LO­GÍS­TI­CA REVERSA E SUSTENTABILIDADE

Planeta - - PLANETÁRIO - Ni­lo Ci­ni Ju­ni­or Ni­lo Ci­ni Ju­ni­or é em­pre­sá­rio e pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to de Lo­gís­ti­ca Reversa (ILOG)

Nos úl­ti­mos anos, a sustentabilidade se tor­nou um dos te­mas mais dis­cu­ti­dos no se­tor em­pre­sa­ri­al. Is­so é fru­to, principalmente, da cons­ci­en­ti­za­ção so­ci­al. O ser hu­ma­no es­tá ca­da vez mais cer­to de que os re­cur­sos naturais que uti­li­za são fi­ni­tos. Des­sa ma­nei­ra, se não nos pre­o­cu­par­mos com o pla­ne­ta, as pró­xi­mas ge­ra­ções es­ta­rão ame­a­ça­das. O tri­pé re­du­zir, reu­ti­li­zar e re­ci­clar é uma ten­dên­cia ca­da vez mais pre­sen­te em nos­sa so­ci­e­da­de.

Se­guin­do es­sa ten­dên­cia, o con­cei­to de lo­gís­ti­ca reversa tam­bém se transformou em uma fer­ra­men­ta fun­da­men­tal pa­ra a sustentabilidade no se­tor em­pre­sa­ri­al. De acor­do com a Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Re­sí­du­os Só­li­dos (PNRS), lo­gís­ti­ca reversa é um ins­tru­men­to de de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co e so­ci­al ca­rac­te­ri­za­do por um con­jun­to de ações, pro­ce­di­men­tos e mei­os des­ti­na­dos a vi­a­bi­li­zar a co­le­ta e a res­ti­tui­ção dos re­sí­du­os só­li­dos ao se­tor em­pre­sa­ri­al, pa­ra re­a­pro­vei­ta­men­to, em seu ci­clo ou em ou­tros ci­clos pro­du­ti­vos, ou ou­tra des­ti­na­ção fi­nal am­bi­en­tal­men­te ade­qua­da.

Com leis re­la­ci­o­na­das às ques­tões am­bi­en­tais mui­to mais rí­gi­das, as em­pre­sas e in­dús­tri­as bra­si­lei­ras se vi­ram na obri­ga­ção de de­sen­vol­ver pro­je­tos vol­ta­dos à lo­gís­ti­ca reversa. A Lei 12.305/2010 obriga os fa­bri­can­tes e dis­tri­bui­do­res a re­co­lher as em­ba­la­gens usa­das. Ho­je em dia já não bas­ta re­a­pro­vei­tar e re­mo­ver os re­fu­gos do pro­ces­so de produção. O fa­bri­can­te é res­pon­sá­vel por to­das as eta­pas até o fim da vi­da útil do pro­du­to. Por is­so, a lo­gís­ti­ca reversa es­tá ca­da vez mais pre­sen­te nas ope­ra­ções das em­pre­sas. O in­ves­ti­men­to pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de em­ba­la­gens mais sus­ten­tá­veis, re­tor­ná­veis ou des­car­tá­veis, vem pro­mo­ven­do não só a que­da do pe­so dos re­ci­pi­en­tes, que já co­la­bo­ram pa­ra a re­du­ção do im­pac­to am­bi­en­tal, mas tam­bém a di­mi­nui­ção dos cus­tos de in­dus­tri­a­li­za­ção, por se­rem mais le­ves. Ou­tro pon­to fa­vo­rá­vel fi­ca por con­ta do crédito pe­ran­te a opi­nião pú­bli­ca, já que as em­pre­sas de­mons­tram que tam­bém se pre­o­cu­pam com o meio ambiente.

Há mui­to des­per­dí­cio nos pro­ces­sos tan­to in­dus­tri­ais co­mo de co­le­ta se­le­ti­va. A lo­gís­ti­ca reversa pos­si­bi­li­ta a reu­ti­li­za­ção des­se ma­te­ri­al ou, se is­so não for pos­sí­vel, o des­car­te cor­re­to do mes­mo. Des­se mo­do, as em­pre­sas têm se es­for­ça­do pa­ra rein­te­grar os re­sí­du­os nos pro­ces­sos pro­du­ti­vos ori­gi­nais, mi­ni­mi­zan­do as subs­tân­ci­as des­car­ta­das na na­tu­re­za e re­du­zin­do o uso de re­cur­sos naturais. Fa­bri­can­tes de be­bi­das, por exemplo, têm ge­ren­ci­a­do o retorno das gar­ra­fas des­de os pon­tos de ven­da até os centros de dis­tri­bui­ção.

Em uma pes­qui­sa fei­ta com a ca­deia de su­pri­men­tos de cer­ve­jas e re­fri­ge­ran­tes, em que os in­te­gran­tes ter­cei­ri­za­ram o pro­ces­so de co­le­ta e retorno de em­ba­la­gens usa­das pa­ra re­ci­cla­gem, foi ob­ti­da uma eco­no­mia anu­al de mais de US$ 11 mi­lhões. Ambos os la­dos se be­ne­fi­ci­am com a lo­gís­ti­ca reversa. O con­su­mi­dor aten­de sua cons­ci­ên­cia eco­ló­gi­ca, re­cu­pe­ran­do par­te do va­lor do pro­du­to, en­quan­to a em­pre­sa fa­bri­ca no­vos pro­du­tos com me­nos cus­tos e in­su­mos. Quem es­tá no meio des­sa ca­deia tam­bém se be­ne­fi­cia, já que no­vas opor­tu­ni­da­des de ne­gó­cio são ge­ra­das e há uma in­ser­ção mai­or no mercado de tra­ba­lho pa­ra uma par­ce­la mar­gi­na­li­za­da da so­ci­e­da­de.

Fi­ca evi­den­te que a lo­gís­ti­ca reversa é uma for­ma efi­ci­en­te de re­cu­pe­rar os pro­du­tos e ma­te­ri­ais des­car­ta­dos das em­pre­sas. Atu­al­men­te, as em­pre­sas mo­der­nas já en­ten­de­ram que, além de lu­cra­ti­vi­da­de, é ne­ces­sá­rio aten­der aos in­te­res­ses sociais, am­bi­en­tais e go­ver­na­men­tais, pa­ra atin­gir a sustentabilidade. É pre­ci­so sa­tis­fa­zer os sta­kehol­ders – go­ver­nos, co­mu­ni­da­de, aci­o­nis­tas, cli­en­tes, fun­ci­o­ná­ri­os e for­ne­ce­do­res –, que ava­li­am a em­pre­sa por di­fe­ren­tes ân­gu­los. A lo­gís­ti­ca reversa ain­da es­tá em di­fu­são no Bra­sil, apli­ca­da por ora so­men­te por em­pre­sas de grande e mé­dio por­te. O po­ten­ci­al de cres­ci­men­to nos pró­xi­mos anos, po­rém, é mui­to pro­mis­sor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.