Passamos a AMAR o que po­de ser NOSSO FIM GEOLÓGICO

Os se­res hu­ma­nos já são uma for­ça ge­o­ló­gi­ca ca­paz de pa­ra­li­sar uma era gla­ci­al e oca­si­o­nar ou­tra gran­de extinção da vi­da nos próximos sé­cu­los. Po­de não ser fácil, mas, co­mo lem­bra o his­to­ri­a­dor indiano, não é tar­de de­mais pa­ra mu­dar o ru­mo

Planeta - - EU OLHAR PLANETA - Por Shi­raz Sidh­va, pa­ra o Unesco Cou­ri­er

O sr. dis­se que ex­pli­ca­ções an­tro­po­gê­ni­cas da mudança cli­má­ti­ca sig­ni­fi­cam o co­lap­so da an­ti­ga dis­tin­ção hu­ma­nis­ta en­tre his­tó­ria hu­ma­na e his­tó­ria na­tu­ral. Po­de­ria se apro­fun­dar no te­ma?

CHA­KRA­BARTY – Até re­cen­te­men­te, pen­sá­va­mos na his­tó­ria hu­ma­na me­ra­men­te em ter­mos de his­tó­ria do­cu­men­ta­da, o que re­mon­ta a al­guns mil anos. Mas a ci­ên­cia da mudança cli­má­ti­ca exi­giu que pen­sás­se­mos so­bre o papel dos se­res hu­ma­nos na his­tó­ria do pla­ne­ta des­de que apa­re­ce­mos. Foi pre­ci­so en­ten­der quais eram os pro­ces­sos pla­ne­tá­ri­os e co­mo o pla­ne­ta tem con­se­gui­do man­ter não apenas o cli­ma, que nos é fa­vo­rá­vel, mas tam­bém o oxi­gê­nio a 21% da atmosfera por qua­se 600 mi­lhões de anos. Qu­an­to mais leio so­bre a ci­ên­cia da mudança cli­má­ti­ca, ge­o­lo­gia e bi­o­lo­gia, mais per­ce­bo quão tar­de che­ga­mos na his­tó­ria da evo­lu­ção. E is­so não de for­ma aci­den­tal, já que cri­a­tu­ras com­ple­xas co­mo os hu­ma­nos po­de­ri­am sur­gir apenas tar­di­a­men­te nes­sa his­tó­ria. O pla­ne­ta de­sen­vol­veu a vi­da, e su­as con­di­ções se al­te­ra­ram pa­ra aju­dar a man­ter for­mas de vi­da mul­ti­ce­lu­la­res com­ple­xas.

Co­mo mui­tos his­to­ri­a­do­res, eu pen­sa­va no mun­do na­tu­ral co­mo um pa­no de fun­do, on­de os prin­ci­pais ato­res eram hu­ma­nos. O pres­su­pos­to pe­lo qual mui­tos de nós tra­ba­lhá­va­mos

TE­MOS DE AM­PLI­AR NOS­SA VI­SÃO DO SER HU­MA­NO – ES­TA­MOS RE­AL­MEN­TE MU­DAN­DO A FA­CE DA TER­RA DESENVOLVEMOS

–se­gun­do o qual oque importa nahis tó­ria h uma naéo que oshu ma­nos fa­zem uns aos ou­tros – não pa­re­cia fal­so, mas li­mi­ta­do. Mui­to da his­tó­ria con­ta­va dois en­re­dos – co­mo os hu­ma­nos en­fim se li­ber­ta­ram das res­tri­ções im­pos­tas pe­la na­tu­re­za; e co­mo os hu­ma­nos vi­e­ram a pen­sar em se li­ber­tar da opres­são de ou­tros hu­ma­nos.

A his­tó­ria de nos­sa evo­lu­ção tem um papel mui­to im­por­tan­te, mes­mo em nos­sas his­tó­ri­as de cur­to prazo. Por exem­plo, os hu­ma­nos nun­ca po­de­ri­am fa­zer quais­quer ob­je­tos que ma­nu­se­a­mos sem a pre­mis­sa de que te­mos po­le­ga­res opos­tos. Es­sa é uma ques­tão de uma his­tó­ria evo­lu­ti­va mui­to len­ta, que em ge­ral to­ma­mos co­mo cor­re­ta. En­tão, fa­la­ría­mos so­bre os ti­pos de es­pa­das que os mon­góis pro­du­zi­ram, ou os ti­pos de fa­cas usa­dos em Bag­dá – pre­su­min­do que sem­pre há uma mão hu­ma­na ap­ta a em­pu­nhá­las. Es­sa mão tam­bém tem uma his­tó­ria mui­to len­ta – a his­tó­ria da evo­lu­ção.

O sr. diz que, atu­al­men­te, os se­res hu­ma­nos exer­cem uma “for­ça ge­o­ló­gi­ca”. O que sig­ni­fi­ca is­so?

CHA­KRA­BARTY – As ações hu­ma­nas es­tão al­te­ran­do o cli­ma da Ter­ra. Em con­jun­to, exer­ce­mos um ti­po de for­ça tão gran­de que po­de mu­dar o ci­clo ha­bi­tu­al das eras gla­ci­ais se­gui­das por pe­río­dos in­ter­gla­ci­ais, de uns 130 mil anos. De al­gum mo­do, ad­qui­ri­mos o papel de uma for­ça ge­o­ló­gi­ca – gra­ças à nos­sa bus­ca de tec­no­lo­gia, ao cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal e à nos­sa ca­pa­ci­da­de de nos es­pa­lhar­mos pe­lo pla­ne­ta.

Até ago­ra, te­mos pen­sa­do nos hu­ma­nos co­mo agentes bi­o­ló­gi­cos, por­que fa­ze­mos coi­sas com nosso am­bi­en­te e com nós mes­mos, trans­mi­ti­mos do­en­ças, etc. Ago­ra, te­mos de am­pli­ar nos­sa vi­são do ser hu­ma­no – es­ta­mos re­al­men­te al­te­ran­do a fa­ce do pla­ne­ta. E não apenas ela: um dos lu­ga­res da Ter­ra que trans­for­ma­mos, e cu­ja trans­for­ma­ção du­ra­rá mui­to tem­po, são os lei­tos ma­ri- nhos cos­tei­ros – por meio da pes­ca em alto-mar, da mi­ne­ra­ção, etc. Não se­po­de­mais se­pa­ra­ra ação bi­o­ló­gi­ca hu­ma­na­de sua ação ge­o­ló­gi­ca.

Vá­ri­os his­to­ri­a­do­res do lon­go prazo [que pri­o­ri­zam as es­tru­tu­ras his­tó­ri­cas antigas em vez de even­tos mais re­cen­tes] su­ge­ri­ram que, con­for­me desenvolvemos um gran­de cé­re­bro e a tec­no­lo­gia, passamos acres­ce­rem um rit­mo mui­to mais rá­pi­do do que o evo­lu­ti­vo. Eles di­zem que, se ti­vés­se­mos de­sen­vol­vi­do a tec­no­lo­gia de pes­ca em alto-mar no rit­mo nor­mal das mudanças evo­lu­ti­vas, os pei­xes tam­bém te­ri­am tem­po pa­ra apren­der a evi­tar as re­des de ar­ras­to. É fas­ci­nan­te que nos­sa es­pé­cie te­nha co­mo que se ca­ta­pul­ta­do pa­ra fo­ra do ce­ná­rio evo­lu­ti­vo darwi­ni­a­no, apon­to de mui­tos bió­lo­gos di­ze­rem que, nos próximos 300 a 600 anos, po­de­re­mos oca­si­o­na­ra sex­ta gran­de extinção da vi­da.

Por que a his­tó­ria do ca­pi­tal de­ve ser cru­za­da com a his­tó­ria da es­pé­cie hu­ma­na?

CHA­KRA­BARTY – Se quem es­tu­da o ca­pi­ta­lis­mo es­tu­das­se bi­o­lo­gia evo­lu­ti­va, en­con­tra­ria a es­pé­cie Ho­mo sa­pi­ens, ca­paz de in­ven­tar uma so­ci­e­da­de in­dus­tri­al mo­der­na, o ca­pi­ta­lis­mo (ou co­mo se pre­fe­rir cha­má-la), a qual se tor­nou sua es­tra­té­gia pa­ra as­su­mir o con­tro­le do pla­ne­ta e do­mi­nar a vi­da so­bre ele. A dis­se­mi­na­ção dos hu­ma­nos pe­la Ter­ra só foi pos­sí­vel nos úl­ti­mos mi­lha­res de anos. O ca­pi­ta­lis­mo não é tão an­ti­go qu­an­to nós, mas se ob­ser­var­mos o que ocor­reu com a che­ga­da das gran­des ca­ra­ve­las, e de­pois os bar­cos a va­por, no­ta­re­mos que a Eu­ro­pa dis­tri­buiu sua po­pu­la­ção pe­lo mun­do. Des­sa for­ma, al­guém não po­de­ria ar­gu­men­tar que o ca­pi­ta­lis­mo foi a es­tra­té­gia da es­pé­cie pa­ra do­mi­nar o pla­ne­ta? Is­so sig­ni­fi­ca a di­fe­ren­ci­a­ção en­tre pes­so­as ri­cas e po­bres, con­cor­do, mas tan­to ri­cos qu­an­to po­bres são mem­bros da es­pé­cie.

Po­de ex­pli­car sua afir­ma­ção de que “os po­bres par­ti­ci­pam des­sa his­tó­ria com­par­ti­lha­da da evo­lu­ção hu­ma­na tan­to qu­an­to os ri­cos”?

CHA­KRA­BARTY – Su­ge­ri que a his­tó­ria da po­pu­la­ção per­ten­ce a du­as his­tó­ri­as si­mul­tâ­ne­as: a his­tó­ria da modernização, de pro­gra­mas de saú­de pú­bli­ca, re­mé­di­os mo­der­nos in­cluin­do an­ti­bió­ti­cos (pa­ra cu­ja pro­du­ção os com­bus­tí­veis fós­seis con­tri­bu­em), er­ra­di­ca­ção de pan­de­mi­as, epi­de­mi­as e fome, etc.; e a da es­pé­cie hu­ma­na. Co­mo al­guém po­de­ria ne­gar que mes­mo os hu­ma­nos po­bres per­ten­cem à es­pé­cie Ho­mo sa­pi­ens? Eles não são parte da nos­sa his­tó­ria evo­lu­ti­va?

Nun­ca, na his­tó­ria da vi­da bi­o­ló­gi­ca da Ter­ra, hou­ve uma es­pé­cie ca­paz de se dis­se­mi­nar pe­lo mun­do – is­so ocor­reu há mi­lha­res de anos, mui­to an­tes de exis­tir po­bre­za ge­ne­ra­li­za­da – co­mo fi­ze­ram os hu­ma­nos, e que tam­bém che­gou ao to­po da ca­deia ali­men­tar em um pe­río­do evo­lu­ti­vo tão cur­to. Se con­se­guir­mos me­lho­rar a vi­da de 7 bi­lhões ou, em al­gum mo­men­to, de 9 bi­lhões de pes­so­as, a pressão so­bre a bi­os­fe­ra apenas au­men­ta­rá. Con­tu­do, es­se não é um ar­gu­men­to con­tra me­lho­rar a vi­da dos po­bres.

Ten­tei mos­trar em meu trabalho a im­pli­ca­ção do de­se­jo da mai­o­ria dos hu­ma­nos de in­dus­tri­a­li­zar e mo­der­ni­zar. Lí­de­res do Ter­cei­ro Mun­do nos anos 1950 e 1960, co­mo Jawahar­lal Neh­ru (Ín­dia) e Ga­mal Ab­del Nas­ser (Egi­to), que­ri­am mo­der­ni­zar seus paí­ses – não co­mo pes­so­as apenas fas­ci­na­das pe­la tec­no­lo­gia, mas por pen­sa­rem ser o mais éti­co a fa­zer. O fo­co de pen­sa­do­res po­lí­ti­cos des­de os anos 1970 tem es­ta­do nos di­rei­tos hu­ma­nos e na pros­pe­ri­da­de in­di­vi­du­al, sem con­si­de­rar os números. A mudança cli­má­ti­ca e as res­pec­ti­vas pro­po­si­ções ci­en­tí­fi­cas vi­e­ram em um mo­men­to em que es­tá­va­mos des­fru­tan­do des­sas coi­sas que, se­gun­do os ci­en­tis­tas do cli­ma, po­dem pôr em ris­co nos­sa exis­tên­cia no lon­go prazo.

A glo­ba­li­za­ção tem responsabilidade nis­so?

CHA­KRA­BARTY – Nós nos glo­ba­li­za­mos nos úl­ti­mos 30 ou 40 anos, gra­ças às tec­no­lo­gi­as de co­nec­ti­vi­da­de. To­dos gos­ta­mos de po­der nos co­mu­ni­car com en­tes que­ri­dos do ou­tro la­do do mun­do no dia a dia, ou de vo­ar pe­lo mun­do em ques­tão de ho­ras.

A his­tó­ria da glo­ba­li­za­ção sig­ni­fi­ca que, na ver­da­de, passamos a amar o que po­de vir a ser nosso fim geológico – a ca­pa­ci­da­de de cau­sar im­pac­tos no pla­ne­ta em gran­de es­ca­la. Con­tu­do, em ter­mos de nos­sas ex­pe­ri­ên­ci­as de vi­da, ve­mos is­so co­mo uma con­di­ção pa­ra a pros­pe­ri­da­de hu­ma­na.

Exis­te uma inér­cia na­tu­ral em nós, fru­to de vín­cu­los his­tó­ri­cos – às ins­ti­tui­ções, às es­tru­tu­ras fa­mi­li­a­res, à glo­ba­li­za­ção –, e tu­do que so­mos ca­pa­zes de pen­sar é em ter­mos de 70 a 80 anos, no má­xi­mo. Is­so di­fi­cul­ta mui­to nos unir­mos e agir­mos de mo­do sin­cro­ni­za­do pa­ra com­ba­ter a mudança cli­má­ti­ca. Além dis­so, to­dos os paí­ses es­tão de­di­ca­dos a su­as pró­pri­as agen­das de de­sen­vol­vi­men­to.

Já que não so­mos os mes­tres e do­nos da na­tu­re­za, que ti­po de his­tó­ria o sr. su­ge­re que con­te­mos?

CHA­KRA­BARTY – A de que aqui es­tá um pla­ne­ta que, por nos­sa sorte, de­sen­vol­veu for­mas de vi­da com­ple­xas. Ago­ra sa­be­mos que há um sis­te­ma cli­má­ti­co pla­ne­tá­rio, que os pro­ces­sos pla­ne­tá­ri­os – ge­o­bi­o­ló­gi­cos e quí­mi­cos – são im­por­tan­tes pa­ra a so­bre­vi­vên­cia da vi­da com­ple­xa co­mo a nos­sa. Por exem­plo, se vo­cê des­truir o so­lo, ele pre­ci­sa­rá de mi­lhões de anos pa­ra se re­ge­ne­rar.

As­sim, de­ve­mos en­con­trar um es­ti­lo de vi­da ra­ci­o­nal, in­te­li­gen­te e sem tan­to consumo. Pre­ci­sa­mos en­con­trar for­mas ra­ci­o­nais, de­mo­crá­ti­cas, não vi­o­len­tas e fa­vo­rá­veis aos po­bres de re­du­zir a po­pu­la­ção. Co­mo che­gar lá é a ques­tão mais di­fí­cil. É im­por­tan­te re­co­nhe­cer nos­sas con­tra­di­ções – en­tre o que de­se­ja­mos no mo­men­to e nosso co­nhe­ci­men­to so­bre a mudança cli­má­ti­ca.

O sr. dis­se que uma cri­se é um bom mo­men­to pa­ra re­no­var a cri­a­ti­vi­da­de.

CHA­KRA­BARTY – À me­di­da que a cri­se se agra­va, as res­pos­tas cri­a­ti­vas a ela sur­gi­rão. Acre­di­to que ha­ve­rá lí­de­res ca­ris­má­ti­cos, co­mo Mahat­ma Gandhi, que rom­pe­rão os gri­lhões do con­su­mis­mo e nos ins­pi­ra­rão.

SO­MOS CA­PA­ZES DE PEN­SAR EM TER­MOS DE 70 A 80 ANOS NO MÁ­XI­MO

His­to­ri­a­dor nas­ci­do em Kol­ka­ta (Ín­dia), Di­pesh Cha­kra­barty trabalha des­de 1995 na Uni­ver­si­da­de de Chi­ca­go (EUA). En­tre seus li­vros es­tão “Pro­vin­ci­a­li­zing Eu­ro­pe” (2000) e “Ha­bi­ta­ti­ons of Mo­der­nity: Es­says in the Wa­ke of Su­bal­tern Stu­di­es” (2002)

A pes­ca em alto-mar trans­for­ma o lei­to ma­ri­nho

Pre­ci­sa­mos de um es­ti­lo de vi­da mais sim­ples e me­nos con­su­mis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.