OÁSIS, O RES­GA­TE DA AL­MA

Quan­do a vi­da pro­fis­si­o­nal e fa­mi­li­ar mais exi­ge de nós é que se ma­ni­fes­ta a im­por­tân­cia sim­bó­li­ca do oásis – o mo­men­to do des­can­so e da re­con­ci­li­a­ção com nos­sa ori­gem e nos­so des­ti­no di­vi­nos

Planeta - - EDITORIAL - Por Luis Pel­le­gri­ni

Quan­do a vi­da mais exi­ge de nós é que se ma­ni­fes­ta a im­por­tân­cia sim­bó­li­ca do oásis – o mo­men­to do des­can­so e da re­con­ci­li­a­ção com nos­sa ori­gem e nos­so des­ti­no di­vi­nos

Des­can­sar após um tem­po de tra­ba­lho in­ten­so é uma ne­ces­si­da­de qua­se sem­pre su­bes­ti­ma­da em nos­sa ci­vi­li­za­ção do pro­gres­so, da pro­du­ti­vi­da­de e do con­su­mo. Es­sa men­ta­li­da­de sui­ci­da de que a vi­da só tem sen­ti­do quan­do se pro­duz, se con­so­me e se acu­mu­lam bens ma­te­ri­ais, quan­do o in­di­ví­duo se mo­vi­men­ta e se agi­ta sem pa­rar, já pro­du­ziu vá­ri­as ca­te­go­ri­as de do­en­ças no­vas e de do­en­tes gra­ves, co­mo os es­tres­sa­dos e os “wor­kaho­lics”, vi­ci­a­dos em tra­ba­lho.

Dei­xo aos psi­có­lo­gos uma apre­ci­a­ção clí­ni­ca a res­pei­to das com­pul­sões in­ter­nas que le­vam tan­tas pes­so­as a vi­ver em per­pé­tua agi­ta­ção fí­si­ca, emo­ci­o­nal e men­tal. Pe­la óti­ca da re­li­gião pe­re­ne – aque­le subs­tra­to de re­li­gi­o­si­da­de en­con­tra­do em to­dos os gran­des sis­te­mas des­sa área –, po­de-se di­zer que tais pes­so­as se com­por­tam des­se mo­do por es­ta­rem dis­so­ci­a­das do seu eu su­pe­ri­or, aque­le nú­cleo mais ín­ti­mo da na­tu­re­za hu­ma­na de on­de ema­na to­da sa­be­do­ria, paz e fe­li­ci­da­de.

O des­can­so, em seu sen­ti­do trans­cen­den­tal, é tão ou mais im­por­tan­te do que o tra­ba­lho. O tem­po do des­can­so é sa­gra­do, pois, co­mo en­si­na a “Bí­blia”,

no sé­ti­mo dia da Cri­a­ção até Deus des­can­sou. O des­can­so, que os po­vos do de­ser­to sim­bo­li­zam na ima­gem do oásis eque os he­breus cha­mam de­sa­bá,éo mo­men­to de re­con­ci­li­a­ção com nos­sa ori­gem e nos­so des­ti­no di­vi­nos. O me­lhor en­si­na­men­to so­bre o significado do binô­mio tra­ba­lho­de scan­so me foi pas­sa­do por um co­mer­ci­an­te de Mar­ra­ke­ch nos anos 1970. Na épo­ca mo­ran­do na Eu­ro­pa e tra­ba­lhan­do no co­mér­cio, eu es­ta­va ali em bus­ca de um lo­te de um dos mais be­los tra­jes fe­mi­ni­nos pro­du­zi­dos no Mar­ro­cos, o “ca­fe­tã de Te­tou­an” – um ca­mi­so­lão de algodão bran­co com um re­fi­na­do bor­da­do em tons de ver­me­lho na al­tu­ra do pei­to.

Só en­con­trei o ar­ti­go no segundo dia de bus­ca no imen­so ba­zar de Mar­ra­ke­ch, nu­ma pe­que­na lo­ja. O pro­pri­e­tá­rio, um mar­ro­qui­no gor­do, de meia-ida­de e ca­ra es­per­ta, me dis­se que ti­nha 40 pe­ças da­que­las. Ele me propôs um pre­ço e ofe­re­ci dez ve­zes me­nos. De con­ces­são em con­ces­são, pas­sa­mos cin­co ho­ras ne­go­ci­an­do. Por du­as ve­zes, de­sis­ti e saí da lo­ja. O mar­ro­qui­no pu­xa­va-me pe­la ca­mi­sa e obri­ga­va-me a en­trar e rei­ni­ci­a­ra ne­go­ci­a­ção. Di­zia não ad­mi­tir per­der tan­tas ho­ras de tra­ba­lhos em che­ga­ra uma con­clu­são. No fim, acor­da­mos um pre­ço que con­si­de­rei jus­to–ame­ta­de do­que foi pe­di­do no iní­cio.

HO­RA DO DES­CAN­SO

Exaus­to, pa­guei e pe­di ao ho­mem que en­tre­gas­se a mer­ca­do­ria no meu ho­tel. Ele me res­pon­deu: “Vo­cê quer ir em­bo­ra ago­ra, de­pois de to­da a ba­ta­lha que tra­va­mos? De mo­do al­gum. Ago­ra che­gou a ho­ra do nos­so des­can­so.” Tran­cou a por­ta da lo­ja, di­zen­do que não tra­ba­lha­ria mais na­que­le dia. Cha­mou um ga­ro­to, seu fi­lho, pas­sou-lhe ins­tru­ções e me le­vou pa­ra os fun­dos da lo­ja, on­de sen­ta­mos so­bre al­mo­fa­das co­lo­ri­das dis­pos­tas so­bre um gran­de ta­pe­te. O ga­ro­to vol­tou pou­co de­pois, tra­zen­do chá de hor­te­lã, san­duí­ches de quei­jo e con­fei­tos açu­ca­ra­dos. O mar­ro­qui­no era ago­ra ou­tra pes­soa, sim­pá­ti­co e cor­di­al. De­pois de con­ver­sar­mos so­bre vá­ri­os as­sun­tos, ele me dis­se: “Vo­cê ne­go­ci­ou co­mi­go co­mo um ver­da­dei­ro árabe, co­mo al­guém que co­nhe­ce o sen­ti­do ocul­to do ne­go­ci­ar. É por is­so que ago­ra po­de­mos nos con­si­de­rar ami­gos, por­que an­tes sou­be­mos eli­mi­nar nos­sas diferenças atra­vés do com­ba­te e che­gar a um acor­do bom pa­ra nós. Re­sol­vi con­vi­dá-lo pa­ra o chá de hor­te­lã por­que é com es­se chá que nós, mar­ro­qui­nos, ce­le­bra­mos al­go que de­ve vir de­pois de qual­quer com­ba­te, e que é ain­da mais im­por­tan­te do que ele: o des­can­so e a con­fra­ter­ni­za­ção.”

En­cheu no­va­men­te mi­nha xí­ca­ra e con­tou-me uma his­tó­ria li­ga­da a seus an­te­pas­sa­dos, be­duí­nos do de­ser­to. Dis­se que o po­vo do de­ser­to vi­ve a la­bu­ta so­bre as arei­as es­cal­dan­tes, mas seu so­nho per­ma­nen­te é che­gar a um oásis pa­ra des­can­sar e de­va­ne­ar. É no oásis que o be­duí­no se re­en­con­tra con­si­go e com Deus, e por is­so mes­mo ele cos­tu­ma­va re­fe­rir-se a Deus co­mo “Oásis dos oásis”. Per­gun­tou se eu já ha­via es­ta­do num oásis e, an­te a ne­ga­ti­va, acon­se­lhou-me a ir. “Pe­ne­tre num de­les, pas­se al­gu­mas ho­ras me­di­tan­do. Nos oásis há uma con­cen­tra­ção de ener­gi­as es­pe­ci­ais. Quan­do es­ta­mos lá, qui­e­tos, em re­pou­so e me­di­ta­ção, es­sas ener­gi­as nos im­preg­nam e se con­cen­tram den­tro de nós. É co­mo se elas cri­as­sem em nos­so in­te­ri­or uma ré­pli­ca ener­gé­ti­ca do oásis fí­si­co em que es­ta­mos. Es­se oásis irá con­si­go pa­ra on­de vo­cê for. Quan­do vo­cê es­ti­ver no mun­do da con­fu­são dos sen­ti­dos e da men­te, e se sen­tir exaus­to e per­di­do, re­co­lha-se e ati­ve na me­mó­ria a ima­gem do

oásis que vi­si­tou. Is­so mo­bi­li­za­rá as ener­gi­as do oásis in­ter­no, e com a aju­da de­las se­rá fá­cil re­con­quis­tar a cal­ma, a se­re­ni­da­de, a con­fi­an­ça em vo­cê mes­mo e no sen­ti­do do seu des­ti­no.”

EX­PE­RI­ÊN­CIA INES­QUE­CÍ­VEL

Anos de­pois, co­mo jor­na­lis­ta, vol­tei ao Mar­ro­cos e vi­si­tei um oásis em Ou­ar­za­za­te, na bei­ra do de­ser­to do Sa­a­ra. A ex­pe­ri­ên­cia foi ines­que­cí­vel, as­sim co­mo to­das as vi­vên­ci­as que mo­di­fi­cam nos­sas es­tru­tu­ras in­te­ri­o­res. Mu­ni­do de uma re­fei­ção à ba­se de tâ­ma­ras, pão e quei­jo, em­bre­nhei-me na flo­res­ta de pal­mei­ras em bus­ca de um can­ti­nho so­li­tá­rio pa­ra re­cos­tar. En­con­trei o can­ti­nho, mas ele na­da ti­nha de so­li- tá­rio: em to­da par­te a vi­da sil­ves­tre pu­lu­la­va. Vi uma enor­me va­ri­e­da­de de pás­sa­ros, in­se­tos e la­gar­tos que ti­ram seu sus­ten­to da­que­le mi­cro­cos­mo pa­ra­di­sía­co. Tal­vez de­vi­do ao con­tras­te en­tre a se­cu­ra e a lu­mi­no­si­da­de do de­ser­to e o fres­cor acon­che­gan­te à som­bra das ta­ma­rei­ras, per­ce­bi que em ra­ros ou­tros lu­ga­res do mun­do me sen­ti­ra tão bem aco­lhi­do, pro­te­gi­do e acei­to. Era co­mo vol­tar ao abri­go de um úte­ro da na­tu­re­za, on­de tu­do es­ta­va per­fei­ta­men­te em or­dem, paz e ale­gria.

Pou­co a pou­co, em re­pou­so e me­di­ta­ção, sen­ti as tais “ener­gi­as es­pe­ci­ais” im­preg­nan­do-me o cor­po, o co­ra­ção, a men­te e a me­mó­ria vi­su­al. Até sen­tir que en­tre meu ser e aque­le nú­cleo de vi­da con­cen­tra­da qua­se não ha­via diferenças. O oásis men­tal já es­ta­va im­pres­so na mi­nha men­te, um re­cin­to sa­gra­do in­te­ri­or com­pa­rá­vel ao que ou­tras pes­so­as cri­am em seus pen­sa­men­tos, no qual elas en­con­tram qui­e­tu­de, so­li­dão e o sen­ti­men­to de har­mo­nia com a na­tu­re­za e a exis­tên­cia.

Tem­pos de­pois, con­ver­sei com um ami­go ju­deu que, saí­do de um em­pre­en­di­men­to que lhe con­su- mi­ra anos de vi­da e de es­pe­ran­ças, mer­gu­lha­ra nu­ma car­rei­ra de al­to ris­co no mer­ca­do de ca­pi­tais. Àque­la al­tu­ra, es­ta­va pres­tes a ex­plo­dir, es­go­ta­do fí­si­ca e psi­co­lo­gi­ca­men­te.

Se bus­car a pros­pe­ri­da­de é, em si, uma meta le­gí­ti­ma, por que per­se­gui-la com ta­ma­nho afin­co po­de ame­a­çar a saú­de e a fe­li­ci­da­de? Nos­sa con­clu­são du­ran­te a con­ver­sa: por cau­sa do ex­ces­so de des­me­su­ra, da ex­ces­si­va va­lo­ri­za­ção de um as­pec­to mas­cu­li­no, ati­vo, da vi­da, “yang”, em de­tri­men­to do as­pec­to re­fle­xi­vo, fe­mi­ni­no, “yin”.

A IM­POR­TÂN­CIA DO SABÁ

Con­tei-lhe mi­nha ex­pe­ri­ên­cia do oásis, que lhe lem­brou al­guns va­lo­res da tra­di­ção ju­dai­ca. O sabá, por exem­plo, que sim­bo­li-

za o des­can­so após o tra­ba­lho. No Ve­lho Tes­ta­men­to, o sé­ti­mo dia exi­ge a ces­sa­ção das ati­vi­da­des, pois é o dia con­sa­gra­do a Je­o­vá. Segundo o Li­vro do Gê­ne­sis, no sé­ti­mo dia Deus con­cluiu sua obra e des­can­sou. Es­se des­can­so im­pli­ca uma san­ti­fi­ca­ção, pois o sabá sig­ni­fi­ca um tem­po con­sa­gra­do a Deus. Is­so se re­fe­re aos ho­mens e a to­dos os se­res vi­ven­tes – “o boi e o ju­men­to tam­pou­co de­vem tra­ba­lhar”. A lei do re­pou­so sa­bá­ti­co tem re­fle­xos in­te­res­san­tes na vi­da de al­gu­mas co­mu­ni­da­des mo­der­nas. Uni­ver­si­da­des ame­ri­ca­nas, por exem­plo, cri­a­ram a ins­ti­tui­ção do “ano sa­bá­ti­co” pa­ra seus mem­bros. Pro­fes­so­res e pes­qui­sa­do­res têm o di­rei­to, a ca­da se­te anos de tra­ba­lho, de re­ti­rar-se por um ano, sem ter de man­ter con­ta­to com a ins­ti­tui­ção que os em­pre­ga. Os de­poi­men­tos con­ce­di­dos por aca­dê­mi­cos que fi­ze­ram anos sa­bá­ti­cos re­ve­lam fa­tos sur­pre­en­den­tes: foi nes­ses pe­río­dos que mui­tos de­les ti­ve­ram idei­as e per­cep­ções ino­va­do­ras, fi­ze­ram des­co­ber­tas ge­ni­ais, pas­sa­ram por mu­dan­ças de com­por­ta­men­to e de ati­tu­de pe­ran­te a vi­da e a pro­fis­são que re­sul­ta­ram em gran­des e be­né­fi­cas al­te­ra­ções na sua vi­da pes­so­al e pro­fis­si­o­nal.

O sabá, por­tan­to, de­sig­na um tem­po sa­gra­do em opo­si­ção ao tem­po pro­fa­no, ao qual com­ple­men­ta e equi­li­bra. Pa­ra os he­breus an­ti­gos, o des­can­so do sabá é tam­bém “hin­na-fe­ch” – “re­to­mar a al­ma”. Um des­can­so que não sig­ni­fi­ca so­men­te aban­do­nar to­do tra­ba­lho, mas sim ba­nir do es­pí­ri­to to­das as an­gús­ti­as e opres­sões in­te­ri­o­res: um des­can­so li­ber­ta­dor da al­ma. A al­ma que é, nos di­as atu­ais, a mais es­po­li­a­da, vi­li­pen­di­a­da e des­con­si­de­ra­da de to­das as par­tes fun­da­men­tais do ser hu­ma­no. E que é, con­tu­do, a úni­ca des­sas par­tes ca­paz de nos con­du­zir no mais im­por­tan­te de nos­sos caminhos: a re­li­ga­ção com nos­so ver­da­dei­ro eu e com Deus.

Pa­ra os po­vos do de­ser­to, oásis co­mo es­se de Umm al-ma, na Lí­bia, são sím­bo­los do des­can­so

Oásis pró­xi­mo a Ica, no Pe­ru: vi­da e aco­lhi­men­to em meio ao are­al

É no oásis que o be­duí­no se re­en­con­tra con­si­go mes­mo

Pe­río­dos sa­bá­ti­cos co­mu­men­te le­vam a pes­soa a ex­pe­ri­ên­ci­as que mu­dam pa­ra me­lhor sua vi­da pes­so­al e pro­fis­si­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.