SO­BRE O DEGELO DA AN­TÁR­TI­DA

Es­tu­do pu­bli­ca­do em ju­nho mos­tra que o rit­mo do der­re­ti­men­to no sex­to con­ti­nen­te tri­pli­cou nos úl­ti­mos cin­co anos – um in­dí­cio pre­o­cu­pan­te em re­la­ção ao ní­vel dos ma­res do pla­ne­ta e a vá­ri­os ou­tros fa­to­res a ele re­la­ci­o­na­dos

Planeta - - MBIENTE - Pe­lo Ob­ser­va­tó­rio do Cli­ma

Otra­ba­lho ci­en­tí­fi­co so­bre mudança cli­má­ti­ca mais im­por­tan­te de 2018 foi pu­bli­ca­do em me­a­dos de ju­nho na re­vis­ta “Na­tu­re”. Ne­le, um gru­po de 84 ci­en­tis­tas de 44 ins­ti­tui­ções es­miu­çou du­as de­ze­nas de sé­ri­es de da­dos de sa­té­li­te pa­ra pro­du­zir uma gran­de es­ti­ma­ti­va do es­ta­do de saú­de do ge­lo da An­tár­ti­da. As con­clu­sões não são na­da bo­as: o con­ti­nen­te bran­co per­deu qua­se 3 tri­lhões de to­ne­la­das de ge­lo en­tre 1992 e 2017. E o rit­mo de per­da tri­pli­cou nos úl­ti­mos cin­co anos.

O es­tu­do in­te­gra um con­jun­to de seis pu­bli­ca­ções, que ava­li­a­ram des­de co­mo a per­da de ge­lo ma­ri­nho ajuda a es­fa­ce­lar as ge­lei­ras an­tár­ti­cas até o rit­mo sem pre­ce­den­tes do acú­mu­lo de ga­ses- es­tu­fa na atmosfera hoje, com­pa­ra­do a amos­tras de ge­lo an­tár­ti­co de 800 mil anos de ida­de. Os ar­ti­gos coin­ci­di­ram com a mai­or as­sem­bleia de ci­en­tis­tas po­la­res do mun­do, o Po­lar 2018, que reu­niu em ju­nho 2.500 pes­qui­sa­do­res em Da­vos, Suíça.

En­ten­da as prin­ci­pais con­clu­sões do es­tu­do nas per­gun­tas e res­pos­tas a se­guir.

1) E SE A AN­TÁR­TI­DA DERRETER?

O man­to de ge­lo que há 34 mi­lhões de anos co­bre o con­ti­nen­te an­tár­ti­co é o mai­or es­to­que de água do­ce da Ter­ra. Cer­ca de 80% da água do mun­do es­tá re­ti­da ali. Se to­da a An­tár­ti­da des­con­ge­las­se, o ní­vel dos oce­a­nos su­bi­ria 58 metros, o que re­pre­sen­ta­ria es­sen­ci­al­men­te o fim das zo­nas cos­tei­ras – que, a pro­pó­si­to, abri­gam a mai­or parte da po­pu­la­ção mun­di­al.

O der­re­ti­men­to to­tal, por en­quan­to, é mui­to im­pro­vá­vel. Mas a por­ção oes­te do con­ti­nen­te (An­tár­ti­da Oci­den­tal) é mui­to vul­ne­rá­vel ao co­lap­so. Ela con­tém cer­ca de 3,3 metros de ele­va­ção do ní­vel do mar equi­va­len­te. É pouco se com­pa­ra­do ao to­tal, mas o bas­tan­te pa­ra re­con­fi­gu­rar o ma­pa-mún­di e pro­du­zir uma on­da de re­fu­gi­a­dos ja­mais vis­ta, da qual ne­nhu­ma re­gião de ne­nhum país do mun­do es­ca­pa­ria. Ci­da­des co­mo Rio de Ja­nei­ro, Re­ci­fe e Santos já en­fren­tam pro­ble­mas de res­sa­ca e ero­são ma­ri­nha hoje, e ci­da­des do li­to­ral pau­lis­ta que es­tão per­den­do praia já co­me­çam a pla­ne­jar sua adap­ta­ção.

2) MAS A AN­TÁR­TI­DA NÃO ES­TA­VA GA­NHAN­DO GE­LO?

Não. Há mui­ta con­fu­são so­bre is­so, por­que o as­sun­to é con­fu­so mes­mo. Ocor­re que exis­tem, gros­so mo­do, três An­tár­ti­das e três ti­pos de ge­lo.

3) A AN­TÁR­TI­DA ES­TÁ

ELE­VAN­DO O NÍ­VEL DO MAR?

Mui­to pouco – por en­quan­to. Em 25 anos, a con­tri­bui­ção do con­ti­nen­te pa­ra a ele­va­ção dos oce­a­nos foi de tí­mi­dos 7,6 mi­lí­me­tros. É qua­se na­da com­pa­ra­do ao degelo da Gro­en­lân­dia, que au­men­ta o ní­vel do mar em qua­se 1mm por ano. O problema é que, no ca­so da An­tár­ti­da, há uma ace­le­ra­ção bru­tal do der­re­ti­men­to, que ten­de a mu­dar es­se qua­dro dras­ti­ca­men­te: an­tes de 2012, a con­tri­bui­ção to­tal do sex­to con­ti­nen­te era de 76 bi­lhões de to­ne­la­das de ge­lo, ou 0,2 mi­lí­me­tro por ano. En­tre 2012 e 2017, ela sal­tou pa­ra 219 bi­lhões de to­ne­la­das, se­gun­do o Im­bie (co­la­bo­ra­ção en­tre ci­en­tis­tas com apoio das agên­ci­as es­pa­ci­ais eu­ro­peia e ame­ri­ca­na) – ou 0,6 mi­lí­me­tro por ano. Um dos es­tu­dos pu­bli­ca­dos em ju­nho na “Na­tu­re” afir­ma que, a per­sis­tir o rit­mo atu­al de emis­sões de ga­ses- es­tu­fa, a An­tár­ti­da te­rá con­tri­buí­do com 27 cen­tí­me­tros pa­ra a ele­va­ção do ní­vel do mar em 2070.

Is­so, cla­ro, se o man­to de ge­lo oci­den­tal não co­lap­sar de re­pen­te. As gran­des ge­lei­ras daquela re­gião, co­mo a Pi­ne Is­land e a Thwai­tes (só a Pi­ne Is­land tem o ta­ma­nho do Ama­pá e me­de 50km de uma pon­ta a ou­tra de sua foz), es­tão apa­ren­te­men­te em mo­do de der­re­ti­men­to des­con­tro­la­do de­vi­do ao aque­ci­men­to do Oce­a­no Aus­tral abai­xo da su­per­fí­cie. É pos­sí­vel, em­bo­ra pouco pro­vá­vel por ora, que elas so­fram es­fa­ce­la­men­to re­pen­ti­no nes­te sé­cu­lo, o que cau­sa­ria um au­men­to qua­se ins­tan­tâ­neo de 3,3 metros no ní­vel do mar.

4) CO­MO OS CI­EN­TIS­TAS

SA­BEM QUE IS­SO é RE­AL?

Me­din­do. O Im­bie com­pa­rou 24 sé­ri­es de da­dos de sa­té­li­te, que usam três abor­da­gens di­fe­ren­tes: uma é a al­ti­me­tria a la­ser, que con­sis­te em lan­çar pul­sos de luz so­bre o ge­lo e me­dir sua al­ti­tu­de com gran­de pre­ci­são. Re­pe­tin­do as me­di­ções ano a ano, é pos­sí­vel de­tec­tar va­ri­a­ções na ele­va­ção cau­sa­das pe­lo degelo. Ou­tra for­ma de me­dir a massa do ge­lo é por meio de gra­vi­me­tria: os sa­té­li­tes gêmeos Gra­ce vo­am per­fei­ta­men­te ali­nha­dos so­bre a Ter­ra; em lu­ga­res on­de há me­nos ge­lo o pu­xão gra­vi­ta­ci­o­nal é menor, e um de­les so­fre um li­gei­ro de­sa­li­nha­men­to, que po­de ser con­ver­ti­do em to­ne­la­das. Uma ter­cei­ra for­ma é usan­do ra­da­res que me­dem a es­pes­su­ra e a ve­lo­ci­da­de do ge­lo.

Igual­men­te for­te é a li­ga­ção en­tre au­men­to de tem­pe­ra­tu­ra e a con­cen­tra­ção de ga­ses de efeito es­tu­fa. As con­cen­tra­ções de gás carbô­ni­co (CO ), me­ta­no (CH ) e óxi­do ni­tro­so (N O) são mai­o­res hoje do que as me­di­das no ge­lo an­tár­ti­co nos úl­ti­mos 800 mil anos. Hoje há 17 lo­cais na An­tár­ti­da de on­de são ex­traí­das amos­tras antigas de ge­lo – e to­das con­tam a mes­ma his­tó­ria so­bre a com­po­si­ção da atmosfera no pas­sa­do.

Mas não apenas is­so: um dos es­tu­dos pu­bli­ca­dos na “Na­tu­re” mos­tra tam­bém que a ta­xa de cres­ci­men­to da con­cen­tra­ção de CO na atmosfera hoje é 20 vezes mai­or do que em qual­quer pe­río­do nos úl­ti­mos 800 mil anos – quan­do va­ri­a­ções na ór­bi­ta da Ter­ra ini­ci­a­ram e ter­mi­na­ram eras do ge­lo.

5) E O QUE SERÁ

DOS PIN­GUINS?

Vão se dar mal, coi­ta­dos. Se­gun­do um dos es­tu­dos de ju­nho, li­de­ra­do pe­lo aus­tra­li­a­no Ste­ve Rin­toul, du­as es­pé­ci­es de pin­guim, o pin­guim-de-adé­lia e o pin­guim-de-bar­bi­cha, te­rão re­du­ções dra­má­ti­cas em su­as po­pu­la­ções em 2070 a per­sis­ti­rem as emis­sões atu­ais. Uma ter­cei­ra es­pé­cie, o pin­guim-de-pa­pua, vai pros­pe­rar num pri­mei­ro mo­men­to e de­pois de­cli­nar.

Mas não são apenas eles: o krill, ba­se da ca­deia ali­men­tar an­tár­ti­ca, vai co­lap­sar de­vi­do à per­da pro­gres­si­va do ge­lo ma­ri­nho, que po­de che­gar a 43% de re­du­ção; ca­ran­gue­jos sub­po­la­res in­va­di­rão o Oce­a­no Aus­tral; e gra­ma nas­ce­rá on­de hoje só há rocha e ge­lo. O nú­me­ro de in­va­sões bi­o­ló­gi­cas será dez vezes mai­or do que hoje, de­ses­ta­bi­li­zan­do um dos ecos­sis­te­mas mais frá­geis da Ter­ra.

Ge­lei­ra Thwai­tes, no man­to de ge­lo oci­den­tal: em mo­do de der­re­ti­men­to des­con­tro­la­do de­vi­do ao aque­ci­men­to do Oce­a­no Aus­tral

1 1. Por ora, o degelo an­tár­ti­co ain­da é pouco sen­ti­do – em 25 anos, ele cau­sou uma ele­va­ção no ní­vel do mar de apenas 7,6 mi­lí­me­tros 2. Ci­da­des li­to­râ­ne­as do Bra­sil, co­mo a pau­lis­ta Santos, te­rão de se adap­tar às no­vas con­di­ções 3. Pin­guins:...

2

3

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.