“FA­LAR DE SUI­CÍ­DIO é FA­LAR DE SAÚ­DE”

Por mais trá­gi­ca e la­men­tá­vel que se­ja a si­tu­a­ção do sui­cí­dio – e é –, pa­ra An­dré Tri­guei­ro, re­por­tar in­for­ma­ções de uti­li­da­de pú­bli­ca po­de re­du­zir o nú­me­ro de ca­sos do gê­ne­ro

Planeta - - SUMARIO - Por Re­na­ta Va­lé­rio de Mes­qui­ta

Pa­ra o jor­na­lis­ta An­dré Tri­guei­ro, au­tor do li­vro “Vi­ver É a Me­lhor Op­ção”, re­por­tar in­ci­den­tes do gê­ne­ro é uma opor­tu­ni­da­de de dar in­for­ma­ção de uti­li­da­de pú­bli­ca que re­me­ta à sua pre­ven­ção

Quan­do três es­tu­dan­tes ti­ram a pró­pria vi­da em um in­ter­va­lo de du­as se­ma­nas, não é pos­sí­vel – nem in­di­ca­do – se ca­lar. Mui­to me­nos quan­do es­ses acontecimentos tra­zem à to­na a es­ta­tís­ti­ca de que o sui­cí­dio é a quar­ta cau­sa de mor­te en­tre jo­vens de 15 a 29 anos no Bra­sil, se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Saú­de. O jor­na­lis­ta An­dré Tri­guei­ro, es­pe­ci­a­li­za­do em meio ambiente e sustentabilidade, de­pa­rou-se com es­sa ques­tão de saú­de pú­bli­ca há qua­se 20 anos e des­de en­tão se de­di­ca a divulgar in­for­ma­ções que fa­çam diferença na pre­ven­ção des­ses in­ci­den­tes. Ele fa­la aqui so­bre seu li­vro “Vi­ver É a Me­lhor Op­ção” (Edi­to­ra Cor­reio Fra­ter­no, 2015) e o pa­pel de ca­da um de nós na pro­te­ção da vi­da.

PLA­NE­TA – Ain­da pre­va­le­ce a ideia de aba­far o as­sun­to por se acre­di­tar que não fa­lar de sui­cí­dio evi­ta no­vos ca­sos? TRI­GUEI­RO – Es­sa agen­da avan­çou mui­to nos úl­ti­mos 20 anos. O ta­bu é re­sul­ta­do da ig­no­rân­cia e da de­sin­for­ma­ção. Fa­lar de sui­cí­dio é fa­lar de saú­de. Te­nho até dú­vi­das se de­vo con­ti­nu­ar a usar a palavra ta­bu pa­ra re­por­tar a for­ma co­mo li­da­mos com o te­ma. Há um ma­nu­al di­ri­gi­do a pro­fis­si­o­nais de im­pren­sa e de produção cul­tu­ral (li­te­ra­tu­ra, ci­ne­ma) re­di­gi­do pe­la Or­ga­ni-

za­ção Mun­di­al da Saú­de so­bre os cui­da­dos a to­mar na abor­da­gem, evi­tan­do os ga­ti­lhos pa­ra não in­cen­ti­var a imi­ta­ção, co­mo no “efei­to Werther” [re­fe­rên­cia ao li­vro de Go­ethe “Os So­fri­men­tos do Jovem Werther”, de 1774; o mé­to­do de sui­cí­dio usa­do pe­lo per­so­na­gem da obra foi re­pe­ti­do por uma sé­rie de ho­mens da épo­ca].

PLA­NE­TA – Dei­xa­mos de fa­lar de sui­cí­dio, mas fa­la­mos mui­to de violência. Is­so afe­ta o âni­mo? TRI­GUEI­RO – Is­so ge­ra de­ses­pe­ran­ça, depressão. A ca­li­bra­gem dos as­sun­tos vi­o­len­tos na mí­dia, quan­do ce­de ao sen­sa­ci­o­na­lis­mo e à ape­la­ção, agra­va es­se es­ta­do de tris­te­za mór­bi­da, que po­de vi­rar uma tris­te­za per­sis­ten­te, que po­de le­var à depressão. Fiz uma ma­té­ria so­bre os efei­tos psi­co­ló­gi­cos da violência no Rio de Ja­nei­ro – há gen­te so­fren­do de depressão, sín­dro­me do pâ­ni­co, fo­bi­as, neu­ro­ses. No li­vro “O Sui­cí­dio”, de 1897, Émi­le Durkheim, um dos pais da so­ci­o­lo­gia, re­co­nhe­ce que o meio em que o in­di­ví­duo es­tá in­se­ri­do afe­ta, pos­to que o sui­cí­dio é mul­ti­fa­to­ri­al.

PLA­NE­TA – O fa­to de a so­ci­e­da­de atu­al se ba­se­ar na “fe­li­ci­da­de obri­ga­tó­ria e cons­tan­te” pi­o­ra a si­tu­a­ção? TRI­GUEI­RO – Is­so es­tá no pa­co­te da so­ci­e­da­de de consumo, que é a di­ta­du­ra da eter­na ale­gria, da eter­na ju­ven­tu­de e da eter­na be­le­za física. O cul­to ao con­su­mis­mo, ao he­do­nis­mo, ao in­di­vi­du­a­lis­mo e a ali­e­na­ção são ini­mi­gos da cons­ci­ên­cia. Os jo­vens têm ain­da a ques­tão da im­pul­si­vi­da­de e do tem­po da con­vi­vên­cia so­ci­al – que pre­pa­ra as pes­so­as pa­ra as ad­ver­si­da­des da vi­da – sen­do sub­traí­do pe­lo uni­ver­so di­gi­tal. A pres­são da cri­se am­bi­en­tal, o aces­so às dro­gas, a de­sa­gre­ga­ção fa­mi­li­ar... To­dos es­ses fa­to­res pe­sam ho­je. As pes­so­as não li­dam bem com a sen­sa­ção de va­zio, com dor e so­fri­men­to. Há um mo­men­to em que pas­sa­mos a per­ce­ber o ris­co de a nos­sa cul­tu­ra não ser sus­ten­tá­vel e promover o au­to­ex­ter­mí­nio. Mas não po­de­mos achar que o sui­cí­dio é pro­ble­ma ape­nas pa­ra pro­fis­si­o­nais da saú­de, psicólogos e psi­qui­a­tras, ou pa­ra go­ver­nos. A pro­te­ção da vi­da é uma atri­bui­ção im­por­tan­te da ci­da­da­nia. Não po­de­mos per­ma­ne­cer in­di­fe­ren­tes à dor do ou­tro. Ela nos diz res­pei­to. As es­ta­tís­ti­cas de sui­cí­dio só re­gre­di­rão quan­do cons­truir­mos a cul­tu­ra da pro­te­ção da vi­da. Ao en­con­trar­mos alguém vi­ven­do uma an­gús­tia ex­tre­ma, po­de­mos e de­ve­mos nos dis­po­ni­bi­li­zar. Per­gun­tar: “Des­cul­pa, pos­so te aju­dar?”. Pa­re­ce pou­co, mas não é.

O Cen­tro de Valorização da Vi­da (CVV) faz mui­to com mui­to pou­co. Ele ofe­re­ce aten­ção, es­cu­ta. São 8 mil aten­di­men­tos por dia, 2 mi­lhões de aten­di­men­tos em 2017 – es­te ano, ca­mi­nha pa­ra 3 mi­lhões. Es­ses nú­me­ros di­zem al­go, por­que o CVV não tem grande divulgação nas mí­di­as.

PLA­NE­TA – Vo­cê é vo­lun­tá­rio do CVV, mas nun­ca aten­deu a um te­le­fo­ne­ma?

TRI­GUEI­RO – Nun­ca fiz o cur­so. Sen­do jor­na­lis­ta, não te­nho a dis­po­ni­bi­li­da­de re­gu­lar – di­as e ho­ras mar­ca­dos – pa­ra aten­der no pos­to. Sou o que cha­mam de “vo­lun­tá­rio co­la­bo­ra­dor”: é quem faz tu­do ao seu al­can­ce pa­ra aju­dar a ins­ti­tui­ção. Nes­ses 19 anos, já fiz al­gu­mas coi­sas. Co­or­de­nei a divulgação no Rio, fiz vá­ri­os me­dia trai­nings pa­ra me­lho­rar a divulgação des­se serviço e ce­do os di­rei­tos au­to­rais de qua­tro de meus li­vros pa­ra o CVV – en­tre eles o “Vi­ver É a Me­lhor Op­ção”.

PLA­NE­TA – Em 2017, o Mi­nis­té­rio da Saú­de “ado­tou” o CVV

AS ES­TA­TÍS­TI­CAS DE SUI­CÍ­DIO Só RE­GRE­DI­RÃO QUAN­DO CONS­TRUIR­MOS A CUL­TU­RA DA PRO­TE­ÇÃO DA VI­DA

tor­nan­do as li­ga­ções gra­tui­tas. An­tes elas eram pa­gas. TRI­GUEI­RO – O CVV exis­te des­de 1962 e cons­truiu re­pu­ta­ção, pres­tí­gio e no­tó­rio sa­ber em co­mo fa­zer o serviço de apoio emo­ci­o­nal e pre­ven­ção do sui­cí­dio, reconhecido co­mo de uti­li­da­de pú­bli­ca. Nos úl­ti­mos anos, o go­ver­no mul­ti­pli­cou os Centros de Aten­ção Psi­cos­so­ci­al (Caps), que na re­de pú­bli­ca têm a fun­ção de aco­lher pes­so­as com vá­ri­as pa­to­lo­gi­as de or­dem men­tal e quem ten­tou o sui­cí­dio ou tem ide­a­ção sui­ci­da. Em 2017, pas­sou a divulgar um re­la­tó­rio so­bre sui­cí­dio no Bra­sil du­ran­te o Se­tem­bro Ama­re­lo, ins­ti­tuí­do em 2016. Com es­sas ações, o Bra­sil afir­ma ao mun­do que tem po­lí­ti­ca pú­bli­ca de pre­ven­ção ao sui­cí­dio. Mas em ge­ral nos­sos médicos sa­em da fa­cul­da­de sem no­ção de co­mo li­dar com es­se pú­bli­co, a pon­to de da­rem “bron­ca” do ti­po: “Da pró­xi­ma vez se­ja mais com­pe­ten­te. Vo­cê es­tá ocu­pan­do o lei­to de alguém que quer vi­ver”. Ain­da es­ta­mos mui­to atra­sa­dos na for­ma­ção de pro­fis­si­o­nais de saú­de.

PLA­NE­TA – O que fez vo­cê co­me­çar a es­tu­dar es­se te­ma? TRI­GUEI­RO – Vou dar du­as res­pos­tas. Uma, rá­pi­da e cor­re­ta: por­que, co­mo jor­na­lis­ta no sé­cu­lo 21, en­ten­di que é uma ques­tão de éti­ca abor­dar com a de­vi­da cla­re­za e ob­je­ti­vi­da­de um te­ma ca­pi­tal que é o fa­to de o sui­cí­dio ser um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca no mun­do in­tei­ro. A ou­tra res­pos­ta: meu pri­mei­ro con­ta­to com o te­ma foi nu­ma reu­nião me­diú­ni­ca. Não sou mé­dium; uma pes­soa pró­xi­ma a mim per­mi­tiu con­ta­to com alguém que que­ria fa­lar co­mi­go. Era um de­sen­car­na­do mui­to en­vol­vi­do no socorro e na as­sis­tên­cia a jo­vens sui­ci­das no pla­no es­pi­ri­tu­al. Ele su­ge­riu que eu, co­mo jor­na­lis­ta, pes­qui­sas­se o te­ma, por­que do la­do de lá não ha­via mui­to o que fa­zer quan­do alguém de­sen­car­na­va pe­lo sui­cí­dio – era im­por­tan­te ten­tar pre­ve­nir aqui. O es­pi­ri­tis­mo tem uma abor­da­gem ci­en­tí­fi­ca des­sa co­mu­ni­ca­ção. Te­mos um pro­to­co­lo de ras­tre­a­men­to. Che­quei a ori­gem da men­sa­gem e quem era o de­sen­car­na­do, por­que ele po­de­ria ser do bem ou do mal ou ter me­nos in­for­ma­ção que vo­cê. Era 1999 e eu nun­ca ou­vi­ra fa­lar que sui­cí­dio era ca­so de saú­de pú­bli­ca. Pe­di no Cen­tro de Do­cu­men­ta­ção da TV Glo­bo uma pes­qui­sa so­bre sui­cí­dio no Bra­sil e no mun­do. Tu­do o que me foi di­to se con­fir­mou. Pes­qui­sei mais e per­ce­bi que es­se é um te­ma mui­to re­jei­ta­do, mal­tra­ta­do na mes­ma pro­por­ção de sua im­por­tân­cia e ur­gên­cia.

PLA­NE­TA – Ter pu­bli­ca­do o li­vro por uma edi­to­ra es­pí­ri­ta afe­ta a re­cep­ti­vi­da­de de­le por pes­so­as de ou­tras re­li­giões? TRI­GUEI­RO – Exis­te o ris­co, mas não acho que is­so se­ja um pro­ble­ma, por­que foi uma ini­ci­a­ti­va co­e­ren­te com quem sou e com as his­tó­ri­as que acho re­le­van­te con­tar so­bre o as­sun­to. A edi­to­ra é pe­que­na, mas foi um ges­to de gra­ti­dão, são ami­gos meus, que me es­ti­mu­la­ram a es­cre­ver o li­vro quan­do eu nem pen­sa­va em fa­zer is­so. Es­ta­mos pró­xi­mos dos 50 mil exem­pla­res ven­di­dos, e re­ce­bo com ale­gria o retorno de pes­so­as que não são es­pí­ri­tas so­bre co­mo o li­vro as aju­dou a aju­dar. A pro­pos­ta do li­vro é promover a pre­ven­ção do sui­cí­dio por meio de in­for­ma­ções cla­ras e ob­je­ti­vas na área da saú­de. Ele não foi escrito pa­ra quem pen­sa em se ma­tar. O úl­ti­mo ca­pí­tu­lo per­mi­te es­sa imer­são nas par­tes que con­si­de­ro mais re­le­van­tes das in­for­ma­ções que alu­dem à re­a­li­da­de do sui­ci­da se­gun­do a dou­tri­na es­pí­ri­ta.

PLA­NE­TA – Co­mo ou­tras re­li­giões tra­tam es­sa ques­tão? TRI­GUEI­RO – As mais importantes re­li­giões e tradições es­pi­ri­tu­a­lis­tas do Oci­den­te e do Ori­en­te – ju­daís­mo, cris­ti­a­nis­mo, as linhas afro-bra­si­lei­ras, bu­dis­mo... – en­ten­dem que em ne­nhu­ma hi­pó­te­se o sui­cí­dio sig­ni­fi­ca alí­vio ou so­lu­ção pa­ra os pro­ble­mas. Até o is­la­mis­mo: ape­sar da con­fu­são cau­sa­da pe­los aten­ta­dos sui­ci­das, os teó­lo­gos mais importantes do Is­lã re­jei­tam ter­mi­nan­te­men­te o sui­cí­dio.

Pa­ra mim, o es­pi­ri­tis­mo é a dou­tri­na que mais de­ta­lhes ofe­re­ce da re­a­li­da­de do sui­ci­da no pla­no es­pi­ri­tu­al. Is­so tam­bém ex­pli­ca meu en­ga­ja­men­to no te­ma. Ten­to fa­zer mi­nha par­te pa­ra as pes­so­as não te­rem es­sa ex­pe­ri­ên­cia. Em­bo­ra a dou­tri­na es­pí­ri­ta não fa­le em pe­nas eter­nas – to­dos te­mos a opor­tu­ni­da­de de re­pa­rar nos­sos er­ros –, tra­ta-se de um so­fri­men­to que con­so­me pre­ci­o­so tem­po e ener­gia. É co­mo dis­se o hu­mo­ris­ta Millôr Fer­nan­des: “Mor­rer é uma coi­sa que se de­ve dei­xar sem­pre pa­ra de­pois”.

O BRA­SIL AFIR­MA TER PO­LÍ­TI­CA PÚ­BLI­CA DE PRE­VEN­ÇÃO AO SUI­CÍ­DIO

Jor­na­lis­ta da TV Glo­bo e da Glo­bo­news, An­dré Tri­guei­ro é colunista da “Fo­lha de S.pau­lo”, pro­fes­sor da PUC-RJ e au­tor do li­vro so­bre sui­cí­dio “Vi­ver É a Me­lhor Op­ção” (Ed. Cor­reio Fra­ter­no, 2015). Es­cre­veu ain­da cin­co obras so­bre sustentabilidade

Cli­ma de violência no Rio de Ja­nei­ro: ori­gem de vá­ri­as do­en­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.