RE­CUR­SOS DEVASTADOS

A ex­pan­são das ter­ras de­gra­da­das no mun­do já afe­ta 3,2 bilhões de pes­so­as, e com­ba­ter o pro­ces­so é uma ques­tão de al­ta pri­o­ri­da­de po­lí­ti­ca

Planeta - - SUMARIO - Por Unes­co­press

A ex­pan­são das ter­ras de­gra­da­das no mun­do já afe­ta 3,2 bilhões de pes­so­as, e com­ba­ter o pro­ces­so é uma ques­tão de al­ta pri­o­ri­da­de po­lí­ti­ca

agra­va­men­to da de­gra­da­ção do so­lo cau­sa­da pe­la ati­vi­da­de hu­ma­na es­tá mi­nan­do o bem- es­tar de 40% da hu­ma­ni­da­de, le­van­do es­pé­ci­es à ex­tin­ção e in­ten­si­fi­can­do as mudanças cli­má­ti­cas. É tam­bém um dos prin­ci­pais mo­ti­vos pa­ra a mi­gra­ção hu­ma­na em mas­sa e o au­men­to de con­fli­tos, se­gun­do a pri­mei­ra ava­li­a­ção mun­di­al abran­gen­te so­bre de­gra­da­ção e res­tau­ra­ção da ter­ra. Os pe­ri­gos des­sa de­gra­da­ção (que cus­ta­ram o equi­va­len­te a cer­ca de 10% do pro­du­to bru­to anu­al mun­di­al em 2010 atra­vés da per­da de bi­o­di­ver­si­da­de e ser­vi­ços ecos­sis­tê­mi­cos) e uma lis­ta de op­ções corretivas são de­ta­lha­dos pa­ra os for­mu­la­do­res de po­lí­ti­cas em um re­la­tó­rio tri­e­nal fei­to por mais de 100 es­pe­ci­a­lis­tas de 45 paí­ses, lan­ça­do em mar­ço. A obra foi pro­du­zi­da pe­la Pla­ta­for­ma In­ter­go­ver­na­men­tal so­bre Bi­o­di­ver­si­da­de e Ser­vi­ços Ecos­sis­tê­mi­cos (IPBES, na si­gla em in­glês), que tem 129 es­ta­dos mem­bros e qua­tro par­cei­ros ins­ti­tu­ci­o­nais da ONU: Unes­co, Pnu­ma, FAO e Pnu­de.

“A de­gra­da­ção da ter­ra, a per­da de bi­o­di­ver­si­da­de e as mudanças cli­má­ti­cas são três fa­ces di­fe­ren­tes do mes­mo de­sa­fio cen­tral: o im­pac­to ca­da vez mais pe­ri­go­so de nossas es­co­lhas na saú­de de nos­so ambiente na­tu­ral”, afir­ma Sir Ro­bert Wat­son, pre­si­den­te do IPBES. “Não po­de­mos nos dar ao lu­xo de en­fren­tar qual­quer uma des­sas três ame­a­ças iso­la­da­men­te – ca­da uma de­las me­re­ce a mais al­ta pri­o­ri­da­de po­lí­ti­ca e de­ve ser abor­da­da em con­jun­to.”

A rá­pi­da ex­pan­são e o ma­ne­jo in­sus­ten­tá­vel de ter­ras agrí­co­las e pas­ta­gens cons­ti­tu­em o mais am­plo in­di­ca­dor glo­bal di­re­to da de­gra­da­ção da ter­ra, cau­san­do per­da sig­ni­fi­ca­ti­va de bi­o­di­ver­si­da­de e ser­vi­ços ecos­sis­tê­mi­cos – se­gu­ran­ça ali­men­tar, pu­ri­fi­ca­ção da água, for­ne­ci­men­to de ener­gia e ou­tras con­tri­bui­ções da na­tu­re­za es­sen­ci­ais às pes­so­as. Is­so atin­giu ní­veis crí­ti­cos em mui­tas par­tes do mun­do, diz o re­la­tó­rio. Se­gun­do os au­to­res, a de­gra­da­ção da ter­ra se re­ve­la de vá­ri­as for­mas: aban­do­no da ter­ra, re­du­ção das po­pu­la­ções de es­pé­ci­es sil­ves­tres, per­das de so­lo, da saú­de do so­lo, de pra­da­ri­as e de água do­ce, bem co­mo des­ma­ta­men­to.

CON­SU­MIS­MO

Os im­pul­si­o­na­do­res sub­ja­cen­tes da de­gra­da­ção da ter­ra, se­gun­do o re­la­tó­rio, são os es­ti­los de vi­da de al­to consumo nos paí­ses mais de­sen­vol­vi­dos, ali­a­dos ao au­men­to do consumo nas eco­no­mi­as emer­gen­tes e em de­sen­vol­vi­men­to. O al­to e cres­cen­te consumo per ca­pi­ta, am­pli­fi­ca­do pe­lo cres­ci­men­to con­tí­nuo da po­pu­la­ção em mui­tas par­tes do mun­do, po­de le­var a ní­veis in­sus­ten­tá­veis de ex­pan­são agrí­co­la, uso de re­cur­sos naturais e ex­tra­ção mi­ne­ral e ur­ba­ni­za­ção – em ge­ral le­van­do a mai­o­res ní­veis de de­gra­da­ção da ter­ra.

Em 2014, mais de 1,5 bi­lhão de hec­ta­res de ecos­sis­te­mas naturais ha­vi­am si­do con­ver­ti­dos em ter­ras agrí­co­las. Me­nos de 25% da su­per­fí­cie da Ter­ra es­ca­pou de im­pac­tos subs­tan­ci­ais da ati­vi­da­de hu­ma­na – e até 2050, os es­pe­ci­a­lis­tas do IPBES es­ti­mam que es­se ín­di­ce caia pa­ra me­nos de 10%.

As ter­ras de cul­ti­vo e pas­ta­gens co­brem ago­ra mais de um ter­ço da su­per­fí­cie ter­res­tre, com a re­cen­te per­da de ha- bi­tats na­ti­vos, co­mo flo­res­tas, pra­da­ri­as e zo­nas úmi­das, con­cen­tra­dos em al­guns dos ecos­sis­te­mas mais ri­cos em es­pé­ci­es do pla­ne­ta.

Po­de-se evi­tar a ex­pan­são agrí­co­la adi­ci­o­nal em ha­bi­tats na­ti­vos por meio de au­men­tos de pro­du­ti­vi­da­de nas ter­ras agrí­co­las exis­ten­tes, mudanças pa­ra di­e­tas me­nos de­gra­dan­tes (co­mo aque­las com mais ve­ge­tais e me­nos pro­teí­na ani­mal de fon­tes in­sus­ten­tá­veis) e re­du­ções na per­da e no des­per­dí­cio de ali­men­tos.

Da­da a im­por­tân­cia das fun­ções de ab­sor­ção e ar­ma­ze­na­men­to de car­bo­no do so­lo, pre­ve­nir, re­du­zir e re­ver­ter a de­gra­da­ção da ter­ra po­de­ria pro­pi­ci­ar mais de um ter­ço das ati­vi­da­des mais efe­ti­vas de mi­ti­ga­ção de ga­ses-es­tu­fa até 2030 pa­ra man­ter o aquecimento glo­bal sob o li­mi­te de 2°C fi­xa­do no Acor­do de Pa­ris, au­men­tar a se­gu­ran­ça ali­men­tar e hí­dri­ca e con­tri­buir pa­ra evi­tar con­fli­tos e mi­gra­ções.

Há tam­bém vá­ri­os exem­plos bem­su­ce­di­dos de res­tau­ra­ção de ter­ras. Por exemplo, prá­ti­cas e téc­ni­cas tes­ta­das são im­ple­men­ta­das em mui­tas Re­ser­vas da Bi­os­fe­ra, áre­as que pro­mo­vem so­lu­ções que con­ci­li­am a con­ser­va­ção da bi­o­di­ver­si­da­de com seu uso sus­ten­tá­vel.

Áre­as des­ma­ta­das pa­ra a agri­cul­tu­ra na Amazô­nia: per­da de bi­o­di­ver­si­da­de e ser­vi­ços ecos­sis­tê­mi­cos

Consumo in­ten­si­vo: es­tí­mu­lo sub­ja­cen­te pa­ra a de­gra­da­ção dos so­los

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.