for­ços – li­te­ral­men­te (ve­ja qua­dro na pá­gi­na se­guin­te).

A OMS re­co­men­da pe­lo me­nos 150 mi­nu­tos de prá­ti­cas fí­si­cas por se­ma­na. “Tem que en­trar na nos­sa agen­da diá­ria, co­mo co­mer, dor­mir, to­mar banho ou es­co­var os den­tes, ou se­ja, tornar-se um há­bi­to”, fri­sa o pro­fes­sor Ti­mo­teo Arau­jo, do Cen­tro de Es­tu­dos do La­bo­ra­tó­rio de Ap­ti­dão Física de São Ca­e­ta­no do Sul (Ce­la­fiscs). A re­co­men­da­ção da OMS sig­ni­fi­ca ape­nas 30 mi­nu­tos por dia, que po­dem ser acu­mu­la­dos em uma ho­ra dia sim, dia não, ou em uma ho­ra e meia três a qua­tro ve­zes na se­ma­na. “É im­por­tan­te man­ter o es­tí­mu­lo cons­tan­te do me­ta­bo­lis­mo”, diz Nahas. “Não tem des­cul­pa pa­ra não fa­zer. Não é pa­ra vi­rar um su­per-he­rói ou um atle­ta de pon­ta, é se me­xer o su­fi­ci­en­te pa­ra não le­var uma vi­da se­den­tá­ria”.

MIS­TU­RAR EXER­CÍ­CI­OS

Ati­vi­da­de física sig­ni­fi­ca ati­vi­da­de mo­de­ra­da ou in­ten­sa, com mo­vi­men­ta­ção do cor­po que gas­te ener­gia e tra­ba­lhe mús­cu­los. Por is­so, o ide­al é mes­clar exer­cí­ci­os ae­ró­bi­cos – co­mo ca­mi­nhar, cor­rer, dan­çar ou pra­ti­car es­por­tes – com ati­vi­da­des que exi­gem for­ça mus­cu­lar.

A ORGANIZAÇÃO MUN­DI­AL DA SAÚ­DE Já CON­SI­DE­RA O IM­PAC­TO DO SEDENTARISMO TÃO MALÉFICO PA­RA O OR­GA­NIS­MO QUAN­TO O CAU­SA­DO PE­LO VÍCIO DO FUMO

Ao su­bli­nhar as van­ta­gens pa­ra o cor­po de se exer­ci­tar, Zil­li se ins­pi­ra em uma pes­qui­sa bri­tâ­ni­ca que re­la­ci­o­na a ati­vi­da­de física ao fun­ci­o­na­men­to dos ju­ros com­pos­tos: quan­to mais se pra­ti­ca, mais os benefícios são re­for­ça­dos, tan­to fí­si­cos co­mo men­tais.

O fa­to de ser ativo nos be­ne­fi­cia até mes­mo quan­do es­ta­mos pa­ra­dos: o cor­po gasta mais ener­gia pa­ra man­ter 1kg de mús­cu­lo do que 1kg de gor­du­ra.

Pes­qui­sas re­cen­tes so­bre o te­ma con­clu­em que, mais do que uma ati­vi­da­de física ha­bi­tu­al, é pre­ci­so se mo­vi­men­tar mais ve­zes ao lon­go do dia. Is­so va­le tam­bém pa­ra aque­les que já se exer­ci­tam ro­ti­nei­ra­men­te. Ao fi­car­mos sen­ta­dos mui­tas ho­ras por dia, pre­ju­di­ca­mos a cir­cu­la­ção e a pos­tu­ra.

O in­di­ca­do é se me­xer a ca­da 30 ou 40 mi­nu­tos. Um es­tu­do da Uni­ver­si­da­de de Li­ver­po­ol (In­gla­ter­ra) di­vul­ga­do em abril re­ve­lou que, em ape­nas du­as se­ma­nas de uma ro­ti­na de es­cri­tó­rio-so­fá, os ín­di­ces já in­di­ca­vam au­men­to do ris­co de di­a­be­tes ti­po 2, do­en­ças car­día­cas e acidente vas­cu­lar ce­re­bral (AVC).

A re­vis­ta bri­tâ­ni­ca “The Lan­cet” pu­bli­cou um es­tu­do fei­to com pes­so­as aci­ma dos 45 anos, nos Es­ta­dos Uni­dos, Eu­ro­pa Oci­den­tal e Aus­trá­lia, que pas­sa­vam cer­ca de oi­to ho­ras sen­ta­das. En­tre os que não pra­ti­ca­vam ne­nhu­ma ati­vi­da­de física, a chan­ce de mor­te pre­ma­tu­ra au­men­tou qua­se 10%. Já en­tre os que se exer­ci­ta­vam re­gu­lar­men­te, es­se ín­di­ce caiu pe­la me­ta­de.

“Tal­vez, se nos exer­ci­tás­se­mos co­mo nos­sos an­te­pas­sa­dos fa­zi­am, ho­je não se­ria pre­ci­so usar tan­tos re­mé­di­os”, con­clui Pau­lo Ca­miz.

Le­sões nos jo­e­lhos são um dos pro­ble­mas que a vi­da se­den­tá­ria po­de cau­sar

Ali­men­tos ca­ló­ri­cos so­ma­dos à ina­ção físicafun­ci­o­nam co­mo uma bom­ba­re­ló­gio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.