BE­LE­ZA MAJESTOSA

Es­cul­pi­do principalmente pe­lo vento du­ran­te de­ze­nas de mi­lhões de anos, o Grand Canyon, no su­do­es­te dos Es­ta­dos Uni­dos, é considerado com to­da justiça uma das Se­te Ma­ra­vi­lhas Naturais do mun­do

Planeta - - SUMARIO - Por Ma­ri­a­ne Li­ma

Es­cul­pi­do pe­lo vento du­ran­te de­ze­nas de mi­lhões de anos no Ari­zo­na, o

Grand Canyon jus­ti­fi­ca ple­na­men­te sua in­clu­são na lis­ta das Se­te Ma­ra­vi­lhas Naturais do Mun­do

No fil­me “Grand Canyon – An­si­e­da­de de uma Ge­ra­ção”, que o di­re­tor- ro­tei­ris­ta La­wren­ce Kas­dan lan­çou em 1991, o per­so­na­gem Si­mon (vi­vi­do por Danny Glo­ver) diz em cer­to mo­men­to pa­ra o mi­li­o­ná­rio Mack (Kevin Kli­ne) que, nos mo­men­tos mais tur­bu­len­tos de sua exis­tên­cia na su­fo­can­te Los An­ge­les, lem­brar-se de uma vi­si­ta ao Grand Canyon lhe de­vol­via a paz e a tranquilidade. A vi­são da­que­la pai­sa­gem fa­zia com que ele en­ten­des­se que to­dos os seus pro­ble­mas eram mi­nús­cu­los di­an­te da­que­las obras de mi­lhões de anos. Is­so lhe da­va âni­mo pa­ra re­tor­nar e en­fren­tá-los.

O im­pac­to que es­sa in­te­gran­te da lis­ta das Se­te Ma­ra­vi­lhas Naturais do Mun­do cau­sa nos que a vi­si­tam en­con­tra uma ex­pli­ca­ção mais de­ta­lha­da pe­la óti­ca de um dos pais da psi­co­lo­gia trans­pes­so­al, o tche­co ra­di­ca­do nos Es­ta­dos Uni­dos Sta­nis­lav Grof. Pa­ra ele, a be­le­za majestosa do Grand Canyon é um lu­gar ca­paz de ori­gi­nar ex­pe­ri­ên­ci­as de “emer­gên­ci­as es­pi­ri­tu­ais”, de­fi­ni­das co­mo pro­ces­sos com­ple­xos e evo­lu­ti­vos que con­du­zem a um mo­do de vi­da mais re­a­li­za­do e ma­du­ro. Em meio àque­le ce­ná­rio gran­di­o­so, qual­quer pes­soa po­de sen­tir-se em êx­ta­se e li­ga­da a al­go mai­or do que ela mes­ma. En­tre os se­du­zi­dos pe­lo câ­ni­on es­ta­va o pre­si­den­te ame­ri­ca­no The­o­do­re Ro­o­se­velt (1901-1909), um dos prin­ci­pais de­fen­so­res da pre­ser­va­ção do lo­cal e vi­si­tan­te con­tu­maz, tan­to pa­ra ca­çar co­mo apreciar as des­lum­bran­tes vis­tas.

Lo­ca­li­za­do no no­ro­es­te do Ari­zo­na, o Grand Canyon é o re­sul­ta­do de uma no­tá­vel obra de ero­são, so­bre­tu­do do vento, na ári­da ba­cia do rio Co­lo­ra­do, um cur­so d’água que nas­ce no es­ta­do do mes­mo no­me e, de­pois de 2.330 quilô­me­tros, de­sá­gua no Golfo da Ca­li­fór­nia, já em ter­ri­tó­rio me­xi­ca­no. O câ­ni­on, o mai­or da Ter­ra, tem 446km de com­pri­men­to e 29km de lar­gu­ra, e sua pro­fun­di­da­de máxima ul­tra­pas­sa 1.800 me­tros. Seu pro­ces­so de for­ma­ção, que te­ria si­do iniciado cer­ca de 70 mi­lhões de anos atrás, ex­põe mo­men­tos da his­tó­ria ge­o­ló­gi­ca da Ter­ra ocor­ri­dos há 2 bilhões de anos.

AS DIFICULDADES PA­RA EX­PLO­RAR A RE­GIÃO DO C­NI­ON SÃO TÃO GRAN­DES QUE A PRI­MEI­RA EX­PE­DI­ÇÃO COM­PLE­TA CHE­GOU Lá SO­MEN­TE EM 1869

In­dí­ge­nas nor­te-ame­ri­ca­nos têm ocu­pa­do a área do câ­ni­on e su­as ca­ver­nas des­de 2100 an­tes de Cris­to. A tri­bo pu­e­blo, a pro­pó­si­to, con­si­de­ra­va o lo­cal um sítio sa­gra­do e re­a­li­za­va pe­re­gri­na­ções até lá. Os ho­mens bran­cos só che­ga­ram ao Grand Canyon em 1540: era um gru­po de es­pa­nhóis da ex­pe­di­ção de Fran­cis­co de Co­ro­na­do, li­de­ra- do por Gar­cía Ló­pez de Cár­de­nas, que pro­cu­ra­va as mí­ti­cas (e ri­cas) se­te ci­da­des de Ci­bo­la.

EX­PLO­RA­ÇÃO DIFÍCIL

As dificuldades pa­ra ex­plo­rar es­se ter­ri­tó­rio eram tão gran­des que uma ex­pe­di­ção com­ple­ta só che­ga­ria ao lo­cal em 1869. Nes­se ano, o ame­ri­ca­no John Wes­ley Powell e ou­tros no­ve com­pa­nhei­ros saí­ram do es­ta­do do Wyo­ming, ao nor­te, e des­ce­ram pe­lo rio Co­lo­ra­do até a sua foz – só dois in­te­gran­tes do gru­po com­ple­ta­ram a vi­a­gem. Du­as ex­plo­ra­ções pos­te­ri­o­res, em 1871 e 1872, aju­da­ram Powell a ela­bo­rar o li­vro “Ex­plo­ra­ção do Rio Co­lo­ra­do do Oes­te e Seus Tri­bu­tá­ri­os”, o pri­mei­ro do­cu­men­to a re­ve­lar – em tex­to e nas du­as ilustrações fei­tas por Tho­mas Mo­ran – as ri­que­zas ocul­tas naquela re­gião.

A pre­ser­va­ção do lu­gar foi ini­ci­al­men­te pre­te­ri­da em tro­ca do es­ta­be­le­ci­men­to de em­pre­en­di­men­tos econô­mi­cos, co­mo a mi­ne­ra­ção de co­bre, pra­ta, pla­ti­na e ami­an­to. Ape­nas em 1919 sur­giu o Par­que Na­ci­o­nal do Grand Canyon, des­ti­na­do a cui­dar da área e das três re­ser­vas in­dí­ge­nas ali man­ti­das. A ca­da ano, cer­ca de 6 mi­lhões de pes­so­as vi­si­tam a área, o se­gun­do mai­or pú­bli­co en­tre os par­ques na­ci­o­nais ame­ri­ca­nos.

É mais fá­cil chegar ao par­que pe­lo la­do sul, que per­ma­ne­ce aber­to o ano in­tei­ro (o la­do nor­te fi­ca fe­cha­do de me­a­dos de ou­tu­bro a me­a­dos de maio), a par­tir da es­tra­da que sai pró­xi­ma à ci­da­de de Wil­li­ams. Pa­ga-se uma pe­que­na ta­xa pa­ra en­trar, e a par­tir daí há um sem-nú­me­ro de ati­vi­da­des a es­co­lher, des­de sim­ples­men­te apreciar as vis­tas até so­bre­vo­ar a re­gião de helicóptero ou des­cer as en­cos­tas e ex­plo­rar o in­te­ri­or do câ­ni­on, vi­si­tan­do, por exemplo, as re­ser­vas in­dí­ge­nas ali exis­ten­tes ou na­ve­gan­do pe­lo rio Co­lo­ra­do. Pa­ra is­so, na­tu­ral­men­te, é ne­ces­sá­rio pro­gra­mar tu­do com an­te­ce­dên­cia – as aco­mo­da­ções den­tro do câ­ni­on são li­mi­ta­das (e quem quer acam­par precisa de per­mis­são prévia).

Mes­mo pa­ra os que ti­ve­rem pou­co tem­po e só pu­de­rem fi­car nas bor­das da for­ma­ção por al­gu­mas ho­ras, a vi­si­ta já va­le a pe­na. Não há co­mo não se en­can­tar, por exemplo, com a des­lum­bran­te mu­dan­ça de co­res nas en­cos­tas du­ran­te a al­vo­ra­da ou o pôr do sol. Nes­se sim­ples mo­men­to, até mes­mo o tu­ris­ta mais apres­sa­do po­de­rá vi­ver um episódio de emer­gên­cia es­pi­ri­tu­al da­que­les que Sta­nis­lav Grof des­cre­ve.

Si­tu­a­do no Ari­zo­na, o mai­or câ­ni­on da Ter­ra se estende por 446km de com­pri­men­to e 29km de lar­gu­ra às mar­gens do rio Co­lo­ra­do

Vi­a­jar no lom­bo de mu­las é uma das ma­nei­ras tra­di­ci­o­nais de ex­plo­rar o Grand Canyon

Os vo­os a bor­do de he­li­cóp­te­ros per­mi­tem uma vi­são mais abran­gen­te do câ­ni­on

As pa­re­des que cer­cam o rio Co­lo­ra­do na re­gião che­gam a 1.800 me­tros de al­tu­ra

Mes­mo os turistas com pou­co tem­po pa­ra vi­si­tar o lo­cal se en­can­tam com as vis­tas es­pe­ta­cu­la­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.