SO­LU­ÇÃO PROBLEMÁTICA

A pe­cuá­ria é uma das prin­ci­pais fon­tes de pro­teí­na pa­ra a ali­men­ta­ção hu­ma­na. Mas em mui­tos lu­ga­res ela es­tá as­so­ci­a­da tam­bém a sé­ri­os pro­ble­mas am­bi­en­tais, co­mo des­ma­ta­men­to, emis­são de ga­ses-es­tu­fa e per­da de ha­bi­tats

Planeta - - OS PLANETA - Por Eva­nil­do da Sil­vei­ra

Ei­ne­gá­vel que a pro­teí­na ani­mal, com destaque pa­ra a car­ne (há tam­bém ovos e lei­te, por exem­plo) – prin­ci­pal­men­te a co­zi­da ou as­sa­da –, foi uma das prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­lo cé­re­bro de­sen­vol­vi­do que o Ho­mo sa­pi­ens pos­sui hoje. A prin­cí­pio oriun­da da ca­ça, sua dis­po­ni­bi­li­da­de au­men­tou ex­po­nen­ci­al­men­te com a do­mes­ti­ca­ção de ani­mais, co­mo os bo­vi­nos, ini­ci­a­da há cer­ca de 10 mil anos. Des­de en­tão, a pe­cuá­ria não pa­rou de crescer. Hoje, se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Ali­men­ta­ção e a Agri­cul­tu­ra (FAO), ela res­pon­de por 40% do va­lor glo­bal da pro­du­ção agrí­co­la e pe­los mei­os de sub­sis­tên­cia e se­gu­ran­ça ali­men­tar de 1,3 bi­lhão de pes­so­as. Mas is­so tem um pre­ço am­bi­en­tal mui­to gran­de, que in­clui des­ma­ta­men­tos, consumo ex­ces­si­vo de água, po­lui­ção am­bi­en­tal, emis­são de ga­ses do efeito es­tu­fa e per­da da bi­o­di­ver­si­da­de na­tu­ral.

Os números atu­ais da agro­pe­cuá­ria im­pres­si­o­nam. O se­tor em­pre­ga mais de 26% dos tra­ba­lha­do­res do mun­do, mes­mo sem

in­cluir no cál­cu­lo quem atua ao lon­go da ca­deia pro­du­ti­va da car­ne, co­mo ma­ta­dou­ros, em­pa­co­ta­do­res, dis­tri­bui­do­res e va­re­jis­tas. “A pe­cuá­ria con­tri­bui com 39% da pro­teí­na e 18% da energia con­su­mi­da pe­la po­pu­la­ção hu­ma­na em ní­vel glo­bal, pro­ve­ni­en­te de 17 bi­lhões de ani­mais”, diz o zo­o­tec­nis­ta Pau­lo Cé­sar de Fac­cio Car­va­lho, da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio Gran­de do Sul (UFRGS).

Es­ses números de­ve­rão con­ti­nu­ar a crescer gra­ças, em parte, ao au­men­to do mer­ca­do con­su­mi­dor por cau­sa do in­cre­men­to de­mo­grá­fi­co e da ren­da da po­pu­la­ção. Se­gun­do a FAO, em 2016 fo­ram pro­du­zi­das no mun­do 317 mi­lhões de to­ne­la­das de car­ne, vo­lu­me que de­ve­rá sal­tar pa­ra 465 mi­lhões de to­ne­la­das em 2050. Atingir tais ní­veis de pro­du­ção im­pli­ca pro­ver terras pa­ra o pas­to­reio do ga­do e a plan­ta­ção de for­ra­gens, o que, por sua vez, exi­ge áre­as des­ma­ta­das, água, fer­ti­li­zan­tes e ou­tros in­su­mos.

MUDANÇAS ACELERADAS

É aí que co­me­çam os im­pac­tos am­bi­en­tais da pe­cuá­ria. “Es­sa ati­vi­da­de es­tá cau­san­do e ace­le­ran­do as mudanças cli­má­ti­cas tan­to de for­ma di­re­ta, li­be­ran­do ga­ses de efeito es­tu­fa ao lon­go da ca­deia de pro­du­ção, qu­an­to in­di­re­ta­men­te, de­sen­ca­de­an­do o des­ma­ta­men­to e mudanças de gran­de mon­ta no uso da ter­ra”, diz a bió­lo­ga Pau­la Cals Brüg­ger Neves, do De­par­ta­men­to de Eco­lo­gia e Zo­o­lo­gia da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de San­ta Ca­ta­ri­na (UFSC). “Ela é tam­bém a gran­de res­pon­sá­vel pe­lo em­po­bre­ci­men­to, frag­men­ta­ção e per­da de ha­bi­tats, fa­to­res que li­de­ram a atu­al queda ver­ti­gi­no­sa de bi­o­di­ver­si­da­de.”

Que a pe­cuá­ria cau­sa da­nos am­bi­en­tais pa­re­ce ine­gá­vel. O problema é co­mo me­di-los, quan­ti­fi­cá­los. Di­an­te da per­gun­ta so­bre quais os prin­ci­pais im­pac­tos des­sa ati­vi­da­de no meio am­bi­en­te, o eco­no­mis­ta Antô­nio Már­cio Bu­ai­nain, do Ins­ti­tu­to de

Eco­no­mia da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Cam­pi­nas (Uni­camp), é ca­te­gó­ri­co. “A úni­ca res­pos­ta apro­pri­a­da pa­ra es­sa per­gun­ta é aque­la padrão dos eco­no­mis­tas: de­pen­de”, diz.

Is­so por­que, de acor­do com ele, os im­pac­tos es­tão re­la­ci­o­na­dos a di­ver­sas va­riá­veis. “De que pe­cuá­ria es­ta­mos fa­lan­do?”, per­gun­ta. “On­de é pra­ti­ca­da? Em que bi­o­ma? Que sis­te­ma pro­du­ti­vo é uti­li­za­do? Po­de ter um re­sul­ta­do mui­to ne­ga­ti­vo quan­do im­plan­ta­da em flo­res­tas que pre­ci­sam ser des­ma­ta­das, ou em pas­tos de­gra­da­dos. Mas po­de ter con­sequên­ci­as pe­que­nas quan­do pra­ti­ca­da em pas­tos de ele­va­da qua­li­da­de, que con­tri­bu­em pa­ra se­ques­trar a mai­or parte dos ga­ses de efeito es­tu­fa emi­ti­dos.”

Bu­ai­naim lem­bra que his­to­ri­ca­men­te, pe­lo me­nos no Bra­sil, a pe­cuá­ria ba­se­ou-se em um sis­te­ma ex­ten­si­vo, iti­ne­ran­te, ao lon­go de sé­cu­los. “O gran­de res­pon­sá­vel pe­la ocu­pa­ção do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal foi o boi, que se in­te­ri­o­ri­zou em bus­ca de pas­tos, e o ho­mem foi atrás e po­vo­an­do”, afir­ma. “Es­se mo­do de cri­a­ção é sem­pre pre­da­tó­rio, por­que se ba­seia fun­da­men­tal­men­te no des­ma­ta­men­to da ve­ge­ta­ção ori­gi­nal, se­ja ela mata ou ca­a­tin­ga. Ain­da hoje a ati­vi­da­de, em que pe­sem os no­tá­veis pro­gres­sos re­gis­tra­dos nas úl­ti­mas dé­ca­das, se­gue sen­do ex­ten­si­va e vem con­tri­buin­do pa­ra a der­ru­ba­da de flo­res­tas e pa­ra emis­sões ele­va­das de ga­ses de efeito es­tu­fa.”

DES­MA­TA­MEN­TOS NA CON­TA

Al­guns da­dos da FAO aju­dam a dar uma ideia dos im­pac­tos am­bi­en­tais da pe­cuá­ria. É o ca­so do uso da ter­ra. Es­sa ati­vi­da­de é de lon­ge a que pre­ci­sa de mais es­pa­ço pa­ra se de­sen­vol­ver. A área to­tal ocu­pa­da por pas­ta­gens é equi­va­len­te a 26% da su­per­fí­cie ter­res­tre – sem con­tar a parte co­ber­ta de ge­lo. Por seu la­do, as plan­ta­ções de ali­men­tos re­pre­sen­tam 33% das terras ará­veis. Ao to­do, a pro­du­ção de ga­do re­pre­sen­ta 70% de to­das as áre­as agrí­co­las. No Bra­sil, on­de há mais bois do que pes­so­as – 218 mi­lhões an­te 207 mi­lhões –, as pas­ta­gens ocu­pam cer­ca de 172 mi­lhões de hec­ta­res, além de 31 mi­lhões de hec­ta­res de plan­ta­ções de so­ja, cul­tu­ra li­ga­da à pro­du­ção de car­ne (da­dos de 2015).

Não sur­pre­en­de, por­tan­to, que a pe­cuá­ria se­ja res­pon­sá­vel por gran­de parte dos des­ma­ta­men­tos do país. “Mais de 80% do des­flo­res­ta­men­to no Bra­sil, en­tre 1990 e 2005, foi cau­sa­do pe­la con­ver­são de terras em pas­tos”, diz Pau­la. “Em seis paí­ses ana­li­sa­dos na Amé­ri­ca do Sul, a ex­pan­são das pas­ta­gens cau­sou a per­da de ao me­nos um ter­ço das ma­tas.” Is­so le­va à des­trui­ção de ha­bi­tats e à con­se­quen­te re­du­ção da bi­o­di­ver­si­da­de, pon­do em ris­co ou ex­tin­guin­do mui­tas es­pé­ci­es de ani­mais.

Em ter­mos hí­dri­cos, Pau­la in­for­ma que a agri­cul­tu­ra res­pon­de por 92% do consumo de água do­ce do pla­ne­ta, vo­lu­me do qual qua­se um ter­ço diz res­pei­to à pro­du­tos de ori­gem ani­mal. “Pa­ra pro­du­zir um qui­lo de car­ne bo­vi­na são ne­ces­sá­ri­os 15.400 li­tros; de suí­na, 5.900 li­tros; e de aves (ga­li­nha), 4.300 li­tros”, diz. “Is­so po­de va­ri­ar bas­tan­te, no en­tan­to. No ge­ral, é di­fí­cil afir­mar qual es­pé­cie se­ria a mais im­pac­tan­te, pois is­so vai de­pen­der do ti­po de da­no ana­li­sa­do, da me­to­do­lo­gia apli­ca­da e de par­ti­cu­la­ri­da­des de ca­da ca­deia pro­du­ti­va, co­mo ida­de de aba­te, grau de con­fi­na­men­to, ti­po de ali­men­to (pas­to ou grãos), por exem­plo.”

NÚMEROS CONTESTADOS

Nes­se as­pec­to, Bu­ai­nain con­tes­ta al­guns da­dos am­pla­men­te di­vul­ga­dos, co­mo es­sa ne­ces­si­da­de de mais de 15 mil li­tros de água pa­ra pro­du­zir um qui­lo de car­ne bo­vi­na. “Es­se nú­me­ro é enor­me”, res­sal­ta. “Uma cis­ter­na in­tei­ra, que ga­ran­te abas­te­ci­men­to pa­ra fa­mí­li­as no Se­miá­ri­do du­ran­te al­guns me­ses, pa­ra pro­du­zir apenas 1 qui­lo. Mas não se diz que 93% des­se vo­lu­me é a cha­ma­da água ver­de, pro­ve­ni­en­te das chu­vas, que é in­cor­po­ra­da à pas­ta­gem e à ali­men­ta­ção ani­mal, sem cau­sar ne­nhum da­no ao am­bi­en­te. Ou­tros 4% pro­vêm de re­ser­va­tó­ri­os su­per­fi­ci­ais e sub­ter­râ­ne­os, a cha­ma­da azul, e 3% são da cin­zen­ta, aque­la usa­da pa­ra a di­lui­ção de eflu­en­tes no pro­ces­so de pro­du­ção. O consumo pe­la pe­cuá­ria não co­lo­ca, por­tan­to, ne­nhum ris­co hí­dri­co, e na me­di­da em que o sis­te­ma pro­du­ti­vo vem me­lho­ran­do, até con­tri­bui pa­ra con­ser­var água.”

A li­be­ra­ção de ga­ses do efeito es­tu­fa é ou­tro impacto ne­ga­ti­vo da pe­cuá­ria. A es­ti­ma­ti­va é de que es­sa ati­vi­da­de é res­pon­sá­vel por al­go en­tre 6% e 32% do to­tal das emis­sões no pla­ne­ta. O da­do da FAO pa­ra es­se item fi­ca a meio caminho des­ses ex­tre­mos: 14,5%. A gran­de di­fe­ren­ça en­tre es­ses números es­tá li­ga­da à me­to­do­lo­gia e à ba­se de cál­cu­lo. Se fo­rem con­si­de­ra­das apenas as emis­sões di­re­tas, o ín­di­ce será menor. No ca­so de se­rem in­cluí­das as li­be­ra­ções cau­sa­das pe­la pro­du­ção de for­ra­gens, fer­ti­li­zan­tes, adu­bos, agro­tó­xi­cos e a der­ru­ba­da de flo­res­tas, a ta­xa será mai­or.

Mes­mo di­an­te des­se ce­ná­rio, há es­pa­ço pa­ra oti­mis­mo. “É pre­ci­so le­var em con­ta as mudanças pe­las quais a pe­cuá­ria vem pas­san­do no Bra­sil”, aler­ta Bu­ai­nain. “Em 10 anos, a pro­du­ti­vi­da­de do re­ba­nho bra­si­lei­ro au­men­tou 20%, com apenas 2% de cres­ci­men­to do nú­me­ro de ani­mais. Is­so sig­ni­fi­ca que o impacto por ani­mal vem cain­do de­vi­do à efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va.”

Car­va­lho lem­bra ou­tro as­pec­to. “A cons­ci­ên­cia eco­ló­gi­ca na pro­du­ção agro­pe­cuá­ria é mui­to mai­or que há 20 anos, se­ja no Bra­sil ou no mun­do”, ga­ran­te. “As­sun­tos co­mo os ga­ses do efeito es­tu­fa e o aque­ci­men­to glo­bal ele­va­ram a ques­tão am­bi­en­tal a no­vo pa­ta­mar.” De acor­do com ele, no Bra­sil, em par­ti­cu­lar, to­da a dis­cus­são so­bre le­gis­la­ção e có­di­go flo­res­tal, vem pro­du­zin­do pro­fun­das trans­for­ma­ções com re­la­ção a es­se te­ma. “Es­ta­tís­ti­cas re­cen­tes da Em­bra­pa e da Na­sa con­fir­mam que o país es­tá con­ser­van­do su­as áre­as”, diz. “Cla­ro que há pro­ble­mas, e são mui­tos. Mas mui­to lon­ge do que vía­mos há 20 anos, quan­do der­ru­bar ma­tas e abrir fa­zen­das era o mo­dus ope­ran­di, in­clu­si­ve com apoio go­ver­na­men­tal.”

Ga­do na Amazô­nia: a ati­vi­da­de es­tá bas­tan­te as­so­ci­a­da ao des­ma­ta­men­to

Pro­ces­sa­men­to de car­ne nos EUA: o se­tor res­pon­de por 26% dos em­pre­gos do pla­ne­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.